Descarte de medicamentos -

Medicamentos descartados de forma incorreta contaminam o meio ambiente

O Brasil é o 6° mercado mundial em volume de medicamentos vendidos e se estima-se que, por ano, a população brasileira gere mais de 10 mil toneladas de resíduos de medicamentos, sejam vencidos ou que sobram de tratamentos. Não há, no país, um sistema adequado de descarte destes produtos.

Medicamentos descartados no lixo comum, além do risco de contaminação de pessoas, animais e do meio ambiente durante o transporte, ao ser descartado no aterro sanitário ou, em um lixão, contaminarão a atmosfera, o solo e o lençol freático.

O medicamento descartado no sanitário irá para uma estação de tratamento de esgoto ou a uma fossa séptica e poderá não ser inativado, considerando que muitos medicamentos não sofrem degradação por tratamento de esgoto convencional, retornando ao meio ambiente nesta forma ativa e contaminando o meio ambiente.

Estes resíduos podem retornar de diversas maneiras:

Por contaminar o lençol freático, retornam aos poços e as torneiras;

Se voláteis, retornam nas de gotículas de chuva e contaminam o solo e mananciais;

Se presentes na água de irrigação, contaminarão alimentos de consumo animal e humano;

Podem se espalharem por contaminação em forma de poeira, arrastados dos lixões pela ação dos ventos.

Como fazer correto:
Evite sobras de medicamentos: somente utilize medicamentos com indicação de um profissional. Peça orientação ao farmacêutico para comprar apenas a quantidade suficiente para o tratamento. Nunca interrompa ou prolongue o uso de um medicamento sem a devida orientação.

Busque um posto de coleta: na hora de descartar medicamentos vencidos ou fora de uso, procure um posto de coleta. Há farmácias, drogarias, postos de saúde e hospitais que prestam este serviço. Eles dispõem de coletores ou máquinas próprias para coleta.
Informe-se sobre os postos de coleta na Vigilância Sanitária de sua cidade ou pelo endereço eletrônico: www.descarteconsciente.com.br

 

Fonte: Cartilha distribuida pelo CFF

Comentários