Política

Após requerimento · 31/05/2021 - 20h00 | Última atualização em 31/05/2021 - 20h52

Protocolo repassado à CPI da Pandemia diz que médico tem autonomia para prescrever cloroquina no PI

Além de Protocolo de Manejo Clínico da Covid-19, CPI solicitou notas fiscais de medicamentos, identificações, quantidades e datas de recebimento


Compartilhar Tweet 1



Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

_Imagem: Reprodução
_Imagem: Reprodução 

Em face de provocação da Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia o governo do estado do Piauí informou que os médicos no estado tem autonomia para prescrever cloroquina para o enfrentamento da covid-19, seguindo diretrizes do próprio Conselho Regional de Medicina. 

"É importante destacar que sob consulta, o parecer conjunto do CRM-PI nº 01/2020 das Câmaras Técnicas de Infectologia e Medicina Intensiva conclui que: '... muito embora os resultados da utilização da cloroquina sejam apenas experimentais, não havendo ainda evidências científicas comprovando a sua eficácia, o médico tem autonomia para prescrever cloroquina ou hidroxicloroquina para o tratamento da COVID-19'", traz o Protocolo de Manejo Clínico do Covid-19 encaminhado à comissão temporária do Senado Federal. 

No mesmo documento é dito que "o uso da hidroxicloroquina como terapia adjuvante de formas graves é disponibilizado pelo Ministério da Saúde a critério médico através da nota informativa nº5 (...)".

"Para tanto, o médico deve estar ciente dos riscos e precauções que deve tomar quanto aos antecedentes do paciente em relação a doença cardíaca, retinopatias, maculopatias, insuficiência hepática, epilepsia ou hipersensibilidade à droga. Nesse sentido, os pacientes para os quais forem prescritas cloroquina ou hidroxicloroquina precisam ser monitorados quanto aos eventos adversos cardiovasculares e outros inerentes ao uso desses fármacos. Quanto às informações ao paciente, o médico deve informá-lo de todas as possíveis complicações e efeitos colaterais, mediante a assinatura de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido", acrescem. 

No documento encaminhado ao Senado é destacado entendimento do Conselho Federal de Medicina (CFM) que diz: "Diante da excepcionalidade da situação e durante o período declarado da pandemia, não cometerá infração ética o médico que utilizar a cloroquina ou hidroxicloroquina, nos termos acima expostos, em pacientes portadores da COVID-19".

MAIS SOLICITAÇÕES DA CPI

O requerimento nº 00194/2021, que solicitou tais informações, é de autoria do senador Marcos Rogério (DEM-RO), que além do Protocolo de Manejo Clínico da Covid-19 no Piauí, também solicitou as notas fiscais dos medicamentos adquiridos pelos hospitais e pelo Fundo Estadual de Saúde, bem como as suas identificações, quantidades e respectivas datas de recebimentos.

________________

Veja trecho do Protocolo de Manejo Clínico da Covid-19 no trecho que destaca o uso de cloroquina e hidroxicloroquina:

 

 

Comentários