Política

Por meio de 1.511 entrevistas · 08/04/2020 - 19h23 | Última atualização em 08/04/2020 - 19h31

Arrependidos do voto em Bolsonaro somam 17% de seus eleitores, diz Datafolha

39% dos entrevistados consideram a gestão de Bolsonaro na crise do coronavírus ruim ou péssima


Compartilhar Tweet 1



    Foto: Marcos Corrêa/PR

Entre eleitores que votaram em Jair Bolsonaro na eleição presidencial de 2018, 17% dizem que estão arrependidos da escolha, segundo o Datafolha.
A pesquisa do instituto foi feita de quarta-feira (1º) até a sexta-feira (3) da semana passada, por meio de 1.511 entrevistas. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Segundo o levantamento, feito por telefone por causa da pandemia, 39% dos entrevistados consideram a gestão de Bolsonaro na crise do coronavírus ruim ou péssima, ante 33% que acham a atuação dele boa ou ótima.

A taxa de ruim/péssimo sobe para 63% entre aqueles que dizem ter se arrependido do voto no atual presidente na eleição de 2018. Para efeito de comparação, o índice é quase tão negativo para o presidente quanto o obtido entre eleitores do petista Fernando Haddad -70% de ruim ou péssimo.

Entre os entrevistados que defendem a renúncia do presidente, a reprovação ao modo como responde à Covid-19 chega a 77%.

No grupo desses eleitores arrependidos, as mulheres são maioria -60%. A situação se inverte no conjunto dos 87% de eleitores do presidente que negam ter arrependimento sobre o voto.

Em pesquisa feita duas semanas atrás, feita de 18 a 20 de março, a quantidade de eleitores arrependidos de ter votado em Bolsonaro era de 15%, diferença dentro da margem de erro em relação ao levantamento da semana passada.

A pesquisa também mostrou que os eleitores dele arrependidos também têm mais medo do coronavírus do que a população em geral (45% nesse grupo ante 38% da média geral) e acham mais que a quantidade de mortes por causa da pandemia será elevada (66%, ante 52% da população).

Também têm opiniões mais duras do que a população em geral em temas como a permanência do isolamento social e o fechamento de escolas para evitar a disseminação da doença.

Bolsonaro foi eleito em segundo turno, com 57,8 milhões de votos (55,1% dos votos válidos).

Este levantamento do Datafolha, assim como o anterior, foi feito por telefone para evitar contato com o público em meio à pandemia da Covid-19. A pesquisa por telefone exige questionamentos mais rápidos.

No geral, os números do instituto mostraram que a população aprova as medidas de restrição de circulação e não apoia a renúncia do presidente da República.

Entre os entrevistados, 76% defendem que a população fique em casa para conter a disseminação do vírus. No Brasil, não há penalidade para quem sair de casa, como existe em vários países europeus.

A renúncia do presidente é rejeitada por 59% dos brasileiros. A aprovação da condução da crise do novo coronavírus pelo Ministério da Saúde, segundo a pesquisa, é mais do que o dobro da registrada por Bolsonaro.

A pasta conduzida por Luiz Henrique Mandetta tem 76% de avaliação ótima ou boa. Governadores e prefeitos também têm avaliação superior à do presidente.

O presidente tem se colocado contra medidas de restrição decretadas por governadores e vem minimizando os efeitos da pandemia. Em pronunciamento na TV, já chegou a defender a volta à normalidade e a retomada das atividades escolares e do comércio.


Comentários