Política

Onipresentes · 21/05/2020 - 19h07 | Última atualização em 21/05/2020 - 19h58

Prefeitura de Esperantina admite à CGU que empresas alvos da Polícia Federal forneciam mesmos carros

“Segundo a Secretaria de Educação, os mesmos veículos utilizados nos serviços prestados pela C2 Transportes foram os utilizados pela RJ", diz CGU


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

CONTRATOS P'RA LÁ DE SUSPEITOS

No ano de 2017, a Prefeitura de Esperantina acabou por contratar uma empresa de transportes escolar que viria a ser alvo da Operação Topique, deflagrada pela Polícia Federal, e por dispensa de licitação (n°042/2017), em meio a incapacidade da Secretaria de Educação do município em tocar, a contento, a licitação (Pregão Presencial n° 034/2016) que contrataria dentro das conformidades uma empresa ou empresas para o serviço, conforme noticiado pelo Blog Bastidores, do 180, com matéria cujo título foi: “EXCLUSIVO: relatório da CGU revela atuação de alvos da Polícia Federal na Prefeitura de Esperantina”

O que o relatório da Controladoria Geral da União (CGU) também mostra é que em meio a essa trapalhada de um governo reeleito - ocorrida ali entre os anos de 2016 e 2017 -, diante de uma licitação que demorou por culpa da própria gestão e diante da necessidade de prestar serviços de transporte escolar desencadeada pelo início das aulas, a prefeitura acabou por firmar um contrato cheio de suspeitas e possíveis irregularidades com a C2 Transportes e Locadora Eirelli, que por sua vez, usava os mesmos carros daquela que viria a ser futuramente a vencedora da licitação atrapalhada (Pregão Presencial n° 034/2016): a RJ Locadora de Veículos Ltda. 

Traz o documento da CGU: “Segundo a Secretaria de Educação, os mesmos veículos utilizados nos serviços prestados pela C2 Transportes e Locadora Eireli foram os utilizados pela empresa RJ Locadora de veículos Ltda., em 2017 e 2018”. 

DIANTE DAS SUSPEITAS, MAIS SUSPEITAS

O pior, os veículos, ao que parece, não foram vistoriados. A prefeitura diz que fez as vistorias, mas não apresentou os documentos. Já a C2 diz que os documentos estavam com a Polícia Federal, vez que tinha realizado busca e apreensão na sede da empresa.

Interessante é que conforme pode se inferir da matéria “EXCLUSIVO: relatório da CGU revela atuação de alvos da Polícia Federal na Prefeitura de Esperantina”, enquanto uma ajudava a protelar um certame licitatório, com ajuda até da própria prefeitura, outra empresa, que usava os mesmos carros, agora se sabe, firmava contrato por dispensa com a administração pública gerida pelo governo de Vilma Amorim, do PT, sob o pretexto da necessidade dos serviços. 

Vestígios, portanto, de onipresença, independente das circunstâncias.

VEJA INTERESSANTES TRECHOS DO RELATÓRIO DA CGU:______

MAIS FALHAS

O documento sustenta ainda que "houve falha da Comissão Permanente de Licitação (CPL) em face do retardamento do andamento do processo Pregão Presencial n° 034/2016, em 61 dias, contribuindo para a prorrogação irregular do contrato de dispensa n°042/2017 (feito com a C2), cujos valores contratados foram superiores aos do Pregão Presencial n° 034/2016", no qual sagrou-se vitoriosa a RJ, que usava os mesmos carros da C2, segundo a própria Prefeitura de Esperantina.


Comentários