Política

"Acompanho o relator" · 17/12/2019 - 15h01 | Última atualização em 17/12/2019 - 18h05

Conselheiros do TCE são unânimes em um dos maiores casos de corrupção no Piauí

Tribunal determinou que ninguém deixaria o pólo passivo da ação. Lílian Martins e Kléber Eulálio e ainda Kennedy Barros acompanharam o relator


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

______________

- Julgamento fatiado, que tem como relator o conselheiro-substituto Delano Câmara, é um dos mais complexos já julgados no Tribunal de Contas do Estado, devido à sua abrangência e magnitude

_______________________

 

_Imagem (180graus.com)
_Imagem (180graus.com) 

"COM O RELATOR"

Ao julgar as preliminares - alguns pedidos das partes para não figurar no polo passivo da ação, os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI) responsáveis pelo julgamento das três primeiras tomadas de contas especiais que envolvem o Caso IDEPI foram unânimes ao negar os pedidos dos supostos envolvidos. O julgamento do mérito está marcado para ser apreciado em janeiro de 2020. Ao todo são mais de 30 tomadas de contas especiais.

O Caso IDEPI é o rumoroso caso envolvendo o suposto desvio contumaz de recursos públicos através da construção de dezenas e mais dezenas de estradas vicinais no estado do Piauí, quando do ano eleitoral em que o então governador Zé Filho tentava a reeleição e o governo se transformou em um antro diante de inúmeras denúncias de corrupção em muitas de suas pastas.

No tocante ao julgamento inicial do caso na Corte de Contas, e após o duro voto do relator Delano Câmara, ele foi seguido pelos conselheiros Waltânia Alvarenga e Luciano Nunes.

Ficou então de serem colhidos os votos de Kléber Eulálio, Lílian Martins e Kennedy Barros, ausentes na então sessão.

Em informe de decisão plenária recente, o TCE assim se reporta: “Colhidos os votos remanescentes, que acompanharam o voto do relator, e computados com os demais já proferidos, foram as preliminares rejeitadas, à unanimidade, nos termos e pelos fundamentos expostos no voto do relator. Na sequência, foi o processo adiado, para julgamento do mérito na pauta da primeira sessão plenária do exercício de 2020, a ocorrer no dia 23 de janeiro de 2020”. 

Entre os que tentavam sair do pólo passivo estão os ex-mandatários do IDEPI, Elizeu Aguiar e Alberto Monteiro.

O último disse que detectou sim irregularidades e mandou apurar.

_Ex-gestor do IDEPI Alberto Monteiro durante sessão de julgamento no TCE: ele viu o que órgão técnico do TCE também viu: os malfeitos. 
_Ex-gestor do IDEPI Alberto Monteiro durante sessão de julgamento no TCE: ele viu o que órgão técnico do TCE também viu: os malfeitos.  

 

Veja a cobertura da votação inicial sobre as preliminares:_________

- Caso IDEPI é adiado porque advogado de Elizeu Aguiar tinha audiência em caso de assassinato

- CASO IDEPI: até gestor que comprovou irregularidades é mantido no polo passivo pelo relator

- Caso IDEPI: alvos 'clamam' por votos de Lilian Martins e Kléber Eulálio durante sessão do TCE do PI

- Caso IDEPI: "engenheiro 'inexperiente' deveria não ter assinado documentos", diz relator

- CASO IDEPI: “Se excluir Elizeu Aguiar não se julga mais um gestor no Piauí”, diz relator

VEJA AINDA:____________

TODA A COBERTURA DO INÍCIO DO JULGAMENTO VOCÊ CONFERE NOS LINKS EXISTENTES NESSA MATÉRIA ABAIXO:

- Caso IDEPI: Luciano Nunes diz que se Tribunal de Contas do Piauí não fizer seu papel será enterrado

 


Comentários