Política

As suspeitas sobre o PSC · 23/10/2020 - 17h36 | Última atualização em 23/10/2020 - 17h57

Candidato do PSC diz que recebeu verba do Fundo Partidário, mas que não tem domínio sobre o dinheiro

"Se virem (sic) perguntar se estou usufruindo desse dinheiro: outros podem estar usando, mas eu não peguei nenhum centavo desse dinheiro"


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

______________

ÁUDIO: "Essa conta está no domínio do financeiro aí do partido. Só pediram para colocar esse valor e tá no domínio dáá… do pessoal lá do partido, senha, tá tudo com eles"

_______________________

 

A PRIMEIRA VEZ DE CALEBE, POR ELE MESMO

"É MINHA PRIMEIRA CAMPANHA. EU NÃO SEI LIDAR COM ISSO"

Um candidato a vereador pelo PSC, Cabele Veras, na foto, em destaque, disse em áudio que recebeu R$ 48 mil do Fundo Partidário, mas que não tem domínio sobre o dinheiro e que não tinha inclusive senha para usufruir da quantia dada a ele pelo partido, tendo em vista a sua campanha. Calebe é publicitário, ligado à cúpula do PSC, que tem mando, tanto no âmbito municipal, quanto estadual, de Valter Alencar - alvo recentemente da Polícia Federal.

No áudio o candidato a vereador assim se porta: “Amigão, boa noite. Caiu um dinheiro no valor de R$ 48 mil, que eu não sabia qual era o valor que ia cair. Mas eu não tenho domínio sobre esse conta. Essa conta está no domínio do financeiro aí do partido. Só pediram para colocar esse valor e tá no domínio dáá… do pessoal lá do partido, senha, tá tudo com eles. Eu não quero nem acordo, meu amigo Fortes. Porque eu sei que a confusão é grande. Se virem (sic) me perguntar se eu estou usufruindo desse dinheiro, é sério, eu já tenho a resposta pronta para o que vier (sic) a me perguntar sobre esse dinheiro: outros podem estar usando, mas eu não peguei nenhum centavo, não estou usufruindo nenhum centavo desse dinheiro. Sério mesmo”, enfatizou. 

Ao telefone, já em contato com o Blog Bastidores, do 180, Calebe disse que é “crente”, “pai de família”, mas mudou a história, depois das tentativas de contato prévio com ele, através de WhatsApp, para tratar sobre as declarações acima. 

“As pessoas estavam me atacando, me ameaçando, pondo foto minha como um criminoso [nas redes sociais]. Eu não estou fazendo nada ilegal. Inclusive, o Chagas, que deve ter divulgado esse áudio, o Chagas estava me ameaçando", contou.

"Mas esse dinheiro está sendo usufruído”, falou, mudando a história.

“Me atacaram pessoalmente, me mandando áudio, me xingando, dizendo que eu fui privilegiado. Eu sou presidente do PSC Jovem”, voltou a justificar a primeira história.

Novamente indagado sobre a mudança de posicionamento, ele falou que “eu estava querendo me sair de uma situação, porque como é minha primeira campanha, eu não sei lidar com isso. E o pessoal estava me ameaçando, dizendo que me vendia por pouca coisa. Eu estava tentando me sair, com medo desse povo”.

Quanto à senha o candidato pelo PSC disse que quando da abertura da conta ele já recebeu uma senha sim e que vem gastando o dinheiro. Além de que já teria uma primeira parcial de gastos, inclusive, e que tudo poderia ser conferido quando da prestação de contas. 

Também negou que seja funcionário do Hotel Porto Fino, informando que é publicitário, teria carreira própria.

Candidatos a vereadores pelo PSC suspeitam que há, nas palavras de alguns, um laranjal dentro do PSC.

A maioria deles recebeu somente R$ 2 mil para gastos com contador e advogado.

Instado a se manifestar, o partido até agora não respondeu a e-mail.


Comentários