Na festa também se protesta · 11/02/2018 - 18h33

Carnaval e (é) resistência!


Compartilhar Tweet 1



Do blog Esquerda Online

                                                          “Você deve notar que não tem mais tutu
                                                          e dizer que não está preocupado
                                                          Você deve lutar pela xepa da feira
                                                          e dizer que está recompensado

                                                          Você deve estampar sempre um ar de alegria
                                                          e dizer: tudo tem melhorado
                                                          Você deve rezar pelo bem do patrão
                                                          e esquecer que está desempregado

                                                          Você merece, você merece
                                                          Tudo vai bem, tudo legal
                                                          Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
                                                          Se acabarem com o teu Carnaval?”

                                                                                                         (Gonzaguinha)

Para uma sociedade como a brasileira, na qual o Carnaval marca até o “início real” do ano, trazer discussões políticas para dentro da folia é mais que importante, é algo natural, que faz parte da essência da festa. É impossível esvaziar o Carnaval de um dos seus maiores significados. Carnaval é movimento, é debate, é resistência! Fatos políticos transformam-se em versos, alegorias e adereços. Ao longo dos dias de Momo, a população desfila as contradições da nossa sociedade, ocupa espaços públicos, reinventa e transgride a relação com poderes e instituições satirizando seus algozes.

Fato que existe oposição à alegria, com representação no Estado. Há quem se enfureça com a felicidade do povo! Muito embora o Carnaval seja uma manifestação popular que não deve ser institucionalizada pelo governo, cabe à administração pública a responsabilidade de garantir o evento na cidade. O Carnaval em si, é do povo e para o povo, e como tal, deve ser preservado, e mais do que nunca é preciso reafirmar seu caráter de resistência.

Em São Paulo, o prefeito João Doria pretende limitar o público e a duração dos blocos, além de inviabilizar trajetos; em Salvador, houve ameaças de retaliação à banda Baiana System porque, no ano passado, o grupo entoou um coro de “Fora, Temer” e “Machistas, fascistas, não passarão”; entre outros exemplos. Contudo, o prefeito carioca Marcelo Crivella protagoniza os mais contundentes ataques, como a criação do “Blocódromo” que representa um aprofundamento do processo de privatização da cultura, do Carnaval e da cidade, pois caminha no sentido de esvaziar os blocos de rua.

Do lado de cá, a resposta é carnavalizada. A crítica à reforma trabalhista do governo Michel Temer vai desfilar na Sapucaí através de fantasias como “Guerreiro CLT” que transforma a carteira de trabalho em escudo e a alegoria “Manifestoches” que traz um pato inflável na cintura do folião, referência ao pato amarelo instalado em frente à FIESP (Federação da Indústria do Estado de São Paulo), que virou símbolo das manifestações pró-impeachment.


O próprio presidente Michel Temer será representado por um vampiro, enquanto que o prefeito Marcelo Crivella será “homenageado” através de um carro alegórico com um bar representando uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, cuja imagem foi chutada num programa de televisão por um pastor da mesma igreja que Crivella é bispo licenciado. Outros políticos também serão representados contracenando com celas, grades e tornozeleiras eletrônicas.

O Carnaval de rua, tão tradicional em Recife e Olinda, ganha cada vez mais forças nas cidades brasileiras, respeitando a diversidade cultural e com o tempero das particularidades de cada região, comprovando que a tão propalada alienação não é exatamente o que parece. Entre confetes, purpurina e paródias, não faltarão denúncias sobre a falta de educação, saúde, segurança, moradia e tantos outros problemas sociais.

Uma das pautas mais destacadas dos carnavais nos últimos anos é o combate às opressões. Crescem os blocos que apresentam temáticas LGBT, que combatem o machismo e o racismo e expõem as lutas das periferias. Iniciativas como a tatuagem provisória “Não é Não!” denunciam e fortalecem a campanha contra o assédio.

Paragrafo por conta do blogueiro: Em Teresina, nos últimos anos com a recusa da prefeitura de investimento nas Escolas de Samba, os blocos de rua ganharam notoriedade mas são blocos de classe média sediados na zona leste de Teresina. O poder público podia e deve investir em situações similares nas periferias da cidade.

Existem setores, até dentro dos segmentos progressistas e de esquerda, que apontam o carnaval como uma festa alienada ou como “ópio do povo”, que nada existe que deva ser celebrado diante da crise que atravessamos. Ou ainda, argumentam que o Carnaval tem sofrido um forte processo de mercantilização, que as classes dominantes investem pesado em comprar e incorporar toda e qualquer manifestação da cultura popular.

Acreditamos, no entanto, que é exatamente pela dureza do cotidiano que o nosso povo encontra força e criatividade. É ainda mais certo que perante as dificuldades, a folia se reinventa e até faz graça das tentativas de transformar a festa em produto para poucos privilegiados. 

 

Neste reinado de Momo tem circulado uma frase de Dom Helder Câmara marcante para estes dias de carnaval: 

 

 

Comentários