• Deputado pede serviços da OI para Bom Jesus das Selvas

    O deputado Hélio Soares apresentou indicação à Mesa Diretora da Assembleia pedindo que o diretor de Relações Institucionais da OI no MA, Maurício Santos Lopes, mande ampliar a rede de telefonia móvel e melhorar a qualidade do sinal da operadora, no município de Bom Jesus das Selvas.

    O parlamentar espera que a OI reafirme sua política de expansão da operadora, no setor de comunicação ‘banda larga’, pois existe necessidade de universalizar o acesso aos serviços de telefonia móvel, com qualidade, no município de Bom Jesus das Selvas.

    No projeto de indicação, Hélio Soares chama a atenção da OI no Maranhão para que haja mais investimentos no Município de Bom Jesus das Selvas, de modo a reduzir as barreiras e melhorar a qualidade dos serviços, com investimentos em infraestrutura.

  • Recomendação do MPMA obtém revogação de processo seletivo

    Como resultado de Recomendação emitida pelo Ministério Público do Maranhão (MPMA), a Prefeitura de Bom Jesus das Selvas (a 452 km de São Luís) revogou, em 25 de abril, o Edital n° 01/2014, que tratava do processo seletivo simplificado para contratação temporária de professores, auxiliares de serviços gerais e vigias para o quadro municipal.

    A Recomendação, assinada pelo promotor Gustavo de Oliveira Bueno, titular da Promotoria de Justiça da Comarca de Buriticupu (da qual Bom Jesus das Selvas é Termo Judiciário), foi encaminhada, em 14 de abril, à prefeita, Cristiane Damião.

    No documento, o representante do MPMA, além da revogação do Edital, solicita o cancelamento das provas e entrevistas eventualmente já realizadas para a contratação dos profissionais.

  • Município vai indenizar família por erro médico

    O município de Bom Jesus das Selvas terá que pagar indenização de R$ 120 mil por danos morais, reparação por danos materiais e pensão mensal de um salário mínimo à família de um paciente que morreu no hospital público da cidade, vítima de choque anafilático. A decisão é da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA).

    A esposa e dois filhos do paciente ajuizaram ação de indenização, alegando que ele foi levado ao hospital municipal após sentir-se mal, em março de 2006, sendo encaminhado ao ambulatório para receber uma medicação injetável, falecendo 15 minutos após a administração do medicamento.