180graus

Realizou a melhor campanha - 21/09/2016 às 14h19

Paralimpíadas: 98% dos medalhistas receberam bolsa atleta do governo

ISLAMAR
UNIMED ORTOPEDIA
Casa do cartucho
comserv

O Brasil realizou a melhor campanha em Paralímpiadas da história, na Rio 2016, apesar de não ter atingindo a meta de chegar entre os cinco primeiros em ouros do quadro de medalhas. Foram 72 medalhas conquistadas por 103 atletas em esportes coletivos e individuais.

Para chegar a essa meta, o país investiu mais de R$ 99 milhões em 5.191 bolsas para atletas com deficiência, do esporte escolar até a alto rendimento, segundo informações do Ministério do Esporte. O governo federal afirma que o programa de incentivo é o maior do gênero no mundo. O programa se mostra fundamental para a performance do país nos Jogos.

Da delegação total de 289 brasileiros na Rio 2016, 262 (ou 90,65%) tiveram patrocínio de bolsas atletas durante o último ciclo paralímpico, entre 2012 e 2016. Dos 103 medalhistas brasileiros, 101 receberam bolsas do governo durante esse período. Apenas dois medalhistas do futebol de cinco, Maurício Tchope, o Dumbo e Felipe Sabino não receberam a bolsa no período. O nadador Ruan de Souza, bronze no Rio, apesar de não receber bolsa em 2016, foi contemplado pelo programa de 2012 a 2014.

Para o judoca veterano Antônio Tenório, prata no Rio e vencedor de outras cinco medalhas paralímpicas, “o Brasil tem que continuar investindo nesses atletas e confiando na grande potência do paradesporto. Se parar de investir, nosso rendimento vai cair". O craque Ricardinho, do futebol de 5 e tricampeão olímpico, disse que “de 2013 para cá, tivemos aumento nos recursos para o esporte paralímpico, e as modalidades evoluíram. Temos que melhorar, pois as outras seleções estão evoluindo e não queremos ficar para trás. Esperamos que o próximo ciclo continue neste crescendo”.

Em comparação, nos Jogos Olímpicos do Rio, 358 (76,9%) dos 465 atletas participantes receberam bolsa atleta. Dos 49 atletas que conquistaram 19 medalhas, 20 homens (40,8% do total), dois do vôlei e 18 do futebol, não receberam apoio do programa bolsa atleta. O futebol masculino é a única modalidade que não é apta a receber o apoio do programa.

Segundo informações do Ministério do Esporte, a bolsa atleta é o único patrocínio de 96% dos atletas olímpicos e paralímpicos. Desde 2005, quando o programa foi criado, foram investidos mais de R$ 600 milhões em 43 mil bolsas. O ministro Leonardo Picciani informou, após os Jogos, a continuidade do projeto de bolsas e que o orçamento para preparação de atletas será ampliado de R$ 505 milhões para R$ 656 milhões, em 2017.
Outros aportes
O governo ainda realizou convênios de R$ 72 milhões com confederações e com o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB). Além disso, com recursos públicos, foi construído o Centro de Treinamento Paralímpico, inaugurado em São Paulo, em agosto, com o valor de R$ 187 milhões, administrados também pelo CPB.

Fonte: Agência Brasil

Jogos Paraolímpicos Rio 2016 - 17/09/2016 às 19h08

Atleta iraniano morre após acidente em prova de ciclismo de estrada

UNIMED ORTOPEDIA
Casa do cartucho
comserv
ISLAMAR

O atleta iraniano Bahman Golbarnezhad morreu hoje (17) após um grave acidente durante a prova de ciclismo de estrada C4-5 dos Jogos Paraolímpicos Rio 2016, disputada esta manhã no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio de Janeiro.

A morte do atleta foi confirmada pelo Comitê Paralímpico do Irã. Bahman Golbarnezhad receberá uma homenagem na Vila dos Atletas.

O iraniano caiu com sua bicicleta em um dos trechos do percurso. Ele chegou a receber atendimento de emergência no local do acidente e foi levado para um hospital.

Em nota, o Comitê Paralímpico Internacional informou que Golbarnezhad, de 48 anos, caiu por volta das 10h40 na Estrada de Grumari, em um trecho montanhoso da corrida. O atleta recebeu tratamento no local e, durante a remoção para o hospital, sofreu uma parada cardíaca. Segundo o comunicado, ele foi levado para o Hospital Unimed da Barra da Tijuca, onde ele morreu logo após sua chegada.

“Essa é uma notícia muito triste. Os pensamentos e as condolências de todo o movimento paralímpico estão com a família, os amigos e os colegas da delegação iraniana de Bahman assim como com o Comitê Paralímpico do Irã. A família paralímpica está unida em luto por essa terrível tragédia que coloca uma sombra sobre os ótimos Jogos Paralímpicos aqui no Rio”, disse, em nota, o presidente do Comitê Paralímpico Internacional, Philip Craven.

O presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, também afirmou que é uma notícia muito triste para o esporte e para o movimento paralímpico. “Nossos corações e preces estão com a família e colegas de Bahman e com todo o povo do Irã”, disse.

A bandeira iraniana está hasteada a meio mastro na Vila Paralímpica. A bandeira paralímpica também ficará a meio mastro na Vila e no Riocentro amanhã (18), quando o Irã disputará a medalha de ouro com a Bósnia e Herzegovina no vôlei sentado masculino. Durante a cerimônia de encerramento, será feito um minuto de silêncio.

As investigações sobre o acidente já foram iniciadas. Esta havia sido a segunda competição de Golbarnezhad nos Jogos Paralímpicos do Rio. Na quarta-feira (14), ele participou da classificação para prova de ciclismo de estrada C4-5. Ele também participou da Paralimpíada de Londres, em 2012.

Fonte: Veja

Dezenas de recordes - 17/09/2016 às 13h54

Atletas paralímpicos rejeitam rótulo de super-humanos e de exemplos de superação

Desde o início da Paralimpíada, dezenas de recordes foram quebrados e o público pôde ver performances incríveis em quadras, pistas e piscinas. Ainda na cerimônia de abertura dos Jogos, no dia 7, o presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, fez um discurso em exaltação aos atletas. Empolgado, Nuzman utilizou os adjetivos “super-humanos” e “heróis” referindo-se àqueles que competiriam a partir do dia seguinte. Ainda que bem-intencionado, o elogio de Nuzman não encontra respaldo nos próprios atletas, que rejeitam rótulos e querem ser vistos como esportistas de alto rendimento.

Os atletas do paradesporto têm uma rotina puxada, com horas diárias de treinos, musculação e fisioterapia, e buscam sempre o limite da sua performance. Essa performance foi vista no Rio nos últimos dias, com várias quebras de recordes mundiais e paralímpicos na natação e no atletismo, por exemplo. Durante toda a Paralimpíada, que chegou à reta final, esse desempenho foi traduzido por parte da mídia e da sociedade como um exemplo de superação de pessoas que vencem diariamente os obstáculos da deficiência física ou mental.

“Nossas dificuldades a gente já superou no passado. Hoje, estamos acostumados com a nossa lesão, adaptados. Nós somos atletas de alto rendimento”, diz Guilherme Camargo, atleta da seleção brasileira de rugby em cadeira de rodas.

Guilherme sofreu um acidente de carro em 2007 e ficou tetraplégico. Mas isso não é mais um obstáculo para ele. O desafio de agora é vencer as grandes seleções do mundo na modalidade, como da Austrália, Canadá e Estados Unidos. “A gente quer que o esporte paralímpico seja visto como esporte de alto rendimento, é o que a gente mais deseja. A gente trabalha para isso, treina tanto quanto os atletas olímpicos”, diz.

André Brasil, um dos grandes nomes da natação brasileira, acredita que a realização dos Jogos Paralímpicos no Brasil seja um momento de oportunidade para mostrar que os competidores de paralimpíadas e olimpíadas são atletas e querem ser vistos como tal. “Muitas vezes a gente costuma dizer que somos atletas, que nossa vida não é diferente da vida de nenhum outro atleta, seja ele de qualquer modalidade esportiva”, destaca o nadador.

“Qual é a diferença que as pessoas colocam e o medo de se falar sobre a pessoa com deficiência ou o deficiente? É um momento especial que a gente vive no nosso país, de transformação cultural, um momento no qual as pessoas querem entender mais sobre qualquer modalidade adaptada. É a hora que a gente tem para quebrar um pouco disso”, completa André. Na opinião dele, é o momento de mudar a forma como as pessoas encaram as pessoas com deficiência.

“O esporte é saúde, mas o quão bacana seria promover saúde e educação para uma criança, seja ela com ou sem deficiência, e gerar oportunidade? Vamos fugir um pouco dessas terminologias do politicamente correto, do que é certo, do que é errado. Vamos realmente acreditar no que pode ser feito. A gente tem um país grandioso, temos muita coisa a ser feita. Precisamos fazê-las, mais nada”, afirma o nadador.

"Todos somos super”

Rodrigo Massarutt se tornou um atleta paralímpico de esgrima após sofrer um acidente de trânsito que o deixou paraplégico em 2005. Mas a lesão, na opinião dele, não o torna mais especial ou um exemplo diante das outras pessoas. “Eu nem sei como lidar com isso. Eu nunca esperei ser chamado de super-humano. A gente se considera igual a todo mundo. Só que temos a nossa limitação. O meu acidente foi de moto, fui parar numa cadeira de rodas. No começo eu achava que não tinha sentido a minha vida. Mas você vai vendo que o ser humano é adaptável a tudo”, conta Rodrigo.

Para o esgrimista, o problema dele não é mais grave do que os de outras pessoas. Ele se vê como uma pessoa como qualquer outra, com obstáculos a superar. “Só que vivo em cima de uma cadeira de rodas. Eu sou igual a todo mundo. Acho que todas as pessoas são super-humanas. Não considero que só eu seja. Acho que todo mundo tem dificuldade, acho que todos são super-humanos.”

Fonte: Com informações da Agência Brasil

Provas de corrida - 17/09/2016 às 13h52

Atletismo paralímpico se despede do Engenhão em dia com mais medalhas em disputa

O Estádio Olímpico – mais conhecido como Engenhão – recebe, pela última vez, as provas de corrida, saltos, arremessos e lançamentos do atletismo paralímpico. O sábado (17) terá, ao todo, 25 finais. O programa do atletismo será encerrado neste domingo (18), último dia dos Jogos Paralímpicos Rio 2016, com as disputas da maratona para as classes T12, T46 e T54. As largadas ocorrem no Forte de Copacabana, com os primeiros competidores partindo às 9h.

O Brasil aparece em cinco finais: no arremesso de peso F57, com Thiago Paulino dos Santos, no lançamento de disco F38, com Shirlene Coelho, nos 1.500m T11, com Renata Bazone, nos 400m T47, com Petrúcio Ferreira, e nos 400m T11, com Daniel Silva e Felipe Gomes. O número pode aumentar se Ana Claudia Silva avançar para a final dos 100m T42. A equipe brasileira de atletismo contabiliza, até o momento, oito medalhas de ouro, 11 pratas e dez bronzes, totalizando 29 pódios.

A China lidera, até o momento, o quadro de medalhas no atletismo: são 24 medalhas de ouro, 19 de prata e 11 de bronze – 54, ao todo. Estados Unidos e Grã-Bretanha estão empatados em número de ouros na modalidade – 15 para cada –, mas os norte-americanos aparecem na frente por terem mais pratas (14 contra seis). O Brasil está em quarto lugar na corrida por medalhas no atletismo. Até agora, 183 recordes mundiais ou paralímpicos foram estabelecidos no Rio de Janeiro.

Fonte: Com informações da Agência Brasil

Com o tempo de 2h13min46s - 17/09/2016 às 13h51

Lauro Cesar Chaman conquista a prata no ciclismo de estrada C4-5

comserv
ISLAMAR
Casa do cartucho
UNIMED ORTOPEDIA

O brasileiro Lauro Cesar Chaman conquistou hoje (17) a prata no ciclismo de estrada classe C4-5. Com o tempo de 2h13min46s, Chaman ficou atrás apenas do holandes Daniel Abraham, que completou a prova em 2h13m08s. Na última quarta-feira (14), Chaman ficou com bronze na prova de contrarrelógio, na classe C5 do ciclismo.

Na disputa de hoje, a medalha de bronze ficou com o Italiano Andrea Tarlao. O outro brasileiro na prova, o catarinense Selito Gohr, ficou na 14ª colocação com o tempo de 2h24m25s.

Com a prata de Lauro Cesar Chaman, o Brasil tem agora 62 medalhas na Paralimpíada Rio 2016 e está na oitava colocação no quadro geral. São 12 de ouro, 24 de prata e 24 de bronze.

Fonte: Com informações da Agência Brasil

Carregando, por favor aguarde...
podium
Gráfica 180 vende máquinas
Terno e Cia
MRV está chegando à Teresina
Últimas Notícias
19h55 Intensidade de chuvas aumentam e riacho transborda em Canavieira 19h54 Secretário Municipal Coronel Araújo, participa de aniversário do Corpo de Bombeiros 19h41 Vereadores dão posse aos suplentes na Câmara de Vereadores em Campo Largo do Piauí 19h36 1º reunião para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico do Município de Paes Landim 19h27 Assessor de Mariano diz que não irá mais divulgar os 'boletins médicos' 19h00 Cursos da Rede e-Tec Brasil podem chegar à Queimada Nova 18h55 Mariano: 'suspeito' foi preso, mas não pelo esfaqueamento, e sim por tráfico 18h44 Força-tarefa deve comerçar a atuar em presídio do Rio Grande do Norte 18h15 Vereadora é presa no sul do país suspeita de desviar papel higiênico 18h08 Em treino, Tite indica escalação titular para enfrentar a Colômbia no amistoso 18h01 Boletos bancários já vencidos poderão ser pagos em qualquer banco;detalhes 18h00 TRE desaprova as contas de diretório do PR-PI e suspende fundo partidário 17h59 Grávida fica ferida em colisão de ônibus e van em Teresina 17h36 Sílvio deixa vida de 'vovô' aposentado 17h32 Multa para quem provocar tumulto em estádio poderá ser de 1% da renda do jogo 17h30 Oscar 2017 tem recorde de negros indicados; veja aqui a lista completa 17h17 Ministério da Justiça faz alerta para recall aos veículos Mercedes-Benz e Toyota 17h15 Jornal Diário do Povo pode anunciar parceria com a equipe da Band Piauí 17h12 Ministério da Transparência convida Acauã para capacitação na APPM 17h10 Sono sem qualidade: Por que é tão difícil dormir em noites quentes? 17h10 ‘Hormônio do romance’ pode ajudar a tratar problemas sexuais, diz estudo 17h05 Por que a Operação Geleira assombra gestões no município de Oeiras 17h05 Casa de ex-candidato a prefeito pega fogo no interior do Piauí 17h03 Estudantes que não fizeram Enade têm uma semana para regularizar situação 17h00 Júlio César pretende disputar a 4ª secretaria da Mesa Diretora