Política

"Organização Criminosa" · 22/09/2020 - 10h42 | Última atualização em 22/09/2020 - 18h16

Operação Perpetuatio: Justiça determina afastamento e prisão do prefeito Quirino Avelino

Além do gestor de Itaueira mais três pessoas são alvos de mandados de prisão preventiva executados pelo GAECO


Compartilhar Tweet 1



Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado-GAECO/MPPI, a Polícia Militar e a Polícia Civil estão dando cumprimento a mandados de prisão preventiva expedidos pelo Tribunal de Justiça do Estado do Piauí no âmbito da Operação Perpetuatio em face do prefeito de Itaueira, Quirino de Alencar Avelino, do Secretário de Obras do Município de Itaueira, Gaston de Sousa Cavalcante, e dos empresários Jeremias Pereira da Silva e Edivá de Sousa Cavalcante, informou o Ministério Público Estadual.

A instituição acrescenta que "até agora, foi realizada a prisão do empresário Jeremias Pereira da Silva, e diligências estão sendo realizadas no sentido de efetuar a prisão dos demais".

Ainda, que "o GAECO também deu cumprimento ao mandado de afastamento do gestor Quirino de Alencar Avelino do cargo de prefeito municipal de Itaueira, tendo sido notificado o presidente da Câmara Municipal para dar posse imediata ao vice-prefeito do município, para continuidade das atividades do município".

"ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA"

Ainda segundo o Ministério Público, "o GAECO também ofereceu denúncia criminal por organização criminosa liderada pelo prefeito municipal e outros envolvidos, imputando a esses também os crimes de desvio de recursos públicos, lavagem de dinheiro, dentre outros".

Os denunciados são Quirino de Alencar Avelino, Edivá de Sousa Cavalcante, Gaston de Sousa Cavalcante, Maria de França Avelino, Genival Joaquim de Moura, Eliene Helena dos Santos Moura, Roberto Lima de Farias, Jeremias Pereira da Silva, Francisco Vieira da Silva e Raimundo Fagner Siqueira Bueno.

Segundo o GAECO, "os valores desviados já contabilizados foram de R$ 1.724.613,38 (um milhão, setecentos e vinte e quatro mil, seiscentos e treze reais e trinta e oito centavos), sendo que ainda estão sendo auditados outros contratos, para totalizar o valor desviado pela organização criminosa".


Comentários