Momento guardado pelos familiares -

Vídeo resgata momento dos filhos de Elizamar brincando em chácara dos avós antes de serem mortos

Um vídeo guardado pelos familiares das vítimas da chacina no Distrito Federal traz memórias que levam ainda mais tristeza ao caso. As imagens mostram Rafaela e Rafael, gêmeos de 6 anos, e Gabriel, de 7, se divertindo com uma brincadeira simples na chácara dos avós, meses antes do crime que os vitimaram. As informações são do Metrópoles.

Na brincadeira, os pequenos aparecem em carrinho improvisado de madeira, no quintal dos avós, Marco Antônio Lopes de Oliveira, que também morreu no crime, e Renata Juliene Belchior, uma das desaparecidas.

As crianças são filhas de Elizamar da Silva, 39, e Thiago Gabriel Belchior, 30. Os três meninos foram vítimas da chacina e tiveram os corpos identificados pela Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) na última quinta-feira (19/1). Eles foram encontrados carbonizados dentro de um carro em Cristalina (GO) em 12 de janeiro.

Elizamar e os três filhos foram os primeiros integrantes da mesma família a desaparecer e deram origem às investigações acerca da chacina. As últimas atualizações do caso, da tarde desta terça-feira (24/1), mostram ainda a identificação dos corpos de Thiago Gabriel Belchior e Cláudia Regina Marques de Oliveira.

Foto: reprodução

Nesta madrugada, a polícia encontrou três corpos  de uma mulher, uma adolescente e um homem  na cisterna de uma casa abandonada no Núcleo Rural Santos Dumont, em Planaltina, a cerca de 5 km do cativeiro onde as vítimas da chacina no DF foram mantidas reféns. A identificação do terceiro corpo, que a PCDF suspeita que seja de Ana Beatriz Marques de Oliveira, deve sair ainda nesta tarde.

A Polícia Civil do DF acredita que a motivação do crime seja uma extorsão por dinheiro, como comentou o delegado responsável pelo caso, Ricardo Viana.

“Reforça a nossa segunda linha de investigação, de que a família tenha sido morta para que os criminosos ficassem com o dinheiro das vítimas. A família foi levada ao cativeiro, onde podem ter sofrido violência e ter sido obrigada a fornecer senhas, contas bancárias e outros dados pessoais. Depois, mataram um por um”, disse o delegado.

PCDF não descarta novos envolvidos

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) não descarta o envolvimento de novas pessoas na chacina contra 10 membros de uma mesma família do DF.

O delegado Ricardo Viana, chefe da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), responsável pelo caso, usou a analogia de uma “casa escura” para definir os próximos passos da investigação.

“A polícia abre um cômodo, acende a luz, tem que afastar vários móveis para chegar no próximo. Não descarto nada do que pode vir”, disse.

Por enquanto, três homens estão presos por participação na chacina. Na última semana, descobriu-se a atuação de outro homem, Carlomam dos Santos Nogueira, 26 anos, que deixou digitais no cativeiro e é considerado foragido.

PostMídia: (86) 9 9547-8622

Comentários