Sintonizar rápido as redes sociais -

Equipe de Lula quer sintonizar comunicação do governo com agilidade da internet

A comunicação do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) precisará se sintonizar com a rapidez das redes sociais, ampliar o monitoramento das conversas na internet, criar uma estratégia de distribuição de informações articulada com ministros e deputados e intensificar a relação com influenciadores digitais, segundo diagnóstico do grupo de transição para a comunicação social do petista.

Foto: Ladeira/Folhapress

O principal desafio que está sobre a mesa da equipe é montar um plano que modernize a comunicação petista e coloque integrantes do governo como interlocutores no debate público.

"Bolsonaro criou o método do cercadinho e as lives de quinta-feira. O estilo de Lula é outro e não se pode esperar que seja um Janones", diz João Brant, ex-secretário executivo do Ministério da Cultura, que coordena o grupo técnico de comunicação social.

"Será preciso criar capacidade de compreender o que acontece e reagir em tempo real, criar uma estrutura para girar em uma nova frequência."

Segundo Brant, o grupo discute como conciliar a impessoalidade exigida da administração pública com a necessidade de ter uma comunicação de redes sociais que gere engajamento.

"É preciso estar preparado para uma campanha permanente, que é como se dá a comunicação hoje, mas mantendo a institucionalidade da comunicação, que não pode ultrapassar algumas linhas", diz.

"Ao mesmo tempo, se a comunicação do governo for puramente institucional, oficial, não vai viralizar, nem terá grande alcance."

O combate à desinformação também está nas discussões, mas ainda não há um modelo concreto de proposta e a equipe tem evitado divulgar informações a respeito devido à sensibilidade do tema.

O grupo é responsável por analisar a situação de áreas como a EBC (Empresa Brasileira de Comunicação) e a Secom (Secretaria de Comunicação Social) –desta última parte a estratégia de comunicação do governo federal.

Além de Brant, a equipe tem nomes como Helena Chagas, ex-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Manuela d'Ávila, ex-deputada federal (PC do B-RS), o deputado federal André Janones (Avante-MG) e o cientista político Emir Sader, militante histórico do PT.

Outro grupo, o GT de Comunicação, cuida de propostas para regulação de internet, universalização do acesso a banda larga e radiodifusão. É coordenado pelo ex-ministro do Planejamento e das Comunicações Paulo Bernardo.

Conforme antecipou a Folha, o grupo propôs a criação de uma Secretaria de Serviços e Direitos Digitais nos primeiros cem dias do governo Lula.

Nesse período, o grupo também propõe a apresentação ao Congresso de projeto de regulação da internet semelhante às leis aprovadas na União Europeia, a Lei dos Serviços Digitais (DSA, na sigla em inglês) e a Lei dos Mercados Digitais (DMA, na sigla em inglês).

As plataformas de internet receberam as propostas com bastante preocupação.

A atuação polêmica de Janones nas redes, que funcionou como uma máquina de propaganda antibolsonarista e sensacionalista no fim da campanha do petista, não será replicada de modo institucional, apesar de suas contribuições à equipe de transição.

Alguns elementos do estilo Janones, no entanto, foram bem-vindos, como a capacidade de gerar intimidade com o público e a intensidade de publicações na internet. "Mas, obviamente, nem o Janones defende que seu estilo de comunicação seja o modelo para a Secom", afirmou Brant.

O que o grupo pretende fazer se assemelha, em parte, com a estratégia da equipe do deputado federal eleito Guilherme Boulos (PSOL-SP) na campanha, que criou o que chamava de "gabinete do amor", a criação e a distribuição de conteúdos para pautar o debate e não ficar refém da máquina digital bolsonarista.

O idealizador da bem-sucedida estratégia digital de Boulos foi o cineasta Gabriel Gallindo, o Gallo, que já havia conseguido galvanizar a militância digital orgânica na campanha do psolista para a Prefeitura de São Paulo, em 2020.

Gallo, que foi estrategista também da campanha de reeleição da deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ), foi integrado à campanha de Lula em julho deste ano. Mas, em meio a disputas internas por espaço, acabou se concentrando em Boulos e Petrone.

O governo de Dilma Rousseff (PT) teve uma comunicação engessada na internet, demorando a adotar análises e monitoramento de redes sociais e sem uma presença constante para se comunicar com a população.

O mandato de Jair Bolsonaro (PL), por outro lado, ficou conhecido por uma grande articulação em grupos de WhatsApp e Telegram, além do chamado gabinete do ódio, responsável por fazer circular fake news e ataques pessoais em escala.

PostMídia: (86) 9 9547-8622

Comentários