Dilma era 1 stand up comedy · 14/09/2019 - 11h19

Se fosse comédia, o governo seria Zorra Total, diz Mário Rosa


Compartilhar Tweet 1



Dilma era 1 stand up comedy

Atual governo é Zorra Total

Tem bordões que se sucedem

"É realmente uma novidade termos uma família de políticos agindo e interagindo com a plateia", escreve Mario Rosa    Reprodução/Enfu

Kkkkkkkkkkkkk…
– Você viu a última do Carluxo?
– Naaaaooooo!!!
– Pelas vias democráticas, não dá pra mudar o país!
– Kkkkkkkkkkkkk…
– Foi tuitada, retuíte ou foi na live?
– Tuitada, mano! Foi sinistro!!!
– Kkkkkkk….

O governo Dilma tinha momentos bizarros. A gestão Bolsonaro tem seus dias de galhofa. A rigor, todo governo produz lances que humoristas dos mais criativos teriam dificuldade de igualar. Mas a comédia da vida real chamada governo Dilma é bem diferente do magistral espetáculo de galhofas do “programa” Bolsonaro.

Dilma era um stand up comedy. Dilma era a maior e talvez a única piada de seu governo. Ela “estocava o vento”, “dobrava metas” não estabelecidas, homenageava mandiocas. E por aí vai. O governo Bolsonaro pode provocar risos, às vezes amarelados, mas seus deboches lembram um script de humor completo. O atual governo é Zorra Total.

Enquanto Dilma era aquela comediante desconcertante que solava no palco dos palácios e levava às vezes a plateia às gargalhadas com suas tiradas fora da casinha, o governo hoje parece um programa estruturado, roteirizado, com quadros fixos e bordões que se sucedem. No quesito escárnio, o governo parece muitas vezes uma grande produção.

Os brasileiros já vão se acostumando com alguns “quadros” que se repetem quase como num roteiro. O mais famoso e mais inusitado, sem dúvida, é “A Grande Família”. O samba de Dudu Nobre que servia de abertura para o humorístico consagrado diz tudo sobre as reinações do pai e de todos os seus zeros, zero um, zero dois, zero três: “Está família é muito unida/E também muito ouriçada/Brigam por qualquer razão/Mas acabam pedindo perdão…Pirraça pai/Pirraça mãe/Pirraça filha/Eu também sou da família/Também quero pirraçar…”.

É realmente uma novidade termos uma família de políticos agindo e interagindo com a plateia. A “tirada” do 02 dizendo que tem “literalmente se matado” para fazer a comunicação do governo melhor já é um clássico destes tempos. E o filho embaixador em Washington e o pai, numa live, defendendo a teoria sociológica do “filé para o meu filho“? Ou o “eu sou imbroxável”.

Mas, para muito alem da “Grande Família”, há outros sketches no governo que se revesam diante da audiência e criam uma narrativa que tangencia as sátiras mais apuradas. Como num programa de humor, é como se houvesse núcleos bem definidos que poderiam até funcionar como quadros autônomos. Por exemplo:

Sai de baixo – É quando os principais atores do governo saem metralhando contra si e contra todos e, sobretudo, conta o senso convencional no Twitter. O presidente tuíta cenas obscenas, o guru do regime tuíta atacando o exército e o presidente compartilha, o filho zero dois ataca o vice-presidente de todas as formas, o guru ataca os principais ministros, os líderes do PSL se atacam e atacam todo mundo e no final? Todos recebem a mais alta condecoração do pais, a ordem do Rio Branco, em reconhecimento aos serviços prestados. Kkkkkkkkkkkkk. O mais novo “bordão” desse quadro é a diária saidinha do presidente no portão da residência Presidencial. Ele desce do carro, ruma em direção à imprensa todas as manhãs e…sai de baixo!

Pânico – Esse é sensacional. O presidente baixa em meio bilhão o volume de recursos que pretende arrecadar com a reforma da Previdência, justo no dia em que seu ministro solta um estudo oficial. O desautoriza. O presidente chama a primeira dama da Franca de feia. O presidente inventa uma confusão com o presidente da OAB, insinuando que seu pai (morto pela tortura do regime militar) teria sido justiçado pelos próprios companheiros. O presidente torna o fenômeno sazonal das queimadas um problema mundial (contra ele) e ainda põe  a culpa do fenômeno (natural) nas ONGs. Como fez quando disse que ia baixar o preço do diesel enquanto o ministro estava nos Estados Unidos, levando o preço da Petrobras a derreter três dezenas de bilhões. O presidente também “mudou” a embaixada brasileira para Jerusalém, só que não; brincou que ia baixar os juros do Banco do Brasil numa solenidade; e o programa está só começando…

Os normais – É um quadro quase silencioso do governo, geralmente composto pela ala militar e, às vezes, muitas vezes, encenado pelo vice-presidente. É quando alguém com alta patente, da reserva, vem e fala coisa com coisa. É um contraste tão impressionante que torna o todo ainda mais espetacular.

Faça humor, não faça guerra – O chanceler Ernesto e, às vezes, o próprio presidente, ressuscitam esse clássico dos programas de comédia da TV brasileira dos anos 1960, sobretudo no que diz respeito à crise na Venezuela. Falam muito, radicalizam muito na oratória. Fazem guerra nenhuma, mas muito humor.

Os Trapalhões – Sem duvida nenhuma, essa magistral atração da nossa tradição humorística vem sendo encenada todos os dias, todas as semanas, na articulação política do governo com o Congresso e, em alguns casos, com o poder Judiciário. Cenas do pastelão mais ingênuo e infantil se repetem a quase todo momento. Como tudo no teatro, por enquanto é comédia. Mas a tragédia é a outra face do tablado.

Custe o que Custar – bem, para aprovar a reforma da Previdência, o governo falou “sério” e deixou as brincadeiras de lado: liberou 3 bilhões em emendas e começou o festival de nomeações. Kkkkkkkkkkkkk.

Agora, uma reflexão séria sobre a vocação popular de satirizar governantes.

Governo virar piada pode ser bom ou ruim. O lado bom é que governos populares criam aquela empatia com o povo, ficam tão próximos dele, que passam a ser como alguém da família. E nada como pegar no pé daqueles de quem mais gostamos, fazer chacota. Ou seja, virar piada pode ser a semente de um governo que tem enorme potencial de cair no gosto popular, para além da lua de mel deste início, talvez capaz de encenar o tipo de comédia que faz a alegria das massas. O elenco é impactante: o chanceler de fala dura, o presidente do leite moça, a ministra do óculos quadrado e das propostas idem, o vice-vulcânico que virou seda pura, os filhos com retórica de snipers.

Tudo isso representa o novo. Senão o novo como renovação (só o tempo dirá), mas novos códigos, novos estilos. Sem contar a pegada castrense que voltou à moda: o verde agora é vintage. E o lado ruim da piada? O lado lastimável só existirá se o governo não fizer as entregas que se esperam dele. Aí, a frustração dominará a plateia e, além de vaias, uma das expressões da perda de credibilidade são governos não serem levados a sério. E tudo que dizem ou fazem provoca um esgarçado e tenso riso de incredulidade. Quase uma reação nervosa. Mas se o governo der certo, será aquela comédia água com açúcar: todo mundo gosta, ninguém se incomoda, é divertido e não cansa de ver. Só nos resta aguardar os próximos episódios.

Conteúdo produzido pelo Portal Poder360 – www.poder360.com.br. Todos os direitos reservados. Reprodução permitida mediante autorização expressa.


Comentários