"Situação estarrecedora" · 13/05/2020 - 09h15 | Última atualização em 13/05/2020 - 09h42

Covid-19: em meio à pandemia, enfermeiros atendem idosos com luva de sacola


Compartilhar Tweet 1



    IMAGENS CEDIDAS AO METRÓPOLES

Máscaras de tecido e luvas de saco plástico. Foi assim que uma equipe de fiscalização do Conselho Regional de Enfermagem do Distrito Federal (Coren-DF) encontrou profissionais trabalhando na última semana. O grupo é contratado pela empresa Prime Home Care, que tem convênio com a Secretaria de Saúde do Distrito Federal. As informações são do Metrópoles.

O Coren-DF definiu a situação como “estarrecedora e digna de intervenção imediata” em meio à pandemia do novo coronavírus.

Sem equipamentos de proteção individual (EPIs) para atuar, os enfermeiros são obrigados a realizar procedimentos como banho, troca de fraldas, higienização íntima, administração de medicamentos, aspirações, punção venosa, administração de dieta via gastrostomia e demais atividades com luvas plásticas e máscaras de pano caseiras. De acordo com as denúncias, nem mesmo um avental é fornecido.

Segundo o Coren-DF, a empresa alegou que não conseguiu fazer as aquisições no mercado por causa da alta procura e escassez de matéria-prima. Assim, iniciou fabricação própria dos itens de proteção.

Entretanto, a fiscalização constatou que o material utilizado é impróprio, está em desacordo com as normas de segurança vigentes e não confere proteção ao profissional nem ao paciente.

Ao Metrópoles, uma funcionária revelou que os familiares dos pacientes estão comprando os equipamentos. “Nos atendimentos ao meu paciente, a família compra tudo e anotamos o que foi fornecido por eles. A situação está muito precária”, relatou.

“Os colegas fazem as visitas com luvas de plástico, sem avental e com uma fina máscara de tecido artesanal. Coloca não só a nossa saúde em risco, mas a dos pacientes, que já estão debilitados e são do grupo de risco da Covid-19”, disse.

O presidente do Coren-DF, Marcos Wesley, afirmou que as alegações da empresa não justificam a situação de descaso em relação à equipe de enfermagem.

“A falta de critérios e cuidado é evidente. Nem das máscaras de pano estão cuidando: entregam para a própria família do paciente lavar e entregar ao profissional. O fornecimento de luvas de saco plástico é um absurdo”, destacou.

Após a fiscalização, a empresa chegou a se comprometer com o conselho no sentido de regularizar a situação. No entanto, até a segunda-feira (11/05), os profissionais continuavam trabalhando de forma precária. O Coren-DF assegurou que vai tomar medidas jurídicas urgentes para proteger a vida dos profissionais.

A empresa tem convênio de R$ 21 milhões com o Governo do Distrito Federal e atende uma unidade em Ceilândia voltada para pacientes em estado terminal.

O que dizem a secretaria e a empresa

A Secretaria de Saúde informou que possui contrato com a Prime para serviço de atenção domiciliar de alta complexidade. A pasta esclareceu que a responsabilidade de fornecer os EPIs de qualidade para os profissionais é da própria empresa, já que não há previsão desse fornecimento, por parte da secretaria, no objeto do contrato.

A reportagem ligou para a Prime na segunda-feira (11/05), e uma secretária pediu para o contato ser feito mais tarde. Em novo telefonema, outra pessoa solicitou que uma ligação fosse feita na manhã desta terça (12/05). Pela manhã, foi novamente requerido que a reportagem voltasse a procurá-los pela tarde, o que também foi feito, sem sucesso. Até a última atualização deste texto, a empresa não havia se posicionado. O espaço segue aberto para manifestações.

Denúncias

O Departamento de Fiscalização (Defis) do Coren-DF, responsável por observar as condições de trabalho de enfermeiros, técnicos e auxiliares na linha de frente do combate à Covid-19, já recebeu 100 denúncias de irregularidades entre março e abril.

As principais queixas são sobre falta de EPIs e outras irregularidades, que prejudicam o atendimento aos pacientes. A partir desses chamados, foram realizadas 32 fiscalizações operativas e 87 apurações analíticas.

O Defis também fez 342 atendimentos por telefone e 415 suportes via o serviço Fale Conosco ou por e-mail, durante a pandemia. Foram expedidos 73 ofícios para cooperativas e empresas de home care, com esclarecimentos e orientações técnicas.


Comentários