Política

Entrevista · 16/01/2020 - 18h03 | Última atualização em 16/01/2020 - 18h24

Presidente da Câmara de Campo Maior: "disseram que aqui seria uma nova Paris"

Vereador Fernando Miranda diz que empresa contratada por milhões de reais para cuidar do parque de iluminação trata a periferia de forma diferente


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

_______________________

- "Tu passa pela questão da má-gestão do prefeito"

__________________________________

 

_Presidente da Câmara de Vereadores de Campo Maior, Fernando Miranda
_Presidente da Câmara de Vereadores de Campo Maior, Fernando Miranda (Foto: 180graus)

FISCALIZANDO

O presidente da Câmara de Vereadores de Campo Maior, Fernando Miranda, que rompeu com o prefeito do município, José de Ribamar Carvalho, o Ribinha, disse durante entrevista ao Blog Bastidores, do 180, que já tinha ideia de que a administração municipal do gestor petista era um tanto descontrolada financeiramente. E que isso foi um dos motivos que o levou a romper com o atual prefeito.

Autor de inúmeras denúncias ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), consideradas procedentes pelos conselheiros da Corte, ele chegou a pedir o afastamento do prefeito caso ele atrasasse novamente os repasses da Casa Legislativa. 

Na entrevista ele também fala da empresa Tellus, contratada por R$ 49 milhões para cuidar do parque de iluminação da cidade como um todo.

Porém, segundo ele, as luzes de LED estão sendo colocadas somente na zona central da cidade, e a periferia, em tons de segregação, está ficando aquém, sendo abastecida com as luzes comuns reaproveitadas. 

Segundo ele, no entanto, o contrato com a empresa é para toda Campo Maior, cidade essa que prometeram ser a cidade luz.

Ele acreditou.

 

CONFIRA A ENTREVISTA_____________

 

180: A respeito do seu rompimento com o prefeito Ribinha, por que isso aconteceu?

Fernando Miranda: Tudo que está acontecendo hoje... essa questão da situação como Campo Maior se encontra, a gente já tinha uma visão da realidade, da forma como o prefeito Ribinha administra Campo Maior sem nenhum controle financeiro. A cidade se encontra sem obras, sem investimentos para o desenvolvimento e tudo isso me fez exatamente sair do grupo do prefeito Ribinha.

 

180: Mas ele agora, por exemplo, ainda que nesse período de chuva, ele anunciou uma obra de uma passagem molhada, que faz com que as pessoas do Povoado da Negra tenham acesso facilitado a Campo Maior. Isso não seria uma obra de infraestrutura significante atualmente?

Fernando Miranda: Olha, é importante sim, porque atende à comunidade. Por exemplo, essa obra da Passagem da Negra, ali é uma obra importante, mas o prefeito veio anunciar exatamente num período chuvoso e num ano eleitoral. Ele teve três anos para poder fazer essa obra e não fez. Como também outros gestores não fizeram. Mas ele, como está à frente do mandato, tinha obrigação de fazer.

 

180: O senhor acha que ele estar no partido da situação a nível de governo estadual isso ajudaria a ele?

Fernando Miranda: Eu acho que ele não tem uma articulação boa para poder conseguir os recursos do governo do estado. Porque eu consegui através do deputado Doutor Hélio. E a gente conseguiu aqui R$ 1,1 milhão para ser investido no calçamento do bairro Santa Rita. 

 

180: O senhor tem feito algumas denúncias junto ao Tribunal de Contas e uma dessas denúncias é sobre o atraso nos repasses para a Câmara de Vereadores de Campo Maior. O senhor é o presidente da Casa e tem falado inclusive em atrasos recorrentes. Como está essa situação?

Fernando Miranda: Na realidade, tudo passa pela questão da má-gestão do prefeito. Ele tem tido dificuldade para manter o repasse da Câmara, que é constitucional. Nós, inclusive, impetramos um mandado de segurança para que ele possa adimplir de acordo com a lei. E a lei diz que é até o dia 20 de cada mês. 

 

180: O senhor pede inclusive o afastamento dele se ele não cumprir até o dia 20 agora. 

Fernando Miranda: Isso. Exatamente. 

 

180: Ainda sobre denúncias, teve uma que o senhor fez sobre a empresa que cuida da iluminação pública de Campo Maior, a Tellus. Nessa denúncia, dentre outras, é dito que ela não honra o contrato de trocar as lâmpadas comuns pelas de LED. 

Fernando Miranda: Na realidade é um dos maiores contratos que tem aqui na prefeitura de Campo Maior, mas essa empresa não está fazendo um trabalho correto. Inclusive nós representamos ao Ministério Público e ao próprio Tribunal de Contas. O que a gente está vendo e observando, uma reclamação muito grande da população, são ruas escuras em Campo Maior. Na zona central da cidade eles estão colocando LED e a zona periférica da cidade, como estão trocando no centro, eles estão reaproveitando a comum, que já existe, para a área periférica da cidade. E é o seguinte, no contrato lá é Campo Maior todinha com essas lâmpadas [de LED]. Eles disseram que Campo Maior iria ser igual à cidade de Paris, a cidade luz. E o que a gente está vendo aqui é que não é. 

 

180: Em uma denúncia ao TCE, eu também pude ver que a secretaria que cuida da iluminação estaria fazendo as vezes da empresa Tellus…

Fernando Miranda: Na realidade, é o seguinte, no começo desse contrato, isso em 2018, observamos que a Secretaria de Iluminação é que estava fazendo o trabalho. Houve uma reclamação aqui na Câmara e depois se montou um local da empresa para ela atender. Mas muita coisa era feita lá na época pela Secretaria de Iluminação.

 

180: O senhor tinha conhecimento que em 2018 foi criada uma associação de catadores de lixo que não tinha sede, tendo como presidente um funcionário efetivo da Secretaria de Iluminação? 

Fernando Miranda: Tive conhecimento que existia essa associação. 

 

180: O senhor sabia que ela recebeu mais de 1 milhão de reais?

Fernando Miranda: Eu não tinha esses dados, mas imaginava que era um grande valor.


Comentários