Veja vídeo · 04/07/2020 - 18h59 | Última atualização em 04/07/2020 - 19h19

Vanderlei Luxemburgo testa positivo para a Covid-19


Compartilhar Tweet 1



    Reprodução/Instagram

Técnico do Palmeiras, Vanderlei Luxemburgo, testou positivo para o novo coronavírus. O exame médico foi realizado nesta sexta-feira (03/06), no clube. Assintomático, o treinador vai cumprir o período de quarentena nos próximos dias, quando a equipe retoma a sua rotina de treinamentos. Com informações do IG.

Luxemburgo está em casa, recebendo a assistência do departamento médico do clube e dos familiares. Ainda não há uma previsão de quando ele será liberado para voltar aos trabalhos.

Em mensagem no twitter, o treinador confirmou a informação. "Já estou de quarentena, em casa, de castigo. Mas, não sinto absolutamente nada, estou tranquilo, sem dor e acompanhado pelos médicos do Palmeiras. Quero dizer que eu testei positivo e está tudo tranquilo e, em breve, estaria de volta", apontou.

Confira: 

 

Comentar

Compartilhar Tweet 1



    Edmundo - Reprodução Internet

O comentarista Edmundo acredita que Jorge Jesus permanecerá no Flamengo. Mesmo com especulações sobre um retorno à Europa, o ex-jogador acredita que o Mister prefira ficar no clube carioca por ser mais fácil de levá-lo ao Mundial. As informações são do O Dia.

"Eu diria que é pouco provável que o Jorge Jesus largue esse projeto (do Flamengo), no qual ele chegou muito próximo de um objetivo pessoal - ser campeão do mundo. O caminho mais curto para ele voltar a disputar o Mundial é dirigindo o Flamengo. É mais fácil chegar no Mundial dirigindo o Flamengo do que dirigindo o Barcelona. Lá, ele teria que reconstruir um time e os adversários são mais fortes", disse Edmundo durante o "Expediente Futebol" desta sexta.

Comentar

Compartilhar Tweet 1



    Divulgação Michael Schumacher na Fórmula 1

O ex-piloto Michael Schumacher , diversas vezes campeão na Formula 1 e considerado por muitos como o maior nome da modalidade, continua lutando pela vida, desde que sofreu um acidente de esqui. As informações são do IG.

Neste sábado, o jornal inglês Mirror deu novos detalhes sobre o atual estado de saúde do ex-piloto, isto depois de ser noticiado que a família do alemão estaria estudando um novo procedimento cirúrgico .

Essa cirurgia, aliás, teria sido adiada por conta da pandemia do novo coronavírus.

Incapacitado e "preso" a uma cama, Schumacher estaria perdendo rapidamente toda a massa muscular do corpo, sendo que, segundo explicado pela reportagem, também estaria sofrendo de uma grave  atrofia muscular . Esta condição estaria totalmente relacionada ao fato de o ex-piloto sofrer de  osteoporose .

A família do ex-heptacampeão estuda agora, segundo o jornal, a possibilidade de Schumacher ser novamente injetado com células estaminais , procedimento médico que já teve impacto positivo em diversos pacientes e também no piloto.

Após as infusões, essas células são distribuídas pelo organismo com o objetivo de originar uma reação anti-inflamatória sistêmica.

Michael Schumacher, o maior vencedor da história da Fórmula 1, sofreu uma grave lesão cerebral ao bater a cabeça contra uma pedra enquanto esquiava em Méribel, nos Alpes Franceses, em 2013.

Desde então, o estado de saúde do ex-piloto alemão de 50 anos é um segredo que os familiares se esforçam para manter, o que também abre margem para especulações.

 

Comentar

Compartilhar Tweet 1



Fred passou em branco de novo em seu segundo jogo após o retorno
Fred passou em branco de novo em seu segundo jogo após o retorno    LUCAS MERÇON/FLUMINENSE F.C.

Quando a bola parou de rolar em março, o Fluminense tinha o segundo melhor ataque entre times da Série A com 32 gols marcados. Depois da paralisação, o cenário é outro. Em dois jogos, o Tricolor ainda não balançou a rede e sofre para criar chances reais. Mesmo com Fred, contratado durante a pandemia do novo coronavírus, a equipe de Odair Hellmann não retomou a boa forma ofensiva. As informações são da Área VIP.

Depois de uma derrota por 3 a 0 para o Volta Redonda e o empate em 0 a 0 com o Macaé, o Flu precisa reverter este panorama em dois dias para a semifinal da Taça Rio contra o Botafogo, no domingo, às 16h. A missão é encontrar a melhor forma de escalar a peça mais importante do elenco e obter os resultados. O artilheiro do Tricolor é Nenê, com nove gols. Marcos Paulo e Evanilson aparecem em seguida, com cinco cada.
 

Fred ou Evanilson?

Com Fred, o Fluminense ganha em posicionamento na área, vantagem nos duelos e no jogo aéreo, além da experiência que o camisa 9 dá. No entanto, não foi isso que Odair teve até o momento. O longo tempo inativo conta, já que ele não havia jogado ainda em 2020, mas a falta de inspiração do restante do time também atrapalha o desenvolvimento da atual referência do ataque.

Sob o comando de Evanilson, 16 anos mais jovem, o Fluminense tem mais velocidade e, portanto, pode explorar as infiltrações. Conta também o entrosamento com o restante do elenco. Porém, o jogador foi mal na reestreia e acabou começando no banco contra o Macaé.

E quem acompanha?

Essa é justamente a pergunta mais importante do momento no Fluminense. Com a volta de Nenê ao meio, dando mais alternativas para a criação de jogadas, o técnico Odair Hellmann agora busca quem acompanhará Fred na frente. Na reestreia do jogador, ele entrou com Evanilson ao lado do camisa 9, Marcos Paulo, mais atrás, e Ganso. O teste durou pouco, já que a expulsão de Egídio mudou a partida para o Flu. No entanto, já mostrou que o centroavante precisa de atletas de velocidade ao seu lado.

Foi justamente com essa ideia que o time veio para a segunda partida, válida pela 5ª rodada da Taça Rio. Os titulares foram Marcos Paulo e Wellington Silva, que, quando estavam do lado direito, conseguiram fazer a parceria com Gilberto dar mais resultado. Caio Paulista e Fernando Pacheco foram novamente escolhidos para o segundo tempo, dando novo fôlego nas pontas e se mostrando alternativas interessantes.

As outras opções disponíveis no elenco são Lucas Barcelos, Matheus Alessandro, Pablo Dyego, Felippe Cardoso e Matheus Pato. Todos esses ainda não foram utilizados após a retomada.

O Fluminense entra em campo novamente no próximo domingo, no Estádio Nilton Santos, contra o Botafogo. O Tricolor joga com a vantagem do empate e precisa ser campeão da Taça Rio para disputar a final do Campeonato Carioca, já que o Flamengo, vencedor da Taça Guanabara, ficou também em primeiro lugar na classificação geral.

Comentar
Equipe é do Piauí · 03/07/2020 - 15h18 | Última atualização em 03/07/2020 - 15h53

Gêmeas maranhenses são armas do rugby brasileiro para seguir na elite


Compartilhar Tweet 1



O rugby está muito longe de ser um dos esportes mais populares no Brasil. Muitas pessoas nem imaginam que ele seja praticado por aqui. Cogitar, então, que a seleção brasileira feminina de sevens (na qual duas equipes de sete atletas se enfrentam em partidas com dois tempos de sete minutos) esteja indo para segunda temporada na elite mundial da modalidade e já esteja garantida para a segunda edição seguida dos Jogos Olímpicos poderia ser algo impensável. Mas esses resultados são todos realidade. E grande parte deles foi conquistada com a participação destacada de duas gêmeas maranhenses de 23 anos. As ponteiras Thalia e Thalita da Silva Costa.

    Reprodução / Instagram

“Temos um time muito bom. Podemos continuar incomodando muitas seleções nos próximos campeonatos. Só precisamos aperfeiçoar alguns detalhes com treinos”, disse à Agência Brasil a atleta Thalia, na seleção desde julho de 2018. Para Thalita, que integra a equipe brasileira desde janeiro de 2019, o próximo desafio da equipe é melhorar o resultado conquistado pela seleção nos Jogos de 2016, no Rio de Janeiro, a nona posição: “Temos resultados bons, nossa expectativa está bem grande e a ansiedade também. Queremos evoluir e ir melhor que o Brasil foi no Rio de Janeiro. Já joguei pela equipe de rugby XV e pela seleção de beach rugby. Estou bem ansiosa para estrear pelo time de sevens”.

Atualmente, as duas são bem conhecidas no meio do rugby. Mas a entrada das irmãs no esporte acabou ocorrendo por acaso, no ano de 2017. “Estava no atletismo. Não conhecia o rugby. Mas um amigo insistiu tanto para irmos treinar, que acabei indo e gostei demais. Isso foi no início daquele ano. Minha irmã ainda demorou um pouco mais”, diz Thalia. “Na verdade, já tinha perdido o tesão por esportes. Estava parada há muito tempo. Demorei uns seis meses para começar os treinos. E só continuei pela insistência dos técnicos. Mas depois acabei me apaixonando. Principalmente porque o rugby tem muito contato”, declarou Thalita.

Daí, para as irmãs saírem de São Luís, no Maranhão, e partirem para Teresina, capital do Piauí, para jogarem no Delta, uma das principais equipes da modalidade, foi uma transição bem rápida. “Enfrentei o Delta com o meu ex-time, o Amaru, e o Carlos Marvel [técnico do Delta] me chamou e eu entrei no Super Sevens [primeira divisão do Campeonato Nacional]. Não escolhi o rugby. Foi ele que me escolheu. Um amor no primeiro contato”, disse Thalia. “Quando vi, já estava treinando com mais foco, viajava em alguns finais de semana para Teresina e joguei todas as etapas do Super Sevens em 2018”, afirma Thalita.

 

Gêmeas são destaques do Delta, equipe de rugby do Piauí
Gêmeas são destaques do Delta, equipe de rugby do Piauí     Reprodução Instagram/@deltarugbyufpi

O próximo passo foi a chegada à seleção brasileira. “Na etapa do Super Sevens de Curitiba de 2018, recebi a notícia de minha convocação. Em janeiro do ano passado, mudei para São Paulo. Está sendo uma experiência indescritível. Jogar na seleção com minha irmã é uma satisfação gigantesca. É uma sensação incrível, uma felicidade sem tamanho”, declarou Thalita.

O talento das duas é reconhecido por uma das mais experientes jogadoras da equipe nacional, Baby Futuro: “Elas são duas figuras e super humildes. Desde quando jogavam no Delta, já mostravam muito potencial. E na seleção, mesmo elas estando há pouco tempo no grupo, já se desenvolveram muito. A Thalia é bem leve. A Thalita, principalmente, é um pouco mais pesada, mais forte. Tem um trabalho de perna bem importante. As duas estão somando bastante à seleção”.

Mais rápida do circuito mundial

Além de colaborar com os bons resultados da seleção, Thalia também recebeu uma premiação individual. Em abril desse ano, foi escolhida em votação popular promovida pela World Rugby (WE), entidade que administra o esporte em nível mundial, como a mais veloz do Circuito Feminino. A conquista veio com o try (jogada que dá o maior número de pontos na modalidade, objetivo máximo do jogo) contra a seleção do Canadá, no qual ela atingiu a velocidade de 31 km/h: “Foi uma conquista inédita para mim. Nem estava sabendo. Foi meu preparador físico que me contou. Quando saiu o resultado, fiquei muito feliz e preocupada também. Se antes eu já era perseguida em campo, agora que vou ser ainda mais”.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Impacto do vírus no país · 02/07/2020 - 18h07

Clubes da Série C pedem novo socorro financeiro à CBF


Compartilhar Tweet 1



Em carta enviada à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), as 20 agremiações que integram a Série C do Campeonato Brasileiro pedem um novo auxílio financeiro devido aos impactos econômicos provocados pela pandemia do novo coronavírus (covid-19). Elas solicitam, também, que a terceira divisão nacional comece ao mesmo tempo que as séries A e B - ou seja, entre 8 e 9 de agosto, conforme previsão da entidade.

As equipes argumentam, na carta, que o pedido de aporte financeiro "se embasa no entendimento da própria CBF, ciente das dificuldades de honrarmos os contratos e compromissos" por conta da perda de receitas durante a pandemia. "Nossa visão em relação à CBF é de que, realmente, esse é o momento em que ela precisa ajudar os filiados, né? O momento em que precisa estender a mão, até como motivo de sobrevivência do futebol", declara o presidente do Vila Nova, de Goiás, Hugo Jorge Bravo, à Agência Brasil .

Em abril, os capitães dos clubes da terceira divisão enviaram um abaixo-assinado à CBF solicitando uma primeira ajuda. A entidade liberou R$ 4 milhões às agremiações, equivalentes a dois meses da folha salarial dos atletas, em média, sendo R$ 200 mil por equipe.

"Estamos iniciando julho. Se considerarmos que o auxílio era referente a abril e maio, nós pulamos junho e já estamos arcando sozinhos com a pandemia. Os R$ 200 mil nos ajudaram muito, porém, representam 30% do custo mensal do clube. A gente solicita que o auxílio emergencial seja renovado para garantir um mínimo de condição econômica para o início da Série C", argumenta o mandatário do time goiano.

A data para início da terceira divisão em 2020 também preocupa os clubes. Segundo Jorge Bravo, os dirigentes dos 20 participantes se colocaram à disposição para o torneio começar em agosto, simultaneamente às Séries A e B. Na carta enviada à Confederação, as equipes se comprometem "a seguir com responsabilidade os protocolos de higienização" e "as exigências estabelecidas pela CBF para a rotina de treinos e jogos" e afirmam que a principal preocupação deles "é a saúde dos atletas".

Antes da pandemia, o calendário da Série C iria de maio a novembro, quando chega ao fim o vínculo de boa parte dos jogadores das equipes. "É de suma importância concluirmos o campeonato o quanto antes. Nosso planejamento orçamentário não conta com o torneio até dezembro ou janeiro. A gente tem consciência de que o número de rodadas da nossa divisão é menor que nas Séries A e B. E pede, inclusive, que, iniciando o campeonato, a gente possa disputar a fase classificatória no menor tempo possível, com as 18 rodadas em três meses e meio, no máximo", descreve o dirigente.

Realidades distintas

As equipes da terceira divisão reiniciam os treinamentos em momentos diferentes. O Brusque (SC), por exemplo, voltou em maio, após liberação do Governo de Santa Catarina. A dupla paraense Remo e Paysandu, por sua vez, pôde retomar as atividades apenas nesta quarta-feira (1º), assim como o Ituano (SP), que recomeçou os trabalhos junto dos demais times da Série A1 do Campeonato Paulista. Já o São Bento, apesar de ser do mesmo estado que o rival de Itu, ainda não foi autorizado a treinar, pois está na Série A2 (segunda divisão) de São Paulo, cujos clubes ainda esperam o aval do governo de São Paulo.

Em Goiás, o Vila Nova recomeçou os trabalhos em 16 de julho. Devido às dificuldades financeiras, o clube precisou rescindir o contrato de alguns atletas após a paralisação, em março, e buscou reforços após a retomada das atividades. Os jogadores foram submetidos a testes de covid-19, que deram negativo para o vírus. A instabilidade no controle da pandemia em Goiânia, porém, fez a prefeitura local proibir os treinos de futebol por duas semanas. A medida, segundo Jorge Bravo, pegou o clube de surpresa.

"É um prejuízo incalculável. Não existe condicionamento físico intermitente, não há preparação técnica intermitente. É mais um problema que teremos, de ordem financeira e logística, porque temos que resguardar os interesses do clube, sempre dentro da legalidade", justifica o presidente do Vila, que estuda levar as atividades para cidades vizinhas, como Aparecida de Goiânia (GO) onde não há a proibição a treinos.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Líder do Grupo B da Taça Rio, o Fluminense enfrenta o Macaé hoje (2), às 17h30, e já deve contar com o retorno do meia Nenê ao time titular. O jogador não foi relacionado na derrota por 3 a 0 contra o Volta Redonda, no último domingo (29), no primeiro jogo do clube pós-paralisação por conta da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Nenê testou positivo para a covid-19. Embora assintomático, ele precisou cumprir o período de isolamento e só voltou aos treinos presenciais no sábado (28). Com apenas um dia de atividade em grupo, o camisa 77 sequer sentou no banco de reservas. A partida Macaé x Flu, válida pela quinta rodada da Taça Rio - segundo turno do Campeonato Carioca - será realizada no no estádio Elcyr Resende, em Bacaxá, distrito de Saquarema (RJ).

Outro jogador que também pode voltar a campo na tarde desta quinta-feira (2) é o atacante Wellington Silva. O atacante cumpriu isolamento, por ter mantido contato com uma pessoa infectada pela covid-19, embora tenha testado negativo. Ele retornou as treinos com o elenco na útlima quinta (25). Nenê e Wellington Silva terão oportunidade de começar jogando na equipe do técnico Odair Hellmann, no lugar de lugar de Ganso e Evanilson, respectivamente.

A lateral esquerda do Flu não poderá contar com Egídio. O titular na posição tomou cartão vermelho na última rodada, e cumpre suspensão automática. Desta forma, Ourinho deve ganhar oportunidade. Com 9 pontos na tabela, o Tricolor busca uma vitória simples para se manter na liderança do Grupo B. Se empatar com o Macaé, dependerá do resultado da partida de seu concorrente, o Volta Redonda, segundo colocado, com 7 pontos: o Voltaço terá de aplicar uma goleada de 5 gols de vantagem sobre o Resende.  

A primeira colocação faria o clube das Laranjeiras evitar o duelo contra o Flamengo na semifinal. A equipe rubro-negra conta com o elenco de maior investimento da competição, além de ter sido campeã da Taça Guanabara - primeiro turno do Campeonato Carioca -  e ter a melhor campanha na classificação geral.

Apenas em um cenário remoto o Tricolor não alcançará a classificação. Isso pode ocorrer se tudo tudo der errado: se o Flu for derrotado pelo Macaé; se o Volta Redonda vencer o Resende por qualquer placar; e se o Madureira golear o Vasco, de maneira a tirar a considerável diferença de saldo de gols. O Madureira tem menos 2 pontos e a equipe do técnico Odair Hellmann tem 7.

Em relação ao Macaé, o clube da região Norte Fluminense é o lanterna do Grupo B, com apenas 3 pontos conquistados em quatro  jogos disputados na Taça Rio.

Prováveis escalações:

Fluminense: Muriel, Gilberto, Nino, Matheus Ferraz e Orinho; Hudson, Yago e Nenê; Marcos Paulo, Wellington Silva e Fred. Técnico: Odair Hellmann.

Macaé:Jonathan, Filipe Formiga, Anderson, André Ribeiro e Maranhão; Wagner Carioca, Kaique, Anderson Canhoto e Richard; Jones e Alexandro. Técnico: Charles Almeida.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



A torcida do Vasco vai ficar de olho em duas partidas nesta quinta-feira (02). Em São Januário, o Gigante da Colina enfrenta o Madureira, às 20h. No Maracanã, no mesmo horário, o cruzmaltino vai torcer por uma vitória do Resende sobre o Volta Redonda.

Isto porque o Vasco não depende apenas de si para se classificar para a semifinal da Taça Rio. Apesar da boa atuação contra o Macaé no retorno do Campeonato Carioca, o time vinha de uma derrota e dois empates, que deixou a situação do clube complicada. Com apenas 5 pontos na Taça Rio, o Vasco conquista a vaga se vencer o Madureira e com uma derrota do Volta Redonda. Se houver empate no Maracanã, o Cruzmaltino terá que tirar uma vantagem de 3 gols de saldo.

De volta ao time como titular, o meia Fellipe Bastos fala sobre o confronto desta noite.

“A gente já sabe o que fazer, o Ramon já passou pra gente nos últimos treinamentos para que a gente consiga fazer um grande jogo, consiga vencer e consequentemente torcer por outros resultados. Vamos fazer a nossa parte para que a gente consiga ter uma boa resposta”.

O técnico Ramon Menezes deve repetir a equipe que venceu o Macaé por 3 a 1, com Fernando Miguel, Pikachu, Leandro Castán, Ricardo Graça e Henrique. Andrey, Fellipe Bastos, Martín Benítez. Vinícius, Talles Magno e Germán Cano.

Uma das armas do técnico Ramon no jogo contra o Macaé foi a dupla de volantes Fellipe Bastos e Andrey. Fellipe fala sobre as orientações de Ramon.

“O Ramon estudando do jeito que ele estudou, ele conversou comigo e pediu para que eu cumprisse as funções que ele tava querendo no jogo, dentro daquilo que ele acha que é função tática. Eu de bate pronto já respondi que poderia e eu tenho conseguido fazer, tenho conseguido cumprir a função que ele está me pedindo. Agora é continuar evoluindo, evoluir fisicamente. Essa troca que eu e o Andrey fizemos no jogo anterior vai acontecer, até para confundir o adversário e que a gente consiga sair com a bola com qualidade ali de trás. É uma coisa que o Ramon pede e a gente vai continuar fazendo, evoluindo, para que as coisas aconteçam”.

O Vasco terá três desfalques para o jogo contra o Madureira. Werley e Bruno Gomes fica de fora com problemas físicos. Já Fredy Guarín não treinou pelo segundo dia consecutivo e foi liberado pela diretoria para resolver problemas pessoais.

Do outro lado, o Madureira se classifica se vencer o Vasco e se o Volta Redonda não derrotar o Resende. O Madureira deve entrar em campo com Lucão, Rhuan Rodrigues, Marcelo Alves, Mário Pierre e Juninho Monteiro; Thedesco, Bruno, Douglas Cunha e Ygor Catatau; Natham Gomes e Luam Henrique.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Forma de fomentar o esporte · 02/07/2020 - 17h45

Federação Paulista de Futebol Americano realiza campeonato virtual


Compartilhar Tweet 1



Após a pandemia do novo coronavírus (covid-19) levar ao adiamento da temporada regular do Campeonato Paulista de Futebol Americano, a federação da modalidade em São Paulo decidiu organizar uma versão virtual da competição, cuja primeira fase começa no próximo sábado (4).

Segundo o presidente Federação Paulista de Futebol Americano (Fepafa), Ricardo Trigo: “Fazer a disputa pela plataforma virtual foi a forma de seguir fomentando o esporte e manter a chama viva do futebol americano neste momento difícil de isolamento social”.

A disputa acontece no game Madden 2020, da desenvolvedora EA Sports. Na competição as equipes foram divididas em três grupos de seis. Na fase inicial cada equipe disputará cinco jogos. Avançam para a fase do mata-mata os dois melhores jogadores de cada grupo, além dos dois melhores terceiros colocados, independente da chave. A final está programada para ocorrer no dia primeiro de agosto.

Mesmo tendo apenas 20 anos, Lucas Mazzoti foi escolhido para representar o Corinthians Steamrollers. “Tem muita rivalidade em jogo. Todo mundo está com muita vontade de vencer. Vamos ver o que vai rolar. Algumas equipes vão ser representadas até pelos dirigentes. Então vai ser um torneio bem abrangente, reunindo várias faixas etárias de amantes do futebol americano”, declarou, à Agência Brasil, Lucas Mazzoti, assistente técnico da equipe.

O Corinthians Steamrollers, que estreia diante do Taubaté Monsters, é o cabeça de chave do grupo B da competição. Portuguesa FA, Corsários, Spartans Football e Werewolves também integram o grupo. Nesse final de semana, além do jogo do Corinthians, serão realizadas outras oito partidas. Todos os jogos serão realizados na plataforma RealityXP, no console Playstation 4.

Vale lembrar que a temporada regular 2020 do Campeonato Paulista de Futebol Americano segue paralisada, respeitando a orientação das autoridades sanitárias paulistas, e não há uma data de retorno.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Classificado para semifinais · 01/07/2020 - 17h39

Flamengo enfrenta Boavista e anuncia transmissão do jogo pela internet


Compartilhar Tweet 1



Já classificado para as semifinais da Taça Rio - segundo turno do Campeonato Carioca - o Flamengo entra em campo contra o Boavista às 21h30 desta quarta-feira (1º de julho), no Maracanã, pela quinta e última rodada do torneio. O principal desfalque do time comandado por Jorge Jesus será o atacante Gabigol, que será poupado devido a um  desconforto muscular  A partida será transmitida ao vivo pela internet, no canal FlaTV no Youtube, e também pelo na conta do clube no Twitter e Facebook.

A transmissão do duelo logo mais a noite, pode ser a primeira totalmente produzida pelo Rubro-Negro na internet. No entanto, ao divulgar o jogo de hoje (1º) em seu canal no Twitter, o próprio clube menciona que a transmissão via streaming (veiculação de vídeos em tempo real) ainda pode ser cancelada por via judicial. Na tarde desta quarta-feira (1º), a emissora recorreu da decisão na 7ª Camara Cível do Tribunal de Justiça do RJ, conforme mensagem publicada na conta do vice-presidente Rodrigo Dunshee de Abranches no Twitter.  Na última segunda-feira (29), o juiz titular da 10ª Vara Cível, Ricardo Cyfer negou um pedido de liminar feito pela TV Globo, no intuito de proibir o Flamengo de transmitir os jogos do Campeonato Estadual.

O Flamengo não tem contrato com a TV Globo, diferente dos outros 13 clubes que disputam o Campeonato Carioca. A decisão pela transmissão por streaming foi embasada na Medida Provisória (MP) 984/2020, assinada pelo Presidente da República Jair Bolsonaro, no último dia 18. A MP atribui exclusivamente ao mandante da partida a responsabilidade de decidir a respeito da transmissão do jogo. Antes, as duas equipes - mandante e visitante - compartilhavam da decisão; os dois clubes tinham que ter contrato com a detentora de direitos de transmissão, o que impedia negociação individual de cada agremiação.

Relevância da partida

Líder isolado no Grupo A, com 12 pontos, o Flamengo vai em busca da vitória para se manter no topo da classificação geral do Estadual, que leva em conta a pontuação conquistada nos dois turnos. A equipe rubro-negra soma 25 pontos, e em segundo lugar está o Fluminense,com 24. O Rubro-Negro já faturou a Taça Guanabara e mira na conquista do estadual. De acordo com o regulamento do Campeonato Carioca, o time que for campeão dos dois turnos, e liderar a classificação geral levantará a taça, sem precisar disputar a final. 

O time que iniciará jogando será praticamente o mesmo - com exceção de Gabigo, fora do jogo de hoje -, que venceu o Bangu por 3 a 0, no Maracanã, no último dia 18. Pedro é o substituto natural do artilheiro Gabigol, com 11 gols marcados. Outra opção seria começar com Pedro Rocha.

Já o Boavista, na terceira colocação, segue com chances de avançar às semifinais:  a equipe da Região dos Lagos possui 7 pontos e está empatada com o Botafogo. O Alvinegro também joga hoje (1º) às 21h30. O confronto será no Estádio Luso-Brasileiro, na Ilha do Governador, zona norte da capital. No momento, o alvinegro leva vantagem no número de gols marcados, 9 a 5.

Prováveis escalações

Flamengo: Diego Alves, Rafinha, Rodrigo Caio, Léo Pereira e Filipe Luís; Willian Arão, Gérson, Everton Ribeiro e Arrascaeta; Bruno Henrique e Pedro Rocha/Pedro. Técnico: Jorge Jesus

Boavista: Klever, Douglas Pedroso, Elivelton, Victor Pereira e Jean; Fernando Bob, Fejjerson Renan, Erick Flores e Tartá; Michel e Pecel. Técnico: Paulo Bonamigo.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Devido ao novo coronavírus · 30/06/2020 - 22h02

Técnico Bruno Lage deixa Benfica e torcida já sonha com Jorge Jesus


Compartilhar Tweet 1



Fim da linha para Bruno Lage no Benfica. Após a derrota por 2 a 0 para o Marítimo, o técnico pediu demissão faltando apenas cinco rodadas para o término do Campeonato Português. Desde o retorno da competição após a paralisação devido ao novo coronavírus, o time de Lisboa conseguiu apenas uma vitória em cinco partidas.

O baixo rendimento fez o Benfica se distanciar do líder Porto. Há duas rodadas, as águias chegaram a liderar a competição ao vencer o Rio Ave por 2 a 1. Porém, as duas derrotas nas partidas seguintes fizeram a equipe de Bruno Lage ficar seis pontos atrás do grande rival.

O presidente do Benfica, Luís Felipe Vieira, assumiu a culpa pela fase ruim do time e revelou o incômodo de Bruno Lage com a situação.

“Sou o único culpado, não há aqui mais culpados. Sou eu. Nosso treinador, Bruno Lage, quando acabou o jogo, dirigiu-se a mim e me disse: presidente, tens meu lugar a sua disposição, porque entendo que neste momento as coisas não são boas para o Benfica. Não quero dizer que eu não tenha qualidade, não tenha capacidade para dar a volta por cima, como já dei. Mas neste momento não há condições para fazer, toda a gente parece que quer que eu vá embora”.

O sentimento de que não havia mais clima para a continuidade de Bruno Lage não é exclusividade do treinador. Torcedor do Benfica, Marco Teles, de 32 anos, entende que o técnico cometeu erros que o levaram a “perder o vestiário”.

“Em relação à saída do Bruno Lage, como benfiquista, acho que foi a melhor solução, pois ele, ultimamente, não tem feito as melhores opções. Foi um técnico muito importante no título da temporada anterior, mas neste ano não está tão bem. Ele excluiu alguns jogadores da equipe e voltou a utilizá-los agora nesta fase que a equipe está pior, como o Zivkovic. Tem também o caso do Samaris, que foi muito importante na temporada passada e nesta foi pouco utilizado. Obviamente, isto tem interferência dentro da equipe. Os jogadores sentem esses erros e também começam a falhar. Às vezes parece até falhas propositais para prejudicar a equipe e mandarem o treinador embora”.

Ouça na Rádio Nacional

E o futuro? Jornais portugueses apontam três opções no momento: Mauricio Pochettino, Jorge Sampaoli e Marco Silva. O favorito seria Pochettino, que está desempregado. O português Marco Silva também está livre no mercado desde a saída do Everton (ING), em 2019. Jorge Sampaoli é o atual treinador do Atlético-MG, e tem carta branca com a diretoria do Galo para contratações e início de um projeto a longo prazo. Apesar das três opções, o torcedor sente saudade de outro treinador, como lembra o benfiquista Marco Teles.

“O Sampaoli eu não sei muito bem o que pode acrescentar ao Benfica e ao futebol português, que é um futebol que ele não conhece. Também se fala no Pochettino, mas não sei se será a melhor solução. Eu, como benfiquista, não me importaria de ver o Jorge Jesus aqui outra vez. Sabendo que é difícil, talvez a melhor opção seja o Marco Silva, por ter sido treinador do Sporting na Liga Portuguesa e conhece bem o futebol português”. 

Jorge Jesus vem sendo cogitado para assumir o Benfica desde o retorno do futebol em Portugal e tem grande apelo dos torcedores, principalmente nas redes sociais. Pelo clube, conquistou três vezes o Campeonato Português, além de uma Taça da Portugal e cinco Taças da Liga de Portugal. O técnico renovou o contrato com o Flamengo até junho de 2021.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



A partir de agosto, quando encerrar a temporada europeia, o volante Arthur vai jogar ao lado de Cristiano Ronaldo na Juventus. O jogador da seleção brasileira, de 23 anos, que pertencia ao Barcelona, foi oficialmente confirmado hoje (29) pelo time italiano. O clube da cidade de Turim (Itália) desembolsou € 72 milhões de euros - o equivalente a R$ 440,6 milhões na cotação atual - pelo passe do atleta.

“Agora focados no presente, temos objetivos importantes no  Barcelona e continuarei até o final dando tudo: para meus companheiros de equipe e todos os fãs”, publicou o jogador em sua conta no Twiiter, em tom de despedida.

As negociações entre espanhóis e italianos envolveram ainda um outro jogador: o bósnio Pjanic que vai deixar a Juve para defender o time catalão. A transação também vai beneficiar o Grêmio, que receberá € 2,45 milhões (R$ 14,97 milhões), por ter sido um dos clubes de formação do volante brasileiro. O direito a 3,5% do valor da transferência está previsto no Mecanismo de Solidariedade da Fifa, que favorece os clubes que investem em divisões de base. 

 Arthur chegou ao Barcelona em 2018, onde já atuou em 72 partidas e marcou quatro gols.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Vice-campeã mundial em 2016, a carateca paulista Valéria Kumizaki não mede esforços para chegar em plena forma no Pré-Olímpico Mundial da modalidade, em Paris (França), adiado para o ano que vem, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Para se garantir na estreia olímpica do caratê nos Jogos de Tóquio (Japão), Kumizaki, de 35 anos, optou por treinar com os atletas Miguel e Milena Titoneli e os técnicos Clayton e Reginaldo dos Santos, todos da seleção brasileira de taekwondo. 

O grupo está reunido em uma chácara na região de São Roque, no interior paulista, e Kumizaki resolveu se juntar a eles. O único objetivo é treinar, respeitando as regras sanitárias para evitar o contágio da covid-19. "Quando a equipe do caratê está lá no Rio de Janeiro, no CT do Time Brasil, e o pessoal do taekwondo também, eu sempre dou um jeito de assistir aos treinos deles. Gosto da modalidade e me inspiro nos treinos deles, principalmente nos chutes, que são golpes bem importantes no caratê", conta à Agência Brasil.

Kumizaki lembra ainda que o preparador físico da equipe nacional do Taekwondo é o mesmo do caratê. "É o Ariel Longo. Já tinha comentado com ele que eu gostaria de melhorar meus chutes e aí surgiu a ideia de eu ir treinar com a galera do taekwondo. Eu conhecia também o Clayton e o Reginaldo. Mas nunca tinha conversado com eles. Estou impressionada com o trabalho deles, e muito feliz de poder estar aqui aprendendo a chutar com os melhores técnicos do mundo", revela.

Bicampeã no Pan de Lima

A paulista colecionou ótimos resultados nos últimos meses. Após ser bicampeã nos Jogos Pan-Americanos de Lima na categoria até 55 quilos - a quarta medalha da sequência que tem o ouro em Toronto (2015), a prata no Rio de Janeiro (2007) e o bronze em Guadalajara (2011) -, ela se garantiu no Pré-Olímpico de Paris do ano que vem.

"Vou competir nesse classificatório e também tenho o ‘cartão continental’ pelo ouro no Pan, que dá direito a três vagas nos Jogos Olímpicos. Mas a entrada na Olimpíada pelo ‘cartão continental’ depende de vários resultados de outras atletas no ranking mundial, não só os meus. Por isso, estou treinando muito focada, principalmente, no Pré-Olímpico. Se Deus quiser vai dar tudo certo", diz confiante a carateca, atualmente décima sétima colocada no ranking mundial até 55 kg. 

Atuais colegas de treino de Valéria Kumizaki na chácara do interior paulista reconhecem que a experiência de treinar juntos favorece a todos. Ícaro Miguel, líder no ranking mundial de taekwondo - categoria até 87 kg - considera que “ter pessoas como a Valéria Kumizaki no nosso dia a dia agrega muito para todos, estamos compartilhando conhecimentos".

A atleta Milena Titoneli também apoia a carateca. "Tínhamos conversado apenas uma vez, lá no Prêmio Brasil Olímpico do ano passado. Esse período de treinos está sendo uma experiência enriquecedora para todos nós", comentou a campeã pan-americana ano passado.  


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



A temporada 2019/2020 do circuito mundial de rugby sevens foi encerrada precocemente nesta terça-feira (30), pela World Rugby (WR), entidade máxima da modalidade, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Em nota oficial, a WR declarou campeãs as seleções masculina e feminina de rugby sevens da Nova Zelândia.

    Foto: © Pedro Ramos/ rededoesporte.gov.br.

De acordo com a nota, não haverá rebaixamentos nesta temporada, e desta forma, a seleção brasileira feminina - também conhecida como Yaras, classificadas em 12º lugar - seguirá na próxima edição do circuito mundial da modalidade. Já o time masculino do Brasil - os Tupis - perderam todos os jogos nesta temporada, e na próxima terão que brigar na divisão de acesso, a Challenger Series. 

O anúncio do encerramento antecipado do circuito mundial de rugby sevens ocorre após o cancelamento, ocorrido em março, de várias etapas, em virtude da pandemia. Na disputa masculina, foram suspensos quatro dos dez torneios previstos no calendário. Entre eles, os programados para acontecer em Londres (Reino Unido), Paris (França), Singapura e Hong Kong. Em relação ao feminino, três das oito competições também foram  extintas em março:  Hong Kong, Langford (Canadá) e Paris. 

“A decisão segue um diálogo detalhado e construtivo com as equipes anfitriãs e participantes, e foi tomada com a saúde e o bem-estar da comunidade de rugby e do público em geral como prioridade máxima, e de acordo com os conselhos relevantes do governo nacional e das autoridades de saúde pública”, diz a nota a WR.

O presidente do World Rugby, Bill Beaumont, aproveitou para parabenizar os campeões.

“Embora seja muito decepcionante para jogadores, fãs, organizadores e todos os envolvidos ter que cancelar esses eventos devido à pandemia global da covid-19, à saúde, o bem-estar da comunidade de rugby e da sociedade em geral permanecem a prioridade número um (…) Parabéns à Nova Zelândia por ter conquistado os títulos da série feminina e masculina após suas performances notáveis e consistentes antes do início da pandemia”.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Esporte e cozinha são duas das paixões de Thomas Galindez. Normalmente, o dia a dia é voltado à primeira delas. Argentino de nascimento, mas radicado em Santos (SP), compete há cerca de oito anos no triatlo. É o atual campeão sul-americano de Ironman, prova de resistência que inclui 3,8 quilômetros de natação, 180 quilômetros de ciclismo e pouco mais de 42 quilômetros de corrida. Em outubro, disputaria o Mundial, no Havaí (Estados Unidos), mas devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19) o evento foi remarcado para fevereiro do ano que vem.

Em meio à quarentena, a outra paixão de Thomas ganhou mais espaço. "Como gostamos de cozinhar, veio a ideia de fazermos empanadas argentinas. Moramos no Brasil eu e minha irmã. Ela abre a massa, eu faço os recheios", detalha o atleta de 23 anos à Agência Brasil.

O que surgiu como hobby deu mais certo que o esperado. "O retorno foi tão bom que a gente decidiu virar um negócio. Além de ajudar a captar uma parte do dinheiro para as provas, é algo de família, né? Com a pandemia, os patrocínios têm caído um pouco e a gente faz de tudo para se virar e correr atrás dos nossos sonhos", conta Thomas, que além de cozinhar, também faz as entregas do Cocina Galindez  de bicicleta, é claro, para não perder o hábito.

Além do trabalho na cozinha, Thomas concilia o tempo de isolamento social com os estudos - ele está no último ano de Educação Física na Universidade Metropolitana de Santos (Unimes). A intensidade dos treinamentos pode até ter sido reduzida, mas as atividades físicas continuaram. "No início [da pandemia], não conseguia sair de casa. Eram várias coisas restritas. Não conseguia nadar, por exemplo. Mas, não fiquei parado. Fiz muito treino funcional, de fortalecimento. Tenho um simulador em casa, você coloca a bicicleta e pedala no lugar. Isso me ajudou a manter um nível de treino constante", explica.

Com o adiamento do Mundial, a preparação específica ainda não começou, até pela liberação para retomada das atividades em Santos (SP) - segunda cidade com mais casos de covid-19 no estado de São Paulo - ocorrer de forma gradual. A cabeça do argentino, porém, está na competição do Havaí. Na edição do ano passado, Thomas ficou em sexto na categoria 18 a 24 anos, sendo o melhor entre os atletas sul-americanos.

Desta vez, Thomas quer ir além. "Quero ser campeão mundial da minha categoria", afirma, já projetando as próximas edições. "Tenho o sonho de competir [no Mundial] na categoria profissional. São 50 competidores, então é algo muito difícil. Mas, quero alcançar e vou correr atrás", conclui.

Inspiração caseira

Ao invés de correr, nadar e pedalar, Thomas poderia estar trocando golpes de taekwondo, modalidade em que chegou a ser faixa preta. Ou fazendo voleios e dando smashs em uma quadra de tênis. Mas, o triatlo pareceu ser o fluxo natural para ele. O pai de Thomas é Oscar Galindez, um dos maiores nomes da modalidade na América do Sul, com duas medalhas de bronze em Jogos Pan-Americanos e participação na Olimpíada de Sydney (Austrália), em 2000.

"Eu o acompanhava nas provas desde pequeno. Vi ele ganhar, sofrer, mas nunca imaginei que pararia no mesmo esporte. Ele nunca me obrigou. Quando tinha 15, 16 anos, cheguei para ele e disse: 'pai, você me treina para o triatlo?' Ele respondeu: 'Claro!'. Foi o pontapé inicial", recorda o jovem.

Com o tempo, a parceria pai-filho ganhou a extensão técnico-atleta. "A gente tenta diferenciar, né? Não é fácil, mas fomos nos adaptando. Como estudo Educação Física e quero atuar como técnico mais adiante, ele me fala o que tenho que fazer, eu monto [o treino] e mostro para ele, como se fosse uma lição de casa (risos). Então, ele aprova ou não, corrige... É algo em que os dois se ajudam", relata Thomas.

Os Galindez chegaram, inclusive, a competir juntos. No ano passado, eles dividiram o percurso do Mundial do Havaí - Thomas na categoria 18 a 24 anos, Oscar entre atletas de 45 a 49 anos. E o filho não esconde a admiração pelo pai. "Ele ainda está em um nível incrível, aos 49 anos, andando forte. Para se ter ideia desse nível, a gente ainda chega junto. É uma pessoa que fez a vida inteira dele no esporte, fez uma carreira incrível, criou a família... O coração dele, a paixão dele pelo esporte é inexplicável", encerra.


Fonte: Agência Brasil
Comentar

Compartilhar Tweet 1



Bernie Ecclestone havia dito que "em muitos casos, negros são mais racistas do que brancos" e foi criticado pelo piloto Lewis Hamilton Ex-chefão da Fórmula 1. Em uma entrevista, ele afirmou que “em certos casos, negros podem ser mais racistas do que brancos”. Lewis Hamilton, hexampeão da Fórmula 1, afirmou que a fala foi “ignorante”. As informações são de Metrópoles.

Em entrevista para o The Mail, Ecclestone procurou fazer um um mea culpa, afirmando que sempre foi a favor de negros. “Eu já conheci muitas pessoas brancas que não gostava, mas nunca conheci um negro do qual eu não gostasse”, ele disse.

“Aliás, o pai do Lewis queria começar um negócio comigo. Eu nunca teria considerado a ideia se eu fosse racista”, completou.

Para Ecclestone, no entanto, ninguém deixa de conseguir um emprego devido à sua cor de pele e que, de repente, “virou moda falar sobre diversidade”.

“Eu não tenho culpa de ser branco ou de ser baixinho. ”, tentou se defender, sobre as críticas recebidas. “Já sofri bullying na escola e tive que me defender. Os negros têm que se defender também”.

Comentar
Grandes campeões · 29/06/2020 - 11h48 | Última atualização em 29/06/2020 - 18h54

Vôlei: Sesi aposta em campeão olímpico e abre espaço para nova geração


Compartilhar Tweet 1



Presença constante nas finais dos torneios de vôlei no Brasil e até mesmo na América do Sul desde 2009, quando foi criada, a equipe masculina do Sesi parte para uma temporada no mínimo diferente.

William, Éder, Lucas Loh, Alan e Sidão, além do técnico Rubinho. Esses são apenas alguns dos nomes de peso que não tiveram os contratos renovados e deixaram a equipe. Assim, o Sesi deu a largada para a temporada 2020/2021 nessa semana com um plantel recheado de caras novas, com muitos atletas ainda juvenis.

A principal referência dentro da quadra vai ser o campeão mundial e medalhista olímpico Murilo Endres, que aceitou uma redução salarial para permanecer na equipe. Permanecendo no time, ele terá também a oportunidade de passar por uma experiência diferente. Vai jogar junto com o sobrinho, Eric Endres, de 20 anos. O garoto é filho do campeão olímpico Gustavo Endres.

“É fantástico tê-lo aqui. Está acontecendo algo parecido com aquilo que eu passei. Quando eu comecei lá no Banespa, o meu irmão Gustavo já estava lá. Entrei na base e cheguei na equipe principal. Dividi a quadra com ele muitas vezes. É bem o que está rolando agora comigo e com o Eric. Na última temporada, ele não conseguiu entrar em um jogo, mas nessa temporada isso vai acontecer e será especial demais” comentou à Agência Brasil o atual líbero e ex-ponteiro.

O jovem Eric vai começar pela primeira vez na carreira uma Superliga no elenco principal e justamente na posição em que o tio fez muito sucesso, sendo considerado o melhor jogador do mundo em 2010. “Quando eu comecei a jogar, lá em Canoas (RS), ainda mirim, eles me colocaram como central por causa da minha altura. E, além de ser a posição do meu pai, eu achava muito chato ser central. Não gostava. Depois, já quando estava no infantil, eu comecei a treinar passe. E daí apareceu a chance em um jogo que a equipe estava sem ponteiro. Entrei, fui muito bem e não saí mais” disse o atleta gaúcho.

“O Murilo é fundamental no crescimento do Eric. Toda experiência que ele teve como ponteiro. Passe, defesa, ataque, bloqueio, saque. Ele fazia tudo muito bem. Hoje ele é líbero.Mas como ponteiro, o Murilo fez história e o Eric se espelha demais nele. Vê muitos vídeos e tudo. Estar nessa Superliga vai ser uma baita oportunidade para o meu filho. Jogar e conviver com grandes atletas vai ajudar no desenvolvimento dele como atleta e como pessoa”, falou o pai, Gustavo Endres, campeão olímpico em 2004 e prata em 2008.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Primeiro foi o Botafogo · 29/06/2020 - 11h43

Rodada do Carioca teve muitos gols e protestos


Compartilhar Tweet 1



O Botafogo e o Vasco venceram e o Fluminense perdeu na quarta rodada da Taça Rio. Estádios vazios, protestos, medidas de prevenção e muitos gols marcaram esse domigo (28/06). Pelas redes sociais, as equipes também pregaram respeito no Dia do Orgulho LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e intersexuais).  

O primeiro a pisar em campo foi o Botafogo, precisamente, às 11h, para enfrentar a Cabofriense. O alvinegro entrou para jogar, uniformizado com a mensagem “vidas negras importam” estampada na frente da camisa. Mas o que chamou a atenção era a faixa exibida pelos jogadores, “Protocolo bom é o que respeita as vidas”. A frase é uma crítica à Federação de Futebol do Estado Rio de Janeiro (Ferj), que liderou a retomada do Campeonato Carioca em meio à pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Dentro das quatro linhas, os botafoguenses golearam, por 6 a 2, o time da Região dos Lagos. Pedro Raul marcou duas vezes, além de Cícero, Bruno Nazário Luis Henrique e Caio Alexandre. Aos dois minutos da partida, os alvinegros pararam a bola e se ajoelharam, repetindo o gesto antirracista que percorre o mundo, desde a morte do norte-americano George Floyd, em 25 de maio, asfixiado pelo joelho de um policial.

A vitória da equipe da estrela solitária coloca o Botafogo na briga pela segunda vaga do Grupo A, já que a primeira foi assegurada pelo Flamengo.

Quem também renasceu na competição foi o Vasco. Na estreia do técnico Ramon Menezes, o Cruz-maltino venceu o Macaé por 3 a 1, em São Januário. Todos os gols vascaínos foram marcados por Germán Cano. “Sempre sonhava poder marcar minha primeira tripleta (três gols), por sorte pude conseguir”, disse o argentino no canal do clube no youtube, já que entrevistas e coletivas, por enquanto, seguem proibidas. O resultado, somado à derrota de Madureira para o Resende (2 a 0), mantém a esperança do Vasco (5 pontos) de chegar às semifinais pelo grupo B. Mas quem está mais perto da vaga é o Volta Redonda (7 pontos), que surpreendeu o líder dessa chave, o Fluminense (9 pontos), com vitória de 3 a 0.

O tricolor não quis jogar no Maracanã, alegando desrespeito aos pacientes de covid-19 sob cuidados médicos no hospital de campanha, montado dentro do complexo esportivo do estádio. O jogo então aconteceu, às 19h, no Estádio Nilton Santos, com direito a faixa de agradecimentos aos profissionais da saúde na entrada do time. No retorno de Fred, o artilheiro não marcou e acabou substituído por Odair Hellmann no intervalo da partida. Quem balançou as redes foi o Voltaço, com Pedrinho e Saulo Mineiro, por duas vezes.

Todas as equipes voltam a jogar na próxima quarta-feira (1º) pela última rodada da Taça Rio.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
A primeira das cinco estrelas · 29/06/2020 - 11h28

Seleção Brasileira conquistava sua primeira Copa do Mundo há 62 anos


Compartilhar Tweet 1



A história da maior vencedora de Copas do Mundo começava há exatos 62 anos. No dia 29 de junho de 1958, a Seleção Brasileira conquistava, na Suécia, a primeira das cinco estrelas que ostenta em seu uniforme. Com direito a show do então menino Pelé na histórica decisão diante dos donos da casa, o brasileiro pôde cantar, pela primeira vez, "A taça do mundo é nossa (...)". 

    Foto: Divulgação CBF

O "Esquadrão de ouro", retratado assim na canção de Wagner Maugéri, Maugéri Sobrinho, Victor Dagô e Lauro Muller, mostrou que era, realmente, "bom no couro", em uma referência ao material da bola usado na época. Ainda sob desconfiança pelo insucesso na Copa de 1950, a Seleção Brasileira passou com tranquilidade pela fase de grupos. O time do técnico Vicente Feola venceu a Áustria na estreia por 3 a 0, com dois gols de Mazzola e um de Nilton Santos. No duelo seguinte, ficou no 0 a 0 com a Inglaterra em um jogo que seria o primeiro empate sem gols da história das Copas. Na terceira e última rodada, o Brasil contou com grande atuação de Garrincha e dois gols de Vavá para bater a União Soviética por 2 a 0 e garantir a liderança do Grupo 4. 

A confiança de mídia e torcida voltava aos poucos e o time Canarinho não decepcionou no mata-mata. Nas quartas, o jovem Pelé, já como titular após passar parte da primeira fase tratando uma lesão, brilhou para assegurar a classificação diante da forte defesa do País de Gales. Com direito a um chapéu no marcador, o Rei deu um lindo giro antes de finalizar no fundo da rede para garantir o 1 a 0 ao Brasil. 

No jogo seguinte, a adversária foi a forte seleção da França, conhecida pelo poderio ofensivo através do famoso artilheiro Just Fontaine. Mas os "Bleus" não foram páreos para o grande dia do quarteto formado por Pelé, Garrincha, Didi e Vavá (que abriu o placar logo no 1º minuto de jogo) e acabaram perdendo por 5 a 2. Usando a camisa 10 pela primeira vez, que seria imortalizada justamente após as grandes atuações dele neste Mundial, Pelé marcou três vezes no duelo. Didi fez o outro gol brasileiro da partida. 

A grande final no Estádio Rasunda teria duas semelhanças com a semi: o placar e o vencedor. Diante dos donos da casa, a Seleção Brasileira acabou não podendo usar a Amarelinha pelo fato de que a Suécia tem a camisa número 1 da mesma cor. Mas, diferentemente do que diz a famosa canção de Wilson Simonal, a sorte do Brasil não mudou por vestir azul. Zagallo, Vavá (2) e Pelé, também duas vezes, construíram uma imponente vitória.

O placar de 5 a 2, por sua vez, não transmite o que foi o início do confronto. Os anfitriões saíram na frente logo aos quatro minutos de bola rolando. Foi aí que a liderança de Didi, eleito o craque da competição pela FIFA, apareceu. O craque buscou a bola no fundo da meta brasileira e passou confiança ao time. Cinco minutos depois, Vavá deixaria tudo igual e a virada seria alcançada ainda no primeiro tempo, também através dos pés do atacante. Na etapa final, aos dez minutos, Pelé ainda apareceria no que seria um lance marcante para a história do futebol. Com apenas 17 anos, o Rei recebeu na área, dominou no peito, aplicou um chapéu no marcador e bateu de primeira no canto, marcando um dos gols mais bonitos de todos os tempos.

A bola continuou rolando e a rede seguiu balançado. Mas a torcida anfitriã, por tudo o que já tinha visto, decidiu exaltar os brasileiros com aplausos ao invés de lamentar a derrota. Deveriam imaginar que estava ali, bem diante dos seus olhos, o começo da glória de uma lenda das Copas do Mundo: a pentacampeã, Seleção Brasileira. 

Curiosidades da Copa do Mundo de 1958

A Copa do Mundo de 1958 ficou conhecida por algumas inaugurações. E a Seleção Brasileira protagonizou alguns desses momentos. O confronto entre Brasil e Inglaterra na primeira fase, por exemplo, marcou o primeiro empate sem gols da história das Copas. Após o término da partida, os jogadores ficaram sem saber o que fazer em campo e acreditaram que o árbitro levaria o jogo para a prorrogação. O Brasil também foi a primeira seleção a vencer uma Copa do Mundo fora do seu continente. Esse feito só seria repetido por outro país em 2010, pela Espanha, que ganhou a competição na África do Sul.

E quando se fala em vencer uma Copa do Mundo, a primeira imagem que surge a cabeça é a do capitão erguendo a Taça. Pois bem, foi o Brasil que iniciou esta corrente também. Para atender a um pedido dos fotógrafos, que não conseguiam capturar bem o momento, o capitão Hilderaldo Luís Bellini, ao receber a Jules Rimet do Rei Gustavo da Suécia, a levantou com as duas mãos. O gesto seria eternizado pelos capitães em todos os Mundiais dali em diante. Já na volta olímpica, os atletas brasileiros desfilaram com a bandeira sueca e foram ovacionados pelos público no estádio, inclusive pelo Rei Gustavo.

Grupo campeão em 1958: Gilmar, Castilho, De Sordi, Djalma Santos, Dino Sani, Mauro, Bellini, Orlando, Nilton Santos, Oreco, Didi, Zito, Moacir, Dida, Garrincha, Zagallo, Pelé, Pepe, Joel, Vavá, Mazzola e Zózimo. Técnico: Vicente Feola.


Fonte: CBF
Comentar
Volta a ser protagonista · 29/06/2020 - 11h23

Primeira liga a voltar nas Américas pode ter campeão nesta segunda


Compartilhar Tweet 1



Seis anos após ser a sensação da Copa do Mundo no Brasil, chegando às quartas de final e deixando pelo caminho seleções como Uruguai, Inglaterra e Itália, a Costa Rica volta a ser protagonista no futebol mundial. Nesta segunda-feira (29/06), às 23h30 (horário de Brasília), Deportivo Saprissa e Liga Deportiva Alajuelense fazem o segundo jogo da final dos playoffs da Liga Promerica, como é chamada a primeira divisão local. Se der Saprissa, o time fica com o título por ter melhor campanha. Caso o rival leve a melhor, força a realização de uma nova decisão, em duas partidas.

Trata-se do primeiro campeonato das Américas a ser retomado após a paralisação causada pelo novo coronavírus covid-19 - a bola não parou na vizinha Nicarágua mesmo em meio à pandemia. Com quase cinco milhões de habitantes, a Costa Rica foi uma das nações menos impactadas pelo vírus, com 3.130 casos confirmados e 15 óbitos registrados até domingo (28), conforme a universidade norte-americana Johns Hopkins. A taxa de letalidade (mortos entre pacientes infectados) no país não chega, atualmente, a 0,5%. É inferior, por exemplo, à da Nova Zelândia (1,8%), com população semelhante e que, até meados de junho, ficou quase um mês sem casos. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, essa taxa está em 4,2%.

"A Costa Rica sempre teve um sistema de saúde pública muito forte, gratuito e para todos os cidadãos", conta o jornalista Eduardo Castillo, da Rádio Teletica, à Agência Brasil, em referência ao CCSS (Caja Costarricense de Seguro Social, ou simplesmente Caja), criado em 1941. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o país tem o quinto maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e a mais alta expectativa de vida da América Latina.

O estado de emergência foi decretado no país em 16 de março, 10 dias após o primeiro caso ser registrado - uma turista norte-americana de 49 anos. "Foram tomadas medidas como o fechamento de locais comerciais e estabelecimentos de entretenimento, como cinemas e bares, além das restrições veiculares. A partir da sete da noite, não podia mais andar de carro e [quem desobedecesse] era passível de multa. As empresas também adotaram medidas, com o ajuste de horários e trabalho de casa. Os cidadãos se apegaram às medidas e não foram rebeldes", relata o jornalista.

A suspensão do campeonato foi adotada pelo Conselho Diretor da União de Clubes de Futebol da Primeira Divisão (Unafut), que administra o torneio, um dia após o decreto do governo. Na semana seguinte, a associação dos jogadores, a Federação Costarriquenha (Fedefutbol, sigla em espanhol) e a Unafut entraram em acordo quanto à redução salarial na paralisação. "Felizmente, os canais de TV e alguns patrocinadores mantiveram o investimento e os clubes conseguiram seguir durante esse tempo", diz a secretária-geral da Fedefutbol, Margarita Echeverría, à Agência Brasil.

O retorno

A conversa entre entidades e governo para retomar o futebol iniciou entre o fim de abril e o início de maio. "Naquele momento, tínhamos cerca de 700 casos, metade deles recuperados, e um, dois casos novos por dia - no máximo 10. Então, entendeu-se que dava para regressar", explica Castillo. No Brasil, atualmente, somente o Campeonato Carioca recomeçou. Hoje, o Rio de Janeiro é um dos estados com maior taxa de mortalidade pelo novo coronavírus (56,7 a cada 100 mil habitantes), mais que o dobro da média nacional (27,2).

O anúncio de que o campeonato costarriquenho seria retomado foi feito em 11 de maio. Na ocasião, Fedefut e Unafut divulgaram um protocolo, revisado e aprovado pelo governo, com diretrizes para a volta de treinos e jogos. "É um protocolo muito rígido, realizado com participação dos médicos dos clubes da primeira divisão e também adotado pela segunda divisão. Por exemplo, foram enumerados fiscais para confirmar se ele está sendo cumprido nos estádios. Há determinações sobre a entrada das equipes no estádio e a presença limitada de funcionários", descreve Echeverría.

A bola voltou a rolar em 20 de maio com portões fechados, como já fora na rodada que antecedeu a paralisação. Além da ausência de torcida, o protocolo orienta quanto à utilização constante de máscaras (inclusive no caminho ao estádio), exceto, claro no campo de jogo; distanciamento de dois metros entre os atletas no vestiário e restrição de acesso a jogadores não relacionados, entre outros. Controle de temperatura na chegada, com proibição de entrada a quem estiver acima dos 37,5 graus, e lavar as mãos com água e sabão e álcool em gel também estão entre as determinações.

Houve, também, necessidade de restrição aos meios de comunicação. "Só se permite acesso às emissoras com direitos de transmissão, em número limitado de cinegrafistas, assistente e engenheiro de som. Às rádios, apenas um jornalista e um técnico. Já a imprensa escrita não pode ir ao estádio, mas, participa das entrevistas enviando perguntas aos assessores", conta Castillo.

Quebrar as regras definidas no protocolo não tem sido tolerado. No fim de maio, após uma partida contra o UCR, o Limón foi punido com a perda do mando de campo por ter violado itens como ausência de álcool em gel, pia e toalhas para os árbitros, presença de pessoas não autorizadas e sem máscara no estádio, cumprimento só parcial do distanciamento social e alguns jogadores não terem lavado as mãos antes da etapa final.

Sob cautela

A rigidez se explica. Desde o início de junho, a Costa Rica viu a curva de casos da covid-19 subir. Na última quinta-feira (25), foram 169 novos infectados, maior número em 24 horas no país desde que a pandemia chegou. Antes do começo deste mês, o recorde era de 37 casos em um dia, em 9 de abril. "Vivemos, agora, uma nova onda, mais forte", resume Castillo, da Rádio Teletica.

O recente avanço do novo coronavírus levou o governo costarriquenho a, inicialmente, suspender os dois jogos da final entre Saprissa e Alajuelense, antes marcados para 21 e 24 de junho - domingo e quarta-feira da semana passada, respectivamente. Liga, federação e poder público entraram em acordo e as partidas foram reagendadas. A de ida ocorreu justamente no último dia 24, com vitória do time da cidade de Alajuela por 2 a 0.

Há, no entanto, preocupação de que se repitam cenas como as da torcida do Liverpool, que ignorou as orientações sobre distanciamento e tomou as ruas para celebrar o título do Campeonato Inglês, o primeiro após 30 anos. "Temos o apoio do governo e feito uma grande campanha para que os torcedores do time campeão não saiam para comemorar. Na última terça-feira (23), na final da divisão de acesso, isso foi respeitado", conclui Etcheverría, da Fedefutbol.


Fonte: Agência Brasil
Comentar
Em comemoração dos 37 anos · 28/06/2020 - 10h05

Felipe Melo da festa de aniversário em casa e pede desculpa por 'ofensa'


Compartilhar Tweet 1



Felipe Melo, jogador do Palmeiras, que em março chegou a divulgar um vídeo pedindo que as pessoas seguissem as orientações da Organização Mundial da Saúde, 'furou' a quarentena e deu uma festa em sua casa para comemorar os 37 anos de idade.  Com informações do Ig Esportes.

    Reprodução

Neste sábado, o jogador postou uma foto no stories do Instagram com um texto onde pedia desculpas para quem tenha se ofendido com o ocorrido.

"Ontem, comemorei o meu aniversário com minha família e amigos mais próximos. Sei que o mundo passa por um momento difícil, mas depois de muito pensar, meus familiares e eu decidimos comemorar de uma forma reservada. Foi na minha casa e tentamos, da melhor maneira possível, preservar a segurança de todos os presentes. Se ofendi algumas pessoas, peço desculpas. Não foi esta a intenção" escreveu Felipe Melo.                  

 

        

Comentar
Plano de reabertura da cidade · 28/06/2020 - 09h46

Prefeitura do Rio libera torcida voltar aos jogos a partir de 10 de julho


Compartilhar Tweet 1



O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, em decreto publicado em edição extraordinária do Diário Oficial da Prefeitura, nesta sexta-feira (26/06), marcou a data para os eventos esportivos voltarem a contar com público. Será no dia 10 de julho, como parte da etapa 3B do plano de reabertura da cidade do Rio de Janeiro.

    Reprodução

No momento, os jogos de futebol são a única competição já retomada na cidade. Mas os jogos ocorrem com portões fechados devido ao risco de contaminação por Covid-19. 

A prefeitura estabeleceu que os eventos esportivos terão capacidade máxima de 1/3 do público, sem ultrapassar a regra de 4m² por pessoa. Determinou ainda que a venda de ingressos seja somente online ou em caixas de auto-atendimento. O decreto, no entanto, não explica como estas exigências serão atendidas.

Também ficou estabelecido que os eventos passarão a receber 2/3 do público a partir da fase 5 do plano de reabertura, previsto para 1º de agosto. Por fim, na fase 6, prevista para o dia 16 de agosto, será permitida a capacidade total.

Vale destacar que estas etapas estão sujeitas à evolução da pandemia de Covid-19 na cidade. Até o momento, a prefeitura considera que o Rio tem reagido bem à pandemia.

Comentar
A posição da CBF não agradou · 28/06/2020 - 09h34

Clubes debatem com CBF para definirem janelas de transferências


Compartilhar Tweet 1



A Diretoria de Registro, Transferência e Licenciamento da CBF se reuniu com os clubes do futebol brasileiro, nesta quarta-feira (24/06), por videoconferência. Após dialogar com os representantes dos times, a entidade decidiu postergar a abertura da janela de transferência, que estava marcada para o 1° de julho. No dia 2, outro encontro online será realizado para tratar da definição de novas datas.

    Lucas Figueiredo/CBF

Devidamente autorizada pela FIFA, que abriu para as confederações nacionais a possibilidade de agendamento de novas janelas de transferência, a CBF vai aguardar a definição das datas dos países europeus para organizar o cronograma brasileiro.

"Após ouvir os clubes, definimos, neste primeiro momento, apenas cancelar o início da janela que abriria na próxima semana. Vamos aguardar a divulgação do período das janelas europeias para depois remarcar a data de abertura em relação ao futebol brasileiro. É uma posição que a CBF já havia alinhado junto à FIFA e que os clubes concordaram por unanimidade", afirma o Diretor de Registro, Transferência e Licenciamento de Clubes, Reynaldo Buzzoni.

 


Fonte: CBF
Comentar

Compartilhar Tweet 1



O Campeonato Brasileiro da Série A poderá retornar no dia 9 de agosto, domingo. A Série B tem data prevista de recomeço para 8 de agosto.

    Reprodução

A decisão foi tomada na noite desta quinta-feira, em reunião convocada pela CBF junto com a Comissão Nacional de Clubes (CNC) com a participação dos 40 clubes disputantes das duas séries.

As datas básicas e o cronograma de retorno foram propostos pelo presidente da CBF, Rogério Caboclo, e apoiados pelos clubes.

O retorno do futebol depende da autorização das autoridades de saúde. Mas, dezenove dos vinte clubes da Série A se dispuseram a jogar fora das suas cidades, em última instância, caso até lá seus municípios não estejam liberados pelas autoridades de saúde a realizar jogos. Foi um sinal de apoio à realização da competição pela CBF.


Fonte: CBF
Comentar

Compartilhar Tweet 1



O meia Henrique, do Cruzeiro, sofreu um grave acidente na noite dessa sexta-feira (26/06), em Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte. O jogador perdeu o controle do carro que conduzia e despencou de um penhasco. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o acidente aconteceu em um ponto conhecido como Mirante do Jatobá. A corporação informou ainda que o local do acidente era de difícil acesso, mas que o atleta não sofreu fraturas. As informações são do Metrópoles

Henrique foi conduzido ao Hospital Mater Dei, em Belo Horizonte. O jogador se manteve consciente durante todo o resgate e reclamou apenas de dores no corpo. Ele estava sozinho no momento do acidente.

Em nota, o Cruzeiro informou que Henrique foi acompanhado por médicos do clube e também por profissionais de saúde do próprio hospital. O jogador passou por exames que confirmaram que ele não teve lesões graves.

 

Comentar