180graus

Caso gera muita discussão - 25/10/2013 às 07h50

Caso Fran:Após vídeo no WhatsApp jovem é apoiada no 'face'; desabafa






Boa Vista - Brisa Sul - Academia
CEV
INOCOOP
WX - Village Leste

O 180graus tem divulgado o "Caso Fran", que tem gerado muita discussão, especialmente no facebook. O caso da jovem de 19 anos que foi exposta por meio do WhatsApp, onde foram divulgadas cenas íntimas nas quais ela aparece praticando atos sexuais com um homem, continua provocando polêmica nas redes sociais.

No Facebook, várias pessoas comentaram o caso com tom de indignação. As críticas são direcionadas ao rapaz que teria divulgado o vídeo, Sérgio Henrique, 22 anos, e as pessoas que passaram a disseminar de forma viral um sinal de "OK", feito pela jovem em um dos momentos do vídeo.

Apoiadores da garota chegaram a criar uma página no Facebook, intitulada "Apoio a Fran". A página foi criada no dia 7 de outubro e já conta com mais de 16 mil curtidas. Segundo os criadores do página, o objetivo é mostra à jovem que há pessoas que estão ao seu lado.

"Fran, seja guerreira menina, pois sabemos que disso tudo você é a vítima por ter acreditado no amor, amor esse que vemos menos a cada dia. Todos sabem que a relação íntima de um casal diz respeito ao casal e a mais ninguém e infelizmente você encontrou um covarde e não um homem de verdade. Mais a justiça sempre chega!!! E fizemos esta página para mostrar que estamos do seu lado e para que você não se deixe abater por falsos moralistas e hipócritas que estão usando do desrespeito para aparecer. Força menina guerreira porque todos podem conhecer seu corpo, mas ninguém conhece seu coração", diz o post de apresentação do grupo.

Em páginas pessoais, várias pessoas também comentam o caso, que está sendo investigado pela Polícia Civil de Goiás.

Fran.jpg

Fran 2.jpg

ENTREVISTA À GLOBO DE GOIÁS
A estudante de 19 anos que teve vídeos íntimos divulgados em um aplicativo de celular e nas redes sociais diz que sua vida “virou um inferno”. Parou de estudar e de trabalhar desde que o caso ganhou repercussão, no início do mês. Ela só sai de casa para conversar com advogados sobre o processo que move contra o suspeito de divulgar as imagens, com quem a jovem diz ter se relacionado por três anos. “Não me arrependo porque fiz [o vídeo] por amor, com uma pessoa que eu amava e em quem eu confiava. Só que isso não deveria ter sido mostrado para ninguém”, disse a jovem, em entrevista exclusiva ao G1 e à TV Anhanguera, na manhã desta quarta-feira (23), em Goiânia.

Abalada e com o visual diferente, para não ser reconhecida nas ruas, ela conta que está há praticamente 20 dias sem sair de casa. A estudante, que era vendedora em uma loja de roupas, resolveu falar publicamente sobre o caso, que ela considerou "humilhante", porque, segundo ela, está sendo condenada por muitas pessoas que não conhecem toda a história.

“Eu não cometi nenhum crime. Mas pessoas me ofendem virtualmente e moralmente. Muita gente me chamou de vadia, prostituta. Um homem chegou a me mandar uma mensagem falando que viria a Goiânia no final de semana e que me pagava R$ 10 mil para sair com ele”, afirma.

A situação chegou ao ponto de influenciar as colegas de trabalho. “Chegavam na loja e ofereciam programa [sexual] pra elas”. Ela foi afastada do trabalho até que a situação se acalmasse. No entanto, a vendedora não sabe se voltará. “Gosto muito de trabalhar lá. Mas não sei quando conseguirei voltar”.

O curso de design de interiores em uma escola particular de Goiânia também foi abandonado. “Meus professores e meus colegas conhecem minha índole. Eles estão me ajudando e estou recebendo as aulas por internet. Não vou parar de estudar”.

A vendedora ressalta que vai ser difícil retomar sua rotina: “Queria ter minha vida de volta. Eu morri em vida. Vai ser um trauma que eu vou levar para a vida toda”.

Ela registrou um boletim de ocorrência no último dia 3. A Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam), em Goiânia, está investigando o caso, que ganhou grande repercussão na internet. "Acho que nem ele [ suspeito] imaginava que fosse tomar essa proporção. Não tem como controlar e estipular quantas pessoas viram. Não tem como pegar o celular de todo mundo e apagar", disse. Ela pede que as pessoas denunciem o link do vídeo para que as imagens sejam retiradas da web.

Além do apoio de familiares e amigos, a estudante afirma que as redes sociais têm ajudado a “erguer a cabeça”. “Criaram páginas de apoio. São mais de 35 mil pessoas me dando força, enviando mensagens, até gente de outros países. Inclusive, outras pessoas que passaram por situação parecida dão o seu depoimento. Do mesmo jeito que tem gente me criticando, tem gente me apoiando”.

VÍDEO
Nos vídeos divulgados em mensagens de celular e na web, é possível ver a estudante em atos sexuais. O caso ganhou repercussão e virou meme [termo usado para frases, imagens e vídeos que se disseminam na internet de forma viral] nas redes sociais.

As gravações se propagaram rapidamente pelo aplicativo de celular. Em um dos vídeos, a jovem aparece fazendo um sinal de 'OK'. O símbolo virou piada nas redes, com montagens de políticos. Fotos de celebridades fazendo o sinal de OK também começaram a ser usadas pelos internautas. No entanto, algumas imagens teriam sido tiradas antes da polêmica e não se referem ao caso

A estudante conta que ficou sabendo do vídeo por uma amiga, no dia 3 de outubro, enquanto trabalhava. “A primeira coisa que eu fiz foi ligar pra ele [suspeito]. Ele negou e disse que ia me ajudar a descobrir quem foi”.

No entanto, para a estudante, não há dúvida de que foi o ex quem divulgou, pois há anos era a única pessoa com quem se relacionava e com quem já tinha gravado vídeos íntimos. “As imagens ficavam dentro de uma pasta no celular, que fica dentro de outra. Para entrar nas duas é preciso de senha que só ele sabe”, ressalta.

A garota lembra que o vídeo já tinha se espalhado quando ela teve conhecimento: “Eu só chorava”. Ela afirma que no dia seguinte procurou a delegacia para registrar a ocorrência.

“Meu celular resetava de tantas ligações. Meu Whatsapp [aplicativo de celular para envio de mensagem] parecia uma calculadora, não parava de somar, foram mais de 4 mil mensagens de desconhecidos com DDD do país inteiro. Não respondi ninguém. Também tive que excluir minha conta no Facebook”, declara a estudante.

PUNIÇÃO
Apesar de um inquérito policial estar em andamento, a jovem acredita que o suspeito de divulgar as imagens não será punido. “Não tem punição para este tipo de crime, não tem uma lei que enquadre ele. Ele até pode ser considerado culpado, mas não vai ficar preso. Ele nunca vai conseguir pagar pelo mal que me fez”.

Ao prestar depoimento, o suspeito negou as acusações. A Polícia Civil ainda ouve testemunhas do caso. A delegada responsável pelas investigações, Ana Elisa Gomes Martins, não quis divulgar o conteúdo dos depoimentos "para não atrapalhar as investigações". Também é feita uma perícia no celular da estudante.

Para a estudante, além de uma legislação sobre crimes virtuais, é preciso criar uma delegacia especializada. "O assunto é novo. Peritos e policiais não são especializados neste tipo de análise", afirma a jovem.

 

Publicado Por: Alex Gomes

WX - Village Leste
VAL PRAEIRO HELICONIA
Curta a nossa fanpage
VAL PRAEIRO HELICONIA
Duas cabeças pensam melhor do que uma
THREVO PIATZ
Últimas Notícias
06h34 Nos fins de semana projeto Mais Saber prepara estudantes para o Enem 2015 06h05 Exibir pouca informação é o segredo de apps para Apple Watch 05h55 Mercado aumenta apostas em BC mais duro contra a inflação 05h31 Governo defende celas especiais para presos com diploma 05h09 Brasil lidera ranking de mortes de ativistas que lutam por terra e meio ambiente 04h51 Protestos mostram solidez da democracia brasileira, diz Temer 04h29 Presidente Dilma sanciona Orçamento de 2015, confirma Palácio do Planalto 04h05 Europa promete reforçar operação de resgate após mais três naufrágios 03h49 PF diz ao Supremo que não localizou testemunha que citou Anastasia 03h34 Sócio da Galvão Engenharia será transferido para Complexo Médico 03h12 PF está preocupada com atraso de diligências na Lava Jato, diz entidade 02h56 CPI da Petrobras ouvirá o primeiro empreiteiro ainda em abril 02h37 Investidores americanos e chineses compram o Cirque du Soleil 02h03 Número de terceirizados no país podem dobrar se lei for aprovada 01h54 Ariana Grande e Big Sean terminam o namoro, confirma revista 01h32 Apresentadores da Record participam de ação publicitária inusitada 01h06 Escola apaga a palavra 'feminista' em foto de camiseta de aluna de 13 anos 00h52 Google agora permite que você baixe seu histórico de buscas 00h32 Curta-metragem brasileiro é selecionado para a Semana da Crítica de Cannes 00h03 Namorado de Bahls já pensa em casa e construir uma família 23h51 MPF pede a prisão preventiva da cunhada de João Vaccari Neto 23h43 Torneio de Jui-Jitsu reúne lutadores de sete cidades e de dois Estados 23h36 Tribunal nega pedido de liberdade ao ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto 23h32 Prefeitura abre inscrições para vaga de conselheiros tutelar de Campo Maior 23h31 Definidos: River e Parnahyba são os finalistas do 1º turno do Piauiense
MELHORES IMOVEIS
Duas cabeças pensam melhor do que uma
Curta a nossa fanpage

Mais Lidas

    VAL PRAEIRO HELICONIA

    Enquete

    A Secretaria de Segurança apresentou números que mostram que o índice geral de violência caiu até 37% no Piauí após a chegada da Força Nacional. Você concorda com estes números?

    Total de Votos: 263

    Válida de 17/04/2015 a 24/04/2015

    VAL PRAEIRO
    Curta a nossa fanpage
    Duas cabeças pensam melhor do que uma
    THREVO POETIC

    180graus no Instagramno Instagram

    THREVO POETIC
    WX - Village Leste
    VAL PRAEIRO HELICONIA