Blog do Poeta Elmar · 16/07/2010 - 21h02

O PIAGÜÍ – UM JORNAL CULTURALISTA

O PIAGÜÍ – UM JORNAL CULTURALISTA


Compartilhar Tweet 1



ELMAR CARVALHO

\"\"

Recebi o jornal culturalista O Piagüí, ano III, nº 33, cujos diretores de conteúdo são Daniel Castelo Branco Ciarlini e Claucio Ciarlini Neto. Admiro sua linha editorial. Noto que é desprovida de interesses menores, alheia a ciúmes de grupo, e sobretudo tenho observado que os seus diretores não são obsessivamente ciosos de suas próprias produções; ao contrário, sabem reconhecer o valor dos outros, sem importar a que gerações pertençam. Até mesmo escritores já falecidos e um tanto esquecidos tem sido lembrados em suas páginas. Tenho visto o esforço desse órgão de comunicação em preservar a memória histórica do Piauí, através de matérias que sintetizam a história de vários municípios, assim como outras que tem divulgado os sítios arqueológicos e espaços culturais de nosso estado. Em suas folhas tem sido estampados contos, crônicas e poemas, além de pequenos ensaios e entrevistas. O periódico tem envidado notável esforço em preservar a lembrança dos homens ilustres do Piauí e de Parnaíba, que se destacaram nos mais diferentes campos da atividade humana, seja empresarial, político, cultural, artístico ou literário. Considero os que fazem O Piagüí, tanto o jornal impresso como o portal de mesmo nome, como jovens idealistas, despojados de mesquinhas vaidades, egoísmos e egolatrias, que através da arte e da cultura buscam um mundo melhor, mais justo e mais fraterno. Inevitavelmente, observados a contextualização histórica, as idiossincrasias de cada componente, a grande diferença tecnológica dos dias atuais e a dos anos 70 e 80 do século passado e o regime político de então e de hoje, comparo esses moços de boa vontade aos que fizeram o jornal Inovação, pela força de vontade, abnegação e idealismo. Muitos dos componentes de ambos os jornais são ou foram literatos - contistas, cronistas, ensaístas e poetas. Dentro da realidade parnaibana, é como se, simbolicamente, os “inovadores”, na corrida de revezamento da vida e das gerações, tivessem passado o fogo sagrado da cultura e do idealismo aos “piaguienses”. Para mim, com sinceridade devo confessar, a equipe do Piagüí é a mais brilhante geração surgida após o Inovação, sobretudo porque infensa a radicalismos e individualismos tacanhos e improdutivos.

(*) Texto desentranhado do Diário Incontínuo, que venho publicando no meu blog http://poetaelmar.blogspot.com