Relatos também apontam que Demerval -

Pequena cidade de Lagoa do PI gasta R$ 6.400,00 com combustível a cada dia útil, diz denúncia

 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

   Marcello Casal Jr./Agência Brasil

CONTROLE SOCIAL

Uma comissão denominada de Comissão Independente de Acompanhamento e Controle Social do município de Lagoa do Piauí entregou ao Ministério Público Estadual (MP-PI) uma representação assinada por Camila Barbosa Sousa Oliveira requerendo à Promotoria de Justiça de Demerval Lobão apuração em supostos “indícios de irregularidade no uso de combustíveis pela prefeitura de Lagoa do Piauí”.

Segundo a denúncia, após análise de gastos referentes ao exercício de 2021, alguns valores chamaram atenção da comissão, uma vez que os gastos do município com aquisição de combustíveis corresponderiam a valores não condizentes com a realidade de Lagoa do Piauí, vez que fora constatado um valor total de R$ 1.666.886,33.

É relatado que durante o ano de 2021 não houve um único dia de aula presencial no município, mesmo assim a Secretaria Municipal de Educação de Lagoa do Piauí gastou o valor equivalente a R$ 245.611,18 somente com combustível e lubrificantes.

Os dados repassados ao MPE também informam que no âmbito da Secretaria Municipal de Saúde os gastos foram ainda maiores, haja vista que Lagoa do Piauí possui apenas 4.086 habitantes segundo dados do IBGE, contando com três ambulâncias que teriam consumido somente no ano de 2021 com combustível e lubrificantes a cifra de R$ 874.163,76.

A denúncia chega a afirmar que Demerval Lobão, município com quatro vezes mais habitantes que Lagoa do Piauí, utilizou R$ 58,89 com combustível por habitante, enquanto este outro teria gasto o equivalente a R$407,95.

Destacou também que se um ano tem mais ou menos 260 dias úteis, e dividindo o valor total gasto em combustíveis pelo número de dias úteis/ano, chegou-se a um valor médio de R$ 6.411,10 de gasto diário com combustível, o que se confirmado não condiz com a realidade do município de Lagoa do Piauí.

O Ministério Público apura o caso.

Comentários