Geral

Esperam identificação · 15/12/2014 - 19h48 | Última atualização em 15/12/2014 - 19h56

Famílias das vítimas aguardam para fazer o reconhecimento dos corpos

Legistas fazem apelo aos familiares para levar exames e documentos que podem ajudar na identificação


Compartilhar Tweet 1



As famílias das vítimas do acidente desta manhã de segunda-feira (15/12) começaram a chegar no final desta tarde ao Instituto de Medicina Legal, bairro Saci, zona Sul de Teresina. Até 18h, os 7 corpos encontrados entre os destroços do ônibus da Transbrasiliana e o caminhão tanque, já tinham dado entrada no IML.

No instituto, nossa reportagem encontrou as famílias de Antônio Francisco de Sousa, de 50 anos, e de Flaviana da Silva Sousa, de 32 anos. Ele era motorista do ônibus, e revezava a direção com Francisco José do Espírito Santo, que está no HUT. Já Flaviana, estava no Maranhão a passeio. A família acredita que ela embarcou neste ônibus e a falta de contato reforça a suspeitas de que a mulher tenha falecido nesta tragédia.

O médico legista Antônio Nunes, diretor do IML, pediu que os familiares levem para o instituto, documentos que ajudem na identificação. São radiografias, exames de arcada dentária, ou outros exames que possam ajudar o trabalho de sete peritos que irão trabalhar no reconhecimento dos corpos.

Ainda não há previsão de quando os corpos serão liberados. Pelo estado como ficaram os corpos, a realização de exames de DNA poderá ser necessária.

SETE MORTES CONFIRMADAS
A Polícia Rodoviária Federal e a perícia já localizaram, entre os destroços, os corpos de sete vítimas do acidente desta manhã de segunda-feira (15/12) entre um ônibus da Transbrasiliana e um caminhão, na BR-316, trecho a 3km do município de Monsenhor Gil. Ainda não há confirmação de quantas pessoas estavam dentro do ônibus no momento do acidente, mas a última informação repassada à PRF era de que 8 passageiros e mais 2 motoristas saíram no ônibus da Rodoviária de Floriano, rumo a Teresina.

Somente por volta de 14h30, a perícia chegou ao local. No momento, os peritos reviram os destroços para tentar identificar a quantidade exata de corpos no local da explosão.

Até agora, dos mortos, tem-se apenas a identidade do motorista do caminhão tanque, Cheivan Vieira de Sousa, de 33 anos, que morava em Cristino Castro. Ele trabalhava há dois anos com transporte de combustível, à serviço do tio, que é dono de um posto de combustível. Ele seguia de Teresina para a cidade no Sul do Estado. Separado e sem filhos, ele morava com o pai e a irmã. Leia mais

GAROTINHA E PRIMO DE MOTORISTA ESCAPAM
Dentre as histórias que envolvem a tragédia que deixou sete mortos na BR-316, chamam atenção a da menina Vitória e de Silvio da Silva. A garotinha de 5 anos escapou por muito pouco da tragédia, já Silvio, primo do motorista do caminhão tanque, se salvou graças a problemas na emissão da habilitação. Vitória estava na companhia do pai. A garotinha, levada para o Hospital de Urgência de Teresina, está internada na ala de queimados. Ela foi salva com a ajuda de um motorista, que passou no local instantes depois do acidente. Leia mais