Política

O suposto esquema para desviar · 16/07/2019 - 17h50 | Última atualização em 16/07/2019 - 18h07

Fundação queridinha dos políticos apresentou 26 notas fiscais falsas para justificar R$ 1,2 milhão

Gravação comprova que, como blog não parava de escrever sobre o possível desvio de emendas, denúncias eram forjadas junto à Polícia Civil


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

_______________________________

ÁUDIO - POLÍCIA CIVIL FOI USADA PARA CALAR O BLOG BASTIDORES

- Orientado por políticos e seus assessores, o presidente da FCAMC, Lima da Creche, inauguraria, em 2015, o que viria a ser comum contra o titular do Blog Bastidores, o  recorrente uso da Polícia Civil e do Ministério Público para denúncias forjadas (acusação de calúnia e difamação, uso da Delegacia da Mulher, acusação de publicação de Fake News), visando incriminar, desacreditar e inúmeras vezes intimidar o jornalista. Dentre os muitos áudios que possui o blog, nesse caso em específico da FCAMC, o delegado destacado para investigar o profissional de imprensa foi claro: “a proposta deles [incluindo, Lima da Creche] é uma proposta que você, no caso, não iria também aceitar, pelo que ele disse… no sentido de você parar, parar com o que, não é? O que eles queriam fazer era isso”. ___________________________________________________

Lima da Creche, o homem que presidia a FCAMC
Lima da Creche, o homem que presidia a FCAMC 

“O QUE ELES QUERIAM ERA ISSO [CALAR]”, DIZ DELEGADO DE POLÍCIA

A associação queridinha de políticos de ‘alto’ calibre', só mesmo no estado, Fundação Centro de Apoio ao Menor Carente (FCAMC) - que através de agência de publicidade pagou jornalistas para contrapor de público o Blog Bastidores, e fez com que mais de uma dúzia de homens públicos solicitasse o fim das publicações, além de destacar delegados de polícia para, de certa forma, intimidar e fazer censurar - apresentou 26 notas fiscais falsas para justificar a retirada de R$ 1,2 milhão da Secretaria do Trabalho, valor oriundo, supostamente, de emendas parlamentares. 

Dados que foram encaminhados ao blog, advindos da Controladoria Geral do Estado (CGE), após uso da Lei de Acesso à Informação (LAI), ajudam a comprovar o quão a FCAMC parecia não ter limites. Mais recentemente o conselheiro Luciano Nunes mandou voltar a órgão técnico do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PI) cinco tomadas de contas especiais, que atualizadas, demonstrariam um rombo superior a R$ 3,6 milhões, por conta de dinheiro repassado à FCAMC, dessa vez, pela Secretaria de Saúde. 

SECRETARIA DO TRABALHO E AS NOTAS FISCAIS FALSAS

No caso em específico envolvendo a Secretaria do Trabalho, o documento da CGE obtido pelo blog informa que no dia 29/05/2017 a Secretaria Municipal de Finanças de Timon encaminhou os espelhos das notas fiscais solicitadas [pela Secretaria do Trabalho do estado do Piauí], bem como o Memorando n.º 046/2017 (fls. 220 - Part-2), do Departamento de Tributação e Fiscalização, da referida Secretaria”.

E que “de acordo com esse documento, foram identificadas divergências quanto ao tomador do serviço nas notas fiscais nº 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 26, 29, 30, 33, 34, 38, 39 e 43 e quanto à data de emissão nas notas fiscais n. s. º 40, 41, 42, 44 e 45". 

O relatório da CGE sustenta ainda que 'além das incongruências identificadas nas notas fiscais, que levaram a SETRE a constatar a falsidade dos referidos documentos, também foi identificada, pelo órgão, a ausência dos comprovantes de pagamentos na prestação de contas apresentada”.

LEIA MAIS:________________

- FCAMC e dinheiro da Saúde: cinco outros casos de supostos desvios somam R$ 3,6 milhões

- Notas falsas: Tribunal de Contas decide que FCAMC deve devolver R$ 1,6 milhão


Comentários