Política

Para Tudo · 01/11/2019 - 11h08 | Última atualização em 01/11/2019 - 15h03

Caso IDEPI: alvos 'clamam' por votos de Lilian Martins e Kléber Eulálio durante sessão do TCE do PI

Julgamento é novamente suspenso. Relator não retira nenhum então gestor do polo passivo do processo, nem engenheiros; entenda


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - Do Blog Bastidores

 

- Ao verem que o cenário não parecia muito promissor, advogados dos envolvidos, entre eles o do então gestor do IDEPI Elizeu Aguiar, pediram que a sessão voltasse a ser suspensa para que nomes como Lilian Martins e Kléber Eulálio, ausentes, pudessem votar

- Lilian já defendeu em plenário que os conselheiros devem votar o Caso IDEPI sem se importar com a imprensa e a opinião pública e Kléber Eulálio deu declarações, que em um primeiro momento, parecem favoráveis aos envolvidos

- Esperança? Elizeu também foi gestor do IDEPI quando o governador era Wilson Martins, que acabou por indicar Lilian para o posto de conselheira do TCE. Ao iniciar o governo Zé Filho, Aguiar continuou no IDEPI

_Imagem (180graus.com)
_Imagem (180graus.com) 

 

PLENÁRIO DO TCE, ENGRANDECER-SE, OU CONTINUAR NA MESMA, EIS A QUESTÃO que paira sobre a Corte de Contas do Estado do Piauí

O relator do famoso Caso IDEPI - suposto esquemão em estradas vicinais com pagamentos milionários a diversas empreiteiras no apagar das luzes do governo tampão de Zé Filho -, conselheiro-substituto Delano Câmara, ao iniciar seu posicionamento sobre o caso, não retirou nenhum dos ex-gestores da época nem dois dos engenheiros, que nas preliminares - os pedidos iniciais das defesas, pugnaram para sair do polo passivo e assim, não figurarem mais na ação (O Blog Bastidores depois explicará caso a caso). 

Portanto, o relator do caso manteve Elizeu Aguiar e Alberto Monteiro, ex gestores do IDEPI, assim como os engenheiros Wescley Raon de Sousa Marques e Francisco Átila de Araújo Moura Jesuíno. Este último, chamado aos autos pelo próprio Elizeu Aguiar, que tenta se safar das acusações, mas acabou, nesse primeiro momento, permanecendo na ação como um dos polos passivos.

O voto do relator Delano Câmara foi seguido por Waltânia Alvarenga, que tem sido implacável com os desmandos, e também por Luciano Nunes, que pelo menos de público, tem pedido que o Tribunal de Contas faça o seu papel, para não ser surpreendido, uma vez que "o País está mudando". 

Após isso a sessão foi suspensa. 

_Waltânia Alvarenga, ela acompanhou o voto de Delano Câmara (Foto: TCE)
_Waltânia Alvarenga, ela acompanhou o voto de Delano Câmara nas preliminares, para não afastar ex-gestores do polo passivo (Foto: Divulgação) 

O ‘CLAMOR’ POR LILIAN MARTINS E KLÉBER EULÁLIO

Presentes da sessão inicial de julgamento, suspensa agora pela segunda vez, integravam o Plenário com direito a voto, além dos conselheiros já citados, ainda Lilian Martins, Kléber Eulálio e Kennedy Barros. 

O advogado de Elizeu Aguiar, antes de Delano Câmara se manifestar sobre as preliminares, na retomada do julgamento que ocorreu nesta quinta-feira (31), e diante da composição atual, que reunia conselheiros outros como Olavo Rebelo e Jackson Veras (que também tem demonstrado interesse que o plenário do TCE seja mais duro nas suas avaliações), pediu que a sessão fosse novamente suspensa e só retomada quando da composição integral da sessão inicial de julgamento dessas 3 primeiras tomadas de contas do Caso IDEPI. Ou seja, para colher os votos de Lilian Martins, Kléber Eulálio e Kennedy Barros. O pedido foi reforçado por outros defensores presentes à sessão.

Lilian Martins, em plenário, já pediu para o TCE julgar o caso sem olhar para a imprensa e a opinião pública.

Quanto a Kléber Eulálio e Kennedy Barros, na sessão inicial demonstraram não conhecer profundamente o teor do que era julgado.

Eis a esperança dos envolvidos. 

TODA A COBERTURA DO INÍCIO DO JULGAMENTO VOCÊ CONFERE NOS LINKS EXISTENTES NESSA MATÉRIA ABAIXO:

- Caso IDEPI: Luciano Nunes diz que se Tribunal de Contas do Piauí não fizer seu papel será enterrado

_Conselheiro Luciano Nunes (Imagem: Reprodução)
_Conselheiro Luciano Nunes (Imagem: Reprodução) 

 


Comentários