MEC realiza contingenciamento · 07/05/2019 - 09h11

Maia cobra debate mais transparente sobre recursos para universidades federais


Compartilhar Tweet 1



O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), defendeu um diálogo mais aberto com a sociedade sobre a situação das universidades brasileiras, alvos de contingenciamento de recursos determinado pelo Ministério da Educação. Em entrevista, concedida durante visita ao Piauí para o Congresso das Cidades, avaliou que a medida quase no meio do ano letivo pode prejudicar os estudantes e disse que os recursos para a educação básica não podem ser confundidos com os da educação universitária.

— Acho que esse debate sobre o tamanho das universidades, ele pode acontecer. É legítimo. Agora, é preciso ser feito de forma transparente, de forma consistente. Acho que sair cortando sem um debate mais profundo sobre o que é gasto em cada uma das universidades é tratar casos diferentes de uma única forma. Talvez algumas universidades, por questão de autonomia, tenham gastos não necessários, mas têm outras que no fundo precisam de mais recursos — defende.

O deputado lembrou que é preciso cuidado para não fazer um movimento que prejudique os jovens, e que apesar da necessidade de mais recursos para a educação básica, não dá para confrontá-los com o que é destinado para o ensino nas universidades.

— O governo precisa fazer esse debate um pouco mais para fora, para a sociedade. Para ver esses números. E ao longo dos anos ver se tem algum gasto excessivo ou não. O que não pode é estar quase no meio do ano letivo e isso acabar prejudicando os alunos do ensino universitário brasileiro — justifica.

O contingenciamento bloqueou em média 30% dos recursos para as universidades e institutos federais de educação no país, sob a justificativa de adequar o orçamento ao teto de gastos. Na universidade do Rio de Janeiro, por exemplo, foram bloqueados R$ 114 milhões em verbas.

Situação no Piauí

Nesta terça-feira (07) o reitor da Universidade Federal do Piauí, José Arimatéia Dantas Lopes, concedeu entrevista coletiva para tratar da situação da instituição diante do contingenciamento. Ele justifica que se a situação não for reconsiderada pelo governo, pode ficar impossível concluir o ano.

— Não temos mais de onde tirar recursos, de onde fazer ajustes, estamos poupando ao máximo — disse na entrevista, que foi transmitida ao vivo na página da UFPI no Facebook.

Apesar dos cortes, o reitor disse que no momento não há previsão de cortes de nenhum tipo de bolsa, mas admitiu que os ajustes de uma forma ou outra vão interferir nas atividades acadêmica.


Comentários