Política

Empecilho · 15/05/2020 - 15h01 | Última atualização em 15/05/2020 - 18h19

GAECO diz que pandemia do COVID-19 atrapalhou análise de material apreendido na Operação Bacuri

Alvos da operação são agentes políticos, empresários e agentes públicos que atuavam para lesar o erário em Bertolínia, segundo as investigações


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

INVESTIGAÇÕES

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), um dos braços mais bem preparados do Ministério Público do Piauí, teve os seus trabalhos de investigação afetados devido à pandemia de COVID-19.

“Insta salientar que devido à situação excepcional promovida pela pandemia do novo coronavírus (COVID-19), com base nas orientações da Organização Mundial da Saúde – OMS, o Ministério Público do Estado do Piauí adotou o regime de teletrabalho, o que acabou retardando a conclusão da análise dos materiais apreendidos na operação”.

A operação em questão é a Bacuri, deflagrada para coletar provas da prática de vasta corrupção no município de Bertolínia.

A informação sobre o impedimento das análises de material apreendido consta em manifestação do GAECO encaminhada ao desembargador Pedro de Alcântara Macêdo, relator do caso no Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI).

É que Richel Sousa e Silva, primo do prefeito afastado do Poder Executivo de Bertolínia Luciano Fonseca, havia peticionado junto à 1ª Câmara Especializada Criminal do Tribunal de Justiça para que “bens e documentos que não interessam às investigações e à produção de provas durante a ação penal”, segundo ele, fossem devolvidos. 

Ainda segundo o primo do prefeito afastado, os bens apreendidos “se referem a aparelhos eletrônicos de uso da esposa e filho do requerente, bem como outros bens se referem a documentos de clientes do seu escritório que não fazem parte da investigação, ao que requer a restituição deles". 

TÃO LOGO SERÃO DEVOLVIDOS

O GAECO garantiu que “empreendidos esforços da equipe técnica deste Grupo de Atuação Especial para análise dos equipamentos e documentos apreendidos no menor espaço de tempo possível, tão logo encerrados tais trabalhos, será disponibilizada a devolução dos itens de interesse do peticionário, assim como dos demais denunciados, os quais serão notificados para retirada na sede do GAECO”. 

“Desta feita, Excelência, não podem ser restituídos, no presente momento, os documentos apreendidos em razão da supracitada restrição ocasionada pela pandemia da COVID-19, bem como por interessarem às investigações, na forma do artigo 118, do Código de Processo Penal”, se posicionou, diante da petição de pedido de restituição de bens. 

SUPOSTA PARTICIPAÇÃO

O GAECO se reporta às supostas práticas criminosas desse acusado em específico, individualizando a conduta, da seguinte forma:

RICHEL SOUSA E SILVA é primo do Prefeito LUCIANO FONSECA, tendo sido contratado pela Prefeitura Municipal de Bertolínia-PI na qualidade de pessoa física, recebendo o montante de R$ 212.799,00 (duzentos e doze mil, setecentos e noventa e nove reais) no período ora analisado, em virtude da prestação de serviços de consultoria e assessoria jurídica ao Município, muito embora aquele ente federativo tenha procurador municipal. Além de ser também um dos principais operadores do esquema, sendo-lhe imputadas as mesmas condutas de MAX WESLEN, ele é sócio da empresa ATTANASIO SILVA VEICULOS LTDA EPP, que mantém um contrato com o município de locação de veículo, além de outras, supostamente utilizadas para lavar os valores desviados do erário municipal, e repassando-se de volta para outras pessoas do esquema, inclusive para o próprio Prefeito. Segundo o levantamento feito pelo Ministério Público, ele movimentou, de 2013 a 2018, um total de R$ 7.451.822,84 (sete milhões, quatrocentos e cinquenta e um mil, oitocentos e vinte e dois reais e oitenta e quatro centavos), também através de microtransações bancárias.

OPERAÇÃO BACURI

A Operação Bacuri foi deflagrada em dezembro de 2019 e tinha como alvos uma suposta quadrilha, que contava com a participação do prefeito Luciano Fonseca, que foi afastado do cargo por decisão da Justiça do Piauí.

VEJA AINDA:_____________

- GAECO é contra a retirada da tornozeleira eletrônica de prefeito acusado de prática de corrupção


Comentários