Menor teria feito disparo · 03/05/2016 - 10h29 | Última atualização em 03/05/2016 - 10h39

Após dois meses internada, morre a travesti baleada por amiga no Corso

Após dois meses internada, morre a travesti baleada por amiga no Corso


Compartilhar Tweet 1



Morreu na madrugada desta terça-feira (03/05), a travesti Pâmella Leão, baleada após o Corso de Teresina, no dia 30 de janeiro deste ano, próximo aos quiosques que ficam em frente ao Riverside Shopping.

A confirmação foi da própria direção do Hospital de Urgência de Teresina, onde ela esteve internada por dois meses. A travesti apresentou falência múltipla dos órgãos por volta de meia noite, na Unidade de Terapia Intensiva.

Rony Pablo Sousa da Silva, seu nome de nascimento, faria 21 anos em agosto e teria apresentado melhoras durante sua internação, mas foi necessário colocar um dreno na sua cabeça, após apresentar hidrocefalia.

Após essa cirurgia ela não saiu mais do coma e foi ficando cada vez mais debilitada. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal, onde passou por perícia.

Pâmella teria sido atingida por um disparo efetuado por outra travesti, que é menor de idade, enquanto dançava a música 'metralhadora'. Segundo informações, elas haviam encontrado a arma no local e brincavam com ela quando houve o tiro.

A arma usada pertencia a um sub-tenente, que disse ter perdido o revólver no dia do Corso.

O caso encontra-se na Delegacia do Menor Infrator, onde a travesti de 16 anos é acusada agora de lesão corporal grave, seguida de morte.