Caso continua sendo apurado · 18/10/2019 - 10h30

Caso Raíssa: laudo do IML indica que menina foi estuprada e torturada


Compartilhar Tweet 1



O laudo necroscópico do IML (Instituto Médico Legal), indica que Raíssa Eloá Caparelli, de nove anos, foi torturada e abusada sexualmente antes de ser morta por asfixia. A reportagem é do R7

    Foto: Reprodução/ Record TV

O documento ainda aponta que a garota teria sido sodomizada por ao menos dois objetos, descritos como "contundentes" pelo laudo da polícia científica. O exame também apontou a presença de sêmen na vítima. Ainda não é possível afirmar de quem seria este material genético. 

O laudo confirma outro documento do MP (Ministério Público) obtido pela Record TV que indica possibilidade do suspeito ter tentado "manter conjunção carnal", e praticado "ato libidionoso com Raíssa", que não teria oferecido resistência pela sua idade e por não ter discernimento do abuso. 

O menor de 12 anos suspeito pelo crime está apreendido preventivamente na Fundação Casa. 

O laudo necroscópico também demonstra que a garota não teria reagido às agressões. "Não foram encontradas lesões típicas de defesa", diz o documento.


Comentários