Era digital requer técnicas · 10/06/2019 - 09h35

Como defender o indefensável, teoriza Mario Rosa


Compartilhar Tweet 1



A defesa do indefensável se tornou um artigo de primeira necessidade, uma técnica de sobrevivência na selva das polêmicas. Exatamente por isso quero compartilhar com você um guia básico de orientação e navegação quando a necessidade de explicação sobre o inexplicável cruzar o seu caminho.

Regra básica: se lhe questionarem sobre o inexplicável, dê como resposta algo perfeitamente explicável –e de preferência nobre e admirável– que você já fez.

Por exemplo: “O senhor atropelou uma velhinha enquanto estava bêbado?”. Não, nunca, jamais responda sobre isso. Sua resposta deve ser:

– Eu tenho uma história de vida, reconhecida, como uma pessoa que sempre ajudou crianças a atravessarem ruas.

É, claro, essa raça não vai ficar satisfeita. Vai dizer maldosamente que você fugiu da resposta. Daí, você aciona o segundo passo deste guia: invoque o preconceito:

– Eu estou sendo violentamente atacado pelos setores que jamais admitiram que crianças pudessem contar com o apoio para atravessar as ruas deste país.

O preconceito ou forças ocultas, complôs, ajudam muito a embolar a discussão e explicar o inexplicável. Vale para todo mundo, de todos os lados: justamente porque você fez, faz ou pretende fazer algo é que estão falando mal de você. Pronto: você já não está mais batendo em retirada e sua infantaria de sofismas está até avançando um pouco na batalha de explicar o inexplicável.

Você já está numa posição bem melhor, mas há recursos que podem fazer toda a diferença a seu favor. Acredite! Nestes tempos onde todos têm opinião sobre tudo, postam tudo, dão entrevista sobre tudo, há o recurso radical de fazer uma greve de si mesmo: uma greve de posts, uma greve de conversas com jornalistas. Bata na imprensa. Bata duro.

Complô da mídia, críticas. A melhor defesa do indefensável é o ataque, nunca se esqueça. E o silêncio súbito também. Antigamente, uma vítima fechava a boca e fazia greve de fome para protestar contra uma injustiça. Hoje, com as redes sociais, uma vítima fecha a boca e faz uma greve de likes e compartilhamentos. É a nova forma de autoimolação, é o suicídio na era digital. Você apaga o seu perfil.

E se tudo isso não der certo ou, melhor ainda, se tudo isso estiver dando certo e sua defesa do indefensável estiver indo de vento em popa, você ainda tem 2 recursos devastadores à sua disposição. Primeiro, ao invés de discutir o seu indefensável, discuta o indefensável dos outros:

– Como o senhor explica ter atropelado uma velhinha enquanto dirigia bêbado?

– O que precisa ser explicado são os privilégios desses que estão me acusando. Isso sim é inexplicável! Eles estão usando essa acusação para desviar o debate do que realmente importa.

Por fim, há sempre o recurso extremo: é aplicado para uma casta. Pouquíssimos podem utilizar esse conselho. É o princípio da prerrogativa de singularidade. Você simplesmente pode cometer qualquer coisa inexplicável e nem precisar se explicar única e exclusivamente porque você é você. Aliás, você mesmo nem invoca esse argumento. Seus aliados é que o fazem. Vale para todos, de todos os lados:

– Fulano tem uma folha de serviços prestados à nossa sociedade e não podemos permitir que sua enorme contribuição seja colocada em risco por polêmicas extemporâneas e vazias. A grande pergunta que devemos nos fazer agora é: a quem interessa tudo isso?

Como se vê, a defesa do indefensável é uma técnica como outra qualquer. Você precisa praticá-la diariamente para que possa adquirir autoconfiança e repertório para enfrentar as diversas situações.

Quanto à velhinha que foi atropelada, com o tempo, alguém vai publicar que se tratava de alguém ligada a setores que tiveram interesses contrariados por você. Na questão do inexplicável, nada como um dia atrás do outro para tudo se explicar.

Conteúdo produzido pelo Portal Poder360 – www.poder360.com.br. Todos os direitos reservados. Reprodução permitida mediante autorização expressa.


Comentários