Durante Comissão na Alepi · 08/11/2018 - 15h24 | Última atualização em 08/11/2018 - 17h42

“Finanças do Piauí estão na corda bamba”, diz Marden Menezes


Compartilhar Tweet 1



O secretário de Estado da Fazenda, Rafael Fonteles, esteve nesta quinta-feira (08/11), na Assembleia Legislativa do Piauí, para explanar a situação financeira do Estado do Piauí, no segundo quadrimestre deste ano. Para o deputado estadual Marden Menezes (PSDB), no que se refere às finanças, a situação do Piauí é delicada e tem repetido dificuldades de anos anteriores.

"O Piauí está na corda bamba, dependendo de recurso extraordinários, de operações de créditos e empréstimos junto ao governo federal e muitas vezes até da própria sorte, para cumprir as suas obrigações, para pagar a folha de pagamento até o mês de dezembro. Inclusive, está sob ameaça o pagamento do décimo terceiro salário do servidor público", afirmou o deputado, demonstrando preocupação com a atual situação do Estado.

Marden lamenta o fato de que, mesmo em alguns momentos o Piauí tendo batido recorde de arrecadação, as finanças do Estado têm sido desequilibradas. Segundo ele, isso acontece devido ao fato de que o Governo do Estado não tem sido capaz de controlar suas despesas. "Segundo a explanação do secretário, o Piauí tem batido recorde de arrecadação e isso não é surpresa, uma vez que o atual governo foi o que mais aumentou impostos na história do Piauí, inclusive sobre serviços básicos e essenciais à população, dentre eles energia e combustível. No entanto, o Piauí gasta mal", disse.

O deputado fez questão de lembrar que essa dificuldade enfrentada ano após ano não pode sequer ser atribuída a governos anteriores, uma vez que Wellington Dias está no poder há muitos anos e tem vivido as consequências do desequilíbrio financeiro do seu próprio governo. “Wellington Dias é o governo do passado, do presente e, pelo resultado das eleições, dos próximos quatro anos. Não tem como culpar governos anteriores e nem mesmo a União, pelos problemas enfrentados”, pontuou.

 


Fonte: AsCom

Comentários