Propiciar uma manhã de lazer · 10/10/2017 - 16h50

Projeto Teatro na Escola leva apresentação ao Abrigo São Lucas


Compartilhar Tweet 1



Idosos do Abrigo São Lucas assistiram a apresentação especial do espetáculo "Amor Perfeito". A peça é a primeira produção dos alunos do projeto Teatro na Escola, realizado no CEEP José Pacífico de Moura Neto.

O objetivo da apresentação foi proporcionar aos internos uma manhã de lazer, além da entrega de alimentos arrecadados pelos alunos na penúltima apresentação. "Esse encontro entre gerações foi promovido para despertar nos mais jovens o sentimento de valorização da terceira idade, por meio do respeito, diálogo e de atitudes solidárias", diz Cícero Filho, professor e coordenador do projeto Teatro na Escola.

Para a aluna Jessica Soares, uma das protagonistas da peça "Amor Perfeito", o sentimento no momento da apresentação foi de missão cumprida e uma realização pessoal enorme. "Podíamos ver nos olhos de alguns deles, dos senhores e senhoras, a emoção transbordar em forma de lágrimas. Meu coração ficou aquecido ao vê-los ali. Ouvi muitas histórias de quando eram mais jovens, das coisas que passaram, da família que os abandonaram, dos filhos que morreram. Confesso que me emocionei com a apresentação e com as histórias de vida. Valeu muito a pena estar com eles", finaliza Jessica, com um largo e sincero sorriso no rosto.

O projeto

O projeto Teatro na Escola foi iniciado em junho deste ano, no CEEP José Pacífico, com o objetivo de libertar os alunos do marasmo, proporcionando-lhes novas possibilidades de uma visão melhor sobre a vida, resgatando no próprio aluno a crítica apurada, visão analítica e sistêmica do mundo em que eles estão inseridos, permitindo ao aluno evoluir a vários níveis: na socialização, criatividade, coordenação, memorização, vocabulário, entre muitos outros.

Amor Perfeito - espetáculo

A fábula "Amor Perfeito" tem a duração aproximadamente de vinte e cinco minutos e conta a história de uma bela e jovem mãe viúva, que tem seu único filho raptado por uma mulher misteriosa. A mãe, ao descobrir o rapto do filho, decide procurá-lo pela floresta encantada, e no caminho encontra diversos obstáculos, uma prova atrás da outra. O amor é o combustível para sua trajetória de dores e perdas, com o final confrontador e surpreendente.

 


Fonte: CCOM

Compartilhar Tweet 1



Mais de 1.300 idosos devem participar do Baile do Idoso, nesta quarta-feira (11/10), a partir das 16h, no Iate Clube de Teresina. A festa encerra a programação da Semana do Idoso 2017 da Prefeitura de Teresina e receberá os idosos assistidos pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) e é apoiada pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi).

Serão disponibilizados 20 ônibus e dois micro-ônibus para o transporte dos idosos até o local do evento, que contará com o trabalho de cerca de 200 profissionais. A animação ficará por conta do grupo Xico Carlos e Nossa Banda. “Lá, os participantes terão direito a lanches com bolo, frutas e suco, alimentação ideal para a faixa etária. E, claro, teremos também momentos de dança. Tudo isso garante qualidade de vida e o fortalecimento dos vínculos entre eles”, afirma Elizabeth Nogueira, organizadora do evento.

“O 1° de outubro foi o Dia Nacional da Pessoa Idosa. Mas durante toda a Semana do Idoso, nós mostramos que eles têm direito ao lazer e à cultura. No Baile do Idoso, vamos proporcionar um momento lúdico, com o intuito de desenvolver as potencialidades de cada um”, declara Silvana Bacelar, coordenadora do SCFV da Semcaspi e presidente do Conselho Municipal dos Direitos do Idoso (CMDI).

Jesus Diocesano, ex-presidente do CMDI, reforça que a ação promove a inclusão das pessoas da terceira idade na sociedade. “É algo maravilhoso. É um despertar da pessoa idosa, um desejo de viver e de ser feliz. E também de relembrar a juventude e a vida adulta. É um momento de felicidade, de encontro com os amigos de longa data, que muitas vezes não se veem por conta das distâncias. É um dia de alegria”, ressalta.

Desde o dia 21 de setembro, a programação da Semana do Idoso promove atividade, como piqueniques e missa. Todas as atividades foram desenvolvidas pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), por meio da Gerência de Proteção Social Básica (GPSB) e Conselho Municipal dos Direitos do Idoso de Teresina (CMDI).

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV)

O SCFV é um serviço da Proteção Social Básica da Política de Assistência Social complementar ao trabalho social com famílias, executado pelo Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF) nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) e objetiva prevenir a ocorrência de situações de risco social e fortalecer os vínculos familiares e comunitários. É uma forma de intervenção social planejada que cria situações desafiadoras, estimula e orienta os usuários na construção e reconstrução de suas histórias e vivências individuais e coletivas, na família e no território.

O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) organiza-se em grupos divididos em ciclos ou faixas etárias: crianças até 06 anos; crianças e adolescentes de 06 a 15 anos; adolescentes de 15 a 17 anos; jovens de 18 a 29 anos; adultos de 30 a 59 anos e pessoas idosas.

 


Fonte: Semcom

Compartilhar Tweet 1



O Museu das Missões, localizado em São Miguel das Missões (RS), será reaberto ao público em sua integralidade, após ter sido atingido por um tornado e fortes chuvas em abril de 2016. A intempérie climática provocou danos a suas instalações físicas e parte de seu acervo, o que fechou as portas do Pavilhão Lúcio Costa do Museu desde então. Os presidentes do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Marcelo Araújo, e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Katia Bogeá, participam da cerimônia de reabertura do museu.O trabalho de recuperação do museu administrado pelo Ibram foi realizado em parceria pelas instituições vinculadas ao Ministério da Cultura. As obras emergenciais foram contratadas e fiscalizadas pelo Iphan, com recursos do Fundo Nacional de Cultura (FNC). Foram mais de R$1,68 milhão investidos na recuperação das estruturas que incluem a Casa do Zelador, Pavilhão Lucio Costa e Sacristia Velha do Sítio Histórico de São Miguel Arcanjo. Com a força dos ventos, a cobertura do edifício foi fortemente comprometida, com destelhamento, deslocamento e desalinhamento de peças de madeira, além de ter comprometido parcela do acervo.

Com a reabertura do Museu, será apresentada uma exposição com a contextualização do que ocorreu no local há mais de um ano, contando como o acervo e o próprio edifício foram afetados pelo tornado. Uma das salas de exposição foi reservada para mostrar aos visitantes o processo em curso de tratamento das peças e recuperação do acervo atingido.

Missões Jesuíticas no Brasil
São Miguel das Missões foi o local de uma das missões jesuíticas que compreendiam os 30 povos indígenas entre Brasil, Argentina e Paraguai durante a colonização portuguesa e espanhola. Em 1937, o arquiteto Lucio Costa foi enviado ao Rio Grande do Sul para analisar os remanescentes dos Sete Povos das Missões e a visita resultou no tombamento, pelo Iphan, em 1938, dos remanescentes das Missões. No mesmo ano, o sítio arqueológico de São Miguel foi declarado Patrimônio Mundial Cultural pela Unesco e, em 2009, foi criado o Parque Histórico Nacional das Missões, que reúne os sítios arqueológicos de São Miguel Arcanjo, São Lourenço Mártir, São Nicolau e o de São João Batista.

O Iphan também inscreveu, em 2014, o bem imaterial Tava, Lugar de Referência para o Povo Guarani, no Livro de Registro de Lugares. A Tava Miri São Miguel Arcanjo é entendida como lugar de importância e referência cultural, pois converge significados e sentidos atribuídos pelo povo indígena Guarani-Mbyá ao sítio histórico que abriga os remanescentes da antiga Redução Jesuítico-Guarani de São Miguel Arcanjo.

As Missões Jesuíticas Guaranis - um sistema de bens culturais transfronteiriços em território do Brasil e da Argentina - compõem-se de um conjunto de remanescentes dos povoados implantados em área originalmente ocupada por indígenas, durante o processo de evangelização promovido pela Companhia de Jesus nas colônias da Coroa Espanhola na América, durante os séculos XVII e XVIII. Representam importante testemunho da ocupação do território e das relações culturais que se estabeleceram entre os povos nativos, na maioria da etnia Guarani, e missionários jesuítas europeus.


Fonte: Ministério da Cultura
História e Cultura Afro-Brasi · 01/10/2017 - 21h04

Exposição mostra imagens de personalidades negras


Compartilhar Tweet 1



Começou neste domingo (1º) e vai até o dia 13 de outubro a exposição Ícones Negros – História e Cultura Afro-Brasileira sob o Olhar de Selvo Afonso, que traz imagens de personalidades negras da literatura, do esporte, da música e da história do Brasil. Com apoio da Fundação Cultural Palmares (FCP), a mostra poderá ser vista no Salão Ivandro da Cunha Lima, no Congresso Nacional, em Brasília.

O visitante vai conhecer pinturas do artista Selvo Afonso em telas que retratam personagens afro-brasileiros, como o revolucionário Zumbi dos Palmares, o escritor Machado de Assis, os cantores Cartola, Zezé Motta e Gilberto Gil, a atriz Ruth de Souza, o jogador Pelé e a ginasta Daiane dos Santos.

Natural de Goiânia, Selvo Afonso tem quase 40 anos de carreira. Já realizou mais de 30 exposições individuais e participou de mostras 70 coletivas em Brasília, Belo Horizonte e Salvador, entre outras. Selvo é formado em Artes Visuais pela Universidade Federal de Goiás (UFG).

Depois da capital do País, a exposição segue para Goiânia. De 1º a 10 de novembro, estará na Câmara Municipal de Vereadores e de 11 a 21 do mesmo mês, na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás. Em fevereiro de 2018, vai para o Museu de Arte de Goiânia (MAG).


Fonte: Ministério da Cultura

Compartilhar Tweet 1



O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, participou, neste sábado (30), da inauguração da Bienal Internacional de Curitiba (PR), no Museu Oscar Niemeyer. Durante o evento, o ministro defendeu a Cultura como ativo econômico e como fator de congregação entre povos. Também estiveram presentes o governador do Paraná, Carlos Alberto Richa, e o embaixador da China no Brasil, Li Jinzhang, entre outras autoridades,

O ministro salientou que a Cultura tem uma importância transcendente para a inclusão social, para a formação da identidade cultural nacional e para o  aumento do sentimento de pertencimento, mas que tem também uma dimensão econômica.

"Nós precisamos trabalhar (essa dimensão), sobretudo em um País como o nosso que tem na diversidade cultural  um front de desenvolvimento ainda não devidamente explorado", disse. "Essa  é uma das bandeiras que empunhamos à frente do Ministério da Cultura", completou.

A Bienal, apoiada pelo MinC por meio da Lei Rouanet, segue aberta ao publico até 25 de fevereiro de 2018. Reúne, em 100 espaços de Curitiba obras de 425 artistas. A expectativa é que 1 milhão de pessoas passem pelo evento.

Ao lembrar que a China é o país homenageado da Bienal deste ano, Sérgio Sá Leitão elogiou o país asiático que, segundo ele, está entre os poucos países que sabem aproveitar a Cultura como ativo econômico. "Na Bienal há a aproximação de países distantes geograficamente e até culturalmente, mas que estão se tornando mais próximos e, aqui, por meio da arte", complementou.

O governador do Paraná , Carlos Alberto Richa, comparou a Bienal a um símbolo de aproximação entre os dois povos. "A China se tornou um de nossos maiores parceiros comerciais. O Paraná elevou mercadorias em direção aos portos chineses e aumentou também as importações desse país", exemplificou.


Fonte: Ministério da Cultura
Aniversário da cidade · 27/09/2017 - 10h39

Jovem escritor faz cordel para homenagear Barras


Compartilhar Tweet 1



Jovem, mas com muito talento, Jhonnes Sousa, da cidade de Barras, escreveu um cordeu para homenagear sua cidade que recentemente fez aniversário, confira:

Minha Barras

I

Escrevo esse cordel

Pra traduzir meu amor,

A terra dos governadores,

Lugar de um povo trabalhador.

Que hoje faz aniversário.

Parabéns, terrinha de calor.

               II

Barras me encanta.

Pelo seu jeito natural.

E rio marathoan?

É o nosso cartão postal.

Barras minha querida.

Você é especial.

               III

Barras minha cidade

Em cada canto uma história.

Nasceu de um povoado

Se não me falta a memória, 

Declaro aqui meu amor

Com essa dedicatória. 

                 IV

Lugar de amor e fé

Cada uma com sua crença.

Com respeito ao próximo 

Ninguém terá desavença 

Pra aqueles não têm fé,

Desculpa, peço licença.

                 V

Dando continuidade.

Falo das nossas riquezas.

O nosso rio longá.

Uma de nossas belezas.

A minha cidade é linda 

É repleta de grandezas.

                VI

Cidade de cultura.

Com muito festival.

São João e os festejos.

Outro deles  é o carnaval.

Que é muito famoso.

Pra animar o pessoal.

                 VII

Só lamento tantos crimes

Que estão  acontecendo;

Assaltos à mão armada 

E a população sofrendo.

Enquanto, a corrupção.

Dia a dia está crescendo.

                VIII

Vou aqui me despedir

Já disse a minha intenção;

Dá minha bela cidade

Contei sua tradição.

Eu já disse e repito:

Barras, mora em meu coração!

 

                        Jhonnes Sousa.


Compartilhar Tweet 1



O ator Marcos Frota desembarcou no Piauí juntamente com sua trupe trazendo seu circo itinerante com o projeto 'Marcos Frota Circo Show'. 

A primeira apresentação ocorre no município de Picos neste final de semana. Em Teresina, a apresentação deve ocorrer a partir do dia 06 de outubro, na Arena do Teresina Shopping.

"O espetáculo vai ser diferente, onde será apresentado um musical e eu serei o mestre de cerimônia, todos irão se encantar", disse Marcos Frota.

Gastronomia em Campo Maior · 12/09/2017 - 15h12

'Sabor Maior' terá Paula Fernandes, Sol Almeida e Biquíni Cavadão


Compartilhar Tweet 1



A cantora Paula Fernanda é mais uma atração confirma para o Festival de Gastronomia de Campo Maior, o Sabor Maior. A prefeitura do município anunciou na manhã desta terça-feira (12/09) que a sertaneja se apresenta na sexta-feira, 13 de outubro, no palco principal do evento. 

“Já está confirmada a terceira atração do 7° Sabor Maior. Campo Maior vai receber Paula Fernandes, a sertaneja mais amada do Brasil", disse a organização em postagem nas redes sociais. 

As outras duas atrações nacionais confirmadas são, Biquíni Cavadão, que abre o festival na quinta-feira, 12 de outubro, e Solange Almeida.

O Sabor Maior deste ano têm início na quinta e segue até o sábado com concurso de gastronomia, passeio turístico, desfile de moda, apresentações culturais e música com artistas nacionais e regionais.  

 


Fonte: Com informações do Campo Maior em Foco

Compartilhar Tweet 1



A banda de Pífanos Caju Pinga Fogo é a atração desta quarta-feira (13/09) no projeto Boca da Noite de Teresina. O show da banda, que mescla ritmos que valorizam a cultura nordestina, será realizado a partir das 19h, no Espaço Osório Jr/Club dos Diários.

Criada a partir do encontro de seis amigos universitários, a banda começou as apresentações em coletivos e movimentos culturais da cidade. Posteriormente, participou de um projeto com apresentações em Floriano e Teresina homenageando a cantora piauiense Maria da Inglaterra.

Percebendo que a banda preenchia um espaço até então pouco explorado, os integrantes se profissionalizaram para levar o projeto à frente. Nas apresentações, os ritmos são bem característicos da cultura popular nordestina, como baião, xote, reisado, maracatu, ciranda, trazidos na versatilidade do pífano. Além disso, mistura elementos teatrais e de dança, com um repertório de músicas autorais e de cantores como Alceu Valença e Luiz Gonzaga.

Para o show do projeto Boca da Noite, a banda preparou um repertório especial com músicas de grandes bandas e compositores piauienses de várias gerações, como Zé Rodrigues, Narguilé Hidromecânico, Hugo dos Santos, Êita Piula, Vagner Ribeiro e Valor de PI.

O Projeto Boca da Noite é uma realização do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult). Este ano, além de Teresina, as cidades de Parnaíba, Piripiri, União, Floriano, Oeiras, Picos, São Raimundo Nonato, Bom Jesus e Corrente também foram contempladas com o projeto. Na próxima semana quem se apresenta em Teresina é a banda Into Morphin.

Banda de Pífanos Caju Pinga Fogo
  Banda de Pífanos Caju Pinga Fogo

 


Fonte: Com informações da CCOM

A Fundação Nacional de Artes (Funarte) lança, nesta terça-feira (05/09), às 19h30, a coleção de livros Plínio Marcos – obras teatrais, na Livraria da Travessa, no Shopping Leblon, Rio de Janeiro. A iniciativa traz uma coletânea inédita de peças, em seis volumes, editada com a última revisão de conteúdo feita pelo dramaturgo. Nessa edição, foram selecionados os 29 textos concluídos pelo autor – dez deles publicados pela primeira vez.

Nos seis volumes estão textos consagrados, como Navalha na carne, Dois perdidos numa noite suja, O Abajur lilás e Quando as máquinas param. O organizador da publicação é o crítico e professor de literatura da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Alcir Pécora. A cada livro, ele acrescentou  análises dos textos de Plínio Marcos. No lançamento, o ensaísta fará uma apresentação da coletânea, no auditório da livraria.

Capa do programa de Navalha na Carne, com direção de Fauzi Arap. Com Nelson Xavier, Tônia Carrero e Emiliano Queiroz (1967 – Rio de Janeiro).
  Capa do programa de Navalha na Carne, com direção de Fauzi Arap. Com Nelson Xavier, Tônia Carrero e Emiliano Queiroz (1967 – Rio de Janeiro). Foto: Divulgação Funarte

Fotos, cartazes, imagens de textos escritos à mão pelo dramaturgo e outras curiosidades – como ingressos teatrais – ilustram a obra. Essa iconografia tem a assinatura de Ricardo Barros, filho de Plínio. A atriz Walderez de Barros, ex-esposa do autor teatral e mãe de seus três filhos, estabeleceu a versão final das peças.

Cada um dos volumes foi definido com base numa linha temática principal. O Volume 1, Atrás desses muros, reúne as peças cujas personagens encontram-se na prisão. O segundo livro, Noites sujas, mostra personagens sem ocupação ou subempregadas, no limite da sobrevivência nas grandes cidades. Já o Volume 3, Pomba roxa, reúne as peças que giram em torno da figura da prostituta. A quarta publicação, Religiosidade subversiva, traz as peças que o próprio autor reuniu em um livro com esse tema e com o mesmo título – e mais o texto O homem do caminho. No Volume 5, No reino da banalidade, há textos em que se destaca a descrição dos "hábitos pequeno-burgueses" – crítica, cômica ou tragicômica. Por fim, no sexto título, Roda de samba/Roda dos bichos, há apresentação do teatro musical e também da obra infantil de Plínio Marcos.

O objetivo da coleção Plínio Marcos – obras teatrais é dar ao público uma versão "absolutamente confiável" das peças do dramaturgo, baseada sempre na última modificação feita por ele próprio. "Um autor da grandeza de Plínio Marcos tem o direito de ter o conjunto da sua obra publicada de maneira correta e fidedigna", comenta Alcir Pécora. "Outro critério universal adotado foi o de apenas publicar, neste momento, as peças cujos originais, ou mesmo cópias, constassem do acervo de forma íntegra, e dadas como finalizadas pelo próprio Plínio Marcos", destaca o estudioso "A convicção que animou todos os esforços necessários para o preparo da atual edição foi a de introduzir a obra de Plínio Marcos no âmbito de um repertório cultural atuante no século XXI", conclui.

Plínio Marcos 
Plínio Marcos (1935 -1999), foi palhaço, camelô, ator, dramaturgo, diretor teatral e escritor. Escreveu 31 peças – quatro delas inacabadas –, além de outros textos literários, e foi ator. Suas peças foram traduzidas, publicadas e encenadas em francês, espanhol, inglês e alemão – parte delas adaptada para cinema e TV. Recebeu oito prêmios Molière de melhor autor, por Navalha na Carne e Dois Perdidos Numa Noite Suja e outras obras – entre as 37 premiações que ganhou.Também foi um atuante jornalista.

Após 1968, o teatro de Plínio Marcos era sistematicamente censurado. Navalha na carne e Dois perdidos numa noite suja, mesmo depois de apresentadas em diversas regiões do Brasil, foram interditadas em todo o país. Ele foi preso pelo Exército e liberado, dias depois, por interferência de um amigo influente. Em 1969, foi para a cadeia de novo, porque não acatou a interdição de Dois perdidos numa noite suja, em que trabalhava como ator; e libertado por interferência de vários artistas. Foi detido ainda várias outras vezes para interrogatório. Era considerado "maldito" pela ditadura militar e por quem a apoiava. "De repente, todas as minhas peças foram proibidas. Por quê? [...]. Há 17 anos [1973] pago o preço de nunca escrever para agradar aos poderosos [..]. A solidão, a miséria, nada me abateu, nem me desviou do meu caminho de crítico da sociedade, de repórter incômodo e até provocador. Eu estou no campo. Não corro. Não saio. E pago qualquer preço pela pátria do meu povo", desabafou Plínio Marcos.

Sua dramaturgia é marcada pela perseguição política e pela censura, que, por mais implacáveis que fossem, não fizeram com que ele desistisse. Ao contrário: quando não pode mais produzir, dirigir e atuar, escreveu contos, novelas, reportagens e crônicas, muitas delas publicadas nas páginas de importantes jornais e revistas do país (Última Hora, Veja, Folha de S. Paulo, O Pasquim, Opinião e outros) e foi reconhecido por seu valor. Muito mais foi impresso em edições baratas, feitas pelo próprio autor, vendidas por ele mesmo na rua e nas portas de teatros e universidades. Intitulando-se "repórter de um tempo mau", comentou: "Maldito seja eu e que escarrem no meu nome, se algum dia eu deixar de ir ao encontro dos que vêm de mim, por preguiça ou apodrecido pelo sucesso". Ele falava de seus personagens, sempre retratos de perdedores, encarcerados, perseguidos, desesperançados, famintos e enfermos.

Plínio Marcos faleceu aos 64 anos, em São Paulo, em 1999, após dois derrames e uma infecção pulmonar. Reconhecendo a grandeza única da obra do dramaturgo, em 2001, a sala de espetáculos cênicos da Fundação Nacional de Artes em Brasília passou a ser chamada de Teatro Funarte Plínio Marcos.


Fonte: Ministério da Cultura
Foram entregues 23 prêmios · 05/09/2017 - 15h45

Theatro 4 de Setembro celebra 123 anos com espetáculos e premiação


Compartilhar Tweet 1



O Theatro 4 de Setembro, maior casa de espetáculos do Piauí, comemorou 123 anos com uma intensa programação. Na noite dessa segunda-feira (04/09), foram entregues 23 prêmios a atores, diretores, dançarinos, jornalistas e pessoas que de alguma forma contribuem para a história do local. O espetáculo Depois do amor: O encontro com Marilyn Monroe, último dirigido por Marília Pêra e encenado por Danielle Winits e André Gonçalves, também foi apresentado no palco do teatro.

Foram quatro dias de espetáculos gratuitos de teatro, música, dança, circo e humor. O homenageado deste ano foi o técnico Antônio José, que presta serviços ao teatro há mais de 30 anos. Os musicais Elvis Forever e Tributo a Frank Sinatra encerraram a programação na galeria do Club dos Diários.

“Estamos muito contentes por essa grande festa, tudo isso é voltado para o público e para os artistas locais, nossa programação consiste em 98% de espetáculos piauienses”, conta o coordenador do Complexo Club dos Diários/Theatro 4 de Setembro, João Vasconcelos.

Entre as personalidades que receberam o troféu de 123 anos, estavam Lorena Campelo, atriz, dramaturga e diretora; Luzia Amélia, da Cia Luzia Amélia de Dança Contemporânea; Adriano Abreu, ator e diretor do Coletivo Piauhy Estúdio de Artes; Mariano Marques, apresentador do programa Sábado Maior/TV Antena 10 e outras pessoas que fazem parte da história do teatro.

“O que mais nos deixa felizes é ver esse complexo funcionando em sua totalidade com todos os espaços sendo utilizados e com grandes espetáculos. Vida longa ao Theatro 4 de Setembro”, afirma o secretário de Estado da Cultura, Fábio Novo.

Os alimentos arrecadados durante a programação de aniversário serão doados a quatro instituições beneficentes de Teresina.


Fonte: Ascom SECULT PI
Já está na sua segunda edição · 04/09/2017 - 11h20

Salão do Livro do Dirceu (SALICEU) acontece no Campus da UESPI


Compartilhar Tweet 1



De 20 a 22 de setembro acontece a segunda edição do Salão do Livro do Dirceu( Saliceu). E como na primeira, a organização do evento está trabalhando para que ele possa levar cultura, literatura e diversão para os moradores do bairro mais populoso da capital.

O Saliceu será novamente realizado na UESPI - Campus Clóvis Moura, no Dirceu Arcoverde. E no ano que o espaço completa 15 anos, quem será o homenageado do salão é o escritor que dá nome ao campus.

O lançamento está marcado para o dia 13 de setembro, às 19h, no Campus Clóvis Moura – Auditório Goethe Sandes. Na oportunidade, o poeta e romancista Nathan Sousa irá proferir palestra com o tema 'Poesia brasileira no século XXI'. Atração musical da noite é Dário Marreiros.

Na programação que envolve palestras, shows musicais, lançamentos de livros já confirmados a escritora cearense Ana Miranda, o escritor Salgado Maranhão, o poeta Paulo Machado, poeta e jornalista maranhense, Celso Borges, dentre outros.

O Salão acontece com recursos provenientes de emendas parlamentares do deputado João de Deus(PT) e conta com o apoio da Secretaria Estadual de Educação (Seduc), Secretaria Estadual de Cultura (Secult) e Universidade Estadual do Piauí (UESPI). A organização é da 21ª Gerência Regional de Educação(GRE).


Fonte: Ascom

Compartilhar Tweet 1



A Empresa Teresinense de Processamento de Dados (Prodater) e o Coletivo Salve Rainha firmaram parceria para que seja disponibilizada internet gratuita (Wifi) nos próximos eventos realizados pelo Coletivo. O presidente da Prodater, Eduardo Aguiar, recebeu a visita dos representantes do movimento, Erick Meireles e Vinicius, para tratarem do assunto.

O primeiro evento a receber a novidade acontecerá no próximo dia 10 de setembro, na Praça Saraiva. Os frequentadores poderão aproveitar a inovação durante todo o resto do mês de setembro e no primeiro fim de semana de outubro. “A Prodater tem o compromisso de ajudar qualquer tipo de manifestação cultural e vai oferecer todo o aparato necessário para que o público fique conectado durante o evento”, disse Eduardo.

“Nossa maior forma de comunicação com o público é através das redes sociais e com a Internet na Praça vamos ter a possibilidade de interagir em tempo real com todos que fazem parte do nosso movimento”, afirma Erick Meireles, um dos organizadores do Coletivo.

Já para a presidente do Salve Rainha, Renata Reis, a tecnologia é uma ferramenta difusora de conhecimento e aproxima as pessoas. “Quando a gente coloca uma tecnologia como essa numa praça, as pessoas vão ter acesso à internet e será uma atração a mais para o evento. Vamos mostrar que é possível unir tecnologia, cultura e segurança”.

Seguindo orientações do prefeito Firmino Filho, a Prodater tem o compromisso social de ajudar os eventos culturais que são importantes para a cidade.

Evento acontece em Teresina · 26/08/2017 - 14h38

Grupos levam tradição do Bumba Meu Boi ao XLI Encontro de Folguedos


Compartilhar Tweet 1



Bumba meu boi, reisado e quadrilhas. Independente da época do ano, essas manifestações culturais agradam o público no XLI Encontro Nacional de Folguedos. O palco “Cordel Encantado”, que recebe as apresentações, traz essa riqueza cultural, onde os grupos do Piauí e de outros estados mesclam dança, música e teatro em uma mesma apresentação.

A segunda noite do XLI Encontro Nacional de Folguedos levou muita dança com a apresentação de grupos diversificados. A sanfoneira de São Raimundo Nonato, Dona Sebastiana foi quem abriu a programação dessa sexta-feira (25) recebendo com o som caraterístico de sua sanfona o governador Wellington Dias, que visitou a Vila Olímpica do Albertão e conheceu todos os espaços do evento.

O batuque dos tambores do grupo Afro Cultural Coisa de Nêgo também se apresentou, levando uma mensagem que reverencia a cultura negra e denuncia o racismo. Com uma mistura de sons e ritmos, o Bumba Meu Boi “Raízes do Maranhão”, da cidade de Codó, fez uma apresentação que resgata as raízes culturais maranhenses. Homens e mulheres dançaram ao som do tambor, com uma pitada de reggae, outro ritmo característico do estado.

“Sempre que nos apresentamos nos Folguedos encaramos como uma oportunidade única, pensamos nos melhores figurinos, nas melhores coreografias, tudo para darmos o melhor e mostrar ao público o que o Maranhão tem de mais bonito para oferecer”, disse o coordenador do Bumba Meu Boi “Raízes do Maranhão”, Thelvany Frazão.

Quem assistiu às apresentações elogiou a beleza e a riqueza cultural apresentada pelos grupos. “Estava tudo muito bonito. É muito bom poder sair de casa e assistir a apresentações que revelam nossa cultura popular”, diz a auxiliar administrativa Ieda Brito, que levou o marido e as duas filhas para o evento.

Passaram ainda pelo palco Cordel Encantando as quadrilhas Luar do Sertão e Asa Branca. No Palco De Repente teve muito forró e sertanejo ao som da dupla Reisinho e Maclaine, as cantoras Fafá Santana e Laninha, Luzinho Vaneirão e forró da banda Bonde do Brasil, que colocou o público inteiro para dançar.

Na noite deste sábado (26) terá o XV Festival Regional de Quadrilhas Juninas – Nordestão, que vai trazer ao Encontro de Folguedos grupos de vários estados nordestinos, como Pernambuco, Bahia, Rio Grande do Norte e Sergipe.

Fotos: Roberta Aline


Fonte: Com informações da assessoria

Compartilhar Tweet 1



O grupo Bandolins de Oeiras - formado por adolescentes que tocam chorinho, marchinhas e sambas - fará apresentação na sessão solene em homenagem aos 300 anos da cidade de Oeiras, nesta terça-feira (29/08), na Câmara dos Deputados, em Brasília. A sessão, solicitada pelo deputado federal Assis Carvalho (PT/PI), acontece a partir das 9h, e terá a presença do governador Wellington Dias.

“O evento vai registrar a História, traços culturais, o patrimônio arquitetônico, a importância da participação de Oeiras nas lutas pela independência do Brasil e na construção da identidade nacional”, disse o deputado Assis Carvalho.

Oeiras, município mais antigo do Piauí e primeira capital do estado, é Cidade Monumento Nacional e teve seu Centro Histórico foi tombado como Patrimônio Cultural do Brasil. É conhecida também pelos espaços e manifestações culturais e por suas tradicionais festas religiosas.

Sessão solene em homenagem aos 300 anos de Oeiras
Dia 29 de agosto (terça-feira)
9h
Plenário Ulysses Guimarães – Câmara dos Deputados (Brasília-DF)


Fonte: Com informações da assessoria
Faz apresentações em Teresina · 25/08/2017 - 12h12 | Última atualização em 26/08/2017 - 12h15

Referência para Whindersson, humorista Jackstênio participará de filme


Compartilhar Tweet 1



O humorista Jackstênio Rodrigues, conhecido no meio cultural teresinense, participará de um filme que retratará toda a trajetória de Whindersson Nunes, que segundo ele é seu amigo de longa data.O filme mostrará desde os seus primeiros trabalhos do Youtuber em Bom Jesus e Teresina, ao seu sucesso de hoje. Segundo informações de Jackstênio, o longa começara a ser gravado no final desde ano.

Ao 180graus, Jackstênio contou que foi convidado a fazer uma importante homenagem à Teresina em seu aniversário de 165 anos. O vídeo produzido por Ronaldo Carvalho Filmes, já muito acessado nas redes, mostra trechos históricos da cidade.

O humorista se apresentou nesta sexta-feira (25/08), com o show Humor na Calçada,no bairro Parque Piauí com Dirceu Andrade e outros artistas locais.

Para mais informações
Jackstênio Rodrigues - (086) 9 9805-1953 / 9 9934-0120

Seria realizado em Floriano · 25/08/2017 - 09h55

Sem captar recursos, grupo cancela Festival Nacional de Teatro do Piauí


Compartilhar Tweet 1



O Escândalo Legalizado de Teatro - Escalet, divulgou nota nesta sexta-feira (25/08) onde informa que devido à falta de captação de recursos para realização do 6º Festival Nacional de Teatro do Piauí, está cancelada a nova edição,

O evento seria realizado de 29 a 03 de dezembro, na cidade de Floriano.

Na nota, a direção agradece aos 219 inscritos e aos 33 selecionados pelos empenho, confiança e dedicação.


Fonte: Com informações da Ascom

Compartilhar Tweet 1



Nesta terça-feira (15/08) o Teatro do Boi comemora 30 anos de existência em uma noite de apresentações com dança, música e documentário. A programação é gratuita e tem inicio a partir das 19 h.

A abertura da comemoração fica por conta do corpo de baile do próprio teatro, em um espetáculo nomeado como "Renascimento do Boi".

A noite continua com a apresentação da Orquestra de Violões e os alunos do curso de violão e a apresentação do teaser do documentário criado especialmente para o Teatro. De acordo com Kleyton Marinho, gerente de Promoção Cultural da FCMC a exibição tem aproximadamente 10 minutos. "Hoje iremos exibir uma prévia do que será o documentário, que está sendo preparado com muito cuidado. Ele já vem sendo idealizado há anos e conta a história do teatro desde a época em que era matadouro, com participações de pesquisadores, artistas e mais", disse.

A comemoração faz parte do calendário festivo do aniversário da cidade, que este ano comemora 165 anos. O Teatro do Boi é mantido pela Prefeitura de Teresina por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves.

Teatro e as mulheres
Desde dos anos 80, precisamente 15 de agosto de 1987 o matadouro público municipal de Teresina deu lugar a um espaço para ser cultivada a cultura popular, nomeado como CIARTE - Centro Integrado de Artes. No começo um grupo de mulheres, envolvendo diretoria, tesouraria e artistas se uniram a Sidh Ribeiro para a formação do Balé da Cidade, conhecido como a Menina dos Olhos de Teresina por muitos anos.

Bailarina e fundadora ainda como 1ª oficina de balé a professora Ivoneide Silva Ribeiro assumiu em 1990 a turma de bailarinos. No ano seguinte Sidh se uniu a ela e em 1992 foi criado o Balé Experimental do Teatro do Boi, para que em 1993, oficialmente fosse criado o Balé da Cidade de Teresina. Em uma direção compartilhada Sidh, afirma que durante anos esteve ao lado de grande mulheres e que elas tinham uma força gigantesca na hora de tomar decisões para melhorar a cultura da cidade. "Estive rodeado de grande mulheres em todo período que trabalhei com cultura. Naquela época, quatro grandes nomes fizeram a diferença na Fundação Cultural proporcionando a sociedade momentos únicos", disse.

Ainda segundo o artista, além de Ivoneide Silva, ganhadora de mais de 200 prêmios, estiveram a frente da cultura Vilma Teles, no setor financeiro, Amália Teles como superintendente da FCMC e Eugenia Ferraz, como presidente da FCMC.

O balé foi o carro chefe do CIARTE, diversas carreiras foram iniciadas e aprimoradas nos palcos do local cultural, possibilitando outras oficinas como de teatro, dança, música, memória de bumba-meu-boi, biblioteca comunitária, festivais de cultura popular e de teatro.

Entre os anos 2001 e 2004 foi projetado o programa Lagoas do Norte pelo atual prefeito Firmino Filho e incluído a reforma do teatro. Em 12 de junho de 2012, ganhou melhor estrutura e foi reaberto oficialmente ao público com o atual nome de Teatro do Boi. Atualmente, o local é dirigido pela produtora cultural Ana Teresa Lopes e se tornou referência em produção e disseminação de cultura popular na cidade.

O teatro oferece diversas oficinas como: teatro, danças, artes plásticas, música, corte e costura, capoeira, além de exposições, festivais e eventos variados possibilitando vida cultural não só a região norte da cidade como a cultura do município.


Fonte: Prefeitura de Teresina

Compartilhar Tweet 1



O historiador e professor Arno Wehling tomou posse na Cadeira 37 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), o acadêmico havia sido eleito em 9 de março para o lugar do poeta Ferreira Gullar, falecido em dezembro do ano passado.

Além de Gullar, já ocuparam a Cadeira 37 os imortais Silva Ramos, Alcântara Machado, o ex-presidente da República Getúlio Vargas, Assis Chateaubriand, João Cabral de Melo Neto e Ivan Junqueira.

“Em todos os ocupantes da cadeira, uma unanimidade, a defesa da língua portuguesa como falada no Brasil, com suas características e particularidades. E um traço comum, a esperança dirigida a objetos diversos, conforme os valores e as intenções de cada um, mas sempre esperança”, disse Wehling em seu discurso.


Fonte: Agência Brasil

Compartilhar Tweet 1



Com um acervo de 8,5 mil obras e tombado como patrimônio cultural brasileiro desde 1991, o Museu Casa do Pontal está com sua nova sede em fase de final de construção, na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade. Considerado o maior museu de arte popular do país, a perspectiva é que até o final deste ano a nova sede esteja concluída e seja inaugurada no primeiro semestre de 2018.

Instalado há mais de 40 anos no Recreio dos Bandeirantes, também na zona oeste, o museu teve que mudar de casa após sofrer os efeitos das alterações urbanas do entorno. O nível das ruas foi elevado em 1,5 metro acima do terreno do equipamento e, com isso, a sede da Casa do Pontal ficou sujeita a inundações, colocando o acervo tombado em risco.

O Museu Casa do Pontal tem em média 22 mil visitantes por ano. Enquanto a mudança não é efetuada, o museu continua funcionando no Recreio dos Bandeirantes, de terça-feira a domingo, com todas as atividades normais, que incluem exposições temporárias, shows musicais, seminários, oficinas culturais e visitas educativas.

Transferência

Segundo a diretora e curadora do Museu Casa do Pontal, a antropóloga Angela Mascelani, o acervo começou a ser reunido na década de 1940 e está em excelente estado de conservação. Apesar disso, como as peças são feitas de matérias-primas mais frágeis, uma transferência de lugar exige “grande esforço institucional”, acentuou.

Angela Mascelani comemorou o fato de a nova sede ficar em local de mais fácil acesso pelo público, próxima a uma estação de BRT. Será disponibilizada uma van gratuita que levará os visitantes da estação até o museu. “Haverá acessibilidade maior, mais proximidade. Isso é muito importante. O público vai poder chegar muito mais facilmente ao museu, saindo de qualquer lugar do Rio de Janeiro”.

Associação dos Amigos da Arte Popular Brasileira, que administra o museu, vai receber apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por meio de recursos não reembolsáveis no valor de R$ 4,6 milhões, para aplicação na implementação da museologia da nova sede. Os recursos correspondem a 94% do investimento total e serão investidos também na estruturação de um fundo patrimonial permanente, também chamado de fundo de endowment.

“Recebemos essa notícia [do apoio] com muita alegria e também porque a gente entende que a arte popular é um importante patrimônio brasileiro que registra no barro, na madeira, a história social dos homens e das mulheres do nosso país”, diz Ângela.

Segundo Ângela, o modelo de fundo patrimonial permanente garantirá mais sustentabilidade financeira à instituição. “O fundo garantirá que o museu tenha sustentabilidade financeira para a conservação do acervo e manutenção do espaço. Importantes artistas populares do país, como o pernambucano Mestre Vitalino, os cearenses Celestino e Manuel Graciano, o goiano Lunildes e o paranaense Laurentino têm obras no Museu Casa do Pontal”, conta.


Fonte: Agência Brasil

Compartilhar Tweet 1



O Ministério da Cultura vai liberar R$ 4 milhões para pagar os contemplados em editais da Fundação Nacional de Artes (Funarte) do ano passado nos setores de música, artes visuais e doação de kits de iluminação cênica. O anúncio foi feito hoje (11) no Rio de Janeiro, pelo ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, que concedeu entrevista coletiva junto com o presidente da Funarte, Stepan Nercessian.

De acordo com o ministro, a pasta sofreu contingenciamento de 43% do orçamento em março e ficou sem caixa para pagar os vencedores de 2016. Ele explicou que tem buscado liberaração de verbas para “honrar os compromissos assumidos”, mesmo que por outra gestão, antes de lançar novos editais de incentivo e fomento, e tem “buscado com lupa nas planilhas de orçamentos” para encontrar valores escondidos ou esquecidos. “Estamos catando moedas”, disse Leitão.

O ministro citou a identificação de R$ 100 milhões em fundos da Agência Nacional do Cinema (Ancine), que foram anunciados em Fortaleza na semana passada para projetos audiovisuais para televisão. Com a Funarte, foram definidas as ações e investimentos para este ano e de 2018.

Serão pagos R$ 972,5 mil referentes ao Prêmio de Composição Clássica, com 46 contemplados em cinco categorias; R$ 2,114 milhões para o Prêmio Conexão Circulação Artes Visuais, com dez exposições de pequeno porte; e um total de R$ 1,1 milhão na compra de equipamentos de iluminação cênica para doação a 38 salas de teatro e 11 cinemas.

A Funarte vai publicar ainda este mês os editais para a ocupação, no segundo semestre, de 21 dos 27 espaços da Fundação no Rio de Janeiro, em São Paulo, Belo Horizonte e Brasília, nas áreas de música, circo, teatro e dança. Até outubro, será lançado o edital para a ocupação em 2018, que incluirão também espetáculos, oficinas e debates.

“Em todas as conversas com as associações do setor cultural e entidades representativas, tem sido colocado que há artistas que não encontram palcos. Os espetáculos estão disponíveis, muitas vezes até com patrocínio, mas não encontram teatros e salas de espetáculo para que sejam apresentados e disponibilizados ao público. Acho que essa é uma das vocações dos nossos espaços e vamos lançar esses processos públicos de seleção, com critérios para que se tenha a maior diversidade possível nas áreas de expressão e dos artistas, para que a gente dê um alcance nacional para esse edital de ocupação.”

Nercessian explica que a novidade é que a Funarte vai ceder o espaço gratuitamente, sem cobrar os 10% da bilheteria. “Nós vamos fazer as coisas com o pé no chão para fazer concretamente. Em 2018 vamos abrir mão dessa ocupação até dos 10% de bilheteria que hoje a Funarte tem. Quem ocupar vai ter o subsídio da gente bancar o espaço e a renda é toda da produção, do artista. Vamos quebrar também a limitação do preço do ingresso, que era um impedimento muito grande para produções mais caras.”

Escola Nacional de Circo

O ministro também anunciou o início das aulas para a segunda turma da Escola Nacional de Circo, com 60 alunos selecionados entre os 280 inscritos no edital. Além das aulas técnicas em tempo integral, os alunos recebem uma bolsa que soma R$ 55 mil no período de 22 meses de duração do curso profissionalizante. Segundo o presidente da Funarte, a turma que se formou neste ano teve, pela primeira vez, o diploma reconhecido pelo Ministério da Cultura.

Outra medida anunciada é a reforma para a reativação das salas Cássia Eller, dedicada à música, e Klauss Vianna, para dança, ambas no complexo Funarte de Brasília, que receberão aporte de R$ 1,4 milhão para estarem disponíveis para o edital de ocupação de 2018.

A Funarte também vai lançar, no dia 5 de setembro, uma publicação com as obras completas do autor de teatro Plínio Marcos, e um edital para a digitalização do acervo de obras de formação artística da fundação. Segundo o ministro, já existem 200 disponíveis no portal publicadas a partir de 2010, e o edital vai contemplar 400 publicações lançadas entre 1990 e 2010.

A última ação anunciada pelo ministro é o projeto Dança às 12h30, que começa no dia 16 de agosto no teatro Cacilda Becker, no Rio de Janeiro, dirigido por Ana Botafogo e Cecília Kerche. “As apresentações serão gratuitas, às quartas, quintas e sextas-feiras, com trechos de balés e óperas consagrados. As peças serão apresentadas de forma didática, com um viés de formação de público, e depois são encenados trechos. É um modelo que vamos testar para ser replicado pelo país.”

Canecão

Perguntado sobre a situação da tradicional casa de shows carioca Canecão, fechada desde 2010, Leitão explicou que o local pertence à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e que o ministério já foi procurado por cinco grupos privados que teriam interesse na concessão do local.

“É algo prioritário, então estou incitando esforços que reúne uma série de agentes para ter a recuperação do Canecão. O prefeito Marcelo Crivella já disse que está disposto a participar, o ministro [da Educação] Mendonça Filho também. Tenho uma reunião na semana que vem com o reitor da UFRJ [Roberto Leher]. Fomos procurado por cinco grupos privados que manifestaram interesse, caso o caminho de comum acordo seja a concessão para um grupo privado. Eles disseram que o investimento necessário pode ser integralmente bancado pela iniciativa privada. Então estamos com o caminho aberto para que isso aconteça. O papel do Ministério da Cultura nisso é articular todos estes agentes," explicou.

Escolas de samba do Rio

Sobre o desfile das escolas de samba do Rio, que teve o orçamento da prefeitura reduzido pela metade, o ministro informou que os R$ 13 milhões necessários para a realização do evento podem ser captados por meio de patrocínio de empresas estatais, da Lei Rouanet ou da lei estadual do ICMS, pois ambas ainda têm teto disponível. “Portanto, não se trata de tirar dinheiro de um lugar para colocar nas escolas de samba, é um dinheiro das ações de marketing das empresas.”

Bibliotecas Parque

Leitão informou também que está tratando com o secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, André Lazaroni, uma forma de vibilizar as Bibliotecas Parque, que tiveram o contrato de gestão suspenso em dezembro. “Já conversei com o André Lazaroni, que está empreendendo um processo de revisão dos contratos da biblioteca e vai me apresentar os resultados na segunda-feira (14), para construirmos uma solução conjunta dentro de uma racionalidade administrativa. Elas tinha um custo muito alto, se comparado com outras instituições semelhantes.”


Fonte: Agência Brasil
Saraus, mostras e exposições · 13/08/2017 - 20h16

Flipelô e Campus Party terminam com grande sucesso em Salvador


Compartilhar Tweet 1



Com saraus, mostras e exposições, a Flipelô teve cinco dias de evento em homenagem ao escritor baiano Jorge Amado, que faria 105 anos na última quinta-feira (10). Entre os casarões coloniais do Centro Histórico de Salvador, no Largo do Pelourinho, em frente à sede da Fundação Casa de Jorge Amado, um colorido letreiro com o nome #FLIPELÔ foi cenário de fotos de turistas e participantes da Festa Literária.

A Flipelô teve a participação de mais de 200 convidados em 60 atividades - incluindo mesas de debates, saraus, contação de estórias, exposições e espetáculos de dança e música – o público particpante disse esperar pela próxima edição da festa, com outros homenageados e a presença cada vez maior de escritores e artistas de diversas áreas.

Para a professora de Língua Portuguesa, Carolina Almeida, destacou a festa literária, a leitura e a integração das vertentes culturais como elementos fundamentais para a construção do conhecimento e a inserção social. “Com esse evento, constrói-se a cultura do livro, que a gente não tinha, achei essa ideia bem legal para Salvador. As obras de Jorge Amado são tão importantes que, naturalmente, serão levadas para a eternidade”, comentou.

Durante estes cinco dias, passaram pela Flipelô importantes nomes da literatura, como Pasquale Cipro Neto, Talita Rebouças, Antônio Torres e Alexandra Lucas Coelho; a biógrafa de Jorge Amado, Josélia Aguiar; e a escritora mineira Conceição Evaristo, que participou de uma mesa sobre a resistência das mulheres negras, sobretudo na literatura.

Conceição Evaristo foi o destaque da Flipelô, na opinião da estudante de Letras Joelma Conceição, por abordar a invisibilidade da mulher negra na sociedade. “Ela é um exemplo para mim, me sinto identificada com ela, porque venho do trabalho doméstico, assim como ela, e não me sentia inserida na sociedade, não me enxergava representada. Hoje, essa voz negra que dá voz a outras mulheres negras é uma coisa incrível, na qual me espelho muito”, comentou a universitária, de 39 anos.

A programação da Flipelô prosseguiu até o fim da tarde deste domingo, com saraus, mostras audiovisuais, lançamentos de livros e contação de histórias. Tudo o que aconteceu no evento pode ser consultados no site www.flipelo.com.br.

Campus Party Bahia

Também neste domingo, em Salvador, jovens e estudantes se despediram do mundo da tecnologia e inovação da Campus Party, uma feira mundial que aconteceu pela primeira vez na Bahia e inovou ao ser realizado em um estádio de futebol, a Arena Fonte Nova.

Num dos portões de acesso ao estádio, ônibus se enfileiravam para que os participantes – chamados campuseiros – retornassem para suas cidades de origem, em caravanas. Entre eles, estava a estudante de Sistemas de Informação, Vitória Trindade, de 19 anos. Ela conta que, na volta, a bagagem é maior, devido à carga de conhecimento adquirido durante os cinco dias de evento.

“Adorei tudo, a robótica, as competições, as ideias apresentadas que foram muito boas e sustentáveis. Muito bom saber que estamos nas mãos de jovens tão promissores e criativos, quero muito ser como um deles”, disse a estudante, da cidade de Jequié, a 350 quilômetros de Salvador.

A Campus Party Bahia terminou, oficialmente, na noite de ontem (12), com a premiação de vencedores de competições, palestras de encerramento, apresentação dos organizadores e voluntários e apresentação de orquestra. Ao todo, 4 mil jovens se inscreveram para acampar nas conhecidas barracas de camping da Campus Party. Além disso, cerca de 40 mil pessoas circularam na área aberta ao público, onde houve exposições de inovações tecnológicas, incluindo robôs e simuladores de voo.


Fonte: Agência Brasil
Ministro fez anúncio · 08/08/2017 - 11h30

MinC anuncia R$ 94 milhões para audiovisual no Nordeste


Compartilhar Tweet 1



O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, anunciou um investimento do Ministério da Cultura (MinC) e da Agência Nacional do Cinema (Ancine), por meio do Fundo Setorial Audiovisual (FSA), de R$ 94 milhões para produtoras e programadoras de conteúdo para a televisão nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Outros R$ 6 milhões serão destinados para a região Sul e os estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Os R$ 100 milhões serão alocados neste semestre na linha de investimento Prodav 02, da Ancine. O anúncio foi feito durante I Seminário Descentralização da Produção Audiovisual no Centro-Oeste, Norte e Nordeste, durante o 27º Cine Ceará, em Fortaleza (CE).

O ministro explicou, durante o seminário, que, embora a Lei 11 473/2006 destine 30% dos recursos do FSA a produtoras brasileiras estabelecidas no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o percentual não é cumprido. "O objetivo é promover o desenvolvimento regional e assegurar os recursos previstos em lei para essas regiões", afirmou Sérgio Sá Leitão. "É preciso descentralizar o fomento e as políticas para dar conta de toda a diversidade do nosso país. A atividade de criação de propriedade intelectual está presente em todo o Brasil, não há razão para haver concentração", destacou.

Fundo Setorial Audiovisual 2.0
Durante o seminário, o ministro fez um balanço sobre os 10 anos do FSA e mostrou alguns gargalos, como o não cumprimento do percentual mínimo de 30% destinados às regiões do Centro-Oeste, Norte e Nordeste e a existência de saldos em várias linhas de financiamento, o que faz com que os recursos não sejam totalmente utilizados.

Sérgio Sá Leitão defendeu ainda a transformação do Fundo Setorial do Audiovisual para um "FSA 2.0", que possa cumprir melhor seus objetivos e maximizar resultados. "É como tenho dito em relação à Lei Rouanet. O que não precisa reformar após 26 anos?", questionou o ministro. "O mundo mudou, as práticas se transformaram e, no nosso caso, 10 anos é uma prazo razoável para partir para um processo de mudanças e transformações", explicou.

O ministro defendeu, ainda, a desburocratização, a transparência e os princípios de eficiência e eficácia para serem implementados no Fundo. "Ao longo do tempo, o FSA foi ficando excessivamente burocrático, se tornou um problema, uma barreira de entrada e um fator produtor de desigualdade. A burocracia produz desigualdade", lamentou.

Em relação à transparência, Sá Leitão lembrou que, pela primeira vez, uma série de dados do FSA foi compartilhada. "A ideia é poder compartilhar essas informações em tempo real para que a sociedade como um todo tenha um raio-X do FSA e para que o diálogo entre a Ancine, o Ministério da Cultura, a sociedade e o setor audiovisual possa ocorrer de forma mais consistente. É um marco importante", avaliou.

Sérgio Sá Leitão Salientou também a importância de estabelecer critérios de eficiência e eficácia na gestão do FSA. "Queremos aumentar a eficiência, fazer bom uso do recurso para ter maior eficácia, ou seja, maior impacto da atividade audiovisual em todo o Brasil", ponderou. "Para isso é importante descentralizar o fomento e as políticas no País", finalizou.

Ancine e MinC
Também presente ao seminário, a diretora presidente em exercício da Ancine, Débora Ivanov, defendeu a sinergia entre o MinC e a agência, o estabelecimento do diálogo com toda a cadeia produtiva e falou sobre a importância da descentralização dos recursos. "É bonito ver o fortalecimento da produção fora do eixo Rio-São Paulo nos últimos anos como afirmação da identidade, mostrando a riqueza da nossa cultura e promovendo ações de mercado", avaliou.

Débora apresentou ainda alguns números que mostram a força da indústria audiovisual e falou sobre a discrepância entre as regiões do país. "O setor audiovisual representa 0,46% do PIB brasileiro e gera 98 mil empregos formais. É maior do que a indústria farmacêutica, a de eletrodomésticos e a de celulose. Apesar da crise, nós continuamos em rota de crescimento", destacou. "A Ancine tem 9103 produtoras registradas em 2016. As regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste têm 20% delas, ou 1865 produtoras brasileiras independentes, que produziram 10% das obras registradas", informou.

Ministério da Cultura

Autora Soraya Abuchaim · 30/07/2017 - 09h16

Dark Queen': escritora tem uma cara de anjo com dom para terror


Compartilhar Tweet 1



A escritora Soraya Abuchaim é natural de Vinhedo, no interior de São Paulo, e descobriu seu dom para a escrita quando tinha um blog para simplesmente postar seus contos. Deste hobby nasceu uma profissão, que embora ainda não seja a sua grande fonte de renda dela, é a sua maior conquista.

Prestes a fazer 34 anos, ela já acumula alguns anos de escrita, com livros que navegam entre o terror e o suspense, gêneros que ela considera suas grandes paixões. Tanto que ela não se vê desenvolvendo alguma coisa fora disto, com exceção de algo fantasioso, mas que ainda envolvesse temas relacionados ao que ela ama explorar.

“Minha carreira começou de repente. Eu tive um conto – ‘O vizinho suspeito’ - lançado em uma antologia chamada ‘Horas Sombrias’ (Andross) e depois consegui publicar o thriller psicológico ‘Até eu te possuir’ (Editoria Ella). Esse suspense conta a história de Johanna, uma mulher que perdeu tudo na vida e, quando achava que os caminhos estavam se abrindo, se envolve com um homem que guarda um segredo mortal”, explica.

Com muitos elogios recebidos pela crítica nesta primeira obra lançado na Bienal do Livro de SP em 2016, sua confiança aumentou e hoje já agrega mais nomes para o seu currículo como autora. “Há o ‘A Vila dos Pecados’, já lançados fisicamente, e ‘Maldito Seja’, na versão e-book, além de diversos contos, como ‘Madrugada Macabra’, ‘Forasteiro’, ‘Cotidiano’, entre outros, sempre percorrendo entre o terror e o suspense, para prender o leitor do início ao fim”.

Para levar informações diferenciadas e até mesmo se basear em histórias reais, a escritora “Dark Queen” (ou Rainha Dark) utiliza métodos parecidos com os feitos por atores e atrizes antes de encarnarem um papel, conhecidos como laboratórios.

“Recentemente, fiz um curso sobre mentes criminosas, para me ajudar na criação dos personagens. Mergulho de cabeça no tema, pois o leitor quer ser surpreendido. Também faço muita pesquisa e, se necessário, converso com pessoas que entendam da área de abrangência. Isto aconteceu no ‘A Vila dos Pecados’, em que diversos especialistas me deram dicas sobre o funcionamento da Igreja Católica”, complementa.

O que é essencial para um livro ser sucesso na Era Digital?
Soraya é categórica ao afirmar que a identidade do autor é primordial na produção. E, segundo ela, é um dos grandes diferenciais que destacam um escritor do outro. Com um público de leitores mais maduros, balanceado entre homens e mulheres, ela aponta a linguagem adequada como algo que faz com que ela se caracterize. “Eu, por exemplo, sou mais adepta ao estilo da escrita mais elaborada. Gosto mesmo de explorar nosso vocabulário. E busco, sempre que dá, fazer os finais das minhas histórias abertos, para fugir dos clichês”.

Quanto ao mundo cibernético como uma nova maneira de leitura, ela acredita que saber explorar esses nichos seja a melhor saída. “Acho que hoje o autor tem de pensar nas duas formas, os e-books e o impresso. As plataformas virtuais são de suma importância, mas ainda há muito público para o livro físico. O importante é que o autor esteja acessível para todas as possibilidades”.

A antologia “Insanidade” vem aí
Soraya foi a autora escolhida para organizar a antologia “Insanidade”, onde terão 22 contos, 20 selecionados por ela e os demais de Glau Kemp e Jhefferson Passos, escritores famosos no mundo do terror.

Com lançamento entre setembro em outubro desse ano, pela Editora Skull, a obra ainda está em fase da escolha do material, no qual a Dark Queen também terá a sua participação. Porém, ela ainda não revela o tema. “Só posso dizer que terá muito sangue”, finaliza.


Fonte: Com informações da assessoria

Compartilhar Tweet 1



Uma das atrações da 15ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), que está aberta ao público do local até domingo (30), poderá ser conhecida posteriormente pela população de outros estados. Depois da Flip, a exposição interativa Energia da Língua Portuguesa, montada em um caminhão, percorrerá todas as regiões do Brasil nos próximos dois anos. A mostra é uma ação em apoio à recuperação do Museu da Língua Portuguesa, com sede em São Paulo, que teve seu acervo destruído após um incêndio em 2015. O local só será reaberto ao público em 2019.

“Achamos que uma vez que a abertura do museu está programada somente para 2019, até lá tínhamos que ter uma forma de envolver as pessoas nesse processo de restauração e difundir um pouco mais a grande riqueza que o idioma português tem, a diversidade do idioma nos vários países, os vários sotaques no Brasil. Tem uma série de informações curiosas sobre a língua e é isso que nós estamos levando nessa exposição itinerante”, explicou Miguel Setas, presidente da EDP Brasil, empresa portuguesa de energia que montou a exposição.

Interatividade
Depois de Paraty, a exposição interativa segue para o Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo. A mostra tem 300 metros quadrados e utiliza a estrutura móvel de um caminhão. Por meio de diferentes atividades interativas, ela permite que os visitantes conheçam mais sobre os países que falam a língua portuguesa, as peculiaridades e diferenças do português falado no Brasil e em Portugal e curiosidades sobre expressões comuns deste idioma, que é considerado o quinto mais falado do mundo.

Na área interna, por exemplo, o público pode manuesar um periscópio em que as pessoas rodam em 360 graus e conseguem olhar para dez países onde se fala português hoje em dia. "É uma viagem, um mergulho no português que se fala no mundo inteiro”, disse Setas. No chão, está marcado o nome de cada país e, na parede, podem ser apreciadas fotos e expressões curiosas de cada um deles.

Em outra instalação, o visitante pode dublar trechos de poemas com o sotaque que escolher e compartilhar em suas redes sociais. E um jogo dentro da exposição desafia o visitante a soletrar palavras selecionadas aleatoriamente por uma máquina. Quem acertar, ganha um livro. Chama a atenção também a atividade que exibe e explica o significado de expressões utilizadas no dia-a-dia nos países lusófonos, como "Inês é morta", "tem boi na linha", "bicho de sete cabeças", "as paredes têm ouvidos", "a cobra vai fumar", entre outras.

Quando sai do caminhão, o visitante é convidado a recitar um poema e, posteriormente, essas gravações constituirão um vídeo com a participação do público. Na área externa da exposição, são desenvolvidas outras atividades que incluem produção de pôsteres com a citação literária favorita do visitante, ambiente para leitura e o chamado light painting. Por meio da técnica, os visitantes escrevem palavras no ar com auxílio de uma luz, que são captadas em fotografias.

Nos próximos meses a exposição seguirá para o Rio de Janeiro (4 a 6 de agosto), Cachoeiro de Itapemirim (11 a 13 de agosto), Vitória (18 a 20 de agosto), Linhares (25 a 27 de agosto), São José dos Campos (2 de setembro), Guararema (9 de setembro) e Guarulhos (16 de setembro).


Fonte: Com informações da Agência Brasil