Política

Pode ser mais grave ainda · 13/10/2019 - 16h25 | Última atualização em 13/10/2019 - 23h09

Exclusivo: engenheiro diz que IDEPI se apossou de seu projeto de forma criminosa

Defesa, que mais pareceu uma denúncia, ocorreu perante o plenário do TCE durante o início do julgamento do CASO IDEPI


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

_________________

- Julgamento do polêmico e rumoroso Caso IDEPI iniciou de forma fatiada. Ao todo são cerca de 33 tomadas de contas especiais por suposto superfaturamento em estradas vicinais no apagar das luzes do governo Zé Filho, quando o TCE, ao perceber que estava sendo pago o que não havia sido feito, mandou suspender a distribuição da cifra de R$ 100 milhões. Alguns engenheiros e muitos dos empreiteiros tentaram censurar ao longo dos últimos dois anos a cobertura desse caso usando até a justiça e a polícia. A cobertura completa do que até portal de noticia piauiense escalado tentou fazer calar, você vê no Blog Bastidores e no 180 (portal que tentaram tirar do ar por isso)

________________________

ELE ENFRENTOU A CORTE E AMEAÇOU PROCESSAR ATÉ O TCE

_De pé, perante o Plenário da Corte de Contas, engenheiro diz que foi lesado pelo Instuto de Desenvolvimento do Piauí
_De pé, perante o Plenário da Corte de Contas, engenheiro diz que foi lesado pelo Instituto de Desenvolvimento do Piauí (IDEPI) e ameaça processar: "Maquiagem"

 "MAQUIAGEM" PARA FAZER ESTRADA VICINAL? É O QUE ELE DIZ

No âmbito do Caso IDEPI, cujo julgamento teve início, de forma fatiada, no último dia 10 de outubro de 2019, e que trata sobre o suposto milionário esquema de estradas vicinais ocorrido durante o governo Zé Filho (O breve), o engenheiro Oswaldo Leôncio, ao apresentar a sua defesa, sustentou que só faz parte dos autos porque um anteprojeto de sua autoria foi usado de forma criminosa para embasar a feitura, às pressas, de obras de estrada vicinal no município de Redenção do Gurgueia pelo Instituto de Desenvolvimento do Piauí, o tal do IDEPI.

O engenheiro, que auxiliou seu advogado a sustentar a tese de defesa, falou que tal anteprojeto era, na verdade, voltado para a prefeitura de Redenção do Gurgueia, convidado que foi pelo prefeito para auxiliá-lo na canalização das famosas estradas vicinais e que, portanto, o anteprojeto não deveria estar figurando em um caderno processual de obras com suspeitas de extrema corrupção sob investigação do Tribunal de Contas do Estado.

"Encontra-se apenso ao processo a peça que diz: processo de recuperação de rodovias no município de Redenção. Timbre do IDEPI. Você vê até a forma da letra, a diferenciação. Com índice, tudo dentro do processo. E aqui dentro você vê: Prefeitura Municipal de Redenção do Gurgueia. Isso aqui foi um anteprojeto, um pré-projeto, que o prefeito municipal solicitou. Ele mesmo fez esse levantamento e me passou. Para a gente fazer uma estimativa de custos para ele [prefeito] formalizar algum convênio. Quando da sinalização desses convênios, ele [prefeito] me chamaria para fazer um contrato e em cima disso a gente faria um projeto realmente dentro das normas. Tanto é que nesses elementos que ele mandou, não constavam a localização de jazidas, o dimensionamento de bueiro. Foram feitas estimativas. Então foi um pré-projeto e ele foi indevidamente utilizado sem autorização e sem [meu] conhecimento. O que é mais grave", falou o engenheiro.

Oswaldo Leôncio diz que espera o julgamento do Tribunal para processar o IDEPI e chamou o caso de "maquiagem". 

Diz ainda que foi aconselhado por advogado a processar inclusive a Corte de Contas. 

A princípio, em constatada essa argumentação do engenheiro como verdadeira, o caso deve ir parar no Ministério Público do Piauí, onde já há informações oriundas da quebra de sigilo fiscal e bancário de empreiteiros investigados no âmbito desse caso.

_______

No Blog Bastidores:______

Caso IDEPI: engenheiro que teve projeto usado no suposto esquema de estradas vicinais é excluído do processo

__________________________

O JULGAMENTO DO CASO IDEPI

Ao contrário do que muitos querem fazer crer, o Caso IDEPI, como o foi apelidado, realmente existiu e trata-se de um suposto rumoroso esquema feito às pressas para desvio de dinheiro público através de estrada vicinal no governo Zé Filho, quando muitas estradas foram autorizadas naquele ano eleitoral para agradar prefeitos e canalizar votos. 

Ao perceber o caso, após também denúncias na imprensa, o TCE expediu medida cautelar mandando suspender o pagamento de R$ 100 milhões destinados a empreiteiras suspeitas, mais de 10 ao todo. Outros milhões de reais, no entanto, haviam sido pagos.

Na última semana a Corte de Contas iniciou o julgamento dos três primeiros casos. O longo julgamento foi suspenso, com pedido de vistas do conselheiro Luciano Nunes.

O próprio conselheiro chegou inclusive a dizer que o Caso IDEPI é como um longa-metragem com a mulher, se piscar perde.

O Blog Bastidores, do 180, reafirma a cobertura do caso em sua integralidade. 

LEIA MAIS:_________

- Caso IDEPI: Kléber era símbolo de que o Plenário do TCE não é preparado para julgar casos complexos


Comentários