180graus

Caso gera muita discussão - 25/10/2013 às 07h50

Caso Fran:Após vídeo no WhatsApp jovem é apoiada no 'face'; desabafa






Phocus Galerie - Eventos
Profº Márcio Lima - Dia da Mudança
180 & Gracom - Maratona
Casa do cartucho
Vaga pesquisadores

O 180graus tem divulgado o "Caso Fran", que tem gerado muita discussão, especialmente no facebook. O caso da jovem de 19 anos que foi exposta por meio do WhatsApp, onde foram divulgadas cenas íntimas nas quais ela aparece praticando atos sexuais com um homem, continua provocando polêmica nas redes sociais.

No Facebook, várias pessoas comentaram o caso com tom de indignação. As críticas são direcionadas ao rapaz que teria divulgado o vídeo, Sérgio Henrique, 22 anos, e as pessoas que passaram a disseminar de forma viral um sinal de "OK", feito pela jovem em um dos momentos do vídeo.

Apoiadores da garota chegaram a criar uma página no Facebook, intitulada "Apoio a Fran". A página foi criada no dia 7 de outubro e já conta com mais de 16 mil curtidas. Segundo os criadores do página, o objetivo é mostra à jovem que há pessoas que estão ao seu lado.

"Fran, seja guerreira menina, pois sabemos que disso tudo você é a vítima por ter acreditado no amor, amor esse que vemos menos a cada dia. Todos sabem que a relação íntima de um casal diz respeito ao casal e a mais ninguém e infelizmente você encontrou um covarde e não um homem de verdade. Mais a justiça sempre chega!!! E fizemos esta página para mostrar que estamos do seu lado e para que você não se deixe abater por falsos moralistas e hipócritas que estão usando do desrespeito para aparecer. Força menina guerreira porque todos podem conhecer seu corpo, mas ninguém conhece seu coração", diz o post de apresentação do grupo.

Em páginas pessoais, várias pessoas também comentam o caso, que está sendo investigado pela Polícia Civil de Goiás.

Fran.jpg

Fran 2.jpg

ENTREVISTA À GLOBO DE GOIÁS
A estudante de 19 anos que teve vídeos íntimos divulgados em um aplicativo de celular e nas redes sociais diz que sua vida “virou um inferno”. Parou de estudar e de trabalhar desde que o caso ganhou repercussão, no início do mês. Ela só sai de casa para conversar com advogados sobre o processo que move contra o suspeito de divulgar as imagens, com quem a jovem diz ter se relacionado por três anos. “Não me arrependo porque fiz [o vídeo] por amor, com uma pessoa que eu amava e em quem eu confiava. Só que isso não deveria ter sido mostrado para ninguém”, disse a jovem, em entrevista exclusiva ao G1 e à TV Anhanguera, na manhã desta quarta-feira (23), em Goiânia.

Abalada e com o visual diferente, para não ser reconhecida nas ruas, ela conta que está há praticamente 20 dias sem sair de casa. A estudante, que era vendedora em uma loja de roupas, resolveu falar publicamente sobre o caso, que ela considerou "humilhante", porque, segundo ela, está sendo condenada por muitas pessoas que não conhecem toda a história.

“Eu não cometi nenhum crime. Mas pessoas me ofendem virtualmente e moralmente. Muita gente me chamou de vadia, prostituta. Um homem chegou a me mandar uma mensagem falando que viria a Goiânia no final de semana e que me pagava R$ 10 mil para sair com ele”, afirma.

A situação chegou ao ponto de influenciar as colegas de trabalho. “Chegavam na loja e ofereciam programa [sexual] pra elas”. Ela foi afastada do trabalho até que a situação se acalmasse. No entanto, a vendedora não sabe se voltará. “Gosto muito de trabalhar lá. Mas não sei quando conseguirei voltar”.

O curso de design de interiores em uma escola particular de Goiânia também foi abandonado. “Meus professores e meus colegas conhecem minha índole. Eles estão me ajudando e estou recebendo as aulas por internet. Não vou parar de estudar”.

A vendedora ressalta que vai ser difícil retomar sua rotina: “Queria ter minha vida de volta. Eu morri em vida. Vai ser um trauma que eu vou levar para a vida toda”.

Ela registrou um boletim de ocorrência no último dia 3. A Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam), em Goiânia, está investigando o caso, que ganhou grande repercussão na internet. "Acho que nem ele [ suspeito] imaginava que fosse tomar essa proporção. Não tem como controlar e estipular quantas pessoas viram. Não tem como pegar o celular de todo mundo e apagar", disse. Ela pede que as pessoas denunciem o link do vídeo para que as imagens sejam retiradas da web.

Além do apoio de familiares e amigos, a estudante afirma que as redes sociais têm ajudado a “erguer a cabeça”. “Criaram páginas de apoio. São mais de 35 mil pessoas me dando força, enviando mensagens, até gente de outros países. Inclusive, outras pessoas que passaram por situação parecida dão o seu depoimento. Do mesmo jeito que tem gente me criticando, tem gente me apoiando”.

VÍDEO
Nos vídeos divulgados em mensagens de celular e na web, é possível ver a estudante em atos sexuais. O caso ganhou repercussão e virou meme [termo usado para frases, imagens e vídeos que se disseminam na internet de forma viral] nas redes sociais.

As gravações se propagaram rapidamente pelo aplicativo de celular. Em um dos vídeos, a jovem aparece fazendo um sinal de 'OK'. O símbolo virou piada nas redes, com montagens de políticos. Fotos de celebridades fazendo o sinal de OK também começaram a ser usadas pelos internautas. No entanto, algumas imagens teriam sido tiradas antes da polêmica e não se referem ao caso

A estudante conta que ficou sabendo do vídeo por uma amiga, no dia 3 de outubro, enquanto trabalhava. “A primeira coisa que eu fiz foi ligar pra ele [suspeito]. Ele negou e disse que ia me ajudar a descobrir quem foi”.

No entanto, para a estudante, não há dúvida de que foi o ex quem divulgou, pois há anos era a única pessoa com quem se relacionava e com quem já tinha gravado vídeos íntimos. “As imagens ficavam dentro de uma pasta no celular, que fica dentro de outra. Para entrar nas duas é preciso de senha que só ele sabe”, ressalta.

A garota lembra que o vídeo já tinha se espalhado quando ela teve conhecimento: “Eu só chorava”. Ela afirma que no dia seguinte procurou a delegacia para registrar a ocorrência.

“Meu celular resetava de tantas ligações. Meu Whatsapp [aplicativo de celular para envio de mensagem] parecia uma calculadora, não parava de somar, foram mais de 4 mil mensagens de desconhecidos com DDD do país inteiro. Não respondi ninguém. Também tive que excluir minha conta no Facebook”, declara a estudante.

PUNIÇÃO
Apesar de um inquérito policial estar em andamento, a jovem acredita que o suspeito de divulgar as imagens não será punido. “Não tem punição para este tipo de crime, não tem uma lei que enquadre ele. Ele até pode ser considerado culpado, mas não vai ficar preso. Ele nunca vai conseguir pagar pelo mal que me fez”.

Ao prestar depoimento, o suspeito negou as acusações. A Polícia Civil ainda ouve testemunhas do caso. A delegada responsável pelas investigações, Ana Elisa Gomes Martins, não quis divulgar o conteúdo dos depoimentos "para não atrapalhar as investigações". Também é feita uma perícia no celular da estudante.

Para a estudante, além de uma legislação sobre crimes virtuais, é preciso criar uma delegacia especializada. "O assunto é novo. Peritos e policiais não são especializados neste tipo de análise", afirma a jovem.

 

Peça seu CPF na Nota e concorra a prêmios em dinheiro. Curta a página da Nota Piauiense e saiba mais!


Phocus Galerie
Terno e Cia
UNIMED DIA DAS MÃES
Alves e Alves (Dr. Daniel)
Carvalho e Oliveira (Wildson de Almeida)
180 & Gracom - Maratona
vaga pesquisadores
Marquinhos do Pará
Casa do Cartucho
Panificadora Canindé
Últimas Notícias
01h16 Máquina de Raio X e outros equipamentos parados na UPA de SRN 00h30 Policiais estavam atrás de informações sobre supostas terras da Galvani no PI 00h05 Sucesso era a responsável pela construção de estrada para Guaribas 22h42 Em Paris, Eliza fica com Jonatas no último capítulo de Totalmente Demais 22h42 Em Paris, Eliza fica com Jonatas no último capítulo de Totalmente Demais 22h35 Ministro da Transparência pede demissão do cargo após divulgação de áudios 22h03 Série C: ASA-AL bate o Remo e entra no G-4 do Grupo A 18h45 Governador Wellington Dias e secretário de Saúde visitam obras em Colônia do Piauí 18h38 Informação da 6º Companhia Independente 18h35 Abertura do Campeonato aguabranquese de futebol amador 18h31 Informativo da 6º Companhia Independente 18h30 Confira os temas e palestrantes de junho no Centro Espírita Paulo de Tarso 18h19 Informação da 6º Companhia Independente 18h18 Neymar destruiria a sua imagem se fosse para o Corinthians, diz pai do atacante 18h17 Capa da Sexy, Mulher Melão diz que quando gosta é insaciável na cama 18h13 Curiosidade: Bolsa mais cara do mundo é vendida por R$ 1 milhão 18h04 Evento Teste - Futsal 18h02 Propaganda eleitoral iniciará no dia do aniversário de THE; veja demais datas 18h01 Mortes são registradas no rio Longá em cidades diferentes 18h01 Luciano Huck é flagrado fumando em festa de casamento e disfarça 17h53 Deputado Fábio Xavier participou da entrega e inauguração da ponte sobre o rio Arraial 17h51 IPhone SE é o smartphone de 4 polegadas mais potente do mundo 17h42 Ultima Noite da 17ª Exposertão 17h38 Frota de veículos licenciados no Piauí já é de 1.024.415, segundo relatório 17h33 Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança desaparece

Dr. Raimundo Junior
Dr. Wildson de Almeida
Phocus Galerie
Alves e Alves (Dr. Daniel)
Conplan
Terno e Cia

Mais Lidas


    Enquete

    Cai o primeiro ministro do novo governo em apenas 12 dias. Na sua opinião, Michel Temer consegue terminar seu mandato?

    Total de Votos: 313

    Válida de 24/05/2016 a 31/05/2016

    Casa do cartucho
    180 & Gracom - Maratona
    Phocus Galerie - Eventos
    vaga pesquisadores
    Dr. Diogo Caldas(Escritório de advocacia)
    Terno e Cia
    Profº Márcio Lima - Dia da Mudança
    Alves e Alves (Dr. Daniel)
    Dr. Raimundo Junior
    ZikaZero

    180graus no Instagramno Instagram

    sunset
    Panificadora Canindé