Lançamento do livro Por aí... · 29/10/2017 - 12h42

Governador prestigia exposição fotográfica no Museu do Piauí


Compartilhar Tweet 1



O governador Wellington Dias participou neste sábado (28/10), do lançamento do livro “Por aí...”, que reúne registros do fotógrafo piauiense João Freitas Filho. O evento foi realizado Museu do Piauí Casa de Odilon Nunes (MUP), local que também abriga exposição com 40 fotografias selecionadas da obra do fotógrafo.

“Essas imagem representam centenas de quilômetros rodados. O livro contempla 18 temas sobre o Nordeste, sendo que 80% se refere ao Piauí”, conta o fotógrafo. O título escolhido retrata bem a diversidade de olhares e paisagens encontradas em vários cantos do Nordeste pelo fotógrafo que visitou comunidades quilombolas, assentamentos rurais e mercados populares.

O professor Cineas Santos, presidente do Conselho Estadual de Cultura e amigo próximo do fotógrafo, comentou sobre a exposição. “A grande transformação na vida do João deu-se quando ele descobriu a mágica que é eternizar a efemeridade do instante numa foto bem feita. Uma fotografia é aquela  que o fotógrafo capta a alma e é isso que podemos sentir aqui”, afirma Cineas.

João Freitas Filho é piauiense, advogado por formação, mas atuou nos mais diversos campos da atividade humana. Industrial, empreende nos mercados de alimentos, agricultura e energia. Ambientalista, é fundador e presidente da organização não governamental maisvida.eco.br. João recebeu 18 menções honrosas no 13º Annual Lucie International Photography Award, na categoria não profissional, e 15 menções honrosas no 14º Annual Lucie International Photography Awards Winners, na categoria Profissional.

O Museu do Piauí funciona de segunda a quinta-feira, das 8h às 17h, e aos sábados e domingos, de 8h às 12h.

 


Fonte: CCOM

Compartilhar Tweet 1



A Mensagem do Governo do Estado do Piauí que pretendia aumentar a alíquota de impostos de diversos produtos e serviços começou a ser discutida na Comissão da Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa na manhã desta terça-feira (10/10), mas teve sua tramitação suspensa.

A reunião da CCJ foi marcada pela manifestação de empresários e representantes de associações que são contrários a tramitação do projeto, entre eles o presidente da Federação das Industrias do Piauí (Fiepi), e ex-governador Zé Filho. Por conta da complexidade, o presidente da Comissão, deputado Evaldo Gomes (PTC), retirou a matéria de pauta.

“Nós temos uma presença muito grande de empresários e representantes de associações que querem discutir afundo a matéria. Em consideração a eles, e como essa Casa nunca se recusou ao debate e a discussão, eu estou retirando a matéria de pauta para que possamos discuti-la mais detalhadamente”, disse Evaldo.

O deputado Rubem Martins (PSB) entrou com requerimento solicitando audiência pública para discutir o projeto e mais tarde na sessão plenária o deputado Rubem Martins (PSB) sugeriu que ela fosse realizada na semana que vem.

    Reprodução Alepi

O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Teresina (Sinduscon), André Baia, fez uso da palavra, representando a comissão de empresários presentes, e pediu do Governo do Estado uma solução a longo prazo para os problemas do Piauí. 

“O aumento de impostos, energia elétrica, de gasolina, do valor do gás, telecomunicações, não é problema só nosso como empresários, mas sim de todo o povo do Piauí. Nós estamos falando de bens básicos e por isso, queremos informar a todos os deputados dessa casa que, além de mobilizar a classe empresarial, vamos entrar em contato com todos líderes e presente dos sindicatos dos trabalhadores e dizer que esse projeto não tem condição de passar como está. Esse problema é do Piauí, de todos nós”, disse.


Fonte: Com informações da Alepi

Compartilhar Tweet 1



A ex-prefeita do município de Bom Jardim (MA), Lidiane Leite, conhecida internacionalmente como 'Prefeita Ostentação', foi condenada pela justiça maranhense por uma série de irregularidades enquanto gestora da cidade. 

A bomba estourou em 2015 quando a Polícia Federal prendeu dois ex-secretários da cidade, um deles na época era ex-namorado de Lidiane, Beto Rocha. A prefeita ficou 39 dias foragida, foi presa, mas depois foi colocada em liberdade onde continuou respondendo pelos crimes. Nesse período ela voltou para o ex e teve um filho com ele, enquanto o processo corria.

Quase dois anos após o caso, ela foi condenada por ato de improbabilidade administrativa depois de ser constatados desvios de verbas públicas para obras na cidade, que nunca foram realizadas. Ao tempo que a cidade padecia sem estrutura, ela ostentava nas rede sociais, por isso o apelido que ganhou.

Lidiane terá que devolver aos cofres públicos um total de R$ 998.691,27, além de pagar multa que corresponde a 100 vezes o salário que recebia como prefeita, terá os direitos políticos suspensos por cinco anos e não poderá contratar com o poder público nem receber incentivos fiscais por três anos.

Confira a seguir as coberturas feitas pelo 180graus sobre o caso direto da cidade:

'Prefeita ostentação' usava apenas o WhatsApp para administrar a cidade
180 mostra realidade das escolas na cidade da prefeita ostentação,no MA 
Prefeita tinha 'advogado ostentação' que recebeu R$200 mil na sua conta
'Prefeita ostentação' já tem filho, é brigada com pai e teve vários casos 
'Prefeita ostentação' está na lista da 'Interpol' e é destaque internacional

Linda e loira, continua com as postagens nas redes sociais
  Linda e loira, continua com as postagens nas redes sociais

 


Compartilhar Tweet 1



O ex-ministro Geddel Vieira Lima concluiu seu depoimento na Superintendência da Polícia Federal (SPF), em Brasília, na noite desta sexta-feira, e, após fazer exame de corpo de delito, foi levado para o Complexo Penitenciário da Papuda, também na capital federal.

Geddel foi preso preventivamente hoje (8) de manhã, na casa em que mora e onde cumpria prisão domiciliar em Salvador. A prisão foi determinada pelo juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, em uma nova fase da Operação Cui Bono, que investiga fraudes na Caixa Econômica Federal.

A prisão do ex-ministro ocorreu após a Polícia Federal encontrar R$51 milhões de reais em dinheiro em um apartamento de um amigo do político. O dinheiro apreendido já foi depositado em conta judicial.

Além dele, também foi preso preventivamente o chefe da defesa civil de Salvador, Gustavo Ferraz, que foi exonerado do cargo.

A defesa do ex ministro informou por meio de nota que só vai se manifestar quando que tiver acesso aos autos e documentos que embasaram a prisão.

 


Fonte: Agência Brasil

Compartilhar Tweet 1



O governador Wellington Dias esteve em audiência nesta quarta (6), em Brasília, com o presidente do Banco  Mundial no Brasil, Martin Raiser, acompanhado do secretário de Fazenda, Rafael Fonteles; do presidente da Agência de Fomento, Cesar Fortes; e do diretor da representação em Brasília, Roberto John; onde trataram sobre Programas que beneficiam a agricultura familiar e o cumprimento do Código Florestal no Piaui.

De acordo com Wellington Dias, o Banco Mundial administra recursos com o Governo da Inglaterra, e na oportunidade ficou acertada a parceria para que as equipes do Estado do Piauí possam trabalhar de forma integrada com as equipes do Banco Mundial. "Aqui foram apresentados dois projetos, um destes cria um Fundo de Investimento e Participação onde há investimentos do setor público com a participação do Banco Mundial e também do setor privado por meio de empresas do setor de energias renováveis e também do setor de produção de forma integrada com os pequenos e médios produtores de caju, de uvas sem sementes e de setores de industrialização", explica o chefe do executivo do Estadual.

Dias explica que de forma integrada com o Banco Mundial serão checados os estudos e selecionadas empresas âncoras de 8 arranjos produtivos como impulsoras do desenvolvimento do setor, principalmente no Semiárido, no que tange a área da agricultura e no litoral e na área de dívida com os estados do Ceará, Bahia e Pernambuco na área das energias renováveis. 

Wellington disse que a outra pauta refere-se ao cumprimento do Acordo de Paris que é voltado  para a redução das emissões dos gases do efeito estufa com o objetivo de reduzir o aquecimento global, para que até o ano de 2100 a temperatura média do planeta tenha um aumento inferior a 2°C. "Assim como o estado do Goiás, o Piauí vai fazer um inventário e colocar no mercado a venda do certificado. A partir dos ativos verdes do Piauí, queríamos garantir que já no seu nascedouro esse projeto tenha a presença desta instituição internacional", explica o governador. 

 


Fonte: Governo do Estado / Tamyres Rebeca