Compartilhar Tweet 1



Neste sábado, dia 23, acontece a Convenção Municipal do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). O evento será no Centro de Convenções Atlantic City a partir das 14h.

Na ocasião serão escolhidos os candidatos a prefeito e vice e os candidatos a Vereadores do partido para as eleições municipais de 2016. Além disso, os representantes irão aprovar o plano municipal de governo.

Os pré-candidatos a prefeito e vice-prefeito de Teresina, Amadeu Campos (PTB) e Décio Solano (PT), estarão presentes na Convenção, assim como representantes e lideranças dos partidos da coligação o PTC, PMN e o PT, como o governador Wellington Dias, senador Elmano Férrer e deputado estadual Evaldo Gomes.


Fonte: AsCom

Compartilhar Tweet 1



O ministro Gilmar Mendes já tem armas para fazer o que tanto o PT quanto a oposição já esperavam que ele fizesse: rejeitar as contas de campanha da presidente Dilma Rousseff à reeleição.

Nesta segunda-feira 8, técnicos do Superior Tribunal Eleitoral (TSE) se manifestaram pela rejeição das contas de Dilma, do PT e do Comitê do partido. O relatório será enviado a Gilmar, que é relator do caso.

O argumento dos técnicos é que 13% das saídas dos recursos da campanha desse ano e 5% das entradas foram irregulares. Gilmar pode ou não acatar a posição dos técnicos em seu voto, que será submetido ao plenário do TSE.

A rejeição das contas não impede a diplomação da presidente Dilma ao segundo mandato em janeiro, mas dá mais gás à oposição na estratégia para um eventual impeachment, uma vez que abrirá portas para o pedido de investigações contra a presidente.


Fonte: Com informações de Brasil 247

Compartilhar Tweet 1



O prazo para o eleitor que não compareceu no primeiro turno da Eleição 2014, justificar seu voto, termina às 18h desta quinta-feira (04/12). Os cartórios eleitorais permanecerão abertos para que o eleitor não perca direitos básicos, como por exemplo, a participação em concursos.

Hoje pela manhã, cerca de 800 pessoas que deixaram para justificar seu voto em cima da hora, lotaram o prédio da 98º Zona Eleitoral, no centro de Teresina. Uma delas era a dona Josany Soares, 40 anos. Ela teve seu titulo transferindo para o bairro Dirceu, e não sabia onde ficava a escola. "O mal do ser humano, é deixa pra fazer as coisas em cima da hora”, disse, comentando a demora em procurar a justiça eleitoral.

O atendente Antônio de Pádua, que trabalha a mais de 10 anos no Tribunal Eleitoral falou que esse ano, o numero de pessoas que procurou o cartório eleitoral para justificar o voto foi maior do que nas ultimas eleições. "Muitos deixam de votar por conta de uma viagem ou porque adoeceram”, diz.

A justificativa só será aceita se o eleitor apresentar um documento que comprove a impossibilidade de votar. Sem o comprovante de votação, ou de quitação de suas obrigações eleitorais, o eleitor fica impedido de exercer alguns direitos, como, inscrever-se em concurso público, ser empossado em cargo público, obter carteira de identidade ou passaporte. Quem descumprir o prazo terá que pagar multa, que custa R$ 3,50.

W.Dias quer centralizar · 25/11/2014 - 18h30 | Última atualização em 26/11/2014 - 11h45

Marden Meneses: 'Não vamos permitir a tentativa de engessar o orçamento'


Compartilhar Tweet 1



O deputado Marden Menezes (PSDB) prometeu apresentar emenda ao orçamento, caso o Poder Judiciário não seja contemplado com os recursos necessários ao seu normal funcionamento. Ele disse ter sentido, na reunião do governador eleito, Wellington Dias (PT), com os deputados, o desejo do Executivo, de descentralizar os recursos.

“A intenção é assegurar aos poderes os recursos necessários para o funcionamento e aperfeiçoamento dos seus serviços”, disse Marden sobre a emenda.

Marden Menezes citou como exemplo, a Secretaria de Transportes, contemplada com maior valor que o Tribunal de Justiça, para dizer que não justifica o corte dos repasses.

O deputado concluiu seu pronunciamento afirmando que o Poder Judiciário vai precisar fazer contratações, e que não poderá ficar dependendo do Executivo, pois é desejo do novo governador que se faça convênio entre Judiciário e Executivo, sempre que houver necessidade. “Não dá para toda vez que o TJ precisar fazer a reforma de uma comarca ter que se submeter ao governo Estado. Não vamos permitir a tentativa de engessar o orçamento", enfatizou.


Compartilhar Tweet 1



A Executiva Nacional do PSDB negocia a contratação de pelo menos cinco peritos para auditar o resultado da eleição presidencial de 2014.

O partido terá acesso aos dados disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral.

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-S), diretor jurídico do comitê de Aécio Neves e responsável pela condução do processo, avalia currículos de peritos indicados pela USP e Unicamp.

Embora não revela oficialmente, o partido estuda contratar também dois especialistas estrangeiros que já foram contatados: um americano e um israelense.

No último dia 30 de outubro, o partido anunciou que pediria oficialmente a auditoria da apuração do TSE. No dia 4 de novembro, o tribunal aprovou por unanimidade o “pleno acesso aos sistemas de votação, apuração e totalização dos votos das eleições de 2014?.


Compartilhar Tweet 1



Assim que o resultado das eleições presidenciais foi divulgado, às 20h de ontem (26), os comentários sobre a participação dos votos do Nordeste na vitória da candidata do PT, Dilma Rousseff, começaram a surgir nas redes sociais. Segundo o diretor-presidente da organização não governamental (ONG) SaferNet Brasil, Thiago Tavares, as páginas na internet e nas redes sociais que têm violações aos direitos humanos serão investigadas e seus autores poderão ser punidos. Tavares explica que, assim como quem cria, quem compartilha um conteúdo de ódio e preconceito também pode ser responsabilizado criminalmente.

Tavares, que é professor de direito da informática da Universidade Católica de Salvador, disse hoje (25) que, desde ontem, a ONG recebeu 421 denúncias referentes a 305 novas páginas nas redes sociais, especialmente no Twitter e no Facebook, com o objetivo de promover o ódio e a discriminação contra a população de origem nordestina. “Lamentavelmente, tudo indica que hoje essas manifestações devem continuar crescendo e ao longo desta semana também”, disse o professor.

As denúncias feitas após a divulgação do resultado do segundo turno são 342,03% maiores em relação àquelas recebidas no dia 5 de outubro, do primeiro turno das eleições. E, segundo Tavares, 662,5% maiores em relação às no dia 26 de outubro de 2013, fora do contexto eleitoral. Tavares diz que as pessoas precisam valorizar a diversidade e respeitar os direitos humanos. “Mas, diante de uma campanha tão polarizada e tão radicalizada, é difícil muitas vezes conter o ímpeto de alguns usuários que resolvem descarregar nas redes sociais as suas frustrações e todo seu preconceito em relação à população nordestina”, disse.

Para Tavares, o mais preocupante é que existem usuários que não são tipicamente criminosos, mas compartilham mensagens de ódio que muitas vezes são postadas “por grupos de extrema direita, de orientação neonazista, inclusive, que se sentem legitimados, fortalecidos e encorajados em momentos como este e encontram nesses eleitores inconformados uma espécie de instrumento para propagar esse tipo de mensagem de ódio e desestabilizar o país”.

A ONG foi criada em 2005 com foco na defesa dos direitos humanos na internet e é operada em parceria com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal. As denúncias podem ser feitas de forma anônima na página da SaferNet, apenas copiando o link da página que tem a violação. A Lei 7.716, de 1989, pune, com pena que pode chegar a cinco anos de reclusão, aquele que utiliza os meios de comunicação social, como a internet, para promover o ódio e a discriminação em razão da raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Para o professor do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília, Sadi Dal Rosso, algumas pessoas acusam os nordestinos de votar apenas por causa de algum benefício financeiro que recebam do governo, sem se preocupar com o projeto social como um todo. “O governo agora tem esse papel de dialogar, há um laço comum no país, até porque a Dilma [Rousseff] teve votos de Norte a Sul. Não há desunião no país, mas questões ideológicas que debatemos quando o ‘sangue sobe à cabeça’; ações concretas para elevar as condições de vida da população são importantes, políticas reais e afirmativas para diluir essas questões”, disse o sociólogo.

Para Dal Rosso seria problemático se surgissem movimentos de rua truculentos, como alguns que atuaram nas manifestações de junho de 2013, mas ele diz que já viu um usuário pedindo desculpas nas redes sociais por ter usado “expressões muito duras”, reconhecendo os exageros, o que, para ele, indica que o clima pode estar esfriando.

Segundo Thiago Tavares, da SaferNet, há dois exemplos emblemáticos de crime de ódio na internet. “Nas eleições de 2010, a estudante de direito da Universidade Mackenzie, Mayara Petruso, de 21 anos, declarou no Twitter, logo que saiu o resultado, que os usuários da rede deveriam fazer um favor a São Paulo e matar um nordestino afogado. Em razão dessa mensagem, ela foi condenada pela Justiça Federal, perdeu o estágio, teve que prestar serviço comunitário, pagar multa, o que gerou um transtorno para a vida dela”, contou.

O outro caso aconteceu nas eleições deste ano. Segundo Tavares, uma auditora do Trabalho da Bahia foi indiciada por usar as redes sociais para pregar a violência física e o ódio contra nordestinos. “Os casos estão começando a chegar ao Judiciário e ele tem se pronunciado no sentido de condenar as pessoas que tem usado a internet para essa finalidade”, completou.


Fonte: Com informações da Agência Brasil
Após problemas do 2º turno · 28/10/2014 - 08h57

TRE agora vai analisar as prestações de contas das campanhas eleitorais


Compartilhar Tweet 1



Com o processo de votação finalizado neste domingo, dia 26, o trabalho do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE) se intensificará no sentido de julgar os inúmeros processos eleitorais ajuizados durante a campanha. Também caberá à Justiça Eleitoral analisar as prestações de contas de todos os candidatos e preparar a diplomação dos eleitos.

O Presidente do TRE, desembargador Edvaldo Moura, afirmou que o segundo turno das eleições no Piauí ocorreu de forma tranquila e que não foram observados os mesmos problemas do primeiro turno. O desembargador se referia à grande quantidade de problemas com a votação biométrica no estado na primeira fase do pleito, o que provocou um grande atraso na votação do Estado.

Dessa vez, 181 problemas foram registrados. Nas cidades onde foram implantadas a biometria, 17 seções tiveram problemas com o leitor biométrico e foram substituídas 55 urnas eletrônicas.

O procurador regional eleitoral Kelston Lages admite que essa foi uma eleição marcada por uma grande quantidade de processos eleitorais, mas destaca que o trabalho integrado das instituições de segurança e fiscalização possibilitaram que o processo eleitoral fosse conduzido dentro da lei. “Tivemos uma imensa demanda, principalmente no que refere à propaganda eleitoral. Mas se eu puder ressaltar um aspecto positivo nesse pleito foi a integração do aparato de segurança do Estado, que contribuiu para que o processo ocorresse nos termos da lei”, declarou.


Fonte: Com informações do Jornal O Dia
Dilma virou nos 10% finais · 27/10/2014 - 19h16

Até 90% das urnas apuradas, Aécio é quem liderava votação no país


Compartilhar Tweet 1



Enquanto o Brasil inteiro esperava ansioso dar 20h para saber quem estava na frente na apuração dos votos para presidente da República, cerca de 30 privilegiados acompanhavam a apuração voto a voto desde as 17h, em duas salas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Eram técnicos de informática do tribunal, responsáveis por checar a regularidade da totalização. O candidato do PSDB, Aécio Neves, largou na frente. A virada foi registrada às 19:32:03, quando estavam somados 88,9% do votos.

Nesse horário, a presidente Dilma Rousseff (PT) atingiu 47.312.422 votos, ou 50,05% do total apurado até então. Aécio ficou para trás de forma irreversível. Tinha 47.224.291 votos, ou 49,95% do total. Embora o momento tenha sido emocionante, nenhum dos presentes comemorou ou demonstrou tristeza. Afinal, estavam todos a trabalho. A vitória inicial e fugaz do tucano ocorreu porque a apuração começou com as urnas do Sul e do Sudeste, onde ele tem maioria de votos.

— Deu uma angústia ver o desenrolar das coisas e não poder compartilhar com ninguém — lembra o secretário de Tecnologia da Informação do tribunal, Giuseppe Janino, que chefiava o grupo. — Para quem viu, foi uma disputa bem emocionante.

A ordem do presidente do TSE, ministro Dias Toffoli, era para que os técnicos ficassem isolados e não passassem a ninguém informações sobre a apuração antes das 20h – nem para ele mesmo. Janino determinou que todos os servidores desligassem o celular e não tivessem acesso ao e-mail, ou redes sociais. Era impossível a comunicação com familiares e amigos. Eles só poderiam conversar entre si. Foi providenciado um lanche para evitar saídas.

— Desliguei meu celular também, para não receber pressão. Não falei nem com a minha família — garante o secretário. — A ordem era para que não passássemos informação nem se tivesse uma decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) determinando isso.

Na porta das duas salas, cartazes avisavam que o acesso era restrito. Um segurança garantia que ninguém sairia do tribunal a pretexto de ir ao banheiro, por exemplo. Ao sair da sala, o vigia seguia o servidor até o retorno, para não haver nenhum vazamento de informações.

— Todos estavam com o celular desligado. As comunicações eram somente no trabalho. É muito difícil isolar as pessoas hoje, todos têm um computador no celular — observa Janino.

Segundo o secretário, o isolamento tão restrito dos servidores foi inédito. Isso porque o país tem hoje quatro fusos horários, por conta do horário de verão. O primeiro horário é o de Brasília. O último, o do Acre.


Fonte: Com informações de O Globo

Compartilhar Tweet 1



Vencedora das eleições e com mais quatro anos de mandato, a presidente reeleita Dilma Rousseff pode se tornar a campeã de indicações de ministros para compor o STF (Supremo Tribunal Federal) desde a redemocratização do Brasil. Isso porque, até 2018 cinco ministros da Corte devem se aposentar ao completarem 70 anos.

Até agora, a presidente Dilma já indicou quatro ministros para o Supremo: Roberto Barroso, Luiz Fux, Rosa Weber e Teori Zavascki. Ela ainda precisa indicar o substituto do ex-ministro Joaquim Barbosa, que se aposentou em julho do ano passado e deixou a cadeira vaga.

Além desses cinco nomes, Dilma terá de escolher pelo menos mais cinco para os lugares de Celso de Mello, que deve se aposentar no ano que vem, Marco Aurélio e Teori Zavascki, que fazem 70 anos em 2016, e Rosa Weber que deverá se aposentar compulsoriamente em 2018.

Somando os dois mandatos, serão dez indicações para ministros do STF. Dilma estará no topo do ranking de presidentes que mais escolheram nomes para compor o Supremo.

Atrás dela aparece o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que indicou oito ministros durante sua gestão, seguido por Fernando Collor de Mello que indicou cinco nomes durante o tempo em que esteve no poder.

Prós e contras

Para o cientista político da UnB (Universidade de Brasília) Antônio Flávio Testa, as indicações refletem diretamente no comportamento dos ministros diante de questões jurídicas que serão julgadas. Para o professor, a autonomia entre os poderes Executivo e Judiciário não existe.

"As indicações [do presidente] refletem muito objetivamente nas questões do judiciário. A realidade e a história desse País dizem que o STF está diretamente subordinado aos interesses do governante. Autonomia é apenas voltada para a mídia, na prática, quem manda é quem comanda o comportamento dos ministros".

Para o cientista político as indicações passam pelo processo político normal, que leva a negociações de “troca de favores” e por isso os ministros ficam sujeitos aos presidentes que os nomearam.

Já o especialista em Direito Constitucional da UnB (Universidade de Brasília) Paulo Blair, o STF é completamente autônomo e age de maneira independente do Executivo. O professor acredita que é “tolice” imaginar que os ministros vão responder às expectativas do presidente que os indicou.

"É absolutamente incorreto imaginar um aprisionamento judiciário. Na história da República brasileira se percebe um grau de independência extraordinário. Mesmo que alguém imagine que ao indicar juízes ou ministros vai conseguir dar um perfil para Corte, que vai instrumentalizá-la para uma determinada orientação ou visão de mundo, certamente vai se desapontar profundamente com o resultado".

Mensalão

O julgamento do mensalão no Supremo foi o maior processo criminal analisado pelo Supremo. A acusação apontava o PT como gerenciador de um esquema de pagamento de propina para comprar apoio político de deputados no Congresso Nacional.

Na época em que o STF iniciou o julgamento da ação penal, em agosto de 2012, seis ministros dos 11 que integravam a Corte eram indicações do ex-presidente petista Lula, inclusive o relator do caso, Joaquim Barbosa.

Dos 40 acusados de participação no esquema do mensalão, 24 foram condenados, entre eles figuras importantes do PT, como o ex-ministro José Dirceu, o ex-deputado José Genoino e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares.

Para Paulo Blair, esse julgamento é uma prova da autonomia do Supremo. Segundo o professor de Direito, se os ministros fosse subordinados ao presidente que os indicou, os réus petistas teriam sido poupados.

"Veja o que aconteceu no recente julgamento do mensalão. O relator do processo foi indicado pelo presidente Lula. Quer prova de autonomia mais intensa do que essa?".

Mas, o cientista político acredita que o processo do mensalão foi um caso atípico porque não se referia exclusivamente ao PT. No entendimento do especialista, o envolvimento de outros partidos foi o que garantiu o julgamento desvinculado.


Fonte: Com informações do R7

Compartilhar Tweet 1



Apesar da derrota, o candidato Aécio Neves (PSDB) obteve uma votação expressiva no exterior neste segundo turno das eleições. Ele teve 77,02%, contra 22,98% da presidente Dilma Rousseff (PT)

Em Miami (EUA), o maior colégio eleitoral fora do País, o candidato do PSDB teve 91,79% dos votos e Dilma, 8,21%. Em outras cidades norte-americanas, como Nova York, Washington Chicago e Houston, ele também foi vencedor.

A abstenção neste segundo turno foi muito parecida com a do primeiro: 59,79%, de acordo com a apuração ainda não concluída. Ao todo, 353.536 brasileiros estão aptos a votar fora do País. A ausência da maioria se deve ao fato de haver locais de votação apenas em algumas cidades.

Quem mora fora e não votou nestas eleições precisa procurar o consulado ou embaixada para justificar a ausência. O eleitor que não estiver em dia com a Justiça Eleitoral não poderá, por exemplo, renovar o passaporte.


Fonte: Com informações do R7

Compartilhar Tweet 1



Para chegar a Santarém Novo, município paraense de 6.390 habitantes localizado a 160 quilômetros da capital Belém, é preciso ajuda: sem nenhuma placa na PA-324, estrada que corta o nordeste do Estado, que indique a entrada da cidade, são os moradores das vizinhas Nova Timboteua e Peixe-Boi quem direcionam os forasteiros. É no mapa do Bolsa Família, porém, que Santarém Novo não passa despercebida. Com 1.283 famílias atendidas, o pequeno município tem o maior porcentual de beneficiados do Pará, cerca de 69% da população. Em 2013, a União passou 2,4 milhões de reais em benefícios do programa ao Estado. A alta dependência da renda da população do programa federal é proporcional à votação de Dilma em Santarém Novo: a presidente obteve 78,19% dos votos entre 5.519 eleitores. No primeiro turno, o porcentual foi um pouco menor: 76,76%. “A quantidade de pessoas que recebe o Bolsa Família quase empatou com a votação para a Dilma no primeiro turno”, diz o prefeito Sei Ohaze, conhecido como Pedro Japonês.

Além do Bolsa Família, que concede uma média de 239,15 reais por mês às famílias, boa parcela da população é beneficiada do Bolsa Verde, programa sancionado por Dilma em setembro de 2011 que repassa 300 reais a cada trimestre a famílias de extrema pobreza que vivem em área de preservação ambiental. Santarém Novo tem quinze comunidades inseridas na reserva extrativista Chocoaré-Mato Grosso e 552 famílias estão cadastradas no programa. Parte dos que recebem o Bolsa Verde ainda vive em casas construídas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) por meio de programa de habitação em áreas extrativistas. As casas têm 42 metros quadrados e são entregues equipadas com fogão, geladeira, freezer, maquinário para moer o açaí e para torrar a farinha de mandioca.

“Brincamos que a Dilma só não deu a mulher para a gente, mas o resto foi tudo”, diz o pedreiro Jorge dos Santos Assis, de 29 anos, que vive com a mulher Mara Rosário, de 25 anos, e dois filhos há sete anos em casa construída pelo Incra. A família recebe 260 reais por mês do Bolsa Família e votou na Dilma. “Ela nos ajudou muito, não tem como não votar. Ficamos na dúvida se o Aécio ganhasse iria manter o Bolsa Família”, diz Mara.

A realidade da família do pedreiro reflete a de todo o município: com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) baixo, de 0,58, Santarém Novo vive da pesca, agricultura de subsistência e extrativismo do caranguejo. O IDH da cidade a coloca como prioritária para receber o benefício. Estima-se que ainda haja 150 pessoas na fila para receber verba do programa no município. Diante da escassez de recursos, é inegável a necessidade de ajuda do Estado. “O povo fala que sem Dilma iria acabar tudo, então eu não quis arriscar”, diz a dona de casa Jucileia Teixeira Alves, de 38 anos, que votou na presidente. Jucileia vive com mais sete pessoas em uma casa de pau a pique com sala e quarto na área rural de Santarém Novo e espera há cinco meses o início da construção da casa de alvenaria prometida pelo Incra. “Estamos esperando essa casa há muito tempo, melhor não arriscar”, disse ela, que vivia com 102 reais do Bolsa Família até os filhos saírem da escola há alguns meses.

O catador de caranguejo Isanil do Carmo, de 40 anos, também votou em Dilma com vistas à ajuda que recebe todo mês por meio do Bolsa Família. Pai solteiro de quatro filhos, Carmo recebe 120 reais e completa a renda vendendo caranguejo que caça no mangue. “O Bolsa Família ajuda, antes não chegava a passar fome, mas tinha que correr mais atrás do sustento. Hoje, não preciso correr tanto.”

Mesmo os moradores que deixaram de receber o benefício declararam seu voto a Dilma como uma espécie de gratidão pela ajuda. O vigilante Valdete Bernardo, de 51 anos, deixou de receber os 106 reais do programa, sacado mensalmente por cartão emitido em nome de sua mulher. A secretaria de assistência social lhe tirou o benefício porque ele é funcionário da prefeitura. “O dinheiro ajudava para comprar o material escolar da minha filha, sou grato a Dilma pela ajuda”, diz o vigilante, que estendeu em frente a sua casa uma placa com a foto da presidente e de Helder Barbalho (PMDB), candidato derrotado ao governo do Pará.

Além dos moradores, o próprio prefeito da cidade explicita a dependência do governo federal. Filiado ao PMDB, aliado de Dilma na esfera federal, o prefeito Pedro Japonês fez campanha ostensiva à candidata do PT. “A meta do segundo turno era chegar a 80% dos votos para ela”, disse.

Ele acredita que a presidente, reeleita, vai facilitar a resolução de problemas do município, como a troca de uma lancha escolar por dois ônibus. “Recebemos a lancha, mas as comunidades ribeirinhas tinham medo de andar nela, então eu construí uma estrada para liga-las até as escolas. Precisamos de ônibus escolares, mas a burocracia é muito grande e poderia piorar com a mudança de governo.”


Fonte: Com informações da Veja
Principais jornais do mundo · 27/10/2014 - 09h49

Imprensa internacional destaca uma reeleição apertada de Dilma Rousseff


Compartilhar Tweet 1



A reeleição da presidente Dilma Rousseff está nas home pages dos sites dos principais jornais do mundo. A maior parte dos veículos destacou o resultado apertado na disputa com Aécio Neves.

Artigo publicado pelo New York Times lembra que a vitória foi alcançada em uma disputa tumultuada, marcada por acusações de corrupção, insultos pessoais e debates quentes. O Wall Street Journal apontou que “a disputa cáustica entre os candidatos expôs as linhas de fratura econômica e social da nação”.

O La Nación, de Buenos Aires, manchetou: “A eleição mais acirrada: Dilma conseguiu só três pontos de vantagem sobre Aécio Neves”. O jornal também lembrou em sua versão na internet o agradecimento a Lula no discurso da vitória.

O argentino Clarín deu espaço também para o panorama externo, com a chamada: “Rumo a outra relação com os EUA e uma revisão do Mercosul”.

A rede britânica BBC colocou fotos dos dois candidatos e o destaque: “Presidente Dilma Rousseff foi reeleita para um segundo mandato, depois de assegurar mais de 51% dos votos em uma eleição altamente disputada”.

Na França, o Le Monde afirmou: “A presidente brasileira foi reconduzida ao posto na sequência de um segundo turno acirrado”.

A revista alemã Der Spiegel cravou: “Foi uma corrida cabeça a cabeça”, citando a pequena diferença de votos de Aécio.

O El País, da Espanha, chamou atenção para os desafios de Dilma no segundo mandato. “A crise econômica e a corrupção vão marcar a nova Presidência”.


Fonte: Com informações da Veja

Compartilhar Tweet 1



O presidente estadual do PSDB, Marden Meneses, comentou durante entrevista na TV Cidade Verde sobre a escolha das maioria dos brasileiros que reelegeram a presidenta Dilma Rousseff.

Para ele o que o PSDB pode fazer agora, é respeitar a vontade dos brasileiros que mesmo indo às ruas protestar, elegeram a petista. De acordo com ele o grande número que Aécio teve, mostra que metade dos brasileiros estão insatisfeitos com Dilma e que ela terá que trabalhar isso.

Marden disse ainda, que vai se manter na oposição, cobrar as melhorias que o Piauí tanto precisa.


Compartilhar Tweet 1



Em entrevista ao Bom Dia Meio Norte o deputado estadual, Fábio Novo (PT) , comentou a expressiva vitória da presidente Dilma (PT) aqui no Piauí. Para ele, a vinda de Dilma ao Piauí no segundo turno, aliás o primeiro estado em que ela fez campanha, foi muito bom para a petista e já garantiu ao Piauí um tratamento especial.

Segundo ele na vinda ao Piauí, Dilma reafirmou seu compromisso com o povo piauiense e disse que o tratamento que Wellington espera dela para com o Piauí será multiplicado por três. Com essa afirmação, espera-se da presidente reeleita aumente sua atenção para com o estado e conclua obras como a do Porto de Luis Correia e outras.


Compartilhar Tweet 1



Mais de 570 mil eleitores deixaram de escolher um dos candidatos à presidência da República neste segundo turno, seja através da abstenção ou dos votos brancos e nulos.

Mais de 500 mil eleitores do Estado simplesmente não compareceram às urnas e 3,32% decidiram anular o voto, mais de 60 mil pessoas. Enquanto isso, quase 16 mil piauienses votaram em branco no segundo turno.

Para o presidente do Tribunal Regional Eleitoral, Edvaldo Moura, no que se refere às abstenções, o percentual foi menor do que nas eleições de 2010.

Em todo o Brasil, o percentual de eleitores que não se decidiram por nenhum dos dois candidatos foi superior a 27%. Ou seja, mais de 37 milhões de brasileiros não foram às urnas, votaram nulo ou branco.Somando apenas os que votaram branco e nulo, foram mais de 7 milhões de eleitores.


Fonte: Com informações do Jornal O Dia

Compartilhar Tweet 1



Com mais de 51 milhões de votos neste domingo, algo que não havia sido obtido por nenhum candidato que enfrentou o PT desde 2002, Aécio Neves (PSDB) retornará ao Senado como principal líder da oposição no país. Em um breve discurso, por volta das 21h20 deste domingo, o tucano deu sinais de que entendeu o recado que as urnas lhe transmitiram: "Saio desta eleição mais vivo do que nunca, mais sonhador do que nunca, e deixo esta campanha com o sentimento de que cumprimos nosso papel".

Nos últimos meses, Aécio conseguiu atrair apoios cruciais, como o da ex-senadora Marina Silva e do seu PSB, uniu seu partido e conseguiu uma votação acachapante justamente no Estado em que os tucanos imaginavam que ele teria dificuldade, dada a rivalidade das alas internas da sigla – o eleitorado de São Paulo deu 15,2 milhões de votos a Aécio.

Apesar de ter mantido o atual patamar de 54 deputados federais, o partido ganhou força na Câmara dos Deputados com a eleição de 14 parlamentares por São Paulo, sete de Minas Gerais e seis de Goiás. Terá alinhado a ele no Congresso Nacional os partidos DEM, PSB, PPS, PV, PSC e SD, que em 2015, junto com o PSDB, que Aécio já preside, formarão bancada de 155 deputados federais.

No Senado, a oposição terá 24 das 81 cadeiras e contará com nomes de peso, além do próprio Aécio, como os ex-governadores José Serra (PSDB-SP), Antonio Anastasia (PSDB-MG) e Tasso Jereissati (PSDB-CE), e os hoje deputados Romário (PSB-RJ) e Ronaldo Caiado (DEM-GO).


Fonte: Com informações da Veja

Compartilhar Tweet 1



Derrotado na disputa para a Presidência da República, o candidato do PSDB, Aécio Neves, afirmou neste domingo (26) que ligou para a presidente reeleita Dilma Rousseff para desejar sucesso no novo mandato e que "a maior de todas as prioridades é unir o Brasil".

"Cumprimentei agora há pouco a presidente reeleita e desejei a ela sucesso na condução de seu próximo governo. Ressaltei que considero que a maior de todas as prioridades é unir o Brasil em torno de um projeto honrado e que dignifique todos os companheiros", afirmou.

Em entrevista à imprensa em Belo Horizonte, o tucano também agradeceu a seus eleitores, "mais de 50 milhões de brasileiros que apontaram o caminho da mudança", disse. Até a última atualização desta reportagem, as urnas contabilizavam 50,9 milhões de votos para Aécio (48,38% dos votos válidos), contra 54,3 milhões para Dilma (51,62%).

Ao finalizar sua declaração, Aécio citou o apóstolo São Paulo, dizendo que combateu "o bom combate". "Mais vivo do nunca, mais sonhador do que nunca, eu deixo essa campanha ao final com o sentimento de que cumprimentos nosso papel. Combati o bom combate, cumpri minha missão, e guardei a fé. Muito obrigado a todos os brasileiros", concluiu.


Fonte: Com informações do G1
PI deu 78% dos votos a Dilma · 26/10/2014 - 21h30 | Última atualização em 27/10/2014 - 09h35

Em Brasília,W.Dias diz que esperava por 'vitória maior' de Dilma no Piauí


Compartilhar Tweet 1



O senador e governador eleito do Piauí, W.Dias (PT) está em Brasília onde participa, ao lado de outras lideranças da legenda pelo país, das comemorações pela reeleição da presidenta Dilma Rousseff, que com 51% dos votos, derrotou Aécio Neves (PSDB) nas urnas.

Por telefone, o senador falou à TV Meio Norte, e apesar da maioria de votos no Piauí, reconheceu que a expectativa era por uma margem ainda maior a favor da presidenta.

"Falo neste momento com muita emoção. Confesso que esperava uma diferença maior do que a que foi, mas o importante é que tivemos a vitória", disse.

Acompanham W.Dias a esposa e deputada federal eleita, Rejane Dias (PT), o senador Ciro Nogueira (PP) e a esposa e deputada Iracema Portella (PP), entre outras lideranças.

"Faremos a comemoração de uma vitória que vai marcar profundamente por tudo que aconteceu nesta eleição. Mas sempre disse, abaixo de Deus quem comanda é o povo. Estou muito feliz pelo resultado do Piauí. Todos nós estamos sendo abraçados por esta vitória. Acho que quem ganha na verdade é o Piauí", declarou o senador.

O petista destaca que com a vitória da presidente, governo Estadual e Federal irão trabalhar de forma integrada. "A presidente já me disse que vai tratar o Piauí de modo muito especial. Resultado foi importante para o Brasil", disse.

No Instagram de Rejane Dias, uma selfie entre ela e o senador foi postada com a mensagem de parabéns à presidenta.


Compartilhar Tweet 1



O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI), desembargador Edvaldo Moura, concedeu entrevista com o balanço final das eleições no Piauí.

Em sua fala o presidente Edvaldo Moura agradeceu a todos que estiveram focados no intuito de realizar as eleições da melhor forma tranquila.

"Agradeço inicialmente a todos que direta ou indiretamente colaboraram para o êxito das eleições gerais de 2014 no Piauí. Agradeço ao Exército, à Polícia Militar, à PRF-PI, ao procurador Kelston Lages, aos magistrados e membros do MP, à imprensa, aos servidores, de modo que não caibo em mim de tanta alegria, pelo trabalho realizado. Quanto ao pleito, tudo aconteceu de forma tranquila, de modo que todo o processo foi feito dentro do planejado. Mesmo com quadro pequeno de servidores, conseguimos realizar o trabalho de forma importante.

COMBATE À CORRUPÇÃO
Quanto ao combate à compra de votos o presidente disse que podem acusar o tribunal de tudo, menos que é conivente com qualquer ação com objetivo de corrupção compra de votos.

"Nós estamos atuante e fiscalizando sempre. O TRE-PI só perde para o de Minas quanto às punições, cassações. O problema é mais profundo, é de educação", ressaltou o presidente.

DADOS
A abstenção no Piauí foi de 21,27%. O número foi menor do que o registrado no segundo turno de 2010, quando foi registrada uma abstenção de 22,81%.

PROBLEMAS
Neste segundo turno, foram registradas 182 ocorrências e 55 urnas foram substituídas.

PROCURADORIA ELEITORAL FAZ BALANÇO
O procurador regional eleitoral Kelston Lages agradeceu ao trabalho de todos os membros do Ministério Público.

"Ressalto a integração entre todo o aparato de segurança do estado, o que possibilitou uma eleição tranquila", disse o procurador.

PM MANTEVE A TRANQUILIDADE
O coronel Lídio reforçou a importância do trabalho integrado e disse que com as boas estratégias montadas foi possível a realização das eleições tranquilas.

EQUIPE
Estiveram presente no ato, além do presidente Edvaldo Moura, o vice-presidente e Corregedor Edvaldo Moura, o procurador eleitoral Kelston Lages; o juiz auxiliar do TRE-PI, Thiagao Brandão; o coordenador de TI do TRE, Anderson Lima; o coordenador da Votação Paralela, Manoel Dourado; o comandante da PM, coronel Lídio e a secretária geral do TRE-PI, Silvani Maia.

REPÓRTER: Daniel Silva - Direto do TRE-PI


Compartilhar Tweet 1



A presidente Dilma Rousseff (PT) foi reeleita aqui no Piauí mais uma vez com uma excelente margem de votos em relação ao tucano Aécio Neves.

Com 78,28 % dos votos dos piauienses contra 21,72% de Aécio Neves, o Piauí foi o segundo estado em que a presidenta teve a maior diferença de votos em relação ao seu adversário, perdendo apenas para o Maranhão, que lhe deu 78,74% dos votos.

Bela Vista do Piauí, que fica a 433 Km de Teresina, foi a cidade que deu a maior votação à Dilma no Estado. A petista teve 93,25% dos votos no município que tem pouco mais de 2.300 habitantes.

Como esperado pelos petistas do Estado e o maior líder do partido, o governador eleito, Wellington Dias, Dilma superou os 70,61% de votos no primeiro turno, mostrando que a sua vinda no segundo turno ao Piauí e a forte campanha não só de W. Dias como de partidos aliados como PTB e PP, foram bem aceitas pelo eleitorado.

Nesta manhã, o senador eleito, Elmano Férrer (PTB), manifestou o sentimento dos piauienses que foi confirmado nas urnas, afirmando que o no segundo turno Dilma só vinha crescendo e que acreditava que ela iria ultrapassar os 70% de votos do primeiro turno.

Ao votar, W. Dias também mostrou confiança no povo brasileiro e reafirmou que Dilma iria continuar mudando o País e com um olhar especial para o Piauí: "Acreditamos que o Brasil vai continuar seguindo mudando. A reeleição de Dilma seguirá um passo também do Piauí rumo ao desenvolvimento", afirmou.

Eleições 2014 em destaque · 26/10/2014 - 20h47

Veja lista dos governadores eleitos neste segundo turno em todo o país


Compartilhar Tweet 1



Após o final da votação, os votos nos estados onde acontecem 2º turno começaram a ser computados e os primeiros eleitos já estão sendo apontados. Veja abaixo todos os governadores eleitos pelo país na disputa deste domingo (26).

SARTORI VENCE ELEIÇÃO NO RIO GRANDE DO SUL
José Ivo Sartori, do PMDB, foi eleito governador do Rio Grande do Sul neste domingo (26) para os próximos quatro anos. De acordo com o TRE, o candidato foi declarado matematicamente vitorioso às 18h31, com 88,67% dos votos apurados, quando o peemedebista tinha 61,23% dos votos válidos contra 38,77% do candidato à reeleição, Tarso Genro, do PT (confira a apuração completa no estado). O vice-governador eleito é José Paulo Cairoli (PSD), ex-presidente da Federasul.

Antes mesmo de a vitória ser confirmada oficialmente, o perfil da campanha do candidato no Twitter já comemorava. Simpatizantes do candidato se reuniram com bandeiras em frente à sede do diretório do PMDB em Porto Alegre, na Avenida João Pessoa. José Ivo Sartori acompanhou a apuração na casa de seu vice e deixou o local por volta das 18h50 para ir até um hotel de Porto Alegre, onde concederá entrevista coletiva.

RODRIGO ROLLEMBERG É ELEITO NO DF
Rodrigo Rollemberg, do PSB, é o novo governador do Distrito Federal. O resultado foi anunciado às 17h37 deste domingo pelo Tribunal Superior Eleitoral, com 93% das urnas apuradas. Rollemberg registrava 55,56% dos votos válidos, contra 44,44% de Jofran Frejat (PR), que não poderia mais alcançá-lo. O percentual se manteve até o fim da apuração.

Com o resultado, Rollemberg foi o primeiro governador eleito no segundo turno. Ao todo, Rollemberg teve 812.036 votos, contra 649.587 de Frejat. Às 18h29, o DF já tinha 100% das urnas apuradas.

MARCONI PERILLO É ELEITO NO GOIÁS
Marconi Perillo (PSDB) foi reeleito governador de Goiás neste domingo (26). Com 93% das urnas apuradas, às 18h28, o tucano registrava 57,51% dos votos válidos, ou 1.632.691 votos, de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele derrotou o candidato Iris Rezende (PMDB), que obteve 42,49% dos votos válidos, ou 1.206.33 votos. Essa foi a terceira vez que os políticos disputaram eleições e em todas o tucano saiu vitorioso. Veja aqui a apuração de votos em Goiás.

O governador reeleito nasceu no dia 7 de março de 1963, em Goiânia. Ainda na infância mudou com a família para Palmeiras de Goiás, onde viveu até os 15 anos, quando retornou para a capital. Ele se formou como bacharel em direito e ingressou na carreira política como discípulo do ex-governador Henrique Santillo, de quem foi assessor especial.

PEZÃO É ELEITO NO RIO DE JANEIRO
Luiz Fernando Pezão, do PMDB, foi eleito neste domingo (26) governador do Rio de Janeiro para os próximos quatro anos. Com 94,41% das urnas apuradas, o candidato teve 4.121.804 votos, o que corresponde a 56,07% dos votos válidos, contra 3.228.973 de Marcelo Crivella (PRB) – 43,93%. (acompanhe a apuração no G1). O resultado saiu uma hora e quarenta e cinco depois de as urnas terem sido fechadas.

O governador votou pela manhã em Piraí, no Sul Fluminense, e desde o fim da tarde está em um hotel na Zona Sul do Rio, onde vai falar com jornalistas sobre o resultado.

Pezão se candidatou ao Governo do Rio de Janeiro na vaga de Sérgio Cabral, de quem foi vice-governador de 2007 até o início de abril deste ano. Após Cabral renunciar ao cargo, ele dividiu o comando do Palácio Laranjeiras com a campanha eleitoral.

AZAMBUJA É ELEITO NO MATO GROSSO DO SUL
Reinaldo Azambuja (PSDB) foi eleito governador de Mato Grosso do Sul para os próximos 4 anos. Segundo a Justiça Eleitoral, com 94% dos urnas apuradas neste domingo (26), Reinaldo teve 700.729 votos, o que corresponde a 55,43% dos votos válidos contra 563.528 votos, o equivalente a 44,57% de Delcídio do Amaral (PT).

A vitória de Reinaldo Azambuja (PSDB) significa o fim do domínio do PT e PMDB, que governaram o estado, respectivamente, de 1999 a 2006 com Zeca do PT e, de 2007 a 2014, com André Puccinelli (PMDB), de 2007 até 2014.

WALDEZ GÓES É ELEITO NO AMAPÁ
Waldez Góes, do PDT, venceu o candidato à reeleição Camilo Capiberibe, do PSB, no segundo turno das Eleições 2014 no Amapá. Ele comandará o estado pela terceira vez. O pedetista venceu com 60,59% dos votos válidos, o que corresponde a 217.870 eleitores. O segundo colocado teve 39,41% dos votos, o que representou 141.689 eleitores.

A vitória de Waldez, que é apoiado pelo senador José Sarney (PMDB), marca o retorno do PDT ao comando do governo amapaense. O mais recente pedetista a ocupar um mandato executivo no estado foi Roberto Góes, derrotado na disputa para reeleição à prefeitura de Macapá, em 2012.

RICARDO COUTINHO É ELEITO NA PARAÍBA
Com 97% dos votos apurados, Ricardo Coutinho (PSB) é reeleito, matematicamente, governador da Paraíba. Socialista já contabiliza 1.097.449 votos. Cássio Cunha Lima (PSDB) tem 987.612 votos.

Quando 89% dos votos tinham sido apurados, às 18h20 (horário local), Cássio deixou Campina Grande para voltar para sua casa em João Pessoa e anunciou que só se pronunciaria sobre o resultado na tarde segunda-feira (27), em coletiva na Asplan.

ROBSON FARIA É ELEITO NO RIO GRANDE DO NORTE
Robinson Faria, do PSD, foi eleito neste domingo (26) governador do Rio Grande do Norte. Apuradas 94% das urnas no estado, Robinson apareceu com 54,38% votos válidos -- um total de 828.102 votos. O deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB) ficou em segundo lugar. Confira a apuração completa.

Natalense, Robinson Faria tem 55 anos e é formado em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Filho de empresário, entrou para a política por iniciativa própria e foi eleito deputado estadual pela primeira vez em 1986. Nos dois últimos mandatos como deputado (2003-2006/2007-2010) foi presidente da Assembleia Legislativa.

CAMILO SANTANA ELEITO NO CEARÁ
Camilo Santana, do PT, foi eleito neste domingo (26) governador do Ceará para os próximos quatro anos. Com 96% das urnas apuradas por volta das 19h10, o petista tinha 2.332.016 de votos, o que correspondia a 53,24% dos votos válidos, contra 2.048.332 votos totais ou 46,76% de válidos de Eunício Oliveira (PMDB).

Camilo acompanha a apuração dos votos em casa junto da família e depois segue para o comitê, onde deverá comentar o resultado.

A vice-governadora será Izolda Cela, que foi secretária de educação em Sobral e, até ir para a disputa como vice, secretária estadual da Educação.

CONFÚCIO MOURA É ELEITO EM RONDÔNIA
Confúcio Moura, do PMDB, foi reeleito neste domingo (26) governador de Rondônia para os próximos quatro anos. Com 96% das urnas apuradas, o peemedebista teve 401.004 votos votos, o que corresponde a 53,36%% dos votos válidos, contra 351.009 votos de Expedito Júnior (PSDB) – 46,64%%.

A vitória marca a reeleição de Confúcio Aires Moura que é de Dianópolis (TO), tem 66 anos e trabalhou como policial militar, de 1967 a 1976, em Goiânia. Em 1975 formou-se em medicina pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e chegou a Rondônia, em 1976, para trabalhar como médico no governo do então Território Federal de Rondônia. É casado, tem duas filhas. Declarou à Justiça Eleitoral um patrimônio de pouco mais de R$ 6,5 milhões.

JOSÉ MELO É ELEITO NO AMAZONAS
José Melo, do PROS, foi reeleito neste domingo (26) governador do Amazonas para os próximos quatro anos. Com 93% das urnas apuradas, o candidato teve 55,77% dos votos válidos.

José Melo, de 68 anos, é economista formado pela Universidade Federal do Amazonas. Atual governador do Amazonas, ele foi deputado federal duas vezes, em 1994 e em 1998. Em 2002, elegeu-se deputado estadual. O candidato já atuou como delegado do Ministério da Educação e Cultura, foi secretário de Educação e Cultura e secretário Municipal de Educação. Também esteve à frente do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Amazonas (Idam), da Secretaria de Estado de Coordenação do Interior (Seint) e da Sociedade de Navegação Portos e Hidrovias do Amazonas (SNPH). Em 2006, assumiu a Secretaria de Governo do Amazonas (Segov). Em abril de 2014, Melo assumiu o cargo de governador após a desincompatibilização de Omar Aziz, de quem era vice-governador.

SUELY CAMPOS É ELEITA EM RORAIMA
Suely Campos, do PP, foi eleita governadora de Roraima neste domingo (26), de acordo com a apuração divulgada às 19h17 pelo Tribunal Regional Eleitoral de Roraima (TRE-RR). Com 100% das urnas apuradas, a pepista obteve 54,85% dos votos contra 45,15% de Chico Rodrigues, do PSB.

Ao todo, Suely teve 127.161 votos, contra 104.656 de Rodrigues. Votos brancos e nulos somaram 18.411. O TRE-RR registrou 49.191 abstenções, segundo o site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

À imprensa, Suely disse estar alegre com o resultado. "A população confiou em mim e eu vou trabalhar para que continuem confiando".

TIÃO VIANA É ELEITO NO ACRE
Tião Viana, do PT, foi reeleito neste domingo (26) governador do Acre no segundo turno. Ele venceu o adversários Marcio Bittar (PSDB) em disputa para governar o estado pelos próximos quatro anos. Nazaré Lambert (PT) será a vice-governadora no próximo mandato.

A reeleição foi confirmada com 100% das urnas apuradas. O atual governador recebeu 196.509 votos, o que corresponde a 51,29% dos votos válidos. Já Marcio Bittar (PSDB) teve 186.658 votos, o que corresponde a 48,71%.


Fonte: Com informações do G1
Segundo turno no país · 26/10/2014 - 20h45

ELEIÇÃO ACIRRADA dá mais 4 anos de mandato a Dilma


Compartilhar Tweet 1



Depois de uma campanha extraordinariamente acirrada, uma vitória por margem estreita. É assim que a mineira Dilma Vana Rousseff, de 66 anos, chega a seu segundo mandato como presidente da República. A reeleição foi constatada pouco depois das 20 horas, quando, com mais de 98% das urnas apuradas, a petista alcançou 51,48% dos votos, não podendo mais ser superada por Aécio Neves (PSDB), que marcava 48,52%. A diferença de apenas 2,6 pontos porcentuais é a menor desde que o PT chegou ao poder, em 2002. Em 2010, a própria Dilma obteve 56% dos votos válidos, contra 44% do tucano José Serra.

VEJA COMO FOI O TEMPO REAL

A vitória apertada prenuncia um segundo mandato muito mais difícil para a petista. Na última semana da corrida eleitoral, o escândalo do petrolão atingiu em cheio a presidente e seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva. O doleiro Alberto Youssef, por um acordo de delação premiada, afirmou à Polícia Federal que tanto ela como Lula sabiam dos esquema de desvios na Petrobras, investigados no âmbito da Operação Lava Jato.

CONFIRA OS NÚMEROS NA PÁGINA DO TSE

A corrida eleitoral acabou, e Dilma tem agora de lidar com os desdobramentos do caso. Ao mesmo tempo, terá de enfrentar uma oposição revigorada e o cenário desolador de baixo crescimento econômico com inflação em alta. A combinação de um escândalo de proporções inéditas, cujos ingredientes vêm todos de investigações oficiais, adversários fortalecidos e economia em crise pode envolver Dilma numa tempestade perfeita.

Mas, antes mesmo de estrear o novo mandato, a presidente tem de decidir se vai ignorar o ponto de vista de quase metade do eleitorado ou adequar suas políticas para levá-lo em conta.

A estreita diferença entre os candidatos é reflexo de uma corrida eleitoral cercada de reviravoltas, pontuada por uma tragédia e que entrará para a história pela agressividade de que o partido da presidente fez uso para não deixar o poder. Como prenunciou Dilma em março de 2013, o PT "fez o diabo" nesta campanha. No primeiro turno, a máquina de propaganda petista voltou sua artilharia contra Marina Silva, que se tornou cabeça de chapa do PSB após a morte de Eduardo Campos e em pouco tempo ascendeu nas pesquisas.

Desidratada, Marina não chegou ao segundo turno. Foi, então, a vez de Aécio Neves tornar-se alvo do PT. Com eficiência incomparável, a máquina petista construiu a narrativa segundo a qual o tucano desrespeita as mulheres e foi agressivo com a chefe da nação. A partir dali, o PT aumentou a quantidade de golpes abaixo da linha da cintura. Eleita, Dilma leva a sigla a um marco histórico: o Partido dos Trabalhadores se torna a única sigla a vencer quatro eleições diretas seguidas para o Palácio do Planalto.

PRIMEIRO PRONUNCIAMENTO APÓS RESULTADO OFICIAL
Em seu primeiro pronunciamento após ser confirmada como presidente reeleita do Brasil, Dilma Rousseff disse não acreditar que a acirrada disputa eleitoral tenha “dividido” o país. A petista ressaltou em meio ao discurso que está "disposta ao diálogo" e que quer ser uma presidente melhor em seu segundo mandato.

“Conclamo sem exceção a todas as brasileiras e brasileiros para nos unirmos em favor do futuro de nossa pátria. Não acredito que essas eleições tenham divido o país ao meio. Creio que elas mobilizaram ideias e emoções às vezes contraditórias, mas movidas por um sentimento comum, a busca por um futuro melhor”, disse Dilma.

Após uma campanha eleitoral marcada por ataques mútuos entre Dilma e o candidato do PSDB, Aécio Neves, a presidente reeleita disse que quer governar “da forma mais pacífica e democrática”. Ela destacou que está disposta a abrir um grande espaço de diálogo com todos os setores da sociedade para acelerar a busca para os principais problemas do país.

"Minhas primeiras palavras são, portanto, de chamamento e união. Democracia madura e união não significam necessariamente unidade de ideias nem ação monolítica conjunta, mas, em primeiro lugar, disposição para o diálogo. Esta presidente aqui está disposta ao diálogo", complementou.

Dilma afirmou que pretende efetivar grandes projetos e que a prioridade será a reforma política. “Entre as reformas, a primeira e mais importante é a reforma política. Quero discutir esse tema profundamente com o Congresso e a população ”, disse.

Em meio a investigações de um suposto esquema de propina na Petrobras que teria sido utilizado para abastecer o caixa do PT, a presidente reeleita disse que vai combater a corrupção.

“Terei o compromisso rigoroso com o combate à corrupção, propondo mudanças na legislação atual para acabar com a impunidade”, disse.

Dilma encerrou o discurso dizendo que “não fugirá da luta”. “Vamos dar as mãos e avançar nessa caminha que vai nos ajudar a construir o presente e o futuro. Brasil, mais uma vez essa filha tua não fugirá da luta. Viva o Brasil, viva o povo brasileiro”, disse, sendo aplaudida pela militância.

Após a fala, o público presente ao evento cantou um trecho do hino nacional. A presidente acompanhou e, em seguida, passou a abraçar os aliados que estavam no palco, entre eles o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente do PT, Rui Falcão.


Fonte: Com informações de Veja Online

Compartilhar Tweet 1



O Tribunal Superior Eleitoral começou a divulgar às 19h deste domingo (26/10) os primeiros números da apuração dos votos para presidente da república.

Porém, desde 16h (horário no Piauí) o sistema Divulga do TSE já contabilizava os votos, nacionalmente. Os votos do Piauí começaram a ser computados depois de 17h. 

No primeiro turno, Dilma Roussef venceu no Piauí, onde teve sua votação mais expressiva no país, com 70% da preferência dos eleitores. 

No Piauí, o segundo turno foi bem mais tranquilo que a primeira etapa do pleito, onde alguns eleitores tiveram de aguardar até as 22h para votar. O grande número de candidatos a votar e problemas com a biometria atrasaram a votação.

Durante o dia de hoje, o que se viu nas seções pelo estado foi um clima de tranquilidade, e quase nada de filas. Quem optou pelo horário do almoço, encontrou locais de votação.

APERTE F5 PARA ATUALIZAR A PÁGINA

Atualizada às 19h16

Atualizada às 19h06
Às 18h59, horário do Piauí, o Tribunal Superior Eleitoral liberou os primeiros números para presidente da república no país. Com 95% das urnas apuradas, Dilma aparecia com 50,99% dos votos e Aécio Neves com 49%.

 

Atualizada às 18h44

 

Atualizado às 18h16

Atualizado às 18h05

 

Atualizada às 18h

Atualização às 17h51

Atualização às 17h41

AGUARDE MAIS INFORMAÇÕES EM INSTANTES


Compartilhar Tweet 1



A distância do domicílio eleitoral não impediu que milhares de eleitores fossem às urnas para escolher o próximo presidente do Brasil. De acordo com Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nestas eleições, quase 80 mil eleitores solicitaram o direito de votar em trânsito. Neste domingo, aqueles que se habilitaram para votar fora do estado de origem também voltaram às urnas.

Segundo o TSE, em 91 cidades foram montadas seções para voto em trânsito, mas o eleitor que opta por essa modalidade só pode votar para presidente. Maior colégio eleitoral do país, São Paulo foi o estado que registrou mais pedidos de eleitores interessados em votar fora do domicílio eleitoral. No segundo turno, serão 17.591 eleitores que votarão em trânsito.

Ainda de acordo com o TSE, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais foram os estados mais procurados pelos eleitores que votam fora de seu estado. Em São Paulo, houve 23.393 pedidos de eleitores no segundo turno. Nestas eleições, o voto em trânsito ocorreu pela primeira vez em cidades que não eram capitais. O critério adotado foi o município ter mais de 200 mil eleitores, sendo que a seção destinada à recepção do voto deverá conter no mínimo 50 e no máximo 600 eleitores.


Fonte: Agência Brasil
Avanço com relação ao 1º turno · 26/10/2014 - 17h55

TRE-PI registra 139 ocorrências com 138 urnas substituídas em todo estado


Compartilhar Tweet 1



ATUALIZADA ÀS 19H40
Neste segundo turno, foram registradas 182 ocorrências e 55 urnas foram substituídas.

ATUALIZADA ÀS 17H35
Sobe para 55 o número de urnas que foram substituídas com algum tipo de problema em todo o estado do Piauí

ATUALIZADA ÀS 16H40
O Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI) divulgou mais um balanço com as ocorrências registradas neste domingo (26/10) de eleição para o segundo turno em todo o Piauí.

Segundo a assessoria, foram registradas até o momento 139 ocorrências e 38 urnas foram substituídas em todo o estado.

O número, para o TRE-PI, representa um avanço com relação ao segundo turno.

VEJA OCORRÊNCIAS E SOLUÇÕES


REPÓRTER
: Daniel Silva - Direto do TRE-PI