Compartilhar Tweet 1



Com a proximidade do final do ano e os indicadores econômicos mais recentes apontando para uma lenta e gradual recuperação econômica, os presentes de fim de ano se tornam uma das apostas do comércio para aquecer as vendas ainda em 2017.

Essa percepção positiva foi comprovada em pesquisa feita com empresários do varejo em todas as capitais pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).  A pesquisa mostra que as vendas neste fim de ano serão melhores para 39% dos comerciantes brasileiros, percentual que representa uma alta de 16 pontos percentuais na comparação com o mesmo período do ano passado. O que mostra um cenário econômico positivo em comparação aos 22% dos entrevistados que falaram que as vendas serão piores que em 2016.

Neste fim de ano, a expectativa dos comerciantes para o volume de vendas apresenta uma leve variação positiva de 0,8% frente o faturamento do mesmo período que no ano passado.

Para o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, os números observados em 2017 são positivos e levam otimismo ao varejo: “A recuperação do consumo e do comércio depende da criação de novas vagas de emprego e da renda do consumidor. Não se espera uma recuperação rápida da economia, mas o fato importante é que há indícios de que já esteja acontecendo e, um deles, é a melhora das expectativas para o Natal”, explica Pellizzaro Junior.

Carlos Rêgo, gerente de franquia de calçados e acessórios masculinos nos dois shoppings de Teresina, compartilha da visão otimista do mercado nacional. “Acredito que, por conta das festas de fim de ano e com o décimo terceiro em mãos, o consumidor estará adepto para aquecer ainda mais o mercado de Teresina”, afirma. “Já observamos uma procura especialmente por presentes masculinos que costumam ser os mais difíceis de escolher”, confirma Carlos.

Para aqueles que estão de dúvida sobre quais presentes devem comprar para pais, avôs, amigos e namorados, o gerente dá uma dica preciosa.  “Todo homem gosta de produtos de qualidade. Um dos mais procurados são os sapatos de couro legítimo, que apresentam maior durabilidade, maciez e são mais saudáveis para os pés”. 

Carlos afirma ainda que homens outros produtos de couro também são aposta certa na hora de presentear pessoas queridas. “O couro legítimo é o melhor tipo de material para fazer calçados, mochilas, pastas e cintos por trazer mais durabilidade e conforto”, explica. “Na Sergio’s, eles são os preferidos do público tanto para uso próprio quanto para presentear”, conta. Ele afirma ainda para que as pessoas apostem em presentes certeiros. “Carteiras, bolsas, cintos de couro são presentes clássicos em datas especiais. O mercado atual aponta para a repaginação desses presentes com design modernos e valem o investimento para garantir a felicidade do presenteado”, finaliza. 


Fonte: AsCom
Evento será em Teresina · 12/12/2017 - 16h10 | Última atualização em 12/12/2017 - 16h13

Sebrae realiza feiras de artesanato para o Natal


Compartilhar Tweet 1



Com o objetivo de fomentar a comercialização de produtos oriundos de pequenos negócios, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Sebrae no Piauí, realiza o Bazar Empreendedor, a partir desta quarta-feira (13) seguindo até sexta-feira (15). O evento acontecerá na sede da instituição em Teresina.

O público poderá adquirir produtos artesanais de diversas tipologias, a exemplo da cerâmica, bordados, arte santeira, biojoias, entre outros. Também serão comercializados mel orgânico, castanha, cajuína, geléias, hortaliças, doces e licores. Essa feira funcionará das 09h00 às 17h00.
 

“É uma oportunidade para que os empresários possam comercializar e divulgar seus produtos, e também para os clientes poderem ter acesso a peças artesanais e produtos naturais de qualidade, tendo mais uma opção para presentear no período das festas de fim de ano”, destaca a analista do Sebrae no Piauí, Rosa de Viterbo.

OUTRAS FEIRAS DE ARTESANATO

Na quinta-feira (14), acontecerá um bazar de Natal no Centro Integrado da Criança e do Adolescente Cordeiro do Reino, Cincacre, localizado na Rua Mirra, 2250 – Vila Irmã Dulce, na zona sul de Teresina.

Neste evento, o público encontrará peças em material reciclável e artigos de tecelagem. O funcionamento é das 09h00 às 20h00.

Na sexta-feira (15), bazar semelhante será realizado na cidade de Nazária, na Rua Zezito Boa Vista, 1953, Parque Nazária. Os visitantes poderão encontrar peças de vestuário, acessórios e tapeçarias. O Espaço Grota ficará aberto das 10h00 às 17h00.

ESPAÇO DO ARTESANATO EM ÁGUA BRANCA

No último final de semana, o Sebrae viabilizou a realização de uma feira de artesanato no município de Água Branca, distante 98 quilômetros ao sul de Teresina. Após a feira, os artesãos decidiram manter a comercialização e divulgação das peças artesanais na Praça do Artesão, localizada na BR 343.

De acordo com Rosa, no espaço os visitantes poderão comprar peças decorativas e utilitárias. “Nesse novo ambiente, o público poderá participar de oficinas vivas de artesanato em material reciclado”, acrescenta a analista do Sebrae no Piauí

Maiores informações sobre as ações de artesanato do Sebrae podem ser obtidas pelo telefone (86) 3126 1341.


Fonte: Agência Sebrae-PI

Compartilhar Tweet 1



Encantar o público e fazer com que as pessoas se sintam importantes durante uma experiência é uma das principais ações da Disney para ser reconhecida por seus visitantes depois que vão embora. Criar momentos mágicos, com diversos elementos surpresa, é parte fundamental dessa estratégia. Essa é uma das lições que os empresários brasileiros Leo Charamba e Alex Alencar, proprietários do Camila’s Restaurant, maior reduto de comida brasileira dos Estados Unidos com sedes em Orlando e Miami, aprenderam com um dos maiores parques temáticos do mundo.

Depois de participarem de diversos workshops ministrados pela Disney e viverem as experiências dos parques, os sócios decidiram implantar algumas ações no Camila’s. “O relacionamento com o cliente é a coisa mais importante de qualquer negócio”, comenta Charamba. “Assim como a Disney, não queremos que o cliente simplesmente entre no nosso restaurante, coma e saia sem lembrar o nome Camila’s. Por isso queremos que ele viva experiências”, completa Alex Alencar.

Para tanto, além de se propor a servir a melhor comida brasileira nos Estados Unidos, o Camila’s conta com equipe capacitada para dar todo apoio necessário ao turista brasileiro e ações permanentes no restaurante. “Há alguns anos, trabalhamos com Programação Neurolinguística, que busca impactar o público de forma que ele se lembre daquela experiência”, explica Charamba. Para isso, realizam uma série de eventos artísticos que fazem com que clientes sejam surpreendidos no momento em que visitam o restaurante.

O Camila’s Restaurant chega a receber 3 mil pessoas diariamente na alta temporada e estima um crescimento de público acima de pelo menos 10% em 2018. “Nos últimos anos também ampliamos nosso leque de atuação e passamos a receber muitos turistas da Colômbia, Argentina, Venezuela, Equador e Porto Rico”, comenta Alencar. “Acreditamos que 2018 será um ano bastante bom para nós”, finaliza.

Sobre o Camila’s restaurant
Fundado em 1989 em Miami e em 1994 em Orlando, o Camila’s é o maior e mais tradicional restaurante brasileiro nos Estados Unidos. Em 2013, foi comprado pelos ex-funcionários Leonardo Charamba e Alex Alencar. O Camila’s é ponto de apoio e encontro para turistas e residentes brasileiros, sendo considerado até mesmo uma ’embaixada’, onde se pode encontrar comida tipicamente brasileira como feijoada e churrasco, além de atendimento em português e programação 100% brasileira nas televisões. Hoje, o local é o mais indicado entre os restaurantes brasileiros dos Estados Unidos no maior site de viagens do mundo, TripAdvisor, que premiou o restaurante com seu selo de excelência nos últimos 5 anos.


Fonte: Com informações da assessoria
Para mais de 13 mil empresas · 29/11/2017 - 14h59 | Última atualização em 29/11/2017 - 15h53

Emplantação do eSocial para empresas começa em janeiro de 2018


Compartilhar Tweet 1



A Receita Federal anunciou nesta quarta-feira (29) o cronograma de implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) para empresas. De acordo com o assessor especial da Receita Federal para o eSocial, Altemir Melo, o programa, que inicialmente foi criado para o registro de empregados domésticos, será implantado para empresas com faturamento anual superior a R$ 78 milhões a partir do dia 8 de janeiro de 2018. De acordo com a Receita, 13.707 empresas se enquadram no perfil dessa primeira fase.

    Foto: Agência Brasil

A segunda etapa terá início em 16 de julho de 2018 e abrangerá os demais empregadores, incluindo micros, pequenas empresas e micro empreendedores individuais (MEIs). No caso dos entes públicos, ele será implantado a partir de 14 de janeiro de 2019. “Esses entes serão detalhados em uma resolução que publicaremos [provavelmente] amanhã (30)”, acrescentou o representante da Receita no comitê gestor do eSocial, Clóvis Peres.

Segundo Melo, “a principal premissa do eSocial é a entrada única de dados que alimentará a base de dados dos entes de controle”, disse ele referindo-se a Receita Federal, Caixa Econômica Federal, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e Ministério do Trabalho. "Nossa base de dados contará também com a participação dos próprios contribuintes. E a grande mudança de paradigma é que o eSocial será agora um fluxo. O sistema que as empresas têm hoje está sendo ajustado para se comunicar com a base nacional. Assim, cada evento registrado na empresa, como a admissão de um trabalhador, será replicado para a base nacional do eSocial, a fim de compartilhar os dados com os entes de controle”. 

O eSocial Empresas é um novo sistema de registro feito pelo governo federal com o objetivo de desburocratizar e facilitar a administração de informações relativas aos trabalhadores, de forma a simplificar a prestação das informações referentes às obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas. Por meio dele, pretende-se também reduzir custos e tempo da área contábil das empresas na hora de executar 15 obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas.

Com as informações coletadas por cerca de 8 milhões de empresas, será criado um banco de dados único administrado pelo governo, abrangendo mais de 40 milhões de trabalhadores. Ao ser implantado, o eSocial pretende garantir direitos previdenciário e trabalhistas, além de simplificar o cumprimento de obrigações, eliminando redundâncias no que se refere a informações de pessoas físicas e jurídicas.

De acordo com a Receita, para o empregador, o eSocial terá como vantagem reduzir penalidades e sanções por incorreções e discrepâncias, além da unificação e padronização de obrigações. A Receita aponta, como vantagens, a maior garantia de efetivação de direitos trabalhistas e previdenciários; maior agilidade para o acesso de benefícios; e maior transparência em relação às informações do contrato de trabalhos.

Para o governo, o eSocial terá como vantagens a ampliação da capacidade de fiscalização; a possibilidade de implementar programas sociais lastreados em dados mais qualificados; e a possibilidade de usar informações com mais qualidade, padronização, consistência, unicidade e validação prévia.


Fonte: Agência Brasil
Polo gastronômico de THE · 15/11/2017 - 09h58 | Última atualização em 15/11/2017 - 10h00

Restaurantes são beneficiados com consultorias do Sebrae


Compartilhar Tweet 1



O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Sebrae no Piauí, tem um trabalho focado nos estabelecimentos de alimentação fora do lar. Trata-se do Projeto Polo Gastronômico de Teresina, que atende bares e restaurantes de vários bairros da cidade.

 

 “Mais de 50 restaurantes participam de ações desenvolvidas pelo Sebrae por meio desse projeto. São cursos, consultorias e eventos que contribuem para a melhoria da gestão do empreendimento. Desde junho deste ano, são realizadas consultorias nas áreas de finanças, engenharia de cardápio, atendimento, gestão operacional, entre outras”, destaca a gestora do Projeto Polo Gastronômico de Teresina do Sebrae no Piauí, Ceres Rebelo.

 

 

Na consultoria sobre finanças, os profissionais dos restaurantes aprenderam sobre fluxo de caixa, gastos operacionais, otimização do uso de matéria-prima e lucro. Em relação à engenharia de cardápio, foram apresentadas aos participantes ferramentas que mensuram o custo dos pratos e as vendas, e quais itens devem ser incluídos ou retirados do cardápio. Além disso, foram sugeridas inovações nas fichas técnicas dos pratos.

 

No que refere ao atendimento, o consultor do Sebrae no Piauí, Alberoni Leal, ressaltou que os funcionários dos restaurantes devem ser multiplicadores do atendimento de qualidade.

 “Essa consultoria foi mais focada no gerente. Esse profissional deve conhecer bem toda a rotina e o dia-a-dia do restaurante. Dessa forma, ele pode ser um professor para os demais funcionários e, consequentemente, para os clientes. Isso reflete em um melhor atendimento”, afirma o consultor.

 

Nessas consultorias também foram trabalhadas a gestão operacional do estabelecimento, de forma ampla, desde a estrutura física, estacionamento, segurança, climatização, talheres e louças utilizadas, higiene, entre outros aspectos.

 

De acordo com o consultor, a próxima ação abordará a gestão de estoque. “Cerca de 38% do que o restaurante vende está no estoque, então é fundamental que todos estejam atentos às movimentações dessa área tão significativa para os estabelecimentos”, acrescenta Leal.

 

POLO GASTRONÔMICO

 

Desde o início deste mês, o Sebrae realiza atividades para que os restaurantes, atendidos por meio do Projeto Polo Gastronômico de Teresina, possam formar um grupo de estabelecimentos bem estruturado.

 

 “A ideia é criar material promocional, com guias, certificações e identidade visual, que sinalize os restaurantes que integram o polo gastronômico de Teresina. O foco do Sebrae é reunir os estabelecimentos que ofereçam a boa gastronomia e assim fortalecer o setor”, destaca Ceres.

 

De acordo com a gestora, serão beneficiados restaurantes de diversos bairros da capital.


Fonte: AsCom/Sebrae
Sonho da Família Guimarães · 19/09/2017 - 10h07 | Última atualização em 19/09/2017 - 10h45

Cocais Shopping reúne lojistas durante coquetel de lançamento em Timon (MA)


Compartilhar Tweet 1



 

Aconteceu na noite desta segunda-feira (18/09) o coquetel de inauguração do Cocais Shopping, na cidade de Timon, em evento voltado para lojistas e convidados. O empreendimento fica localizado na avenida Piauí, bem ao lado do Supermercado Mix Mateus. A abertura para o público acontece nesta manhã.

O Cocais Shopping conta com 315 lojas, sendo quatro âncoras, quatro salas de cinema, sendo uma 3D, praça de eventos, espaço de saúde e 800 vagas de estacionamento. Há climatização apenas na área da praça de alimentação, que fica no primeiro piso.

A aposta é que o empreendimento se torne referencial na região. O shopping foi apresentado como uma idealização e realização do líder empresarial e ex-prefeito de Timon, Napoleão Guimarães, que é pai do empresário Paulo Guimarães - do Grupo Meio Norte -, ambos presentes no coquetel realizado na noite de ontem. 

Foi "pensado, planejado e inspirado em modelo aberto dos maiores centros e nobres de compras e serviço do mundo", com intuito de oferecer protagonismo ao comércio de Timon.

"Esta noite especial é preciso dizer da enorme satisfação em poder representar tantas pessoas envolvidas e responsáveis por este momento. Sonho que vem desde os tempos da nossa infância, de uma Timon desenvolvida, avançando e evoluindo. Uma Timon de oportunidades. O sonho realizado do patriarca da Família Guimarães, que pautou a sua vida em produzir para essa cidade, é com imensa alegria que fazemos a entrega do Cocais Shopping para a população de Timon", disse Daniel Guimarães, ao discursar durante o coquetel.

Quiosque da Chiquinho Sorvetes fica logo na entrada do shopping. Na foto, a franqueada Fhayra Secco e o sócio Dan Jordão
  Quiosque da Chiquinho Sorvetes fica logo na entrada do shopping. Na foto, a franqueada Fhayra Secco e o sócio Dan Jordão

 

 

No dia 08, na sede da Fiepi · 04/08/2017 - 09h10

BNDES promove palestra para micro, pequenos e médios empresários em THE


Compartilhar Tweet 1



O ciclo de palestras O BNDES Mais Perto de Você para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) chega na próxima terça-feira, 8, à capital do Piauí, Teresina. A apresentação feita por técnicos do Banco será realizada no auditório na Federação das Indústrias do Estado do Piauí (FIEPI), às 19h. O credenciamento pode ser feito no local, a partir das 18h30.

Serão apresentadas as principais linhas de financiamento do Banco para empresas de menor porte, como BNDES Automático, BNDES Finame, BNDES Progeren e Cartão BNDES. Na oportunidade, os micro, pequenos e médios empresários poderão consultar, esclarecer dúvidas e saber quais as opções mais adequadas aos seus negócios.

Também será mostrado no evento o Canal do Desenvolvedor MPME (www.bndes.gov.br/canal-mpme), nova ferramenta para facilitar o acesso das pequenas empresas às linhas de financiamento do BNDES. A plataforma permite, pela primeira vez, que o Banco se comunique diretamente com o empreendedor interessado em suas linhas. Até então, essa interação se dava apenas de forma indireta, através de agentes financeiros repassadores.

Primeiro semestre – MPMEs se destacaram no desempenho operacional do Banco no primeiro semestre de 2017 com a ampliação da sua participação no total de empréstimos da instituição. Entre janeiro e junho deste ano, o BNDES desembolsou R$ 33,5 bilhões. Desse total, 40% foram emprestados para MPMEs, empresas com faturamento anual de até R$ 300 milhões. É a maior participação alcançada por esse segmento nas liberações do BNDES no primeiro semestre em seis anos. Foram R$ 13,3 bilhões em quase 173 mil operações com MPMEs na primeira metade de 2017.


Fonte: AsCom
26 unidades no Brasil · 05/07/2017 - 17h23 | Última atualização em 05/07/2017 - 17h24

Dono do Coco Bambu começou vendendo pastel e agora chega a Miami


Compartilhar Tweet 1



Prestes a inaugurar a primeira unidade internacional da rede de restaurante ‘Coco Bambu’, Afrânio Barreira Filho, de 60 anos de idade, já foi vendedor de pastéis em Fortaleza, no Ceará.

Tudo iniciou em 1989, quando tomou gosto pela alimentação e deixou de lado sua profissão de engenheiro civil e inaugurou o ’Dom Pastel’, na cidade de Fortaleza, na qual existe até hoje. Em 2001, o engenheiro cearense iniciou o projeto da rede de restaurante ‘Coco Bambu’, e hoje conta com 26 unidades no Brasil e em agosto deste ano contará com a chegada aos Estados Unidos, em Miami, onde vai inaugurar a primeira unidade internacional da rede de restaurante.

O investimento utilizado por Afrânio para a internacionalização foi de US$ 10 milhões (mais de R$ 33 milhões) e a escolha por Miami se deu pela grande presença de latinos e por ser um destino importante de brasileiros.

O conceito utilizado no negócio continuará sendo o mesmo das unidades já existentes, mesmo a unidade sendo fora do Brasil, na qual contará com a decoração rústica, porém, chique, um imenso salão e pratos para dividir.


Compartilhar Tweet 1



O cearense Adriano Rocha, de 46 anos, está fazendo o maior sucesso com uma invenção que promete facilitar a vida de quem adora caranguejo. O "Kreke Patinha" nasceu da paixão do próprio empreendedor. Observando o consumo do crustáceo nas barracas de praia, se perguntou porque ninguém inventara uma forma mais fácil retirar a carne do animal, sem tanto esforço.

Em entrevista ao site O Povo, ele lembra que muita gente deixa de comer caranguejo simplesmente por conta da sujeira e da dificuldade em aprender a quebrar as patas. Foram 10 meses até que a maquina ganhasse forma definitiva, hoje feita em polietileno.

- Acesse a página do Kreke Patinha e conheça mais do produto

Tudo foi feito com ajuda e consultoria da família e dos amigos. Já patenteada, a invenção custa R$ 40, cada. A intenção do empreendedor é levar o produto para todo Nordeste, onde a cultura de quebrar caranguejo na praia é mais enraizada.

Subiu oito posições no ranking · 20/11/2016 - 10h58

Teresina é a Cidade que mais evoluiu no ranking do empreendedorismo


Compartilhar Tweet 1



O Índice de Cidades Empreendedoras – ICE 2016, produzido pelo Instituto Empreender – Endeavor, mostrou nesta 3ª edição que a cidade de Teresina subiu oito posições no ranking geral entre as 32 cidades pesquisadas no Brasil.

O ICE mostra os potenciais e alguns desafios superados por Teresina, que ficou na 23ª posição do ranking. Continuando na primeira colocação a cidade de São Paulo, seguida pelas cidades de Florianópolis(SC) e Campinas(SP).

No Ambiente Regulatório que avalia tempo de processos, custo de impostos e complexidade tributaria, a cidade de Teresina subiu 25 pontos com relação ao ano anterior, ficando na 7º posição.

No pilar de Infraestrutura, a capital piauiense teve um leve avanço de dois pontos, ficando na 27ª posição, tendo como o transporte interurbano e as condições urbanas como indicadores avaliativos.

O Capital Humano, que avalia a mão de obra básica e mão de obra qualificada, a cidade de Teresina também obteve avanços de dois pontos, ficando em 21º lugar. Comparando com o índice do ano anterior, esses foram os desafios superados pela capital, que permanece na 3º colocação do ranking de Cultura Empreendedora.

Ainda de acordo com o ICE 2016, tais avanços só foram possíveis devido ao aumento da população jovem no mercado de Trabalho; às evoluções da cidade no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB; às ações na melhoria da mobilidade urbana, do transporte público, da implementação da Lei de Incentivos e Benefícios Fiscais, e da nova legislação municipal voltada para as Micro e Pequenas Empresas. Entretanto, o fator decisório para esse salto no índice, vem da decisão estratégica de criar o Programa de Enfrentamento ao Desemprego - PED, que resultou na vinda das empresas de call Center à Teresina.

“Não alcançamos essas colocações do dia para a noite. Tudo isso é resultado de uma gestão planejada, e nós gestores municipais nos utilizamos de índices como o da Endeavor para lançar novos programas que favoreçam o crescimento da cidade”, disse o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Fábio Nery.

Além de Teresina, as cidades de Fortaleza, Natal e Aracajú, também estão entre as dez que mais posições subiram em comparação ao ano passado.

Importância
Inserida no Índice de Cidades Empreendedoras, grandes investidores podem ter acesso as vantagens e desvantagens de se investir em determina região citada no ICE. As grandes empresas recorrem a estudos como este, e Teresina tem suas chances ampliadas para receber mais empresas e grandes investimentos.

Além da Endeavor, estão envolvidos no estudo as empresas EY (antiga Ernst & Young), Meta, Opinion Box, SEDI e Spectra Investimentos. Para ter acesso ao Índice das Cidades Empreendedoras 2016, acesse: https://endeavor.org.br/indice-cidades-empreendedoras-2016/


Fonte: Com informações da Prefeitura de Teresina
O maior bazar do nordeste · 04/11/2016 - 15h43

O maior bazar do nordeste começa nesta sexta-feira (04/11)


Compartilhar Tweet 1



Começa amanhã(04) o maior bazar do Nordeste. O Outlet Chic chega a sua décima edição co, mais de 100 lojas de diversos segmentos. O evento ainda acontece no sábado(05) e no domingo(6) de novembro. Com descontos de até 80%, o Outlet promete bater a meta de mais de 15 mil em público nos três dias de evento que acontece no Centro de Convenções Atlantic City - Espaço Luís Pires.

O público que passar em algum dos três dias de evento vai contar com uma variedade de marcas para todos os gostos e estilos e diversas facilidades, como o pagamento com cartão de crédito . O Outlet ainda é uma ótima opção para quem deseja antecipar as compras de natal e fazer aquela economia, mais que necessária em tempos de crise.

O maior bazar do nordeste vai contar dois amplos espaços climatizados, equipe de segurança particular, praça de alimentação e ainda serviços de beleza e estética para quem for ao evento, como maquiagem e design de sobrancelhas.

Segundo umas das logistas do evento que participa pela sexta vez, o Outlet faz mais do que simplesmente vender roupas em preços mais acessíveis. "O Outlet movimenta todo um mercado, permite que possamos ser conhecido por mais pessoas, é realmente uma vitrine, principalmente para lojas que estão começando agora. Claro que temos a intenção de vender, mas os benefícios de participar do evento vai muito além, não ´é a toa que já estou participando pela sexta vez", comenta a empresária Emile Passos.

Será um mega bazar de moda feminina, masculina, infantil, Moda Fitness, Moda Praia, acessórios, calçados e ainda com a comodidade de comprar peças de decoração para casa. Marcas como La Vertu, Zona Rio, Andressa Leão Store, Lelas, ZokaBizoca, Marinna Dias Shop, Maison Kids, DSF Company Fil a Fil e muitas outras estarão no evento.


Compartilhar Tweet 1



Com a proposta de fomentar o desenvolvimento das microempresas e empresas de pequeno porte, a Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Tecnológico (Sedet), em parceria com a Femicro e as Mulheres d’ Negócio, realizará nesta quarta-feira (26), o Seminário de Crédito para Micro e Pequenos Empreendedores que buscam recursos para investimentos ou empréstimos em instituições financeiras públicas ou privadas.

“O Governo busca aproximar as instituições de crédito aos micros e pequenos empreendedores, para linhas de financiamentos. Entretanto, as empresas ainda encontram certas dificuldades na busca de recursos. Por isso, vamos reafirmar o tratamento favorecido para o segmento, por meio do decreto nº 16.212 de 05.10.2015, que vislumbra a ampliação do acesso às compras governamentais de microempresas, empresas de pequeno porte e microempreendedores individuais no âmbito do Estado do Piauí, a fim de fomentar o desenvolvimento do setor”, explicou Lucile Moura, diretora de Atração de Investimentos da Sedet.

O evento, que tem entrada franca, ocorrerá na Ordem dos Advogados do Piauí, a partir das 8h30 e contará com a participação de entidades que operam com linhas de crédito como Agência Piauí Fomento, Movera (Banco do Brasil), Banco Nordeste, Caixa Econômica Federal, entre outros.

Entre os objetivos do Seminário estão: apresentar as diversas linhas de créditos existentes no mercado voltadas para o micro e pequeno empreendedor; oferecer uma linha de crédito de capital de giro para micro e pequenos empreendedores que vendem para o estado e criar um grupo de trabalho com soluções de acesso ao crédito.


Compartilhar Tweet 1



No período de 01 de janeiro a 20 de setembro deste ano, a Junta Comercial do Estado do Piauí (Jucepi) registrou a abertura de 9.568 novos empreendimentos no estado. Desse total, 67,47% são constituídos por Microempreendedores Individuais (MEI).

O modelo MEI proporciona uma facilidade de se recolocar no mercado de maneira formal, legal e com tributação simples, em relação a uma microempresa (ME). Abrir o próprio negócio tem sido uma alternativa constantemente buscada pelos piauienses para driblar a crise financeira que o país enfrenta.

Devido à dificuldade de absorção do mercado e do desemprego, muitas pessoas estão iniciando agora seu próprio negócio e outras estão formalizando trabalhos que já desenvolviam. Este o caso de Cleidiane Silva, que após sair do emprego decidiu investir no seu patrimônio.

“Eu já realizava trabalhos para amigos e parentes, e foram eles que me indicaram novos clientes. Vi que essa poderia ser uma alternativa. Resolvi legalizar a empresa e assim nasceu a Decorane”, declarou a empresária.

"Até o vigésimo dia de setembro de 2016, 6.456 microempresários individuais estavam registrados na Jucepi e esse número continua a crescer. O microempreendedor individual possui uma série de vantagens que estimula a formalização, como impostos reduzidos, facilidade de registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) e garante benefícios como auxílio maternidade, auxílio doença, aposentadoria, entre outros”, explicou Alzenir Porto, presidente da Junta Comercial do Estado do Piauí.

Ao ser enquadrado no Simples Nacional, o MEI ficará isento dos tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL) e pagará apenas o valor fixo mensal de R$ 45 (comércio ou indústria), R$ 49 (prestação de serviços) ou R$ 50 (comércio e serviços), que será destinado à Previdência Social e ao ICMS ou ao ISS. Esses valores são atualizados anualmente, de acordo com o salário mínimo.

Para ser considerado MEI é preciso ganhar até R$ 60 mil anualmente e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular. Há uma lista de profissões que garantem o direito, como açougueiro, cabeleireiro, comerciante, pintor, motoboy e taxistas.

O Microempreendedor Individual pode ter ainda um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria.

Fonte: Governo do Piauí

Objetivo de reforçar potencial · 20/09/2016 - 16h30

Semana Nacional Da Carne Suína espera aumentar em 20% as vendas


Compartilhar Tweet 1



Com o objetivo de reforçar o potencial da carne suína e seus benefícios nutricionais quando inclusa nos hábitos alimentares do brasileiro, o GPA apoia a 4ª Semana Nacional da Carne Suína, promovida pela Associação Brasileira de Carne Suína (ABCS) e também apoiada pelo Sebrae Nacional.

Durante a semana, o GPA negocia descontos especiais com seus fornecedores, reduzindo o preço de venda e beneficiando clientes de todas as lojas com diferentes cortes suínos em média 20% mais baratos no período de 13 a 29 de setembro.

Adicionalmente, os clientes do Extra e Pão de Açúcar poderão conferir os materiais de comunicação com sugestões de receita com a carne. Por meio da estratégia de descontos, a companhia espera um crescimento de 20% na categoria de suínos.

De 23 a 30 de setembro · 20/09/2016 - 16h29

Liquida em Parnaíba reúne grandes marcas e descontos especiais


Compartilhar Tweet 1



Para quem não perde uma promoção e aproveita para adquirir grandes marcas com ótimos preços já pode comemorar. De 23 a 30 de setembro acontece o Liquida Parnaíba Shopping; uma semana de promoção focada no consumidor. Ofertas imperdíveis em lojas de roupas, sapatos, acessórios, artigos esportivos e brinquedos. Tudo alinhado ao conforto e segurança do shopping.

As lojas prepararam promoções imperdíveis, com descontos que podem chegar a até 60%. Além dos preços baixos, a queima de estoque das coleções outono/inverno é uma grande oportunidade para estar em sintonia com a moda e ter no guarda-roupa ou em casa grandes marcas.

Durante o período, as lojas funcionam das 10h às 22h. Aos domingo abrem em horário especial das 16h às 22h.

84% dos recursos a produtores · 01/08/2016 - 11h02 | Última atualização em 01/08/2016 - 11h03

Contratações no Semiárido, com recursos do FNE, já superam R$ 2,1 bilhões


Compartilhar Tweet 1



As contratações com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) no Semiárido superaram R$ 2,17 bilhões no período de janeiro até a terceira semana de julho (posição de 25/07), totalizando 199,6 mil operações de crédito. O valor aplicado representa 84,4% da meta anual de R$ 2,57 bilhões definida para essa sub-região.

Deste volume, 84,2% dos recursos foram destinados aos produtores e empresas de porte mini, micro, pequeno e pequeno-médio, com destaque para os miniprodutores rurais (50,5%) do total para aquela sub-região.

No recorte por segmento econômico, os financiamentos rurais (agricultura, pecuária e agroindústria) mobilizaram 62,0% das contratações com recursos do FNE no Semiárido. As aplicações no Semiárido para o setor agroindustrial totalizaram R$ 22,7 milhões (1.324 operações) em recursos do FNE no período. Para o setor industrial, foram destinados R$ 217,1 milhões, distribuídos em 793 operações no período. Já a agricultura acumulou R$ 323,7 milhões em recursos, perfazendo 25.710 operações.

Além das aplicações no Semiárido, o Banco do Nordeste também operacionaliza as aplicações do FNE de acordo com outros subespaços regionais priorizados pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR), do Ministério da Integração Nacional.

Nesse sentido, dos recursos do FNE contratados no período, 86,6% foram destinados a municípios classificados como economia de Baixa Renda, Dinâmica ou Estagnada (no âmbito da PNDR).

Mesorregiões
No conjunto das Mesorregiões Priorizadas pela PNDR, os recursos aplicados somam R$ 1,2 bilhão, valor que aponta aumento de 12,9% nas aplicações com o FNE se comparado com o mesmo período do ano anterior. Neste contexto, são destaque as mesorregiões do Xingó (+43,3%), que abrange municípios de Alagoas, Pernambuco, Sergipe e Bahia, e do Jequitinhonha-Mucuri (+24,7%), nas regiões norte dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

Nos demais subespaços priorizados pela PNDR, as Regiões Integradas de Desenvolvimento (Rides) Petrolina Juazeiro (PE, BA) e Grande Teresina (MA, PI) tiveram aporte de R$ 185,1 milhões.


Fonte: AsCom

Compartilhar Tweet 1



A compra de insumos para a safra de soja no Piauí está parada. Com restrição de crédito por causa do endividamento acumulado nas últimas duas safras, os produtores não têm dinheiro para comprar sementes, fertilizantes e defensivos para a safra que vai começar em três meses.

O presidente da Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja-PI), Moyses Barjud, relata que a quebra de safra foi tão forte neste ano que volume produzido é semelhante ao colhido em 2005. “A diferença é quem saímos de 198 mil hectares em 2005 para mais de 565 mil hectares em 2016. Colhemos apenas 645,8 mil toneladas, é uma quebra de 70% na produtividade. Desde 2012 o endividamento virou uma bola de neve”, relata Barjud.

O dirigente aponta que o endividamento é generalizado no estado, que vem amargando prejuízos nas lavouras ano após ano. O pedido da Aprosoja-PI é que o governo federal autorize alongamento dessas dívidas para que o produtor não tenha restrição de crédito e consiga se planejar para a safra 2016/2017. Caso contrário, a tendência é de mais redução de área plantada.

“Nós não queremos deixar de pagar, mas precisamos investir na próxima safra. Os relatos que nós temos é que o clima será bom. Nós vemos uma oportunidade de recompor esses prejuízos”, explica Barjud.


Fonte: Canal Rural
Fique por dentro · 27/05/2016 - 09h33 | Última atualização em 31/05/2016 - 09h23

Dicas de marketing digital para todos os empreendedores


Compartilhar Tweet 1



A internet transformou não apenas a maneira como nos comunicamos e interagimos socialmente, mas também gerou mudanças profundas na economia. Atualmente, grande parte dos consumidores utiliza a web como fonte primária de pesquisas de preços e também da reputação de lojas e serviços.

Por isso, comerciantes, lojistas e empreendedores de todos os portes e segmentos precisam se preparar para o ambiente online, criando estratégias e investindo em soluções de marketing digital para ganhar visibilidade e notoriedade varejo eletrônico. Veja algumas medidas básicas para alcançar os milhões de internautas brasileiros e se destacar da concorrência em seu ramo de atuação.

Melhore seu site

O site oficial de um negócio, seja ele descritivo ou uma própria loja virtual, é o ponto central para marcar sua presença na internet. Torne-o seu cartão de visitas oficial promovendo não apenas melhorias estéticas, mas uma navegação que proporcione uma excelente experiência para seu usuário.

Aplique estratégias de SEO

O SEO (Serch Engine Optimization) é um conjunto de estratégias e técnicas apuradas que auxiliam sua página a obter bons resultados de exibição nos principais buscadores da internet, como o Google. Os procedimentos são desenvolvidos por profissionais especializados que promovem o melhor posicionamento de um site ou de um produto determinado, dando mais visibilidade à sua marca e, consequentemente, aumento o número de visitas e de vendas pela internet.

Marque presença nas redes sociais

Um bom relacionamento com o seu público junto às redes sociais é imprescindível para construir um bom relacionamento entre sua marca e o público. Plataformas como Facebook, Instagram, Twitter, LinkedIn, entre outras, são ferramentas indispensáveis para divulgação de ações de marketing assertivas, além de serem os principais canais para perfilar, interagir e fidelizar o seu público.

Desenvolva conteúdo de qualidade para suas redes

Por ser um ambiente muito dinâmico e repleto de concorrentes, se sai melhor na internet a marca ou a empresa que desenvolve e distribuí conteúdos de qualidade para seu público. É muito importante oferecer fontes de informações relevantes e práticas para os internautas e consumidores em potencial, buscando sempre criar material que se destaque da pura propaganda. Além disso, há infinitas possibilidades de formatos de mídias que podem fazer a diferença, indo de textos informativos até vídeos e aplicativos que agreguem utilidade aos seus clientes.

Observe a concorrência

A internet também proporciona uma visualização muito apurada de seu nicho de mercado e de como sua concorrência está atuando sobre ele. Além de cuidar muito bem de suas páginas e redes, dedique algum tempo para avaliar e examinar as táticas de seus competidores e encontrar recursos para se manter em pé de igualdade na disputa pelo público.


Fonte: Ascom
Vai abrir um negócio? · 12/05/2016 - 16h19

Saiba quais são os melhores Financiamentos e Investimentos


Compartilhar Tweet 1



Em tempos de crise política, retração econômica e taxa de desemprego elevada, muitas pessoas enxergam oportunidades e investem no próprio negócio. Fábio Yamamoto, sócio da Tiex – empresa de consultoria e gestão financeira – dá dicas de como buscar financiamentos em bancos, ou investimento de terceiros. “É fundamental planejar o futuro da empresa, para não entrar nas estatísticas e fechar as portas”, aconselha Fábio.

Veja a seguir dicas do especialista Fábio Yamamoto, para quem quer começar a empreender e não tem capital suficiente:

01 Planejamento acima de qualquer coisa!
Traçar um planejamento com as perspectivas e as metas que o mercado pode oferecer, estimando custos e lucros, e analisar as oportunidades que área de atuação da empresa tem a apresentar, contribuem com o bom desenvolvimento da empresa. “Estudar a área de atuação que a empresa vai trabalhar, conhecendo os pontos positivos e os riscos que a área oferece fazem parte de um bom planejamento”, diz Fábio.

02 Financiamento Bancários, Fiquem Atentos!
Atualmente existem várias linhas de crédito oferecidas pelos bancos a novos empreendedores, seja em bancos públicos ou privados. Ambos apresentam vantagens e desvantagens, porém o empreendedor deve analisar qual é o melhor para a empresa. O nível burocrático exigido pelos bancos privados e o nível de monitoramento são menores, assim como o prazo de pagamento. Porém, os juros são mais altos.

Buscar linha de crédito em bancos públicos é mais difícil, o nível burocrático e o nível de monitoramento são maiores, porém sempre será uma opção mais barata, pois os juros são menores e os prazos para pagamento maiores.

03 Corram para encontrar um Investido-Anjo!
Buscar investimento através de investidor-anjo é uma das alternativas mais rápidas e baratas de se conseguir crédito. É uma solução positiva, pois o investidor não vai apenas injetar dinheiro na empresa, mas contribuirá também com conhecimento do mercado.

O investidor-anjo vai ter participação minoritária nos lucros da empresa e não atuará em um cargo executivo na empresa, mas apoiará o empreendedor como conselheiro e/ou mentor. O empreendedor deve ter consciência de que haverá uma cobrança e participação nos lucros por parte do investidor-anjo. No momento em que o investidor coloca capital na empresa, já existe uma data pré-estabelecida para saída do mesmo, geralmente acordado em contrato. O período de atuação do investidor-anjo na empresa vai depender da negociação entre empreendedor/investidor.


Fonte: Ascom
Entenda como acontece · 11/05/2016 - 15h48 | Última atualização em 11/05/2016 - 16h44

Audiência no Procon alerta para direito do consumidor de pedir CPF na nota fiscal


Compartilhar Tweet 1



Uma audiência pública no Procon entre a Secretaria da Fazenda e entidades ligados ao setor do comércio discutiu a dificuldade que alguns estabelecimentos ainda impõe ao consumidor na hora que ele pede a nota ou cupom fiscal, bem como a inclusão do CPF no documento. O promotor Nivaldo Ribeiro comandou a reunião, que contou com a presença da OAB, Sindlojas, CDL, Associação Comercial Piauiense, Conselho Regional de Contabilidade (CRC) e Associação de Bares e Restaurantes.

Segundo o diretor de Unidade de Atendimento da Sefaz, Paulo Roberto Holanda, com a implantação do programa Nota Piauiense, o consumidor tem ficado mais exigente na hora de fazer compras, mas em muitas ocasiões não é atendido quando exige a nota fiscal.
“Pedimos a ajuda do Procon, já que ainda estamos tendo problema com alguns comércios. É bom que se diga que não são todos, muitos fazem é ajudar a Sefaz realizando campanhas de conscientização por iniciativa própria”, declarou.

O presidente do Sindlojas, Luiz Antonio Teixeira, argumentou que alguns pequenos comerciantes ainda não se adequaram a nova realidade por conta de problemas financeiros. “Alguns não têm condições de comprar nem um computador, ou seja, recursos para se equipar”, afirmou.

No entanto, de acordo com o promotor Nivaldo Ribeiro, não é apenas por conta do programa Nota Piauiense que o contribuinte deve oferecer a nota fiscal ao consumidor, mas por força de uma lei que existe desde 1990. “Esse programa Nota Piauiense é um estímulo para o consumidor, mas por lei as empresas são obrigadas a fornecer a nota fiscal. Infelizmente ainda tem empresário que pergunta ao consumidor se ele quer ou não a nota. Estamos aqui para colaborar, conscientizar e nos colocar á disposição para cumprir a lei”, ressaltou.

Para a OAB, a nota fiscal é uma garantia para o consumidor na hora de relatar qualquer problema com a mercadoria adquirida, além de comprovar que o bem lhe pertence. “Na verdade, o contribuinte deveria ter essa consciência e não a Sefaz criar mecanismos para isso”, declarou.

Na audiência ficou decidido que a Sefaz vai encaminhar denúncias ao Ministério Público, que vai autuar as empresas que descumprirem a lei que garante ao consumidor pedir o cpf na nota. O Procon também receberá denúncias. Já as entidades farão campanha junto aos seus representantes para emitirem o documento com o cpf, além de encaminhar sugestões à Sefaz para melhorar o programa.


Fonte: Com informações da Assessoria
Solenidade será dia 20 de maio · 10/05/2016 - 13h41

Governo do Piauí premiará as maiores empresas em arrecadação do ICMS


Compartilhar Tweet 1



O Governo do Estado, com o apoio da Associação Piauiense de Atacadistas e Distribuidores (APAD), premiará as maiores empresas em arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do Piauí. A solenidade acontece no dia 20 de maio, às 20 h, no Auditório Helena Souza, no Atlantic City, com a presença do Governador Wellington Dias e do Secretário Estadual da Fazenda, Rafael Fonteles.

“Esse prêmio é um reconhecimento ao trabalho dos contribuintes piauienses, que ajudam as finanças do Estado. Devemos, portanto, valorizar essas empresas para que estejam, cada vez mais, motivadas a investir no Estado e gerar mais emprego e renda para os piauienses. Nesse sentido, também queremos estimular essas empresas, da capital e das diversas regiões do Estado, a aumentar a arrecadação de tributos para que possamos elevar o volume de investimentos que o Piauí fará nos próximos anos, uma vez que esse esforço se traduz em mais saúde, mais segurança e mais educação para nossa população”, destaca Rafael Fonteles.

Segundo o Superintendente da Receita Estadual, Antonio Luiz Soares Santos, durante a solenidade, as empresas serão premiadas da seguinte forma: 1) As primeiras colocadas em arrecadação de cada uma das dez (10) regiões fiscais do Estado; 2) As maiores empresas em arrecadação do ICMS, de acordo com a atividade econômica; 3) As cinco (5) primeiras colocadas na arrecadação geral do Estado.

Em relação à arrecadação de ICMS por região fiscal, foram selecionadas as empresas que mais se destacam em arrecadação nas 10 regiões fiscais do Estado: Parnaíba (1ª GERAT), Campo Maior (2ª GERAT), Teresina (3ª GERAT);, Oeiras (4ª GERAT), Floriano (5ª GERAT), Picos (6ª GERAT), São Raimundo Nonato (7ª GERAT), Corrente (8ª Gerat), Piripiri (9ª GERAT), Uruçuí (10ª GERAT).

Dentre as atividades econômicas que serão consideradas para premiar as maiores empresas em arrecadação do ICMS estão as seguintes:

1)Automóveis
2)Bebidas/Fumo e Derivados
3)Comunicação
4)Cosmético, perfumaria e higiene pessoal
5)Eletricidade e gás
6)Hipermercado, supermercado e lojas de departamentos/móveis e eletrodomésticos
7)Material de Construção
8)Medicamentos e outros Farmoquímicos
9)Peças e assessórios para veículos/bicicletas e outros veículos recreativos
10)Petróleo, combustível e lubrificantes
11)Produtos Alimentícios/Mercadorias em geral
12)Têxtil e confecções/Ótica
13) Transporte e Armazenagem


Fonte: AsCom/Sefaz
Opções de negociação de débito · 03/05/2016 - 17h19

Eletrobras-PI realiza campanha para quem está com as contas atrasadas


Compartilhar Tweet 1



Se você ainda possui faturas em atraso e deseja negociar, a Eletrobras Distribuição Piauí está oferecendo, desde o último dia 03/05, por tempo determinado, condições flexíveis de negociação de débito junto a seus clientes. Para participar, o consumidor deve comparecer a uma das agências de atendimento da Distribuidora munido de documentos de identificação pessoal, visto que a negociação só poderá ser efetivada pelo titular da fatura de energia.

As condições de negociação variam de acordo com o perfil do consumidor e cada caso será avaliado através de simulação personalizada. A oferta de condições diferenciadas de negociação é uma das ações que compõem o Plano de Recuperação da Receita apresentado pela Diretoria Comercial no último dia 27/04 e tem como foco principal proporcionar aos consumidores a oportunidade de se tornarem adimplentes com a Distribuidora, evitando possíveis suspensões do fornecimento devido ao aumento do volume de cortes executados no período.

A Eletrobras ressalta ainda que, os consumidores que possuem pelo menos duas faturas vencidas que totalizem entre R$ 200,00 e R$ 6.000,00, dispõem da modalidade de parcelamento simplificado, por meio do atendimento telefônico.

Para mais informações sobre a negociação e outros serviços da Eletrobras Distribuição Piauí, o site da Concessionária é www.eletrobraspiaui.com e o telefone para ligações gratuitas é 0800 086 0800.


Fonte: AsCom

Compartilhar Tweet 1



Entrou em vigor nesta semana a lei (Lei Complementar 154/16) que autoriza o microempreendedor individual (MEI) a utilizar a própria casa como sede de sua firma, desde que não seja indispensável a existência de local próprio para o exercício da atividade.

A medida alterou a lei que criou o Simples Nacional (Lei Complementar 123/06) e tem como objetivo facilitar a adesão de pessoas ao regime simplificado de tributação, afastando restrições impostas por leis estaduais que não permitem o uso do endereço residencial para cadastro de empresas.

Mas deixa claro que essa permissão só será concedida nos casos em que o negócio não exigir um local próprio, a exemplo de comércio em geral ou prestação de serviço que represente perigo ou perturbação aos vizinhos.

Custo dificulta
Entre os beneficiados estão, por exemplo, piscineiros e cozinheiros que fornecem refeições prontas. Hoje, o custo de se manter endereço comercial é uma das dificuldades do empreendedor ao abrir o próprio negócio.

Na Câmara, a proposta (PLP 278/13), do deputado Mauro Mariani (PMDB-SC), foi aprovada por unanimidade pelo Plenário em outubro do ano passado. O texto seguiu para o Senado, onde foi aprovado também por unanimidade em março deste ano.

Legalizar 7 milhões de autônomos
O deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), que discutiu a matéria na Casa, afirmou que essa é uma das principais conquistas da microempresa e, em especial, do MEI.

“A Câmara toma uma das principais iniciativas em favor do empreendedorismo”, afirmou. Para ele, que relatou a Lei do Simples na Câmara, a mudança poderá trazer para a legalidade aproximadamente 7 milhões de autônomos, cerca de 58% do total no País.


Fonte: Agência Câmara
Gasolina é a principal vilã · 10/11/2015 - 13h15 | Última atualização em 10/11/2015 - 16h05

Custo de vida em Teresina registrou a maior alta dos últimos oito meses


Compartilhar Tweet 1



O bolso do consumidor teresinense está, cada vez mais, sentido os efeitos da alta constante nos produtos de necessidade básica. A gasolina, vilã já conhecida este ano, inflacionou novamente (somente de janeiro a outubro, chegou a 15,66% de alta), agora ela levou consigo o álcool (4,30%) e o diesel (4,11%). Estes, juntos, elevaram o segmento de transportes para 1,69% em outubro, e 11,39% no ano de 2015. Os dados são da Fundação CEPRO, órgão oficial responsável pelo cálculo do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) no Piauí.

Segundo relatório divulgado pela equipe de estatísticas do órgão, a inflação registrada para o mês de outubro foi de 0,97%, a maior dos últimos oito meses. “Com mais essa alta, os valores acumulados no ano e nos últimos 12 meses foram de 8,29% e 9,65%, respectivamente”, explica o diretor de estatísticas e informação da Fundação, Elias Alves Barbosa. Segundo ele, ao avaliar os elementos que contribuíram para a formação deste índice, constatou-se que, além dos combustíveis, alguns alimentos também continuam pressionando a inflação local.

“O açúcar, que tem sua alta diretamente ligada ao aumento do álcool (pois quando o valor deste combustível aumenta, os produtores deixam de desenvolver o bem alimentício para investir mais na produção do álcool) foi um desses produtos, sua alta foi de 5,79% ao mês e ocorre agora, depois de meses seguidos de uma baixa significativa”, explica o diretor da pesquisa. Já produtos como arroz e feijão, presente em todas as mesas das residências de Teresina, apresentaram ligeira deflação (-0,12% e -0,87%, respectivamente).

Entretanto, a pesquisa de campo verificou, segundo o relatório apresentado, forte influência nos itens componentes do grupo Saúde e Cuidados Pessoais, em que o destaque foi a majoração da consulta médica (11,72%). “Outro item que me chamou atenção nesse mês de outubro foram os livros didáticos, antes mesmo de intensificarem o período de matrículas e compras de produtos escolares, quando esses preços aumentam vertiginosamente, nós já percebemos uma elevação de 8,66% nos livros de 1º e 2º grau, além dos cadernos (3,89%)”, destaca Elias Alves.

CESTA BÁSICA
O custo da cesta básica, referencial básico para avaliação do poder de compra do salário mínimo, no mês de outubro aumentou 0,38%, acumulando em 11,21% nos últimos 12 meses. “Isso está refletindo na conjuntura de instabilidade porque vem passando a sociedade brasileira, em que tanto o consumidor, quanto o produtor/fornecedor, estão mergulhados”, explica o diretor de estatísticas da Fundação Cepro, Elias Alves Barbosa.

Apesar deste aumento, muitos produtos alimentícios tiveram queda. Abaixo tabelamos alguns itens alimentícios que tiveram inflação e deflação no último mês de outubro (e no ano de 2015) que tem influência mais forte no bolso do consumidor local.


Fonte: Com informações da Assessoria
Great Place to Work Brasil · 29/10/2015 - 08h58

Consultoria traz Metropolitan como melhor empresa para trabalhar no PI


Compartilhar Tweet 1



Em evento realizado na noite desta quarta-feira (28/10) no Cardinalle Buffet, a Great Place to Work Brasil (GPTW) premiou, junto com a Revista Cidade Verde, as 10 melhores empresas para trabalhar no Piauí, no ano de 2015.

No estado, o levantamento contou ainda com o apoio da Associação Brasileira de Recursos Humanos.

O prêmio da empresa global de consultoria, que atua em 53 países há mais de 20 anos, tem como objetivo enaltecer instituições que se destacam pela excelência no ambiente de trabalho. São avaliados critérios como variedade, originalidade, abrangência, calor humano e integração.

Marielle Baía recebeu, em nome do Hotel Metropolitan, a premiação de primeiro lugar no ranking. O hotel que pertence ao Grupo Damásio, que já é referência em atendimento, ostenta agora o título que demonstra a qualidade do ambiente de trabalho.