Já aconteceu com você? · 08/11/2018 - 15h46

Acordar com corpo dolorido e exausto, como se tivesse feito esforço: por que acontece?


Compartilhar Tweet 1



Você acabou de acordar, mas mesmo assim sente o corpo dolorido e fadigado, como se tivesse acabado de sair da academia: já aconteceu com você? Se sim, é preciso investigar, pois pode ser que sua saúde física ou mental esteja debilitada.

Acordar cansado ou com dor pode significar uma reação do corpo a condições hormonais, emocionais, dietas não-saudáveis ou falta de nutrientes.

Conforme explica a endocrinologista Mithra Cherici, o ideal após uma noite de sono adequada é que a pessoa acorde descansada. Se isso não acontece, existem várias causas possíveis.

Acordar cansado e com dor: como descobrir o que é?

Segundo a especialista, quando o cansaço e dor começam a impactar a rotina, diminuindo rendimento e atrapalhando os afazeres cotidianos, é hora de procurar um médico.

“É normal um dia ou outro você se sentir cansado por alguma razão, como uma noite de sono ruim, mas quando isso começa a ficar constante, precisa realmente entender o que está acontecendo, já que isso não é normal para ninguém. É sinal de alerta que alguma coisa está desregulada ou está faltando”, explica.

A orientação é buscar um médico e pedir um check-up completo. "Além disso, é interessante passar a descrição de todos alimentos que ingere e se já teve algum quadro parecido na vida”, indica.

Causas

Mithra explica que o cansaço presente e progressivo ou a dor no corpo ao acordar são sintomas presentes em muitas patologias. As principais suspeitas são: 

  • Falta de qualidade de sono: algumas pessoas não dormem tempo suficiente para conseguir a revitalização necessária, que pode ser mais ou menos de 8 horas diárias. Além disso, pode existir a dificuldade de atingir o sono profundo (REM), que é quando conseguimos descansar.
  • Deficiência ou alteração hormonal: a causa do quadro pode ser o excesso de cortisol, que é o hormônio do estresse. Ele aumenta o nível de tensão muscular e deixa a respiração bem mais rápida, impedindo o relaxamento. Além disso, a falta de testosterona é uma causadora frequente de cansaço. “Esse hormônio está ligado à produção de energia e ele reduzido pode ser uma das causas do corpo cansado e dolorido”, explica a médica.
  • Hipotireoidismo: essa doença é uma das principais que causam o cansaço excessivo. “Quando o hormônio está alterado, a pessoa pode sentir muito cansaço, sono, irritabilidade e uma série de outros sintomas. Esses hormônios são responsáveis por nosso metabolismo, eles fazem com que nossas células funcionem direitinho no nosso corpo. Quando não funciona, o metabolismo fica lento e como resultado: aparece esses sintomas”, explicou.
  • Deficiência nutricional: às vezes, o cansaço ou a dor ocorrem pela falta de algum nutriente que é essencial no corpo, como ferro e vitamina D. A falta de ferro, por exemplo, pode causar sonolência e cansaço.
  • Diabetes: se a glicose no sangue não chega a todas as células, isso causa falta de energia no corpo.
  • Má alimentação: a falta de micronutrientes pode levar a fadiga e cansaço. Além disso, uma dieta restrita, sem todos os grupos alimentares, também pode levar a este sintoma.
  • Avanço da idade: a falta de energia decorrente do avançar dos anos é outra possível causa do quadro.

Tratamento

Mithra ressalta que alguns casos podem ser melhorados com suplementação injetável, que funciona como um ativador metabólico e ajuda na captação de energia. “No entanto, qualquer tratamento ou otimização precisa ser analisada e diagnosticada por um especialista”, orienta.

Segundo a especialista, o tratamento é individualizado. "Vai desde corrigir os aspectos químicos - como tempo e qualidade de sono e suplementação - até medicações específicas”, diz.

Caso a causa seja emocional (causado por estresse, por exemplo), o interessante é um tratamento com psicólogo. Já se for nutricional, o ideal é fazer um reforço de vitaminas orientado por nutricionista ou endocrinologista.

Caprichar nos alimentos ricos em ferro (como carne vermelha, lentilha, feijão, grão-de-bico e brócolis) e em vitamina D (sardinha, gema de ovo, queijos e bife de fígado) podem ajudar a amenizar o quadro, caso o problema seja deficiência destes nutrientes. No entanto, é importante que um médico faça esta avaliação antes que você mude o cardápio.

No entanto, independentemente da causa, ela ressalta a importância de fazer exercícios físicos e ter uma boa alimentação. Esses fatores ajudam manter a energia do corpo.


Fonte: VIX.com

Comentários