Política

Agricultura Familiar · 22/04/2020 - 18h32

Deputado Limma ajuda a elaborar Plano Emergencial para agricultores no Piauí

Precisamos pautar a necessidade da família agricultora familiar desenvolver suas atividades ou de receberem o apoio, diz o parlamentar


Compartilhar Tweet 1



Após uma série de reuniões por meio de videoconferências, a Secretaria Estadual da Agricultura Familiar (SAF) definiu um Programa Emergencial de Enfrentamento à Covid-19 com ações emergenciais voltadas para o campo. O deputado estadual Francisco Limma (PT) participou ativamente na construção das propostas junto aos gestores, equipe técnica, representantes dos movimentos sociais, entidades e integrantes da Rede Parlamentar da Agricultura Familiar.

Limma destaca que na última videoconferência com a SAF sobre o plano emergencial, foram ouvidas 22 entidades, entre elas a Fetag, Pastoral da Terra, União Municipal de Mulheres de Batalha, sindicatos, Movimento de Pequenos Agricultores, Centro de Educação Ambiental e Assessoria (CEAA), Movimento dos Atingidos por Barragens, Centro Cocais.

“Precisamos pautar a necessidade da família agricultora familiar desenvolver suas atividades ou de receberem o apoio do governo a fim de garantir a sua segurança alimentar e o mínimo de condições para sobreviver em tempo de pandemia. Esse diálogo com as entidades foi fundamental para a elaboração da proposta”, ressalta.

Uma das principais ações consiste na possibilidade de compra de produtos da agricultura familiar, principalmente daqueles que enfrentam dificuldade para a comercialização, para que sejam destinadas às famílias em situação de vulnerabilidade social. A proposta foi direcionada ao Ministério da Cidadania e solicita suplemento de recursos por meio do PAA (Programa de Aquisição de Alimentos) para atender 6.500 agricultores com a compra de produtos seguida da distribuição dos alimentos adquiridos para cerca de 21 mil famílias.

De acordo com o secretário de Agricultura Familiar, Herbert Buenos Aires, o Estado tem uma parcela significativa da sua população que vive no campo e que enfrenta um momento muito difícil, devido à pandemia causada pela Covid-19.

“Além das dificuldades em relação aos riscos de contrair a doença, temos que levar em consideração a suspensão das feiras, que são canais de comercialização tradicionais dos produtores. Também estamos com as aulas suspensas, o que compromete outro canal de vendas. O governo, por meio da SAF, entende que há a necessidade de enfrentar este problema e apoiar estas famílias. Nesse sentido, após as discussões, apresentamos ao governador Wellington Dias, o programa emergencial composto de propostas de várias ações envolvendo os governos estadual, federal e apoio do Banco Mundial”, explica.

O programa prevê ainda o projeto “Mãos que Ajudam”, apoiando grupos de produção da agricultura familiar que trabalham com costura. A meta é produzir 500 mil máscaras e aproximadamente 50 mil jalecos, que fazem parte dos equipamentos de proteção individual (EPIs). 30% da produção seria doada para hospitais e para os municípios onde as costureiras estão localizadas.


Fonte: AsCom

Comentários