Política

População continua esperando · 11/02/2014 às 20h01 | Última atualização em 11/02/2014 às 20h12

R$ 400 MILHÕES? Piauí vive só de anúncios e promessas

REPORTAGEM ESPECIAL: Ciro promete vinda de Dilma e investimento para o Metrô


Compartilhar Tweet 1



No começo do século 20, o escritor Monteiro Lobato disse que um país “se faz com homens e livros”. Na segunda década do século XXI, os políticos da moda, no Piauí, insistem com a afirmação de que um estado se constrói com promessas ingratas.

Nesta semana o piauiense foi novamente surpreendido pelo anúncio de uma grande realização seguido da promessa de um volumoso aporte de recursos. Parte do senador Ciro Nogueira, presidente nacional do PP, ungido pelo ex-presidente Lula em 2010 e que contou com reforço do Planalto por meio do então ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Segundo prometeu Nogueira, em pronunciamento feito nesta terça-feira (11/02), a presidente Dilma Roussef (PT) deve estar no Piauí na próxima semana para anunciar investimentos de R$ 400 milhões em obras de reforma e ampliação do metrô de Teresina. A promessa é antiga e nem precisa se concretizar para que novamente a população se deixe embalar por mais uma cantiga de ninar – que pode muito, de acordo com a interpretação, ser comparada a uma cantilena permanente.

Ciro Nogueira faz parte dos esforços do senador Wellington Dias (PT) para chegar novamente ao governo do estado. Ele, W.Dias, já governou antes, e por um longo período, de 2003 a 2010, diz-se que o período de maior tranqüilidade político-administrativa e financeira da história recente deste pedaço do Brasil. Nesta época, de sete anos e três meses, muitos anúncios e promessas foram feitos.

CADÊ ESSE DINHEIRO?
A população se acostumou em ver o então chefe do executivo ocupar diariamente as páginas de jornais e emissoras de rádio e tevê para dizer que finalmente sairíamos da condição de um dos estados mais atrasados da nação. Seus informes não se concretizaram, mas nem por isso deixaram de encher os olhos e ouvidos dos seus espectadores. Seriam nada menos, anote com firmeza, que R$ 84 bilhões os recursos transferidos pela União ao estado naquele período de bonança em que tanto o Brasil quanto o Piauí seguiam em céu de brigadeiro, tempo claro, céu azul, poucas nuvens a toldar o horizonte do futuro.


W.Dias, quando governador, criou o: 'É feliz quem vive aqui'

POBRE POPULAÇÃO CARENTE
Exceto, é claro, pela falta de comprovação que acompanhavam tais declarações. Observadores da cena política entendem que esses anúncios foram responsáveis por alavancar a imagem do senador petista, atual líder nas pesquisas de opinião em suas pretensões de retomar o controle administrativo piauiense. Significa dizer que a população é tão carente de grandes obras e realizações transformadoras que basta um simples anúncio para que a grande maioria seja embalada pelos acordes da mais profunda e completa felicidade, um sentimento que beira o nirvana.


Lula veio ao Piauí e anunciou o biodiesel: não saiu do papel...

TUDO NÃO PASSOU DE FANTASIA...
Disso, os líderes das pesquisas entendem muito bem. O que eles não sabem é como transformar suas afirmações em realidade. Talvez por isso obras de vulto como a Brasil Ecodiesel – que aproveitaria a mamona para gerar combustível na área de transição do semiárido; a empresa Suzano – que usaria o território e a mão de obra do Piauí para plantar eucaliptos, colher papel e garantir um desenvolvimento ainda distante; a refinaria de petróleo – primeira grande obra anunciada pelo então governador em seu ápice de popularidade e que terminou sendo implantada mesmo no estado vizinho, não tenham passado da mais convincente fantasia. Como naquele antigo seriado de tevê.