Política

Caso FCAMC · 16/06/2019 - 09h35

Sucessores de Lima da Creche podem ter que devolver ao erário herança recebida

"Presidente tinha plena consciência que a instituição que representava não possuía estrutura", diz relatório que envolve caso milionário


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

_O então presidente da FCAMC, Lima da Creche, falecido em 2017
_O então presidente da FCAMC, Lima da Creche, falecido em novembro de 2017  

Caso o então presidente da Fundação Centro de Apoio ao Menor Carente (FCAMC) tenha deixado herança para prováveis sucessores, o Estado poderá avançar sobre esses bens. 

Isso porque o falecido Raimundo Gomes de Lima, o Lima da Creche, está deixando um rombo milionário aos cofres públicos, que atualizado chega à cifra de R$ 1,6 milhão, oriundo de um convênio com a Secretaria de Estado do Trabalho, no qual apresentou inúmeras notas fiscais falsas para justificar o valor.

O caso deve ser julgado em breve pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Um relatório de Tomada de Contas Especial sustenta que Lima da Creche, embora negasse, "tinha plena consciência" de que sua associação não possuía estrutura para realização de convênios desse porte.

O contrato com a pasta do governo tinha como objetivo a promoção de ações de incentivo e capacitação ao empreendedorismo feminino nos seguintes municípios: Teresina, Piripiri, Oeiras, Elesbão Veloso, Palmeirais, São Gonçalo, Picos, Cajazeira e Colônia do Piauí. 

Não teria sido isso que ocorreu.

HERANÇA?

Ainda não se sabe se Lima da Creche, que demonstrava ter uma vida modesta, deixou algo há herdeiros, ou até se realmente possuía herdeiros.

Na época dos muitos convênios com o estado, suspeitava-se que Lima da Creche devolvia parte dos recursos obtidos a políticos, em possíveis triangulações suspeitas, que envolviam empresas privadas. 

VEJA TRECHO DO RELATÓRIO DE TOMADA DE CONTAS ESPECIAL:

 

VEJA AINDA:__________

- Caso FCAMC: associação chegava a usar notas falsas da Prefeitura de Timon


Comentários