Ação da Polícia Militar · 21/04/2020 - 12h29

'Pedi para folgarem as algemas e zombaram de mim', diz comerciante preso em Teresina


Compartilhar Tweet 1



O Sam Post conversou na manhã desta terça-feira (21) com o empresário Marcos de Sales. Ele foi um dos assunto mais comentados durante todo o dia de ontem, por ter sido vítima de uma ação arbitrária de fiscalização do decreto de isolamento em sua loja localizada no bairro Parque Piauí, zona Sul de Teresina.

O empresário relatou ao Sam Post que está com alguns hematomas pelo corpo, mas se recupera bem. Ele aguarda orientação jurídica de como proceder nesse caso. Os vídeos que circularam na cidade e ganharam repercussão nacional, inclusive ao ser postado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro em suas redes sociais, ganharam centenas de compartilhamentos e comentários. As imagens, feitas durante a ação, mostram agentes da Guarda Municipal de Teresina e policiais da Polícia Militar do estado do Piauí agindo com truculência. Para piorar a situação, Marcos foi algemado e recebeu um mata-leão, golpe usado com intuito de paralisar.

“Não lembro de muita coisa, tive que assistir os vídeos para recuperar algumas lembranças”, disse o empresário que afirma ter recuperado a consciência dentro da viatura da PM que o conduziu para a Central de Flagrantes. “Eu lembro que pedia para eles folgarem as algemas e os polícias zombaram de mim”, se emociona o empresário.

Carlos, questionado pelo Sam Post se haveria um culpado, afirmou que não consegue responder isso nesse momento.

“Estou me recuperando, não desejo isso que passei para ninguém”, afirma. Ele disse que aguarda conversar com seu advogado para saber que postura tomará adiante.

Tanto o secretário de Segurança do Piauí, Fábio Abreu, quanto o prefeito de Teresina, Firmino Filho, comentaram o caso em suas respectivas redes sociais.

Abreu, respondendo a um seguidor no Instagram, afirmou que “diante dos fatos, iremos averiguar todos os vídeos sobre o caso ocorrido, e reitero que nosso principal objetivo é garantir a proteção, segurança e paz social”.

Firmino usou seu Twitter para pedir desculpas e considerou o caso um “absurdo”.

 

Comentários