Compartilhar Tweet 1



Em uma reunião da Comissão Nacional de Clubes, realizada nesta terça-feira (7), com presença da CBF, representantes de 37 clubes brasileiros das Séries A e B decidiriam iniciar estudos para a retomada do calendário do futebol do nacional. A iniciativa ainda é embrionária, mas há entre a maioria dos dirigentes o consenso de que não há alternativa: sem datas, não há receita, e o futebol brasileiro não estava preparado para sobreviver a uma paralisação de meses.

A ideia a partir de agora é iniciar contatos com representantes da comunidade médica para estudar uma forma segura de antecipar a volta das atividades. Isso passa por pelo menos um ou dois meses de jogos com portões fechados e protocolos rígidos: testes nos atletas estão em debate, assim como a realização de jogos com participação de no máximo 20 a 30 pessoas para além dos 22 jogadores que estiverem atuando.

O plano é estabelecer diálogo com autoridades, inclusive com o Ministério da Saúde, para realizar tudo seguindo as indicações e políticas de combate ao coronavírus. Também haverá reuniões de clubes com as federações estaduais para começar a estudar as diretrizes. Os jogadores estão de férias até o dia 21 de abril.

Algumas das federações, inclusive, já começaram a esboçar protocolos. A Federação do Rio de Janeiro é uma delas. O UOL Esporte teve acesso a alguns detalhes: entidade carioca propõe que cada clube elabore uma lista de 40 pessoas essenciais para as atividades nos dias de jogos, com exclusão de pertencentes a grupos de risco, e está providenciando testes rápidos para o coronavírus para os dias 27 a 30 de abril. A federação também pediu sugestões de protocolos aos médicos dos clubes filiados.

O pontapé inicial não será, entretanto, dado sem o "ok" das autoridades federais e estaduais. Existe a expectativa de que, a partir do início dos diálogos, seja estabelecido um protocolo específico para as partidas de futebol, que seria seguido à risca.

Em termos de calendário, a prioridade é terminar os campeonatos estaduais - a CBF já garantiu às federações que eles serão priorizados quando houver o retorno às atividades. Ainda não há um plano definido para o Campeonato Brasileiro. Isso dependerá da realização ou não da Libertadores e da Sul Americana por parte da Conmebol e do número de datas que restarem disponíveis.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



Um dia depois de levar uma advertência do Tottenham por descumprir o isolamento adotado pelo governo britânico para tentar conter a pandemia do novo coronavírus, o técnico José Mourinho reconheceu publicamente que errou.

"Aceito que minhas atitudes não estão de acordo com o protocolo do governo e nós devemos ter contato apenas com pessoas da nossa casa. É vital que cada um faça seu papel e siga as regras do governo para apoiar nossos heróis da NHS e salvar vidas", disse o técnico.

A bronca de terça (7) se estendeu aos atletas Davinson Sánchez, Tanguy Ndombele e Ryan Sessegnon. O treinador português foi fotografado em um parque de Londres treinando com Sessegnon, enquanto Ndombele e o colombiano Sánchez corriam juntos em outro local.

O clube reiterou a eles a importância de respeitar o distanciamento social nesse momento. "Todos os nossos jogadores foram lembrados de que medidas de distanciamento social devem ser respeitadas quando se exercita fora de casa", disse um porta-voz do Spurs. "Continuaremos insistindo nessa mensagem", acrescentou.

Nesta pausa da Premier League, que ainda não tem data para ser reiniciada, o Tottenham foi criticado por recorrer ao plano do governo de pagar com fundos públicos até 80% do salário de seus funcionários que estão suspensos do trabalho, já que o presidente do clube, Daniel Levy, arrecadou sete milhões de libras (8,7 milhões de dólares) na última temporada.

Na terça, o Reino Unido registrou 786 mortes a mais causadas pela Covid-19, um recorde diário desde o início da contabilização, elevando o total de vítimas para 6.159. Os casos confirmados de infecção, na comparação com o último boletim, aumentaram em 3.634 -com isso, são 55.242 no geral. Houve a realização de testes de diagnóstico em 213.181 pessoas, segundo o Ministério da Saúde local.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



O Observatório do Futebol do Centro Internacional de Estudos de Esporte (CIES, sigla em inglês) ranqueou o Campeonato Brasileiro como o terceiro, entre 87 ligas de primeira divisão do mundo, em que os clubes mais utilizam jogadores diferentes numa mesma temporada. Segundo o levantamento, que considera as edições de 2015 a 2019, cada time que disputou a Série A nacional no último ano mandou a campo, em média, mais de 35 atletas (35,55). A rotatividade no Brasileirão só é superada pelas registradas nas ligas paraguaia (38,72) e jamaicana (36,40).

Entre os clubes brasileiros, o Goiás é o que mais teve jogadores diferentes atuando no período: 143. O Esmeraldino é o 10º da lista, liderada pelo Deportivo Pasto (Colômbia), que levou a campo 176 atletas nos últimos cinco anos. Os times sul-americanos encabeçam o ranking: são 14 entre os 20 primeiros - Bahia (132) e Avaí (131) também integram esse top-20.

"O relatório mostra, claramente, quem é quem no ecossistema de cada país e no futebol mundial", explica à Agência Brasil o professor da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFE-USP), Ary Rocco Júnior. "Esses clubes que lideram a lista não são de grande poderio econômico, mas são menores do ponto de vista financeiro. A rotatividade nos elencos é alta porque são times que fornecem atletas a clubes mais ricos do próprio país, e até do resto do continente, no caso específico da Colômbia, ou para outros centros esportivos. Europa, de forma geral", descreve.

De fato, Palmeiras (91), Flamengo (92) e Corinthians (93) - justamente os campeões das últimas cinco edições do Brasileirão - são os clubes do país que menos jogadores diferentes utilizaram no período. "A gente vê que os times de maior rotatividade são os que não têm uma clara pretensão de ganhar campeonatos nacionais, então, sobrevivem da venda de atletas. Um atleta aparece e rapidamente é vendido. Isso justifica Palmeiras ou Flamengo terem uma variação menor. Reflete o posicionamento das agremiações", avalia Rocco Júnior, que também é diretor de Relações Institucionais da Associação Brasileira de Gestão do Esporte (Abragesp).

A rotatividade nas principais equipes brasileiras, porém, ainda é bem superior a de clubes grandes, ou mesmo medianos do futebol europeu, que estão na outra ponta do estudo. "O Brasil, hoje, é exportador de jogadores para a Europa, que é muito mais estruturada em gestão e que vê o futebol como negócio há bem mais tempo. Mesmo Flamengo ou Palmeiras ainda precisam vender atletas para recompor as finanças", analisa o professor. Ele destaca aindao Shangai SIPG (China) que apresentou menor alternância no elenco entre 2015 e 2019: 44 atletas, de acordo com o levantamento do CIES.

"É um caso significativo porque mostra a Ásia como outro mercado comprador de pé de obra, onde o dinheiro começa a circular, permitindo que os atletas fiquem lá por mais tempo. Então, o relatório mostra claramente essa geografia financeira", conclui o dirigente da Abragesp.

Rotatividade nos elencos brasileiros (2015 a 2019)*

Goiás: 143

Bahia: 132

Avaí: 131

Ceará: 130

Chapecoense: 129**

Vasco: 125

Fortaleza: 123

Fluminense: 121

São Paulo: 120

Internacional: 116

Athletico-PR: 114

Grêmio: 109

Botafogo: 107

Cruzeiro: 104

Santos: 97

Atlético-MG: 96

Corinthians: 93

Flamengo: 92

Palmeiras: 91

* O CSA, que no período chegou a ficar sem divisão nacional (2015) e só disputou a Série A em 2019, não entrou na estatística.

** O período engloba a remontagem do time da Chapecoense após o acidente aéreo de 2016 que vitimou 71 pessoas (19 atletas).


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Do apito ao termômetro · 08/04/2020 - 11h45

Igor Benevenutto atua como enfermeiro no combate ao coronavírus


Compartilhar Tweet 1



Durante a paralisação dos jogos, árbitro mineiro decidiu sair de casa por uma boa causa e coloca o ofício de formação em prática para atender enfermos em uma Unidade de Pronto Atendimento

Igor Benevenutto está trabalhando como enfermeiro na UPA de Sete Lagoas (MG)
Créditos: Arquivo Pessoal

Como boa parte da população mundial, Igor Junio Benevenutto viu seu trabalho ser afetado por conta da pandemia do coronavírus. Com a suspensão das partidas, o árbitro resolveu não ficar em casa neste período de quarentena, mas por uma causa bem nobre. O mineiro decidiu botar o ofício de formação em prática e, na última segunda-feira (30), começou a dar plantão na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade de Sete Lagoas (MG). Igor concluiu a graduação em enfermagem no ano de 2012 e, em meio a este crítico momento para a área da saúde, viu uma oportunidade de contribuir com a sociedade. 

O árbitro está trabalhando no turno da noite, das 19h às 7h, e, aos 39 anos, troca momentaneamente o apito e os cartões amarelo e vermelho por termômetros, agulhas e demais equipamentos médicos. Igor conta que a ideia de ajudar surgiu no momento em que a CBF anunciou o auxílio financeiro e os suportes teóricos, físicos e psicológicos aos árbitros para este período sem bola rolando. 

– A CBF conseguiu este apoio fundamental aos árbitros através do Presidente Rogério Caboclo e de todos da Comissão de Arbitragem. A partir deste momento, comecei a pensar em como eu poderia demonstrar a minha gratidão. Resolvi trabalhar como enfermeiro para manter esta rede de empatia e de ajuda. Estou contribuindo com o meu tempo, meu conhecimento técnico na área e meu talento. Acredito que ajudar o próximo é ajudar a si mesmo também. E a enfermagem é, justamente, esta arte de cuidar e ter atenção com o próximo, ajudar a salvar vidas e melhorar a condição de outras pessoas – declara o mineiro.

Mesmo sem estar em campo, Igor não pode desligar-se completamente da função de árbitro. Um dos desafios do mineiro poderia ser conciliar o trabalho na Unidade de Pronto Atendimento com os treinamentos. Mas ele revela que não está sendo nenhum problema manter a rotina da arbitragem no dia a dia. 

Igor Benevenutto se formou em enfermagem pela Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte
Créditos: Arquivo Pessoal

– Eu saio às 7h da manhã da UPA e vou dormir quando chego em casa para descansar. Acordo por volta das 11h e acompanho os testes online sobre a regra com o Gaciba (Leonardo, presidente da Comissão de Arbitragem da CBF), faço as atividades físicas aqui em casa acompanhando o que os nossos preparadores passam e estou sempre em contato com a Dr. Marta  (Magalhães, psicóloga da Comissão de Arbitragem) através das chamadas de vídeo. Tenho usado o período da tarde para essas coisas. Então, dá para estudar, ler e treinar fisicamente para manter o ritmo e deixar tudo em ordem para quando os campeonatos voltarem – acrescenta. 

Esta não é a primeira experiência de Igor Benevenutto em um ambiente hospitalar. O árbitro participa de um projeto chamado Guardiões do Riso, constituído por um grupo voluntários que frequenta hospitais e lares de idosos e utiliza a metodologia do "Doutor Palhaço". A equipe de Comunicação da CBF acompanhou Igor como "Dr. Gravatinha" em uma visita ao Hospital ABC da Criança de Belo Horizonte (MG), no ano passado, e o viu arrancando sorrisos de quem está debilitado em um grande gesto de solidariedade.

Quando está dentro de campo, de chuteira e perto da bola, Igor Benevenutto não faz gols. E quando aparece alguma irregularidade no lance até os anula. Mas, fora das quatro linhas, o árbitro marca um verdadeiro golaço pela vida. 


Fonte: CBF
Comentar

Compartilhar Tweet 1



A Fórmula 1 ampliou a paralisação por causa da pandemia da Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, e afetou agora o Grande Prêmio do Canadá.

É a nona etapa da temporada prejudicada pela crise de saúde mundial. Agora, o GP da França, marcado para o dia 28 de junho, ocupa o papel de "primeira corrida" do calendário.

"A FIA disse que o Grupo de Estratégia, a Comissão de F1, e as dez equipes aprovaram por unanimidade a extensão do período de paralisação de 21 para 35 dias. O Conselho Mundial de Automobilismo posteriormente ratificou a decisão", disse a nota publicada pela F-1 nesta terça-feira (7).

A organização do GP do Canadá também se pronunciou e disse que "teria sido uma honra receber a primeira corrida do calendário do Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 2020" e que os promotores do evento "estão tristes" por ter que adiar a prova.

"Estou orgulhoso por ver como iniciativas maravilhosas e avanços técnicos da F-1 estão sendo aplicados em tempos de crise. No momento, é crucial que todas as nossas energias sejam reunidas para superar a covid-19. Nós vamos recebê-los de braços abertos no Circuito Gilles Villeneuve assim que for seguro", disse François Dumontier, presidente do GP do Canadá.

O CEO da F-1, Chase Carey, também se manifestou após a oficialização do adiamento da prova canadense: "Nós temos trabalhado de perto com nossos amigos do GP do Canadá ao longo das últimas semanas e dando apoio para a tomada dessa necessária decisão para garantir a segurança dos torcedores e da comunidade da F-1. Nós sempre esperamos viajar para a cidade incrível de Montreal e, embora todos tenhamos que esperar um pouco mais para isso, nós vamos fazer um ótimo espetáculo quando chegarmos lá mais tarde esse ano".

Até então, o GP do Azerbaijão, cuja data original era de 7 de junho, tinha sido a última etapa afetada pela pandemia no calendário da F-1, que provocou uma paralisação total dos trabalhos dos times.

"O desligamento total vale para departamentos como design, pesquisa e desenvolvimento, produção e construção de ferramentas de desmontagem. Uma recente mudança de regra estendeu o fechamento aos fabricantes de unidades de energia também, à medida que os legisladores se moviam para cortar custos", afirmou a nota da F-1.

O GP do Canadá se junta ao Azerbaijão, Barein, China, Espanha, Holanda e Vietnã entre as provas adiadas no calendário de 2020. Além delas, as etapas da Austrália e de Mônaco foram definitivamente canceladas.
*
Veja quais são as provas que ainda não foram afetadas e suas respectivas datas:
GP da França - 28 de junho
GP da Áustria - 5 de julho
GP da Inglaterra - 19 de julho
GP da Hungria - 2 de agosto
GP da Bélgica - 30 de agosto
GP da Itália - 6 de setembro
GP de Cingapura - 20 de setembro
GP da Rússia - 27 de setembro
GP do Japão - 11 de outubro
GP dos EUA - 25 de outubro
GP do México - 1º de novembro
GP do Brasil - 15 de novembro
GP de Abu Dhabi - 29 de novembro
Provas a serem encaixadas no calendário: Canadá, Azerbaijão, Barein, China, Espanha, Holanda e Vietnã

Comentar

Compartilhar Tweet 1



A atleta Caster Semenya, 29, da África do Sul, aceitou o desafio lançado por Cristiano Ronaldo, 35, nas redes sociais, e superou a marca do próprio jogador, chegando a 176 abdominais em 45 segundos.

"Ele fez seu melhor", brincou a atleta em sua conta no Instagram, completando: "Nada mal para um domingo". Seus seguidores não pouparam elogios: "A melhor que já vi", disse um. "Queria conseguir ao menos dez abdominais", afirmou outro.

O desafio lançado por Cristiano Ronaldo faz parte de seus esforços para manter as pessoas ativas durante a quarentena para evitar a disseminação do novo coronavírus. "Você consegue dar um passo a frente e bater meu recorde?", questionou ele, mostrando um vídeo fazendo 142 abdominais em 45 segundos.

Semenya é bicampeã olímpica (2012, 2016) e tricampeã mundial (2009, 2011, 2017) nos 800 metros rasos. Ela é uma das principais atletas de meia-distância em atividade atualmente.

Comentar
Fecharia em 30 de junho · 07/04/2020 - 16h50

Janela de transferências da Europa será prorrogada após pandemia


Compartilhar Tweet 1



A janela de transferências do mercado europeu, que estava marcada para fechar no dia 30 de junho, deve ser prorrogada após a pandemia de coronavírus. Ainda não existe uma nova data de encerramento. As informações são da BBC Sport.

As novas datas para a janela de transferências serão sancionadas pela Fifa. A promessa é de que exista uma harmonia entre as datas o máximo possível para que clubes e ligas não sejam prejudicados.

Além disso, os contratos que estavam programados para expirar no fim de junho também serão prorrogados.

A Uefa trabalha com a possibilidade de retomar a temporada no início de agosto. Nenhuma decisão, no entanto, foi tomada até o momento.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos(CBDA) suspendeu  todas as atividades da modalidade até 5 de julho, por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19). A decisão amplia a paralisação já determinada pela entidade, no último dia 16, que previa a descontinuação das competições em nível nacional e regional por 21 dias.

“Temos um grande desafio pela frente, o de definir o cronograma de atividades aquáticas no curto e no médio prazo, em meio à falta de clareza sobre a duração do isolamento social, ainda não determinada pelas autoridades públicas. (...) A todos os nossos amigos e amigas da comunidade aquática: cuidem da saúde de vocês e dos seus, vamos estar mais fortes quando tudo isso passar”, disse presidente Luiz Fernando Coelho, no comunicado oficial  publicado no site da confederação. 

A CBDA é a entidade máxima da natação, maratona aquática, saltos ornamentais, nado artístico e polo aquático. O calendário será revisto futuramente e as datas das competições em âmbito local serão definidas pelas federações estaduais, de acordo com as autoridades de saúde.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Pretende disputar eleição · 06/04/2020 - 16h02 | Última atualização em 06/04/2020 - 16h14

Genivaldo Campelo pede afastamento do River e Júlio Arcoverde será o presidente


Compartilhar Tweet 1



    Foto: Victor Costa/River A.C.

O River Atlético Clube, através de sua diretoria e do seu conselho deliberativo, informou na manhã desta segunda-feira (06/04) que o presidente Genivaldo Campelo da Silva, eleito em novembro de 2017, pediu afastamento temporário do cargo no último sábado (04).

O afastamento solicitado do presidente se dará pelo período de 4 de abril a 5 de outubro. O seu mandato à frente do River encerra em novembro deste ano.

De acordo com as diretrizes estatutárias do clube, o vice-presidente Júlio Arcoverde assumirá a presidência.

Genivaldo pretende disputar vaga na Câmara Municipal de Teresina nas eleições de 2020.

 


Fonte: Com informações da Ascom
Comentar

Compartilhar Tweet 1



A pausa nas competições por causa da pandemia do coronavírus prejudica bastante as finanças do São Paulo. Obviamente, o clube não vai receber com a renda das partidas e também não sabe como ficará a situação referente aos direitos de transmissão (se terá de pagar adiantamentos ou se vai deixar de receber algo). Mas tal situação também afeta outros pontos da economia tricolor.

O clube tem contrato com o Banco Inter, seu patrocinador máster, até o fim de abril. As conversas para renovação chegaram a ficar avançadas no fim do ano passado, mas agora estão paradas.

O São Paulo também tinha acertado acordo com a DAZN para que Daniel Alves fosse uma espécie de embaixador da empresa no país. Dessa maneira, o clube receberia 1 milhão de dólares (R$ 5,26 milhões) que serviriam para pagar parte dos direitos de imagem do camisa 10.

A diretoria tricolor considerava a transação praticamente fechada, sendo que o documento era analisado no exterior. Assim como no caso do Banco Inter, as conversas não seguiram o ritmo acelerado.

Até mesmo para receber pagamentos referentes a transferência de jogadores ficou mais complicado. O time havia acertado, por exemplo, a venda da opção de compra do atacante Gustavo Maia, que disputou a última Copinha, para o Barcelona por R$ 5 milhões. As pendências burocráticas ficaram mais lentas e o clube espanhol não fez o pagamento na data inicialmente acordada.

O clube faz cálculos de quanto pode ter de prejuízo neste período de paralisação das competições. Para tentar minimizar o prejuízo, o São Paulo chegou a negociar uma redução salarial com os atletas de até 50% nos próximos meses (com o pagamento de dois meses de direitos de imagem atrasados). Os atletas, porém, recusaram e agora vão ter férias de 20 dias.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



O tetracampeão mundial Acelino Popó agradeceu neste domingo (5), em um vídeo no Instagram, os lances acima de R$ 40 mil de interessados em adquirir o cinturão mundial conquistado pelo pugilista em 2002. No último sábado (4), Popó entrou no combate à pandemia do novo coronavírus (covid-19) ao levar a leilão o cinturão, pelo lance inicial de R$ 20 mil. O valor arrecadado será usado na compra de cestas básicas para a população mais carente de Salvador, onde reside o atleta. 

"É para a gente poder comprar mais cestas básicas. Conto com sua ajuda. Não é para mim. É para todos", disse o ex-boxeador baiano, de 44 anos, no vídeo anunciando o leilão, publicado no sábado (4). Os interessados podem dar o lance no leilão no Instagram do pugilista (@popofreitas).

O cinturão é o da Associação Mundial de Boxe (AMB), categoria Super Penas (até 58,9 kg). O triunfo ocorreu em janeiro de 2020, em Las Vegas (Estados Unidos), quando Popó venceu por pontos o cubano Joel Casamayor.

Desde o início da pandemia, Popó tem participado de várias ações solidárias. “Tenham certeza que é a minha obrigação. Pelas noites perdidas por vocês, pelos ingressos comprados para acompanhar as minhas lutas. Eu sei que não é muito. Mas espero que esse pouco que eu estou fazendo seja muito para alguém“, disse o lutador.

Comentar
Anúncio feito pelo City · 06/04/2020 - 14h25

Mãe de Pep Guardiola morre vítima do coronavírus


Compartilhar Tweet 1



Dolors Sala Carrio, 82, mãe do técnico espanhol Pep Guardiola, morreu nesta segunda (6), depois de ser diagnosticada com o novo coronavírus. Ela vivia em Barcelona, cidade onde o filho começou a carreira de jogador e treinador.

O anúncio foi feito pelo Manchester City, atual clube do treinador.

"A família Manchester City está arrasada ao relatar a morte de Dolors Sala Carrió, mãe de Pep, em Manresa, Barcelona, depois de contrair o coronavírus. Ela tinha 82 anos. Todos do clube enviam sua mais sincera simpatia neste momento mais angustiante para Pep, sua família e todos os seus amigos", disse o texto nas redes sociais.

No mês passado, Guardiola havia feito doação de 1 milhão de euros (R$ 5,6 milhões) à Fundação Angel Soler Daniel para a compra de equipamentos de saúde a serem usados no combate ao coronavírus.

O treinador também postou um vídeo pedindo para os torcedores ficarem em casa como parte do esforço nacional no Reino Unido e na Espanha para ajudar o sistema de saúde dos países.

Comentar
Líder do campeonato nacional · 06/04/2020 - 14h16

Futebol alemão segue suspenso, mas Bayern retorna a treinar aos poucos


Compartilhar Tweet 1



Enquanto no Brasil os jogadores ainda treinam em suas casas seguindo as cartilhas distribuídas pelos clubes, na Alemanha os atletas já começam a sentir o cheiro da grama. Isso não quer dizer que tudo voltou ao normal por lá. O Campeonato Alemão continua suspenso, inicialmente, até o dia 30 de abril. 

Por outro lado, o ritmo de trabalho começa, aos poucos, a ser como estamos acostumados. Depois de duas semanas longe dos gramados, o Bayern de Munique retornou hoje (6) às atividades no Centro de Treinamento, mas com algumas restrições. De acordo com o clube, o elenco foi dividido em pequenos grupos e todas as regras de higiene foram rigorosamente observadas para evitar a propagação do novo coronavírus (covid-19).

O trabalho teve foco em exercícios de corrida e treinamento técnico, sempre com a distância mínima recomendada. O Bayern lembrou que a Liga Alemã de Futebol (DFL) liberou as clubes para retornarem aos treinos a partir desta segunda-feira (6), e esclareceu que as atividades são fechadas ao público.

Audio Player

00:00

00:00

Use Up/Down Arrow keys to increase or decrease volume.

Ouça na Rádio Nacional

O goleiro Manuel Neuer, capitão da equipe bávara, disse ser incomum trabalhar em pequenos grupos, entretanto foi bom rever os colegas de time. Neuer também agradeceu por ter oportunidade de realizar mais treinamentos específicos em campo nesses tempos difíceis.

O Bayern de Munique não foi o único clube da Alemanha que retornou com os treinamentos presenciais. O Shalke 04 e o Eintracht Frankfurt foram os primeiros e, já na semana passada, haviam reiniciado as atividades, com as precauções recomendadas.

Lembrando que antes da suspensão do futebol na Europa, o Bayern estava em ótima fase. Depois de um início irregular, o clube tinha se recuperado no Campeonato Alemão. Conquistou 10 vitórias e empatou apenas uma vez nos últimos 11 jogos, e liderava a competição com quatro pontos de vantagem para o segundo colocado, o Borussia Dortmund. Na Liga dos Campeões, terminou a fase de grupos com 100% de aproveitamento: seis vitórias em seis jogos. Na partida de ida das oitavas de final, venceu o Chelsea por 3 a 0, em Londres (Inglaterra).

Durante a quarentena, o clube bávaro anunciou a renovação de contrato do técnico Hansi Flick até julho de 2023. O antigo auxiliar-técnico assumiu a vaga de treinador em dezembro de 2019, logo após a demissão de Niko Kovac.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



Preso há um mês Ronaldinho Gaúcho tem se adaptado às regras e também às regalias do Agrupamento Especializado. O acesso à celulares é livre no local e, nesta segunda-feira (06/04), ele gravou um vídeo ao lado do companheiro de prisão, Pablo Moraes. As informações são de Metrópoles.

“Olá a todos aí, família Moraes. Estou aqui com meu companheiro, meu atacante, Pablo, que joga muito bem. Estamos juntos e logo vamos jogar juntos outra vez”, afirma Ronaldinho. O vídeo foi publicado pelo jornal espanhol Marca.

Com o sorriso no rosto Ronaldinho demonstra que está a vontade no presídio. Além do contato diário que faz com a família pelo celular e até videochamada, outro refúgio do brasileiro tem sido o esporte. O ex-jogador do Barcelona costuma alternar partidas de futsal, futevôlei e vôlei.

Como as visitas estão suspensas, os internos têm mais acesso à área externa e ligações.

 

Comentar

Compartilhar Tweet 1



A Uefa anunciou no último dia 17 uma decisão que seria inevitável. A Eurocopa de 2020, que celebraria os 60 anos da competição, precisou ser adiada para 2021 em razão da pandemia do coronavírus que paralisou não só o futebol, mas todo o esporte mundial.

Com o adiamento, o torneio europeu de seleções sofreu uma interrupção inédita em sua estável trajetória construída desde a primeira edição, em 1960.
Apesar de adiada pela primeira vez em sua história, a Eurocopa já precisou passar por uma intervenção da Uefa em razão de fatores externos que mexeram com o curso natural da competição.

Em 1992, a entidade que comanda o futebol europeu expulsou por questões políticas uma seleção que estava classificada, a antiga Iugoslávia, e convidou outra que estava fora. Segunda colocada nas eliminatórias no grupo vencido pelos iugoslavos, a Dinamarca entrou de supetão na disputa e terminou como campeã.

No início da década de 1990, as declarações de independência de Croácia e Bósnia-Herzegovina implodiram o bloco iugoslavo, que tinha o poder estava concentrado em Belgrado, na Sérvia. A partir dos movimentos separatistas, os sérvios entraram em conflito com os vizinhos. A guerra com os bósnios durou de 1992 a 1995.

A ONU (Organização das Nações Unidas), por meio de seu Conselho de Segurança, começou a impor sanções comerciais à Iugoslávia, a essa altura reduzida basicamente a Sérvia e Montenegro.
Faltando uma semana para o início da competição, a entidade decidiu excluir a Iugoslávia da Euro. Os jogadores e a comissão técnica da seleção balcânica já se encontravam na Suécia, onde aconteceria o torneio.

"Eu estava a ponto de reformar a minha cozinha quando nos chamaram para jogar na Suécia", afirmou o técnico da Dinamarca, Richard Møller-Nielsen, ao jornalista Simon Kuper no livro "Football Against The Enemy" (Futebol Contra o Inimigo).

A verdade é que Møller-Nielsen, mesmo com questões domiciliares pendentes, já contava com a possibilidade da expulsão da Iugoslávia e seguiu observando jogos de possíveis adversários.

Sem ter conseguido a vaga nas eliminatórias, o treinador estava com o cargo ameaçado. Entre outras coisas, por causa das críticas da imprensa e do público pela forma como a equipe atuava, praticando um jogo pragmático e defensivo.

Essa abordagem de Møller-Nielsen teve como consequência a recusa do craque Michael Laudrup em ser convocado. Ele voltaria ao time em 1993.

Na estreia contra a Inglaterra, empate sem gols. O confronto seguinte, diante da Suécia, que chegaria à semifinal do Mundial em 1994, terminou com vitória dos anfitriões por 1 a 0.

As campanhas vacilantes de França e da Inglaterra no grupo deixaram os dinamarqueses com chance de classificação na última rodada. Precisariam vencer os franceses e torcer por tropeço britânico diante da Suécia.

Para o duelo contra a França treinada por Michel Platini, o técnico Richard Møller-Nielsen não pôde contar com o meio-campista Kim Vilfort. Considerado o melhor jogador dinamarquês em 1991, Vilfort tinha uma filha, Line, lutando contra a leucemia, e por isso ele voltara à Dinamarca para visitá-la no hospital.

No retorno de ônibus para o hotel após a derrota para os suecos, alguns atletas avistaram campo de minigolfe. Um deles sugeriu a Møller-Nielsen que parassem para se divertir um pouco. O técnico, pensando que a brincadeira pudesse recuperar a moral, deixou.

"Pela primeira vez como técnico, pensei, 'Que se dane, vamos tentar algo diferente'", disse o pragmático treinador.
Sem Vilfort, que estava com sua filha, a Dinamarca venceu a França por 2 a 1 e, com a derrota da Inglaterra para a Suécia, se classificou à semifinal.

Dois dias antes de enfrentar a Holanda, atual campeã da Euro, o ônibus dinamarquês voltava do treino quando o atacante Lars Elstrup avistou uma lanchonete do Burger King. Mais uma vez, perguntaram a Møller-Nielsen se poderiam parar. O técnico, que já havia cedido uma vez, voltou a atender aos desejos do elenco.

Em Gotemburgo, a favorita Holanda foi mais uma das grandes seleções a sucumbir diante da relaxada Dinamarca.

Após o empate em 2 a 2 no tempo normal com boa atuação de Kim Vilfort, que viajou a pedido de sua esposa e sua filha Line, o goleiro Peter Schmeichel brilhou nas cobranças por pênaltis, defendeu a penalidade de Marco Van Basten -herói do título holandês em 1988- e ajudou a equipe nórdica a alcançar a inédita decisão europeia.
Depois do minigolfe e da parada no Burger King para alguns hambúrgueres e batatas fritas, Richard Møller-Nielsen abriu sua última concessão em favor dos atletas. Como ninguém esperava que a Dinamarca fosse à final, os jogadores não levaram suas esposas e filhos. Às vésperas da decisão, os hotéis já estavam todos lotados.

O jeito foi pedir ao treinador que as famílias pudessem compartilhar os quartos com os atletas. O que Møller-Nielsen, em nome da tradição formada de acatar pedidos inusitados, aceitou novamente, pedindo a eles que se poupassem fisicamente para a decisão.

Na final contra a Alemanha, campeã mundial, os dinamarqueses abriram o placar aos 18 minutos, com John Jensen. O goleiro Peter Schmeichel teve uma das melhores atuações de sua carreira naquele 26 de junho, mostrando por que seria considerado um dos melhores da posição ao longo de toda a década.

Aos 33 da etapa final, com a Dinamarca de Møller-Nielsen conseguindo segurar os alemães, Kim Vilfort dominou uma bola fora da área (aparentemente com a mão), ajeitou para a perna esquerda e chutou. A bola passou por Bodo Illgner e ainda bateu na trave antes de entrar para decretar o triunfo dinamarquês e a coroação de uma epopeia surpreendente.

A história, cheia de elementos bizarros, virou até filme. "O Verão de 1992", que inclui o drama familiar vivido por Vilfort, foi lançado em 2015 e está disponível na Netflix.

Poucas semanas depois do título europeu, Line, filha do meia-atacante que virou herói do conto de fadas nórdico, não resistiu à leucemia e morreu aos 7 anos de idade.

O técnico Møller-Nielsen, terminado o torneio, conseguiu terminar a reforma de sua cozinha.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



Um corte no salário de jogadores da Premier League pode ter impacto nos recursos destinados à saúde em meio ao combate da pandemia de novo coronavírus na Inglaterra, alertou a Associação de Jogadores Profissionais ingleses (PFA, na sigla em inglês).

No sábado (4), uma reunião para redução dos salários em até 30% terminou sem acordo entre clubes e jogadores. Em comunicado, porém, a associação alertou que uma eventual diminuição dos vencimentos significaria um prejuízo de até 200 milhões de libras (cerca de R$ 1,3 bilhão) para os cofres públicos, sendo que o Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês) seria um dos afetados.

"Todos os jogadores da Premier League querem - e vão - assumir sua parte fazendo uma contribuição financeira sem precedentes", declarou a PFA em comunicado, afirmando, porém, que é simplista demais criticar os jogadores pela demora para se chegar a um acordo.

"A redução proposta de 30% em um período de 12 meses equivale a cerca de 500 milhões de libras em salários não pagos e perdas em contribuições fiscais para o governo de cerca de 200 milhões de libras. Que efeitos estas perdas teriam para o governo no Serviço Nacional de Saúde?", questionou a PFA.

Diante da situação, o ex-capitão da seleção inglesa Wayne Rooney fez um desabafo em coluna no Sanday Times, dizendo que a situação é complexa.

"Se o governo me abordasse para ajudar financeiramente as enfermeiras ou comprar ventiladores, ficaria orgulhoso - desde que soubesse para onde o dinheiro estava indo. Estou em uma posição em que poderia desistir de algo", disse.

"Nem todo jogador de futebol está na mesma posição. No entanto, de repente toda a profissão foi colocada no local com uma demanda por cortes de 30% nos salários. Por que os jogadores de repente são os bodes expiatórios? Na minha opinião, agora é uma situação sem vitória. Seja como for, somos alvos fáceis", completou.

Na Espanha, jogadores de Barcelona e Atlético de Madrid aceitaram reduzir seus salários em 70% enquanto o futebol estiver suspenso. Na Itália, os jogadores da Juventus aceitaram a redução de seus salários pelos próximos quatro meses.

Comentar
Profissional pediu desculpas · 05/04/2020 - 15h59

Manchester City investiga jogador por quebrar regras de isolamento


Compartilhar Tweet 1



Kyle Walker, 29, lateral direito do Manchester City, vai enfrentar sanções disciplinares do clube após suspeitas de violar regras de isolamento ao fazer uma festa com duas acompanhantes.

O jogador pediu desculpas e disse para as pessoas ficarem em casa e em segurança durante a epidemia do coronavírus.

Em comunicado, o Manchester City afirmou que Walker violou sua responsabilidade de figura pública. Segundo o clube, uma investigação sobre o caso está em andamento.

"Os jogadores de futebol são modelos globais e nossa equipe tem trabalhado para apoiar os esforços do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido contra a Covid-19.

Estamos decepcionados ao ouvir as alegações [do jogador] e conduziremos um procedimento disciplinar interno, diz a nota.

Comentar
Todos os 479 integrantes aptos · 05/04/2020 - 12h41

CBF libera auxílio financeiro aos árbitros brasileiros


Compartilhar Tweet 1



A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) está concedendo um auxílio financeiro diretamente aos árbitros e assistentes que pertencem ao quadro nacional, em função da paralisação do futebol no Brasil. Cada um deles está recebendo a antecipação de uma taxa de arbitragem, calculada a partir do maior valor pago pela CBF para sua categoria correspondente.

O suporte dado aos árbitros vai além do aspecto financeiro. Por intermédio da Comissão Nacional de Arbitragem, contempla também atendimento psicológico, aulas teóricas ministradas por videoconferência e orientações para manter o condicionamento físico durante este período.

Lances de jogo, aspectos do VAR e mudanças recentes das regras são enviados pelos instrutores às equipes de arbitragem para análise e comentários, utilizando as plataformas de forma colaborativa. A cada dois dias é aplicado um teste a partir de jogadas enviadas em vídeo, que posteriormente são analisados e devolvidos aos participantes com instruções.

Na área da Psicologia, diariamente são realizadas sessões individuais e em grupo. O objetivo é a manutenção da saúde mental dos profissionais durante o período de isolamento social. São atendidas de 40 a 50 pessoas por dia.

No aspecto físico, os cuidados também estão sendo redobrados. As equipes responsáveis pela área dentro da Comissão Nacional estão estabelecendo com os árbitros uma rotina regular de atividades focadas na manutenção das valências físicas fundamentais e do fortalecimento da imunidade.


Fonte: CBF
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Nesses dias de quarentena e de isolamento social em função da covid-19 as dúvidas são muitas. E dentro do Movimento Paralímpico não é diferente. Praticamente, a única certeza é que os Jogos de Tóquio (Japão) serão realizados entre 24 de agosto e de 5 de setembro do próximo ano. A partir daí, não faltam perguntas. Para tentar responder a algumas delas, na tarde dessa quinta-feira (2), o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) fez uma live (transmissão online, ao vivo) no Instagram com Leonardo Tomasello, técnico-chefe da seleção brasileira de natação paralímpica, e Felipe Silva, responsável pelos nadadores de medley e "meio-fundo".

Para tranquilizar os atletas, eles lembraram que a equipe já passou por problemas maiores. Foi durante o Mundial de 2017, na Cidade do México. "Por causa de um terremoto, a competição teve que ser adiada às vésperas do início das provas. Já tínhamos dois integrantes da nossa equipe lá no México. A competição foi adiada em dois meses. Não só o Brasil, mas todos os países tiveram o programa de treinamento muito comprometido ", lembra Tomasello. "Agora é uma situação bem diferente. Claro que a pandemia é extremamente grave. E todos devem respeitar as medidas de isolamento. Mas o adiamento foi definido com um prazo bem maior. Teremos bastante tempo para preparar a nossa equipe. E, com certeza, todos estarão 100% lá em Tóquio no ano que vem", planeja Silva.

Uma das principais iniciativas do CPB para esse período também foi bastante comentada pelos preparadores. É o Programa de Acompanhamento Técnico. "Queremos que eles se mantenham o máximo possível ativos. Para isso estamos oferecendo um suporte completo da nossa equipe multidisciplinar. Profissionais da área da fisioterapia, da nutrição e da psicologia estão à disposição dos nadadores. Programas individualizados são enviados. E o nosso pessoal também entra em contato para oferecer essa assistência. A gente quer que eles saibam que tudo aquilo que for feito agora, durante a quarentena, vai refletir nos resultados lá na frente", detalhou Tomasello. 

Ainda sensibilizado com o momento atual, Silva ponderou: "A gente nunca passou por isso. Tudo fugiu completamente do nosso controle. Os atletas nunca tinham ficado tanto tempo fora da água. Todos precisam ter a consciência de que o cuidado é fundamental. E é preciso se manter ativo para, quando os treinos voltarem, todos estarem fortalecidos e sem dores”. 

Calendários e reclassificações funcionais

"Sabemos que muitos dos nossos atletas ainda necessitam passar pelas reclassificações em nível nacional e internacional. Mas, infelizmente, não podemos confirmar os nossos próximos passos. As etapas nacionais do Circuito Caixa serão realizadas assim que tudo voltar ao normal. Mas, ainda sem datas definidas. A temporada do ano que vem, que seria repleta de campeonatos, com destaque para o Mundial e o Europeu, agora virou uma interrogação. A orientação é que todos mantenham a cabeça no lugar e sigam se preparando da melhor forma", pediu Tomasello.

Aclimatação

Os dois técnicos lembraram da participação dos brasileiros na Parapan-Pacífico, na Austrália, em agosto de 2018 para dizer que a ideia é seguir a mesma estratégia que foi utilizada naquela ocasião. "Sabemos que a resposta dos atletas é muito individual. Mas a nossa ideia é chegar no Japão com 30 dias de antecedência e fazer um trabalho focado nas necessidades de cada um deles. Temos os dados de todos os nossos treinos monitorados desde 2016. Isso faz muita diferença. Sabemos quando o atleta precisa descansar, quando ele precisa forçar. E vamos usar essa base de dados como orientação até os Jogos Paralímpicos " completou Felipe Silva.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
O futebol parou 4 meses · 04/04/2020 - 09h33

Saudade do futebol? Veja os cinco gols mais decisivos de 2020


Compartilhar Tweet 1



Sem o canto da torcida, sem a bola no centro do gramado, nada! O futebol mundial está paralisado por conta da epidemia do novo coronavírus e o torcedor ainda não sabe o que será do restante da temporada. Em meio às dúvidas e arranjos no calendário, a certeza no esporte é só do que já passou. Para matar um pouco da saudade, o Metrópoles resgata cinco gols quer marcaram o curto período do futebol em 2020. Tem de Neymar sendo decisivo na Champions League até o senegalês Ismaila Sarr quebrando invencibilidade histórica do Liverpool. Vamos recordar? As informações são do Metrópoles.

Neymar classifica PSG para as quartas de final da Champions

Já com os portões fechados devido à pandemia do novo coronavírus, o Paris Saint-Germain buscou uma vaga nas quartas de final. Após três anos consecutivos sendo eliminado nas oitavas, o time francês conquistou a classificação graças a Neymar. Além do gol no jogo de ida, na derrota por 2 x 1 contra o Borussia Dortmund, o camisa 10 abriu o placar no Parque dos Príncipes. O peixinho aos 27 minutos do primeiro temo já dava a vaga ao PSG, que ainda marcou outro no finalzinho.

Ismaila Sarr faz dois gols e Watford quebra invencibilidade do Liverpool

A caminhada do Liverpool de 27 partidas invicto na Premier League acabou de forma inesperada. Em busca também da 19ª vitória consecutiva, o time de Jürgen Klopp caiu diante do Watford. O astro do dia foi o senegalês Ismaila Sarr. O atacante abriu o placar aos 8 minutos do 2º tempo e ainda anotou o segundo da vitória por 3 x 0 sobre o virtual campeão do Campeonato Inglês.

Fernando Fernández cala o Itaquerão na Libertadores

O Corinthians até chegou a construir o placar que precisava para avançar para a terceira fase da Pré-Libertadores ao fazer 2 x 0 sobre o Guaraní-PAR. O que o time paulista não esperava era ver a joia Pedrinho sendo expulsa precocemente e mais: a estrela de Fernando Fernández. O camisa 9 do time paraguaio silenciou o Itaquerão ao marcar o gol de falta que eliminou o Corinthians da Libertadores. A bola certeira foi aos 7 minutos do segundo tempo. Mesmo com a vitória por 2 x 1, o Timão acabou eliminado – havia perdido a ida por 1 x 0.

Marcos Llorente elimina o Liverpool na prorrogação em pleno Anfield

Em duelo pelas oitavas de final da Champions, o Atletico de Madrid havia vencido o Liverpool pelo placar mínimo em casa, no duelo de ida. Na volta, em Anfield, Wijnaldum fez o gol que levou o jogo para a prorrogação e, já no tempo extra, o brasileiro Roberto Firmino marcou o gol que estava encaminhando a classificação dos Reds. Porém, em duas bolas, discutivelmente, defensáveis, Adrian aceitou dois chutes de Marcos Llorente. Os espanhóis ainda marcaram mais um no fim e, com o placar agregado de 4 x 2, o Atletico eliminou os atuais campeões da competição.

Azarão, Olympiakos elimina Arsenal no último minuto da prorrogação

O Arsenal fez seu dever fora de casa, conseguindo uma importante vitória na partida de ida da 2ª fase da Liga Europa contra o Olympiakos. Na partida da volta, no Emirates Stadium, em Londres, os Gunners levaram um gol logo no começo da partida, o que levou o duelo para a prorrogação. Aos 10 minutos da segunda etapa complementar, Aubameyang chegou a empatar a partida com um belíssimo gol de bicicleta. Fim de papo e festa dos ingleses, certo? Errado. Aos 15 minutos, de bola parada, Youseff El Arabi complementou um cruzamento, com falha de David Luiz e, no placar agregado, eliminou os donos da casa.

 

Comentar
Neymar ficou em 7º lugar · 03/04/2020 - 18h01

Estudo põe Mbappé como melhor de Europa no último semestre


Compartilhar Tweet 1



Um estudo colocou Kylian Mbappé como melhor jogador nas cinco principais ligas do mundo (Itália, Espanha, Inglaterra, Alemanha e França) nos últimos seis meses. A análise utilizou critérios estatísticos para criar o ranking.

Lionel Messi apareceu apenas na nona colocação. Neymar, o único brasileiro entre os dez primeiros, foi o sétimo. Cristiano Ronaldo apareceu apenas em 15º na lista elaborada pelo Cies (Centro Internacional de Estudos Esportivos) e divulgada pelo jornal As inicialmente.

O estudo utilizou dados do OptaPro e estabeleceu diferentes parâmetros para seis áreas de jogo. Avaliou criação de oportunidades e de chances de conclusão, gols, dribles, retomadas. Além disso, levou em conta o funcionamento coletivo das equipes e a participação do jogador neste contexto.

O PSG foi o grande destaque da relação, com os três primeiros colocados e mais dois jogadores entre os dez primeiros. Em seguida, os números foram transformados em "pontos" para criação de um ranking.
*
Confira o top 10 (em que não há critério de desempate):
1 - Mbappé (PSG) - 91 pontos
2 - Verratti (PSG) - 90.6 pontos
3 - Kimpembe (PSG) - 90.4 pontos
4 - Joe Gomez (Liverpool) - 90.2 pontos
- Ilcic (Atalanta) - 90.2 pontos
6 - Di María (PSG) - 89.9 pontos
7 - Neymar (PSG) - 88.9 pontos
8 - Van Dijk (Liverpool) - 88.8 pontos
9 - Messi (Barcelona) - 88.1 pontos
10 - Alaba (Bayern) - 87.9 pontos
- Kroos (Real Madrid) - 87.9 pontos

Comentar

Compartilhar Tweet 1



Mesmo com os campeonatos paralisados e o mercado da bola desaquecido por conta da pandemia do novo coronavírus, o atacante Fred segue dando indícios de que irá retornar ao Fluminense, onde é ídolo.

Enquanto aguarda a resolução judicial de sua rescisão com o Cruzeiro, ele tem alimentado a esperança de tricolores. Nesta semana, por exemplo, fez campanha para que votassem, em uma enquete online, em um gol seu de voleio sobre o Flamengo como o mais bonito.

"Se votarem no meu do Fla-Flu e ganhar, eu prometo que vou voltar para o Fluzão", disse o jogador. A declaração foi o suficiente para inflamar muitos tricolores nas redes sociais, que chegaram a colocar a hastag #FredNoFlu como um dos assuntos mais comentados no Twitter.

Anteriormente, o atacante de 36 anos já havia sido enfático ao ser questionado sobre um possível retorno pelo jornalista Rica Perrone em uma live. "Eu vou voltar. Eu vou voltar", disse ele na ocasião.

Ter Fred novamente no Fluminense é um sonho antigo da diretoria. O presidente Mario Bittencourt tem boa relação com o jogador e não esconde o desejo de contar com o camisa 9 no elenco.

Recentemente, o mandatário falou sobre as conversas e apontou que aguarda a resolução da questão entre o atacante e o Cruzeiro: "No dia seguinte que for resolvido, ou a gente pega um avião para lá ou ele pega para cá. A gente vai trazer o nosso ídolo de volta para casa. Até imagino que ele possa retornar, mas só para o Campeonato Brasileiro. Estamos na expectativa de que ele se resolva com o Cruzeiro", declarou.

Fred já está livre de seu contrato com o clube mineiro desde 29 de fevereiro, quando conseguiu uma decisão em caráter liminar junto à Justiça do Trabalho. No entanto, tanto o atacante quanto o Flu preferem dar sequência às negociações apenas depois da liberação definitiva, o que deve ocorrer assim que houvesse a audiência de conciliação.

A pandemia de coronavírus, porém, pode alongar a novela. O TRT-MG (Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais) suspendeu todas as audiências marcadas para o mês de março, incluindo um encontro entre o jogador e o Cruzeiro para tratar a rescisão.

O atacante não desejava seguir o caminho da Justiça, mas, após tentativas infrutíferas de um acordo extrajudicial, decidiu por judicializar o caso. A dívida do Cruzeiro com Fred é de cerca de R$ 30 milhões entre salários, direitos de imagem e outros encargos.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



A Premier League, responsável pela organização da primeira divisão do Campeonato Inglês, anunciou nesta sexta-feira (3) que fará aportes financeiros para ajudar clubes de divisões inferiores e também o sistema público de saúde da Inglaterra.

Os organizadores da liga destinarão 125 milhões de libras (R$ 811 milhões) para mitigar os efeitos da pandemia sobre os times da segunda à sexta divisão do país.

A ajuda financeira para o NHS (Sistema Nacional de Saúde, em inglês) será de 20 milhões de libras (R$ 129 milhões). Clubes ao redor do país já colocaram suas instalações e seus profissionais à disposição do sistema público de saúde para ajudar no combate à Covid-19.

Na reunião desta sexta, a Premier League ainda discutiu com os clubes da elite inglesa a possibilidade de redução dos salários de seus atletas. As equipes se comprometeram a discutir com os jogadores a redução de até 30% de seus ganhos anuais.

Clubes e a organização também concordaram que o campeonato não poderá voltar a ser disputado no mês de maio.

Comentar
Jogo pode ter espalhado vírus · 03/04/2020 - 16h58

Diretor de saúde de Liverpool diz que duelo na Champions foi um erro


Compartilhar Tweet 1



Liverpool e Atlético de Madri protagonizaram, no dia 11 de março, um emocionante duelo válido pelas oitavas de final da Champions League (Liga dos Campeões).

O jogo, no entanto, pode ter gerado um aumento no número de casos de coronavírus na cidade de Liverpool, local da disputa.

Segundo o The Guardian, naquele dia, a região tinha seis casos de Covid-19 confirmados, e mais de 54 mil pessoas compareceram ao Anfield, estádio do clube britânico.

"Embora nunca vamos saber o número exato, o jogo do Liverpool com o Atlético de Madri pode ter sido um dos eventos que influenciaram a ascensão do coronavírus na região. A decisão de ter a partida não foi certa", afirmou Matthew Ashton, diretor de saúde pública de Liverpool, ao veículo.

Quase um mês depois do confronto, a cidade de Liverpool registra 262 casos da doença. Na Inglaterra, são mais de 38 mil pessoas infectadas -3,6 mil morreram.

"Definitivamente, este deve jogo ser incluído na lista para aprendizado e para uma investigação futura, para que as organizações possam aprender e não cometer erros semelhantes", disse ele.

Comentar
Competições paralisadas · 02/04/2020 - 16h19

São Paulo concede férias ao Departamento de Futebol Feminino


Compartilhar Tweet 1



O São Paulo Futebol Clube informa que, a partir da próxima segunda-feira (06/04), concederá férias às atletas, até o próximo dia 25 de abril. A decisão acompanha movimento solicitado pela CBF e já aderido pelo Departamento de Futebol do clube, diante da paralisação das competições em âmbito nacional e internacional, em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

Antes da paralisação, a equipe feminina estava disputando o Brasileiro Série A-1 e se preparava para estrear no Campeonato Paulista no mês de abril. As competições ainda não têm data prevista de retorno e início.

Para este período, as jogadores estão orientados a se cuidar e terão uma planilha de acompanhamento físico sugerida pela comissão técnica, como é comum em períodos de férias.

Comentar