Veja a nota -

Federação de Futebol do Piauí repudia ato de racismo em jogo da Série C do Brasileiro

O jogo desde sábado (20/05) entre Altos e Ypiranga-RS, válido pela quarta da Série C do Campeonato Brasileiro, poderia ter tido como destaque a primeira vitória do time piauiense na competição. Mas o que marcou a partida foi o episódio de injúria racial sofrido pelo goleiro da equipe gaúcha.

Logo no início da partida, por volta dos dez minutos do primeiro tempo, Caíque chamou o árbitro para relatar que era alvo de gritos racistas vindos da torcida que estava atrás do gol que ele defendia. A partida foi paralisada e policiais, juntamente com dirigentes da FFP que atuavam na partida, foram até a arquibancada para a retirada do torcedor da praça esportiva. O acusado foi identificado como Francisco das Chagas de Sousa, que foi autuado por injúria racial e encaminhado à Central de Flagrantes de Teresina. Ao término da partida, após o depoimento do atleta, do árbitro e de outras testemunhas, o homem foi preso em flagrante.

Esta não é a primeira vez que um caso de racismo ocorre em uma praça esportiva piauiense. Ainda em 2019, durante uma partida do Campeonato Piauiense, o zagueiro Alan, à época jogador do Piauí Esporte Clube, foi chamado de “macaco” por um torcedor presente na arquibancada. O caso foi julgado pelo Tribunal de Justiça Desportiva do Piauí e chegou ao Ministério Público do Piauí.

Após esse caso, a Federação de Futebol do Piauí assinou junto ao MP-PI um termo de ajustamento de conduta para o enfrentamento e o combate a condutas discriminatórias em estádios do Piauí.  O termo possui 15 cláusulas nas quais a entidade desportiva assume o compromisso de desenvolver uma série de ações. A FFP também lançou a campanha “Racismo não se tolera, racismo se combate”, onde desde então faixas na lateral dos gramados das praças esportivas, banners em redes sociais e no site da entidade, além de chamadas nas transmissões dos jogos pela FFPTV são constantemente divulgados, com o intuito de conscientizar, esclarecer, prevenir e combater novos episódios de racismo e injúria racial. 

A Federação de Futebol do Piauí reforçou que repudia todo e qualquer ato de racismo e discriminação, condutas incompatíveis com o esporte, ao tempo em que se solidariza com o atleta Caíque, do Ypiranga-RS. "Reconhecemos que para tais pautas não há cor, raça, credo, religião, sexo e muito menos escudos que nos diferenciem ou nos tornem mais ou menos que o próximo. A intolerância, a discriminação e o preconceito precisam ser combatidos, seja no futebol ou em qualquer outro lugar na sociedade. Esse fato só reforça a importância de nossa luta por um futebol sem ódio. A FFP aproveita a oportunidade para agradecer à Polícia Militar pela eficiência no apoio prestado", finaliza a nota.

Instagram

Comentários

Trabalhe Conosco