Política

Esquema em Estradas Vicinais · 13/12/2017 - 13h00 | Última atualização em 16/12/2017 - 12h14

CASO IDEPI 2: Outros R$ 42 milhões estão sob suspeita e são suspensos

Conselheiro manda suspender 39 licitações suspeitas para pavimentação em paralelepípedo e estradas vicinais


Compartilhar Tweet 1



 

Por Rômulo Rocha - De Brasília

_______

O ABSURDO DO MESMO ESQUEMA

- Mesmo com a ampla repercussão sobre o caso, uma nova afronta à inteligência do contribuinte...

- Atual diretor-presidente do IDEPI nunca atendeu o titular do Blog Bastidores,  sempre manteve um silêncio sepulcral...

- Geraldo Magela também renovou contratos com empresas já investigadas...

- Há suspeitas de direcionamento de licitações, restrições de competitividade... CADÊ O GAECO? Um estado sério abriria uma CPI para apurar essa devassidão...

_________________

 

...E A FARRA CONTINUA E QUE FARRA

O plenário do Tribunal de Contas do Estado do Piauí voltou a suspeitar de irregularidades no já suspeito Instituto de Desenvolvimento do Piauí (IDEPI), e decidiu suspender outra remessa de 38 licitações para construção de pavimentação em paralelepípedo e sabe o quê? Estradas vicinais, num suposto esquema versão 4.0.

É de todo válido lembrar que a cobertura do 180 do esquema anterior levou um grupo de jornalistas do portal a serem processados e duramente atacados, envolvendo inclusive o aparelho do Estado para tanto.

A suspensão das concorrências públicas ocorreu por medida cautelar do conselheiro substituto Alisson Araújo, relator do processo do IDEPI que trata sobre esse caso em específico, cujas licitações foram feitas já em 2017. A decisão foi posteriormente ratificada por decisões do plenário.

O silencioso e atual presidente Geraldo Barros Magela Barros Aguiar, que carrega, ironicamente, o sobrenome do gestor anterior, Elizeu Aguiar, fez publicar no Diário Oficial a suspensão de todos os certames em virtude da decisão do Tribunal de Contas do Estado.

Geraldo Magela ao longo desse ano foi procurado inúmeras vezes pelo Blog Bastidores, mas não retornou uma única vez sequer. Em uma das ocasiões ele simplesmente disse que não falava (CLIQUE E LEIA).

Segundo a assessoria do Tribunal de Contas do Estado do Piauí as suspeitas são de direcionamento de licitações, restrições de competitividade, além de outras irregularidades.

O atual presidente do instituto também já renovou contratos com empresas pertencentes ao foco da primeira e vasta leva de investigados, conforme retratou matéria do 180, titulada: Empreiteira investigada pelo TCE-PI tem contratos prorrogados; entenda.

SEM RESPEITO PELA CORTE DE CONTAS. ATÉ QUANDO?

O que assusta é que mesmo com toda a repercussão desse caso através do 180graus, com seus jornalistas sendo processados, empreiteiros ousaram a voltar a ser foco do mesmo Tribunal e mediante o mesmo esquema - o que denota de forma veemente uma total falta de respeito pela Corte de Contas.

Até quando?

É justamente esse caso que queriam e querem silenciar, envolvendo os mais ardis artifícios. 


Comentários