Política

Assinatura de documentos · 23/06/2019 - 17h09 | Última atualização em 23/06/2019 - 17h35

Servidoras contradizem prefeita de Esperantina ao tratar sobre assinatura digital

Em viagem à Itália documentos foram assinados digitalmente pela gestora, mesmo ela não estando presente no município


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

Registro de viagem da prefeita durante a viagem feita à Itália. Em Esperantina, documentos eram assinados digitalmente por ela
_Registro de viagem da prefeita à Itália. Já em Esperantina, documentos eram assinados digitalmente por ela "com autorização" (Foto: Divulgação)

A servidora da Prefeitura de Esperantina Leila Borges contradisse a prefeita do município Vilma Amorim (PT) ao tratar da assinatura eletrônica aposta em documentos públicos quando a gestora está ausente do município. O caso em específico envolve a polêmica viagem da petista para a Itália, mas parece ser algo comum na gestão municipal. Na verdade, Leila não foi a única a contradizer a política. A secretária de Administração, Célia Alves, também contradisse.

Em depoimento ao Ministério Público Estadual, Vilma Amorim disse que não teria praticado nenhum ato de gestão no período do seu afastamento - de 15/02/2018 a 28/02/2018 - e que os documentos assinados digitalmente durante a sua ausência foram assinados pela secretária de Administração Célia Maria Alves Ibiapina “sem autorização” da gestora.

Ana Célia, por sua vez, disse ao MPE que, ao contrário do que falou em depoimento a prefeita do município, a assinatura da gestora foi aposta de forma digital em documentos administrativos pela servidora Leila Borges.

Já a servidora Leila Borges, ao ser ouvida, negou ter aposto a assinatura da prefeita nos documentos em questão, apontando a senhora Rocicléia Barroso como responsável pela inclusão da assinatura. Detalhe: com autorização da prefeita Vilma Amorim.

Falou ainda que essa prática é “usual” quando a prefeita não está presente.

Ao analisar o caso do possível abandono de cargo por Vilma Amorim, quando da sua viagem à Itália, o Ministério Público não deu muita importância para isso.

VEJA O DESFECHO DO CASO:

- Caso Itália: MPE deixa vice-prefeito de Esperantina em situação desconfortável


Comentários