Com paus e pedras · 27/06/2022 - 12h59

Grupo mata suspeito de estupro a pauladas e pedradas e polícia investiga o caso


Compartilhar Tweet 1



Um homem de 33 anos morreu após ser espancado com paus e pedras por um grupo de pessoas, no último sábado (25/06), na região de Venda Nova, em BH. Segundo moradores da região, o crime teria sido uma vingança por um estupro de vulnerável cometido pelo homem. Segundo a PM, ele era suspeito do crime registrado no último dia 18. A Polícia Civil investiga o caso. Com informações do portal BHAZ.

    Reprodução

O caso aconteceu no Aglomerado do Índio, no bairro Universo. Conforme informado pela Polícia Militar, o homem chegou a ficar com o rosto desfigurado por conta das agressões. Os moradores disseram que a vítima teria sido abordada na rua por um grupo de rapazes, em sua maioria menores de idade, e começou a ser agredido.

Os agressores o arrastaram para um beco chamado Chiqueiro, onde deram sequência ao espancamento com paus e pedras, que terminou com a morte do homem. Os policiais encontraram o corpo nesse mesmo local, e ele estava com sinais de agressão por toda a parte, principalmente no rosto.

Polícia localiza registro de estupro

A vítima estava sem camisa, com a calça na altura da canela e com a cueca na altura dos ombros. Os moradores não quiseram servir como testemunhas por medo de represálias por parte dos criminosos. Com base nos relatos, a Polícia Militar localizou um registro de estupro de vulnerável cometido por ele o dia 18 de junho.

O homem tinha três passagens na polícia por tráfico de drogas, e uma por estupro de vulnerável. Um morador localizou a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) da vítima e a entregou para a Polícia Civil, que enviou com o corpo para o rabecão.

A equipe policial foi até o endereço do homem, mas ninguém atendeu. Além disso, houve tentativa de contato com a mãe do sujeito, entretanto, sem respostas. A Polícia Militar foi também até a casa da vítima do estupro, que mora no mesmo prédio, mas não conseguiu falar com ela.

Leia a matéria no portal BHAZ.

Comentários