Política

A farsa da fundação · 07/07/2019 - 15h19 | Última atualização em 07/07/2019 - 16h52

Notas falsas: Tribunal de Contas decide que FCAMC deve devolver R$ 1,6 milhão

Corte também decidiu que o caso seja comunicado à Procuradoria Geral de Justiça


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

Lima da Creche era o presidente da FCAMC. Ele faleceu em novembro de 2017
_Lima da Creche era o presidente da FCAMC. Ele faleceu em novembro de 2017 

Defendida, no passado, frise-se, por vários políticos do Piauí, que alocavam milhões de reais em emendas parlamentares, a Fundação de Apoio ao Menor Carente (FCAMC) terá que devolver em valores atualizados R$ 1,6 milhão, sob a acusação de ter apresentado notas falsas para justificar os gastos oriundos do uso do dinheiro público.

A fundação havia formulado parceria suspeita com a Secretaria do Trabalho, através de convênio, para a "promoção de ações de incentivo e capacitação ao empreendedorismo feminino nos seguintes municípios: Teresina, Piripiri, Oeiras, Elesbão Veloso, Palmeirais, São Gonçalo, Picos, Cajazeiras e Colônia do Piauí". Ocorre que quando da prestação de contas, a FCAMC apresentou notas fiscais inidôneas. A fundação não tinha estrutura.

O responsável pela FCAMC era Raimundo Gomes de Lima, o Lima da Creche, que dizia ter inúmeros amigos nos mais variados espectros políticos e até na polícia, e chegava a angariar milhões de reais em emendas, com aquilo que chamava de "influência".

____________

Veja ainda: Conselheiro do TCE propõe grupo para discutir a farra das emendas parlamentares no Piauí
______________________

EMPRESA CERQUEIRA E SOARES LTDA

Na decisão conjunta dos conselheiros da Corte de Contas foi determinado que não só a FCAMC como a empresa Cerqueira e Soares Ltda, que atuou no caso, também seja responsabilizada e devolva a dinheirama.

A Cerqueira e Soares Ltda tem endereço localizado no Conjunto Joaquim Pedreira, em Timon, no Maranhão. Muitas das notas fiscais inidôneas partiu, inclusive, da prefeitura do município vizinho, segundo dados de relatórios do próprio TCE.

Entre outras medidas adotadas pela Corte, o caso também deve ser encaminhado à Procuradoria Geral de Justiça (PGJ) para as devidas providências que acharem cabíveis. 

O presidente da FCAMC, Lima da Creche, faleceu em novembro de 2017.

Possível herança deixada pelo então gestor da fundação agora está em risco.

VEJA AINDA:_____________

Caso FCAMC: associação suspeita de corrupção era queridinha dos políticos

- EXCLUSIVO: relatório expõe o uso de 'notas falsas' pela polêmica FCAMC, que recebeu milhões de reais 


Comentários