Caso gerou muita revolta · 23/09/2021 - 18h48

Estudante de Medicina é denunciado por estuprar várias meninas da sua família em Teresina


Compartilhar Tweet 1



Um estudante de Medicina é suspeito de abusar sexualmente de crianças, que são da sua família. A denúncia foi feita pela advogada mãe de uma das vítimas, que notou o comportamento diferente da filha de 12 anos, que revelou ter sido abusada pelo suspeito dos 5 aos 10 anos. Segundo informações da TV Cidade Verde, o agressor é primo da vítima, um jovem estudante de medicina de 22 anos.

Os crimes teriam acontecido em vários lugares e eventos em família. “Não era uma relação entre primos, era uma agressão né(…) não dava pra perceber, ele era um menino perfeito, não tinha nenhum defeito assim, aparentemente ele nem chegava perto, na nossa visão ele nem chegava perto porque ele tinha namorada", disse a mãe da primeira vítima em entrevista. 

A família mora na Zona Leste de Teresina e de acordo com a mãe, os estupros aconteciam principalmente na casa de familiares

De acordo com a denúncia, após a menina abrir o jogo, outras vítimas teriam se encorajado a falar. O estudante de medicina está sendo acusado também de violentar sexualmente duas outras outras primas adolescentes e as próprias irmãs, de 9 e 3 anos de idade.

Por meio das redes sociais, o jovem informou, após a denúncia vir à tona, que não está foragido, nem se escondendo, acrescentou que mora em Manaus (AM) há dois anos por causa dos estudos, cita ainda que as autoridades competentes tem os dados necessários para o notificarem quando necessário.

O advogado contratado pela família da primeira vítima defende a prisão do investigado: “Importantíssimo que seja efetivado pelas autoridades policiais e o Ministério Público o pedido de prisão preventiva nesse presente caso, para resguardar a ordem jurídica e o devido processo legal diante o momento do inquérito”, disse o advogado Rodrigo Araújo.

A denúncia foi formalizada na polícia dia 31 de agosto, o caso está sendo investigado pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente.

Confira a reportagem completa:

 

Comentários