Política

Firmino apresenta proposta · 15/10/2019 - 15h57 | Última atualização em 15/10/2019 - 17h56

Novo Plano de Ordenamento Territorial prevê Teresina mais compacta e conectada

Proposta, que vem sendo debatida há dois anos, orienta sobre expansão e organização da cidade, pela melhoria dos serviços e da qualidade de vida


Compartilhar Tweet 1



Por Apoliana Oliveira

O prefeito Firmino Filho reuniu a imprensa na manhã desta terça-feira (15/10) para apresentação do novo Plano de Ordenamento Territorial de Teresina (PDOT), que até o final de 2019 deve ser votado no Plenário da Câmara de Vereadores. 

A proposta, que vem sendo debatida há dois anos, traz orientações sobre a expansão, organização e ocupação do território da capital, com especificações sobre mobilidade urbana, desenvolvimento sustentável, qualificação dos espaços e preservação do patrimônio cultural, etc. 

Teresina compacta e conectada

A intenção é fazer de Teresina uma cidade mais compacta, coordenada e conectada. 

“Como a cidade nos últimos anos se espalhou demais, nós precisamos enfrentar os desafios que esse espalhamento gerou, uma cidade que está cada vez mais cara para ser mantida, com problemas que influem na qualidade de vida das pessoas”, diz Firmino.

E ressalta que não há mais como pensar na Teresina bucólica e interiorana de décadas atrás. O desafio agora é a construção de uma metrópole, em que as pessoas tenham qualidade de vida, seguindo modelos de outras cidades pelo mundo. “Para isso, precisamos incentivar a ocupação onde a cidade já tem estrutura. Não podemos nos dar ao luxo de construir moradias onde não tem infraestrutura e prestação de serviços”, completa.

Empreendimentos do Minha Casa Minha Vida exemplificam bem esse processo desordenado. Em busca de terras mais baratas, as empresas tendem a construir moradias em zonas afastadas do Centro da cidade. Acontece que essas construções são entregues sem infraestrutura de água, energia elétrica, coleta de lixo, sem oferta de transporte público, e ainda longe de escolas e postos de saúde. Demanda que mais tarde é repassada ao poder público. 

Famílias menores e novas moradias

Hoje, Teresina tem pouco mais de 220 mil moradias. Com a tendência de que as famílias estão ficando cada vez menores, com as pessoas se casando cada vez mais tarde e tendo menos filhos, a expectativa é que o número médio de pessoas por moradia - hoje em 3,5 pessoas - caia nos próximos vinte anos para até 2 pessoas por moradia.

Neste ritmo, pelo menos 180 mil novas moradias devem surgir em duas décadas. “Se o poder público não fizer nada, essas novas moradias vão ser construídas em direção a Altos, José de Freitas, União, Demerval Lobão. Daí vamos ter um problema muito maior. O desafio é dentro do perímetro urbano fazer essa expansão. Verticalizar e adensar a cidade, para deixá-la mais gerenciável”, sustenta o prefeito. 

Frota de veículos

Uma das consequências do crescimento horizontal desordenado está diretamente relacionada à mobilidade urbana. Nos últimos 20 anos, a frota em Teresina praticamente quadruplicou, e hoje são quase 500 mil veículos circulando na cidade. “Circular na cidade virou um martírio. A viagem ficou mais longa e de pior qualidade. As pessoas perdem até uma hora e meia para chegar ao seu trabalho, um tempo que é desperdiçado”, reconhece o prefeito. 

Assim, o plano privilegia áreas próximas aos corredores de ônibus, que receberão incentivo para construção de edificações, em especial as de uso misto, que alia moradia e comércio. A ideia é que, tendo ônibus passando na porta, as pessoas escolham usar o transporte público, reduzindo a circulação de veículos e a demanda por áreas de estacionamento.  Centro, e as Zonas Sudeste e Leste, por exemplo. 

No mapa, as áreas em vermelho, são aquelas onde a prefeitura irá incentivar a construção ou requalificação de moradias, visando o adensamento do perímetro urbano
No mapa, as áreas em vermelho, são aquelas onde a prefeitura irá incentivar a construção ou requalificação de moradias, visando o adensamento do perímetro urbano 

Debate na Câmara de Teresina

O debate sobre o Plano, com o Poder Legislativo, vai começar por meio de uma audiência pública, marcada para o dia 23 de outubro. A minuta do projeto já foi disponibilizada pela secretaria de Planejamento, que criou uma página especial para o acompanhamento do PDOT, com detalhes à população.

CLIQUE E BAIXE A MINUTA DO PDOT


Comentários