'Poderia estar morto' · 25/04/2016 - 09h25

Estudante é agredido por taxistas após ser confundido com motorista do Uber

Estudante é agredido por taxistas após ser confundido com motorista do Uber


Compartilhar Tweet 1



Um estudante de direito foi agredido por taxistas após ser confundido com motorista do Uber durante o final de semana. Após sair do prédio onde mora, no bairro da Torre, Zona Oeste do Recife, Thiago Dorneles Ribeiro Magalhães, 21 anos, foi trancado por dois táxis. Houve uma discussão e o jovem foi espancado.

"Um deles deu um soco em mim. Quando fui revidar, chegou outro por trás me dando uma rasteira. No chão, eles começaram a me dar socos, ponta pés... pisaram no meu joelho", contou o estudante. O caso foi relatado nas redes sociais e compartilhado por centenas de pessoas. Após o episódio, Thiago Magalhães prestou queixa no Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP).

"Quando conversei com a delegada, ela me relatou que está ocorrendo cerca de 50 registros por final de semana envolvendo casos com Uber. Nunca trabalhei com Uber, nem com transporte de passageiro. Sou estudante de direito. Sou estagiário", afirmou o jovem, que completou: "No mínimo, eu acho que, além da punição administrativa, como perda da praça e multas, deve haver uma punição penal, porque isso é um crime, uma lesão corporal, até uma tentativa de homicídio", concluiu.

Assustado e com fortes dores, Thiago Magalhães anda com dificuldade e amparado pela mãe, Ivanise Magalhães. Para ela, se as pessoas não tivessem interferido, o estudante poderia estar morto. "Para mim (os suspeitos) são marginais! Tinha gente ao redor... imagina se não tivesse? Meu filho poderia estar morto", desabafou Ivanise Magalhães.

Ao Portal NE10, o presidente da Associação dos Profissionais Condutores Auxiliares de Táxi do Recife, Sandro Cavalcanti, negou que taxistas tenham agredido o rapaz. "A categoria dos taxistas do Recife não recebe orientação para partir para agressão ou violência. Na realidade, são os motoristas da Uber que estão fazendo provocações. A categoria dos taxistas é que está mais sofrendo com isso", defendeu.