180graus

Queda nas compras a prazo - 18/01/2017 às 15h01

Intenção de consumo das famílias cai 1,7% em janeiro de 2017, segundo CNC

A intenção de consumo das famílias caiu 1,7% em janeiro deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (18/01) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A queda foi provocada principalmente pela piora na perspectiva de compra a prazo (-11,9%).

Também houve quedas na avaliação sobre a renda atual (-6,9%), no nível de consumo atual (-5%) e na perspectiva profissional (-0,9%). Por outro lado, houve crescimento na avaliação sobre o emprego atual (1,2%), perspectiva de consumo (7,3%) e momento para a compra de bens duráveis (8,4%).

Na comparação com dezembro de 2016, a intenção de consumo das famílias manteve-se estável. Se por um lado, houve queda em componentes como o emprego atual (-1%) e a renda atual (1%), por outro, houve crescimento de 3,2% no momento para compra de duráveis e de 1,7% no nível de consumo atual.

Fonte: Com as informações da Agência Brasil

Segundo Pesquisa do SPC Brasil - 18/01/2017 às 10h16

Investimento dos pequenos e micro-empresários podem cair nos próximos 90 dias

Casa do cartucho
comserv
UNIMED ORTOPEDIA
ISLAMAR

Apenas 21,4% dos micro e pequenos empresários entrevistados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) pretendem fazer investimentos em suas empresas nos próximos 90 dias. Desses empresários, 55% disseram que o objetivo dos investimentos é aumentar as vendas. Em seguida, vem o atendimento da demanda (15,2%) e a adaptação da empresa a novas tecnologias (14,6%).

Em dezembro, o Indicador de Demanda por Crédito e Investimento atingiu 26,23 pontos, abaixo dos 27 pontos de novembro. Quanto mais próximo de 100, maior é a propensão desses empresários ao investimento e quanto mais próximo de zero, menor.

De acordo com a pesquisa, o destino dos investimentos será propaganda e mídia (29,8%), ampliação de estoques (28,6%), compra de equipamentos, maquinário e computadores (25,1%) e reforma da empresa (24,0%). O capital próprio será o principal recurso utilizado, sendo que 57,9% usarão o dinheiro de poupança e investimentos, 18,7% farão empréstimos em bancos e financeiras e 8,8% venderão algum bem.

Entre aqueles que não pretendem investir (70,7%), pelo menos 46,1% dizem não haver necessidade; 22,1% afirmam que o país ainda não saiu da crise e 15,2% apontam a falta de recursos e de crédito.

“Mesmo a melhora de confiança que se observou com mais evidência no segundo semestre de 2016 ainda não foi suficiente para alavancar o investimento nem encorajar o empresariado a buscar crédito. Diante de um cenário de incerteza, o investimento encontra dificuldade para avançar, e não só entre os micro e pequenos empresários. Apesar dos ainda persistentes fatores de risco, a queda dos juros é boa notícia para o investimento que, no entanto, só deverá reagir mais à frente”, diz a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Crédito

A pesquisa também constatou que 87,2% dos micro e pequenos empresários não pretendem contratar créditos pelos próximos três meses e apenas 6,5% admitem essa possibilidade. Entre os empresários que não pretendem tomar crédito, 49,4% apontam o fato de conseguir se manter com recursos próprios como justificativa. Outros 17,6% destacam as elevadas taxas de juros, e 17,2% se preocupam com a insegurança e as condições políticas e econômicas do país.

“Os dados mostram que, no espaço de um ano, houve pouco avanço na intenção das empresas de menor porte de contratar empréstimos ou recorrer a outras modalidades de crédito, a despeito das mudanças ocorridas no cenário político e econômico do país”, avalia a economista-chefe.

Para Marcela, quando se trata de negócios menores, a dependência de recursos de terceiros é menor do que em grandes negócios, razão pela qual muitos desses empresários dizem manter-se com os próprios recursos. “O fenômeno constitui uma barreira cultural entre o crédito e o pequeno empresário, que ainda não vê esses recursos como um meio para expandir seu negócio. Para completar, os juros altos e a atividade econômica fraca constituem componentes adicionais para explicar a baixa demanda por crédito, ao elevar o custo do capital e reduzir a confiança dos agentes.”

Fonte: Agência Brasil

5.100 metros quadrados - 17/01/2017 às 17h35

Casa Branca se valoriza na era Obama e vale US$ 398 milhões

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

ISLAMAR
Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Casa do cartucho
Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

UNIMED ORTOPEDIA
Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

comserv

A Casa Branca teve valorização de 15% durante os oito anos de mandato de Barack Obama e poderia ser vendida agora por 397,9 milhões de dólares (1,278 bilhões de reais). A conta é do site de avaliação de imóveis Zillow e foi publicada nesta terça-feira (17/01).

Este é o valor mais alto estimado pela empresa para a residência oficial dos presidentes americanos – e também o imóvel mais caro já avaliado por ela. A famosa propriedade de 5.100 metros quadrados tem 132 quartos, 32 banheiros, seis andares e 28 lareiras. Inaugurada em 1800 – e tendo passado por várias reformas e até uma reconstrução desde então – tem itens como quadra de basquete, de tênis e biblioteca. Se fosse alugada, a casa do número 1600 da avenida Pennsylvania poderia render o equivalente a 2 milhões de dólares (6,42 milhões de reais) por mês.

mundo-eleicoes-obama-20161109-01.jpg

Segundo o diretor de marketing da Zillow, Jeremy Wacksman, a valorização do imóvel enquanto foi ocupado por Obama é impulsionada pela coincidência do mandato do presidente com o bom momento do mercado imobiliário, cujos valores se recuperaram nos últimos anos. “Os valores de casas pelo país estão crescendo no ritmo mais forte desde 2006, com recordes de preços sendo estabelecidos”. Os preços em Washington DC subiram 9% desde a posse de Obama, em 2009.

O Zillow faz o cálculo de valor de propriedades usando um sistema computadorizado que leva em conta dados públicos, informações como localização, características do imóvel e condições do mercado. A empresa diz que já avaliou mais de 100 milhões de casas nos Estados Unidos.

Fonte: Com informações de Veja.com

Termina em 17 de março - 16/01/2017 às 09h05

Nesta terça-feira (17) se inicia o prazo para fazer a entrega da Rais 2016; leia

comserv
Casa do cartucho
UNIMED ORTOPEDIA
ISLAMAR

O prazo para entrega da declaração da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2016 começa nesta terça-feira (17) e vai até o dia 17 de março.

O preenchimento e envio desse documento é obrigatório a todas as pessoas jurídicas que estavam com CNPJ ativo na Receita Federal no ano passado, com ou sem empregados, e a todos os estabelecimentos com Cadastro de Empresa Individual (CEI) que possuem funcionários. Microempreendedores Individuais (MEI) só precisam declarar se tiverem empregados.

A declaração da Rais deverá ser feita somente via internet, pelo programa GDRAIS 2016, disponível no site www.rais.gov.br.

A Rais é a fonte de informação mais completa sobre empregadores e trabalhadores formais no Brasil. Nela constam dados como o número de empresas, em que municípios estão localizadas, o ramo de atividade e a quantidade de empregados.

Nela também constam quem são os trabalhadores brasileiros, em que ocupações estão, quanto ganham e qual o tipo de vínculo que têm com as empresas – se são contratados por tempo indeterminado, temporários, servidores públicos ou estão ocupando cargos comissionados.

“O governo usa os dados da Rais na elaboração de políticas públicas de emprego e também para pagar o Abono Salarial aos trabalhadores. Portanto, é imprescindível que as pessoas entreguem sua declaração dentro do prazo previsto”, enfatiza o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Quem não entregar a declaração da Relação Anual de Informações Sociais no prazo estabelecido ou fornecer informações incorretas pagará multa. Os valores variam conforme o tempo de atraso e o número de funcionários e vão de R$ 425,64 a R$ 42.641,00.

Fonte: Portal Brasil

Setor faturou US$ 5,4 bilhões - 14/01/2017 às 16h27

Brasil bate mais um recorde na exportação de café

UNIMED ORTOPEDIA
Casa do cartucho
comserv
ISLAMAR

As exportações dos cafés do Brasil superaram o volume de 34 milhões de sacas de 60 kg em 2016, das quais 29,56 milhões de foram de café verde arábica, 580,31 mil sacas de café robusta, 29,2 mil de café Torrado & Moído e 3,83 milhões de café solúvel.

De acordo com o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil – CeCafé, responsável pelo relatório, o café arábica e o café solúvel embarcados ano passado atingiram o maior volume anual desde o início das exportações de café do Brasil.

O Conselho mostrou que as exportações dos Cafés do Brasil geraram aproximadamente US$ 5,4 bilhões de receita cambial em 2016 e representaram 6,4% do total das exportações do agronegócio brasileiro nesse ano, que foi de US$ 84,9 bilhões.

Nesse relatório constam os maiores continentes que importaram café brasileiro no ano passado: Europa, com 18,42 milhões de sacas; América do Norte, com 7,60 milhões de sacas; Ásia, 5,95 milhões; e América do Sul, 1,17 milhões. Os continentes África, Oceania e América Central juntos foram responsáveis pela importação de aproximadamente 860 mil sacas de café do Brasil.

Com relação especificamente ao mês de dezembro de 2016, o relatório apontou que foram exportadas 3,07 milhões de sacas de café, que geraram receita cambial de US$ 557 milhões para o Brasil. As exportações de cafés verdes foram de 2.748.710 sacas (sendo 2.737.673 sacas de arábica e 11.037 sacas de robusta) e as de cafés industrializados corresponderam a 320.268 sacas (319.331 sacas de café solúvel e 937 sacas de café torrado e moído).

Fonte: Portal Brasil, com informações da Embrapa

Carregando, por favor aguarde...
podium
Terno e Cia
Últimas Notícias
00h42 Copa do Nordeste: credenciamento 100% online 23h20 Prefeita de Valença apresenta suas metas de gestão para vereadores e população 20h37 65% é contra indicação de Sérgio Moro ao STF 18h19 CRAS realiza palestra sobre "Janeiro Branco" em Campo Largo do Piaui 17h59 20% da população carcerária do Piauí está inserida em programas educacionais nos presídios 17h52 THE: Sem água na torneira, dona de casa se amarra a poço 17h51 Abertas inscrições para o Concurso Rainha Gay do Carnaval de THE 17h28 Filha de Obama esteve na América do Sul por 83 dias, anonimamente 17h27 Temer deve aguardar decisão do STF sobre Lava Jato para indicar novo ministro 17h11 Integração na zona Sudeste: prefeitura esclarece dúvidas de moradores; veja! 17h08 Copa do Nordeste: River colocará 5 mil ingressos à venda;veja locais e preços 16h40 Permanecer muito tempo sentado envelhece 8 anos, afirma estudo 16h39 População terá dificuldade para acesso à aposentadoria após reforma presidenciária, diz Dieese 16h38 Boa ação: menino doa cabelo para crianças com câncer 16h34 Veja o que você precisa saber sobre as 'estações de passageiros' de THE 16h26 Candidatura de Rodrigo Maia é barrada por juiz do TRF 16h25 Teori Zavascki deixa acervo de 7,5 mil processos no Supremo 16h24 Seis jogos sexuais quentíssimos para apimentar sua relação 16h19 Água Branca está adimplente no CAUC e pode receber verbas federais 2º Parte 16h15 Água Branca está adimplente no CAUC e pode receber verbas federais 16h05 TCU fará auditoria para avaliar real situação da Previdência 16h04 Estamos fazendo cada vez menos sexo: de quem é a culpa? 16h04 Promotoria recomenda prova escrita em seletivo para a 'Evangelina Rosa' 15h52 Inclusão da pessoa com deficiência no Piauí é modelo para o país 15h43 Jonas Moura destaca avanços de Água Branca em abertura do Ano Legislativo 3º Parte