Política

Levantamento de Informações · 28/04/2021 - 19h38 | Última atualização em 29/04/2021 - 10h59

TCE: Promotora de Justiça aposentada e servidores do MPPI teriam tomado vacina antes do prazo

Figura na lista até uma analista ministerial de 32 anos. Técnicos do TCE sugerem que o caso vá para o Ministério Público para tomada de providências


Compartilhar Tweet 1



Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

_Sede do Ministério Público do Piauí (Foto: Divulgação)  
_Sede do Ministério Público do Piauí (Foto: Divulgação)   

Um relatório de levantamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PI), que diz haver indícios de fura fila na vacinação contra a Covid-19 no estado do Piauí, traz o nome de uma promotora de justiça aposentada, que teria 61 anos de idade, além de servidores do Ministério Público Estadual como que tendo sido vacinados no primeiro ciclo da vacinação contra o novo coronavírus no Piauí, quando da primeira dose, portanto, antes do prazo que o tornariam elegíveis ao imunizante no estado. 

O nome da promotora de justiça aposentada que consta de relação do TCE é o de Edna Barbosa de Almeida Melo. Na lista figura ainda o nome de um auditor de 57 anos, uma analista ministerial de 57 anos e até de uma analista ministerial de 32 anos. Os nomes constam da página 29 do relatório de levantamento, no Apêndice I. Segundo o documento, Edna Melo recebeu a dose inicial no dia 9 de fevereiro.

“Quanto ao cruzamento dos dados da folha de pagamento do Tribunal de Contas do Estado do Piauí  (TCE/PI), Poder Judiciário Estadual  (TJ/PI) e MPPI, constatou-se também a vacinação de 30 (trinta) pessoas que não possuem relação com a área de saúde e/ou que, pelo cargo/função exercido, há indícios de não atuarem na linha de frente COVID-19, conforme prioridade para o ciclo em análise e detalhados no Apêndice I”, traz trecho do relatório citando também outros órgãos do estado.

Segundo o relatório do TCE, a análise “levou em consideração exclusivamente o Plano Nacional de Operacionalização da vacinação contra a Covid-19”, além de “informes e notas informativas do Ministério da Saúde”.

Após o levantamento, técnicos do TCE responsáveis pelas informações sugerem que os inúmeros nomes - há de outros órgãos - sejam remetidos ao Ministério Público “para adoção das providências cabíveis”.

O Portal 180graus.com não conseguiu contato com a promotora aposentada Edna Barbosa de Almeida Melo para solicitar comentário.

O relator do processo que tramita no TCE é o conselheiro Olavo Rebelo. 

VEJA TAMBÉM:___________

- Relatório do TCE traz nome de secretário de Estado que teria furado fila da vacina da COVID-19

PÓS PUBLICAÇÃO:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Em nota Ministério Público diz que servidores vacinados atuam na linha de frente no combate à covid

Quanto à promotora de justiça aposentada, ela exerce função na Associação Piauiense de Combate ao Câncer, que administra o Hospital São Marcos

Comentários