Política

Salve-se quem puder... · 08/10/2012 - 17h17

PT DE W.DIAS: PTB é prioridade, mas não descarta PSDB

CÍCERO MAGALHÃES CONFIRMA ao 180graus que já foram procurados por Elmano e por Firmino


Compartilhar Tweet 1



Engana-se quem pensa que o PT do senador Wellington Dias já está praticamente fechado, como uma espécie de 'caminho natural', numa aliança com o PTB do candidato a reeleição, prefeito de Teresina Elmano Ferrer, que está no 2º turno. Após a derrota nas urnas, os petistas não descartaram uma possível negociação com o PSDB do candidato da oposição Firmino Filho (PSDB).

A informação foi repassada pelo deputado estadual Cícero Magalhães (PT), que era o candidato a vice-prefeito na chapa com Wellington Dias. Em entrevista ao 180graus, Magalhães disse que o Diretório Municipal do PT já foi procurado pelos dois lados que estão no 2º turno. Tanto pelo que ficou em primeiro lugar na disputa eleitoral, Firmino Filho, quanto pelo segundo colocado, Elmano Ferrer.

O deputado, no entanto, deixa bem claro: o PTB, por ser um partido aliado, tem prioridade e vai ser o primeiro a ser analisado. O PSDB, um adversário histórico, vai sim ser ouvido e uma possibilidade de aliança não está descartada. "O PT está discutindo uma nova eleição. O 1º turno já passou. Fomos procurados pelos dois lados e seria deselegante não ouvirmos, discutirmos os dois lados", informou.

Ele disse que o PTB tem prioridade em ser o primeiro a ser ouvido por ser da base aliada, tanto em nível estadual como federal, nos dois governos. "Nós fomos procurados e respeitamos isso. Faz parte da política. Agora vamos ouvir primeiro quem sempre demonstrou estar mais do nosso lado. Vamos nos reunir, todo o PT tomará uma decisão e uma coisa é certa: teremos um lado. Pode ser uma surpresa e pode não ser. Tudo depende dessa conversa que teremos".

Magalhães destacou ainda que o PT não se considera um "derrotado" em Teresina diante do insucesso da disputa de W.Dias. Para ele, o partido demonstrou sim sua força ao ser responsável pela existência de um 2º turno. "Nós que forçamos a eleição a chegar num 2º turno. Tivemos muitos votos, aumentamos nossa bancada de vereadores. Temos uma parceria com Teresina", disse. Ao ser questionado sobre como avalia a decisão de não ter seguido a candidatura de Elmano, ele é enfático: "Isso todos já sabem. A decisão é de um grupo, é de minha família, que é o PT. Veio da direção nacional. E não me arrependo. Tomamos uma decisão acertada. E tenha certeza que a decisão que tomarmos nos próximos dias será válida para todo o grupo".