Política

Ação da Abraji · 04/11/2021 - 13h03 | Última atualização em 04/11/2021 - 13h08

Aras é contrário a ação que pede desbloqueio de 65 jornalistas no Twitter por Bolsonaro

Em depoimento à PF, quatro funcionários da Presidência da República afirmaram que ajudam na comunicação digital do presidente, diz publicação


Compartilhar Tweet 1



Do Blog Bastidores

 

    Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

"O procurador-geral da República, Augusto Aras, manifestou-se, em 28.out.2021, de forma contrária à ação da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) que pede o desbloqueio, pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), de 65 jornalistas no Twitter. Aras afirma que as publicações de Bolsonaro na rede social “não têm caráter oficial”. No entanto, quatro assessores do poder Executivo colaboram para a “elaboração de estratégias” de divulgação de conteúdo para as redes sociais de Bolsonaro", diz matéria do site da Abraji intitulada "Servidores públicos trabalham para abastecer “conta pessoal” de Bolsonaro".

A reportagem traz uma radiografia do mapeamento feito pela associação dos políticos e entidades que já bloquearam jornalistas na rede social. 

A ação da Abraji tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) e aguarda decisão da relatora, ministra Cármen Lúcia. 

Ainda segundo a publicação, "em depoimento à Polícia Federal (PF), Tercio Arnaud Tomaz, José Matheus Sales Gomes, Mateus Matos Diniz e o tenente coronel Mauro Cid, funcionários da Presidência da República, afirmaram que levantam informações e auxiliam na tomada de decisões referentes à comunicação digital do presidente, embora aleguem não ter senhas de acesso ao perfil no Twitter — administrado pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ)".

Clique e leia a matéria completa no site da Abraji

Comentários